Mídia só expôs e dramatizou as entranhas do monstro Supremo

Por Obelix
 
O STF: Uma corte de exceção como regra
 
Amigos,
 
ninguém mais duvida da influência da mídia nos trejeitos, caras e bocas dos juízes do STF durante o julgamento da ação 470, e o quanto foi conveniente o calendário dos atos ali encenados.
 
Mas o mais grave não é esta promiscuidade entre judiciário e a pressão de determinados setores com mais capacidade de volcalizarem suas demandas.
 
Alguém já disse lá embaixo, e em outro post (sobre o livro de Luis Flávio Gomes) algo que também vai nesta direção, isto é: que sempre houve um espaço reservado no senso comum para movimentos de manada (seja da mídia, setores dela, parte da sociedade, ou sua maior parcela) tragicamente correnspondidos por legisladores, e também por juízes.
 
Não raro, mandatários executivos também tendem a reagir a eventos que alimentam a comoção popular.
 
Esta é a nossa sociedade do espetáculo.
 

 
No entanto, no caso do STF, e do Poder Judiciário, eu venho há dias repetindo a mesma cantiga:
 
Não se trata de um episódio isolado, ou seja, “um ponto fora da curva”(como dizem alguns), onde o STF e o Poder Judiciário deixaram de ser comportar, excepcionalmente, como uma vanguarda progressista e destinada a significar nossos melhores modos civilizatórios, ao contrário: nosso Poder Judiciário e sua corte mais alta são os esteios permanentes da estrutura conservadora de poder, dos privilégios da elite, do reacionarismo que imobiliza mudanças.
 
Esta é a natureza do Judiciário e do STF. Sempre foi assim, e sempre será, se nada fizermos, e tanto fez ou fará quem escolhermos para sentar naquelas cadeiras, pois a movimentação do escolhido se faz para ser aceito entre os seus pares, e não para corresponder às expectativas de quem o indicou. Esta é a conformação deste poder tão atípico dentre outros de caráter democrático e eleito: o Poder Judiciário.
 
Por ser formatado desta maneira, quase como um “poder moderador”, ora instrumentalizado pelas elites, ora agindo em nome destas, temos uma corte que sempre tratou os políticos antissistema como párias, e os integrantes das classes mais pobres com absoluta indiferença, enquanto sempre reservou aos mais ricos e seus prepostos todos os direitos e celeridade possíveis, como imaginar que eles se portariam com decoro e senso de justiça com políticos do PT e de sua base?
 
Favor não confundir senso de justiça e decoro com celebração a impunidade. O que se esperava aos acusados não eram “facilidades”, mas apenas o que lhes era devido: um julgamento justo, que deveria começar com o ataque nos juízes a denúncia oferecida pelo MPF, um monte de asneiras, que em nenhuma outra situação, em nenhuma outra corte ao redor do planeta (talvez na Coreia do Norte, como sempre invocam os olavetes e jabouristas) seriam tratadas como peças acusatórias sérias.
 
Como diz o ditado: o que começa mal, nunca termina bem.
 
Digo e repito:
 
Foi o STF que manteve a absurda lei de anistia.
 
Foi o STF, MP, e o Judiciário que ajudaram os neoliberais a criminalizar cada movimento social deste país, desde sindicatos dos petroleiros, MST, professores, SEM TETO, etc, enquanto de outro lado, silenciaram para cada lance da privataria.
 
Foi o STF que soltou Daniel Dantas em tempo recorde e aniquilou a Operação Satiagraha.
 
Foi o STF que liberou o médico estuprador.
 
Foi o STF que liberou Cacciola, que só foi preso lá fora por um golpe de sorte.
 
Foi o STF, o MP e o Judiciário que se calaram durante 25 anos de tortura e arbítrio.
 
É esta estrutrura que permite que 65% dos presos sejam pretos e a quase totalidade de todos eles (pretos e brancos) sejam pobres.
 
Então, caros amigos e amigas, vamos combinar que o STF na ação 470 seguiu, rigorosamente, o roteiro imposto por sua natureza, é claro, com toda a perfumaria midiática, mas ainda assim, um STF autoritário, covarde, conservador, excludente e tendencioso, como sempre.
 
Uma boa maneira para refletirmos e mudarmos aquilo que nos incomoda é começarmos a chamar as coisas pelos nome que elas têm.
 
E o STF é isto. A mídia só dramatizou e ampliou as entranhas do monstro. Mas ele sempre esteve lá.

28 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cristiana Castro

- 2013-12-30 00:17:15

"  Os que aceitam a nomeação

"  Os que aceitam a nomeação não o fazem pela remuneração."  É verdade mesmo. 

Tenente Aldo Raine

- 2013-12-30 00:06:09

Caro Obelix,sou simples e

Caro Obelix,sou simples e verdadeiro na defesa das minhas opções.Não costumo passar vaselina em palavras.A minha opção como você já deve ter percebido,conquista do poder,seu exercício e sua manutenção.As favas com coisas que denomino de "cheio de dedos".Quanto essa história de "interdição do debate",e conversa da meninada do MPL,não tenho mais idade nem saco para isso.Nao venha me dizer que as escolhas dos Ministros Teori e Barroso se deu nos mesmos critérios que as anteriores,mudanças houveram,por conta de cobranças,óbvio.Quanto aos escalpos,afora as gracinhas,você ainda não me convenceu que e capaz de me entregar um.Como adepto radical da "realpolitik",da minha parte,o debate está interditado,meu caro e nobre Obelix.

 

Obelix

- 2013-12-29 22:08:03

Prezado Lieutenant, Reconheço

Prezado Lieutenant,

Reconheço nossas diferenças, e respeito cada opção sua.

Ainda que lamente o fato de que a adesão a uma "realpolitik pura", ou como gostam os bossanovistas, "de raiz", implique em interditar o debate teórico sobre a ação que se impõe.

Não acredito nesta dicotomia entre pragmatismo e "filosofismo"(como você denominou), que só revela, a bem da verdade, a falsidade dos dois conceitos.

Para mim não há hierarquia entre a ação e o pensar. O problema é pensar na hora de agir, e agir na hora de pensar.

Com todo respeito, admiro sua dedicação a Lula e Dilma, mas...e daí?

O que sua cobrança, ou sua percepção sobre as escolhas da presidenta e do ex-presidente vai alterar os fatos, ou melhor, a interpretação que cada um de nós, (inclusive eles dois) têm sobre estes fatos (e as escolhas)?

Não tenhas dúvidas, que se preciso for, arranco quantos escalpos forem necessários, só não faria isto por  imposição estética ou necessidade de auto-afirmação.

Um cordial abraço.

 

PS: Em tempo, eu só me dirigi ao Senhor lá embaixo para responder a seus comentários, que senão me engano, citavam o que eu disse, mas se isto incomoda o seu (ou a sua?) realpolitik, não está mais aqui quem falou, ok?

Tenente Aldo Raine

- 2013-12-29 21:20:04

Meu caro e nobre Obelix,como

Meu caro e nobre Obelix,como você se dirigiu a mim,tomo a liberdade de respondê-lo.Estamos em campos totalmente opostos,não sem antes reconhecer o direito de respeitar o seu.Nao sou dado a filosofismo,com respeito faça o favor.Sou adepto incondicional da "realpolitik",na concepção e forma de Otto Von Bismarck.Na política brasileira,no meu entender,a busca do poder e do seu exercício quando conquistado,não há outro campo,insisto,a não ser da aplicação da "realpolitik",interna e externa,principalmente.Se você ainda não percebeu,chamo sua atenção para o fato,Lula/Dilma a praticam vinte e quatro por dia.Não queria envolvê-lo,mas Nassif sabe disso.Dai,minha insistência quanto aos erros gravíssimos nas escolhas de Ministros para a Suprema Corte.Sou um Lulista de quatro costados,como se diz por aí,por isso me acho no direito de cobra-lo de forma dura.Meu romantismo guevariano ainda permanece,mas em se tratando de política brasileira em estado bruto,como a coloco,prevalece o realismo e não há como ser de outra forma,ilusões a parte,infelizmente.Por fim,tenho a informa-lo,quando da formação do meu pelotão não haverá lugar para você,porque dificilmente me daria um escalpo,meu caro e nobre Obelix.

alirio

- 2013-12-29 20:38:15

Poder Judiciário

Cristiana,

Quanto a excrecência da nomeação direta, no caso do STF, veja só um detalhe: é preciso saber escolher, mas também é preciso saber, de antemão, quem aceite. 

Fala-se muito do salário exorbitante de um Ministro, mas são muitos que consideram aquilo uma gorjeta a ser distribuída aos estagiários do escritório. Os que aceitam a nomeação não o fazem pela remuneração. Por que será?

Toda estrutura do Judiciário tem que ser revista. Veja os tribunais inferiores, São muitos os ocupantes de cargos que foram nomeados exclusivamente por critérios políticos, sem nunca terem prestado ou aprovados em algum concurso da Magistratura.

Com tudo isso, não desconsidero suas críticas, no sentido de que é preciso uma reforma política do Poder Judiciário.

alirio

- 2013-12-29 18:49:16

Acho que o Nassif deveria

Acho que o Nassif deveria abrir um debate sobre o Judiciário. Um Brasilianas só, é pouco.

São muitas questões e sugestões que os comentaristas propõem cada vez que surge o assunto. Não é preciso entrar no mérito de cada uma delas para perceber sua complexidade.

A avaliação da origem desse Poder e sua evolução em nossa Sociedade.

Outras mais contemporâneas, sobretudo a legislação que deve ser mudada, decorrente da Constituição de 88.

É muita coisa a ser debatida, como se fosse um estudo tardio que viesse suprir a necessidade de conhecimento, até hoje pouco difundido.

maria meneses

- 2013-12-29 18:47:05

stf.

Finalmente li um artigo que que dá  (e pede que se dê) nome aos bois.Gostei muito do artigo e também dos comentários. Teremos um ano no  qual não poderemos dorrmir no ponto. O que se viu e estamos vendo é muito sério.A direita quer,  por que quer , ganhar as eleições e nós não podemos deixar que ela volte ao planalto.  A democracia  está (ou sempre esteve)  frági e temos de fortalecê-la. Atuando mais no dia a dia. Conversando com os amigos etc,etc..Temos de fazer frente à mídial .Ler, divulgar artigos como esse que elucidam. Obelix, obrigada e p0arabéns pelo aretigo. Um bom ano  a todos os que lutam por um Brasil justo e soberano.

Obelix

- 2013-12-29 17:25:16

Caro e prezado bastardo

Caro e prezado bastardo inglório, Lieutenant Aldo Reine,

Não há dúvidas que o PT e os movimentos progressistas de esquerda sempre tiveram dificuldades de lidar com o aparato jurídico-policial, desde que se tornaram fenômenos políticos relevantes, com um corte de inflexão mais grave na Constituição de 1988.

Eu não saberia te dizer se parte da dificuldade veio do economicismo marxiano levado à ferro de fogo em setores mais intelectuais do PT (e aliados históricos), que os impediu de enxergar o estrago que aconteceria com o abandono de uma abordagem estruturalista mais vigorosa e que desse conta dos paradoxos, dilemas e trilemas trazidos, à todo momento, pela questão normativa do Estado (poder judiciário com eixo central), ou se foram os simbolismos trazido pela parte "progressista" da Igreja, expressas nas eclesiais de bases e pastorais, que nos trouxe também outro paradoxo de cunho moral: embora lutássemos por justiça, pouco questionamos as leis para além daquelas que manifestavam princípios de igualdade, mas com pouca ou nenhuma eficácia no campo da construção de direitos.

De tão raros, os parlamentares petistas que detinham a inclinação legislativa sempre ocuparam lugar de destaque, tanto por sua capacidade, mas ainda por sua escassez.

Mas eu diria que a vocação para privilegiar o poder executivo não é só petista, e durante anos, vários presidentes tiveram que "adaptar" seus projetos aos caprichos daqueles que souberam semear bases parlamentares robustas. É o caso do PMDB, e quem sabe agora, do PSD, todos fincados na centro-direita do espectro ideológico.

Esta breve intervenção é para situar o debate:

O PT, desde que se tornou uma alternativa séria de governo, e passou a disputá-lo, desde os mais remotos rincões até o Planalto, nunca construiu um campo político orgânico dentro das esferas do MPE ou MPF, e no Judiciário (estadual ou federal).

É verdade que desde que deixou de ser a UDN de macacão (como dizia o velho Brizola), a relação com estes setores piorou, mas o fato é que ela nunca foi algo mais que instrumental.

Não que eu reivindique a relação promíscua entre um promotor e um partido como aconteceu em SP, com o De Grandis e o PSDB, nada disso.

Porém, é fato que o PT deixou de formular condições para um ampla e rigorosa discussão que enfrentasse a judicialização e criminalização da política, e agora enfrenta o pior dos mundos: é alvo dos Torquemadas do MP e do Judiciário, e da ala demotucana destas instituições.

O PT permitiu e ampliou a armadilha (com a melhor das intenções, ou como alguém disse, vítima de seu republicanismo) que está consagrada nas escolhas dos chefes do MP e do Judiciário, armadilha esta tão bem engendrada que impede que qualquer debate sobre mudança nos critérios ou no funcionamento destes poderes seja recebida com serenidade, mas sempre com histeria, ameaças, etc.

Todas as soluções nesta seara judiciária vieram sob forma do acaso, da carona, do improviso. Mesmo os advogados identificados com a luta contra a tortura ou pelos direitos humanos, foram alçados a condição de suprema confiabilidade sem que suas histórias autorizassem tanta credulidade.

O caso mais famoso é do Greenhalgh, só para citar o mais famoso.

Veja a dificuldade que teremos de citar dez nomes petistas para o cargo da Ministro da Justiça.

Eu nem vou me alongar para falar de segurança e polícia, que o tema não é este, mas veja que o PT e seus aliados da esquerda, muito justamente (pela memória da ditadura), sempre enxergaram tais questões como ameaça, e inconscientemente deixaram o discurso da gestão pública da segurança nas mãos do que há de pior do reacionarismo brasileiro.

Toda vez que tenta aproximação, o PT e aliados estragam qualquer chance de estabelecer uma interlocução confiável, por pretenderem-se acima do bem e do mal, portadores de toda a verdade, reduzindo problemas e conceitos a chavões de sociologia e/ou antropologia ruim, afastando mais e mais os integrantes deste setor.

Não compreendem que não há polícia humana em uma sociedade desumana como a nossa, mas permanecem criminalizando e isolando apenas a ponta do processo.

Caro Lieutenant, a verdade é que escolhas, dentro deste arranjo que está aí, nunca serão escolhas de verdade.

Lembre-se: Lewandowski votou com a maioria dos seus pares nas condenações.

 

Cristiana Castro

- 2013-12-29 16:45:05

Tá em campanha escancarada,

Tá em campanha escancarada, né Quincas? Tem que ser sobre mãe mesmo; pq mãe todo mundo tem, já mulher.... aí a coisa complica... Vão entrevistar a Marineusa ( ou sei lá qual é nome! )? Tem que entrevistar a MÃE do filho, né não? Não é sobre MÃES, o programa? 

Ali Kamel, o programa vai se chamar o Filho da Mãe?

Inacreditável!!! Agora, danou-se, tem que pegar a mãe, esposa, filha, irmã, tia... do Ministro Lewandowski, colocar uma roupa vermelha e vir pra rede, antes do programa deles. Kd o Eduardo Guimarães? Quem foi que encarou o barraco no mercado, foi a esposa? Desce pra rede...

Cristiana Castro

- 2013-12-29 16:29:18

Obelix, desenhou o poder

Obelix, desenhou o poder judiciário para a blogosfera; é bom guardarmos o post... vai demorar para aparecer outro nos mesmos moldes. Com relação as indicações para Ministro, a coisa complica mesmo pq a universidades, até o governo Lula eram redutos da elite e, no caso do direito, a turma da cozinha que conseguisse romper a barreira ingressando numa universidade pública ou pagando uma particular, ainda teria que enfrentar a OAB que seleciona os eleitos e os concursos públicos; ambos com aqueles problemas, de sempre. Ou seja, qdo alguém vai indicar um ministro do STF já vai pinçá-lo na elite da elite da elite... qto mais elite, mais regalias e títulos de nobreza pq daí as panelas nas universidades que distribuem bolsas no exterior e cada vez mais o cara vai se cacifando as custas da sociedade para trabalhar contra ela.  Essa conversa de que JB era um menino pobre e blá blá blá, foi a coisa mais tosca que eu já vi. Imagina um sujeito sair de Paracatu com 16 anos e acordar em BSB, no Itamaraty, tocando piano e violino; falando inglês e francês; em plena ditadura militar????? Faltou uma peça, né???? Tem que ter um link aí... Por outro lado, vejamos Ellen Gracie... saiu de onde? De que tribunal? 

A AP 470, serviu pra muita coisa pq, muito embora, o núcleo político tenha ficado em evidência, havia mais 30 e tantos réus, sem prerrogativa de foro, sentindo no lombo todo o peso das chibatadas que excitam nossos magistrados. A Geiza e a Simone Vasconcellos, tratadas como marginais pela Corte, eram empregadas como qq um de nós aqui. Geiza, se livrou, não sem antes ser esculachada em plenário e Simone Vasconcello está PRESA ( agora foi transferida da Papuda para MG ). O que entenderam os ministros do STF? Ah, como assim? Então a secretária que ganha 1.500,00 pratas não disse para o presidente: que que é isso, presidente? Tá pensando que eu sou quadrilheira? Eu não vou fazer isso, não; peça a sua mãe!!!  Os caras que estão decidindo a vida dos outros, nunca trabalharam na vida, nunca tiveram um patrão, não tem a menor noção de como se desenvolvem as relações de emprego ( e temos juízes trabalhistas na Corte ); alucinados a ponto de mandar para cadeia uma secretária que não encarou o patrão!

Entendo e cedo aos os apelos por paciência até março no FB mas, mesmo que JB saia em março ( não sei que conta é essa; na minhas ele sai em novembro, a menos que queira candidatar-se ou aposente-se ), Lewandowski assumirá a presidência de uma Corte Golpista e, a menos que seja um JB, as avessas, o que eu não acho provável ( ele é um magistrado ) vai viver um inferno. Colocaram JB ali, só para dar o golpe, é isso? E, agora a gente faz o que? O JB mete o pé, o Lewandowski assume e a gente tá ferrado pq tb não vai poder ir pra cima do STF que estará sendo presidido por quem não tem nada a ver com o barulho mas os outros golpistas, ainda estão ali dentro.... Eu não sei como é que vai ficar isso, não. O que não vai acontecer é o pessoal preso e eles desfilando toga, depois de terem zuado o país inteiro. Ah mas ninguém notou, todo mundo fechou com o STF, a culpa é do Lula que indicou.... A culpa é de cada um. Ninguém é responsável pelo mau caratismos dos outros. Se eu chegar aqui no blog e postar uma denuncia infundada, só pq o comentário entra direto, a culpa é do Nassif que liberou ou é minha pq sou canalha mesmo?

Jorge Fernandes

- 2013-12-29 15:59:54

Mais uma

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/125344/Globo-far%C3%A1-s%C3%A9rie-sobre-a-m%C3%A3e-de-Joaquim-Barbosa.htm

GLOBO FARÁ SÉRIE SOBRE A MÃE DE JOAQUIM BARBOSA

:

 

Depois da capa da revista Veja com a foto do ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF, ainda criança, com a chamada "O menino pobre que mudou o Brasil" e da extensa cobertura da mídia sobre o julgamento da Ação Penal 470, com transmissão em tempo real das sessões pelos sites e pela Globo News, a TV Globo prepara agora uma série para o Fantástico, seu principal produto aos domingos, para contar a história da mãe de Joaquim Barbosa; relações de ministro com Globo são muito boas; ele até emplacou o filho como produtor do programa de Luciano Huck; mais uma parte do projeto político-eleitoral de Barbosa em curso?

 

29 DE DEZEMBRO DE 2013 ÀS 13:54

 

247 - A Globo prepara uma série sobre mães, para exibir no próximo ano, no Fantástico. Uma das histórias que a emissora quer contar é a da mãe do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, que ganhou ampla notoriedade desde o julgamento da Ação Penal 470, o "mensalão". Já existem negociações com a mãe do ministro.

As relações de Barbosa com a Globo são muito amistosas. Além da cobertura extensa sobre o julgamento da AP 470, com exibição em tempo real pela Globo News, o ministro conseguiu emplacar o filho na produção do programa "Caldeirão do Huck", de Luciano Huck (leia mais aqui). 

Projeto da Globo com a mãe de Joaquim Barbosa é levado adiante num momento em que se especula muito sobre a possibilidade de Barbosa disputar eleições em 2014, podendo ser, inclusive, candidato a presidente da República. O presidente do PSB, no Rio, deputado federal Romário, já fez um convite público a Barbosa. Programa da Globo sobre a mãe do ministro pode ser um mecanismo eficiente para dar a ele mais popularidade. E deve ter o mesmo tom emotivo e triunfalista já usado pela revista Veja, que colocou em sua capa uma foto de Barbosa ainda criança, com a chamada "O menino pobre que mudou o Brasil". 

A série, intitulada "Mães coragem", está sendo preparada pela apresentadora Cissa Guimarães com a diretora Patrícia Guimarães. A informação é da jornalista Patrícia Kogut, do jornal "O Globo". Ao que parece, projeto político-eleitoral do ministro envolve toda a emissora - desde o jornalismo até as equipes de entretenimento.

 

 

 

 

Durvalino

- 2013-12-29 15:32:09

Caro Obelix ......" Como diz

Caro Obelix ......" Como diz o ditado: o que começa mal, nunca termina bem."

pense um pouco: qual o traço comum nessas entidades ...    o comprometimento assumido leva as pessoas a agirem como mandam as ordens superiores recebidas.

Durvalino

- 2013-12-29 15:23:50

...... E COMPLEMENTANDO:  TER

...... E COMPLEMENTANDO:  TER IDADE SUPERIOR A 60 ANOS.

Tenente Aldo Raine

- 2013-12-29 15:06:09

Caro Luis,encerrando por hoje

Caro Luis,encerrando por hoje esse assunto,com todo respeito,cada comentário postado aqui,reforça minha tese do primarismo do Governo( Lula/Dilma ) nas escolhas desses Ministros para o STF.Se tínhamos o tal mensalão pela frente,as escolhas teriam que serem feitas com lupa.Por Deus,não estou a colocar que obedecesse o critério do"dedaco",nada disso.Os mesmos das escolhas de Teori Zavaschi e Luis Roberto Barroso que,pelos menos disse "o julgamento do mensalão foi um ponto fora da curva".Acordamos um pouco tarde e nos pegaram no contra-pé.Um governo não pode cometer um erro dessa magnitude.O resto e silêncio,meu caro e nobre Luis Nassif.

Tenente Aldo Raine

- 2013-12-29 14:42:41

Cara Adma,não encampo sua

Cara Adma,não encampo sua tese,por gentileza,leia o comentário que fiz em resposta a Assis.

RACS

- 2013-12-29 14:36:11

Vantuil, me descupe a

Vantuil, me descupe a discordância, mas creio que o povo não sabe de nada, ou quase nada. Na verdade, o povo não tá nem um pingo preocupado com o STF. Se fizeremos uma pesquisa, mesmo depois de toda a midiatização da ap 470, 99% do povo não saberia dizer os nomes dos ministros da corte. Aqui na rede há uma confusão tremenda entre o que de fato interressa ao povo e o que a velha mídia quer que o povo acredite. Somos mais de duzentos milhões de habitantes, nossos jornalões e revistas mal atingem um milhão de leitores. A maior parte dos debates da rede ocorre invariavelmente por quem está atento às bobagens que a mídia publica. Cabe, porém, uma observação que julgo importante,  a televisão, captaneada pela globo, ainda é uma presença malígna em nossa sociedade, pois não há contraponto, não existe nesse meio o contraditório. Então, as mentiras que são marteladas diariamente nas redes de tv, para muitos, se tornam verdades absolutas.

Adma Andrade Viegas

- 2013-12-29 14:11:38

Mas esse é o ponto, Aldo.

Mas esse é o ponto, Aldo. Quem quer que  o governo indicasse, dificilmente teria uma atuação progressista depois que assumisse o cargo,  justamente pelos vícios do poder judiciário no Brasil, tão bem descritos no artigo.

Os ministros indicados por Collor de Mello(MAM) e FHC( GM e CM), têm tido uma atuação melhor do que os indicados por Lula e Dilma?

Tina

- 2013-12-29 14:06:55

Show!

Parabéns, Obelix!

Nada como os fatos para estabelecer a verdade. 

Luiz Antonio Antunes Machado

- 2013-12-29 14:06:21

Longo prazo

Estamos começando a perceber que , a longo prazo, tanto a velha mídia cartelizada quanto o próprio órgão máximo do judiciário prestaram um desserviço ao país. A espetacularização de um julgamento onde a mídia tinha interesses na condenação, por envolver inimigos políticos, e o frenesi de alguns membros do stf, que se deslumbraram com os holofotes, ´é um viés muito imediatista, que exige alimentação constante, e portanto cobra dos envolvidos mais e mais espetáculos. Na medida em que se blinda aqueles que são "amigos", "bola nossa", reside o perigo de se repetir os mesmos malabarismos para esconder a "parte ruim", e isso tem seu preço na perda de credibilidade. Um sistema judiciário que se mostra cada vez mais parcial, e uma imprensa tradicional que mostra apenas um lado da questão, fechando a possibilidade de um debate, é um equívoco lamentável, que nada contribui para a democracia.

sergio g

- 2013-12-29 14:01:27

Raio X do Judiciário.

Diante dos acontecimentos do ano que finda, creio que vale a pena debruçar-se sobre o Judiciário brasileiro.

Algumas questões poderiam estar na pauta:

- Pq o Judiciário é tão conservador e elitista?

- Pq os juízes são tão condencendentes com empresários e políticos de certos partidos?

- Pq são draconianos contra de outros partidos? (vale "aos amigos tudo e aos inimigos a lei", e pq alguns são amigos     enqto outros não?)

- Pq há verdadeiras dinastias no Judiciário?

- Políticos "ajudam" na nomeação de juízes e os carregam como reféns?

- Pq juízes são na maioria tão vaidosos? (a toga exerce um poder sobrenatural sobre a magistratura)

Há muitas outras questões que podem ser observadas pois o Judiciário sempre foi intocável, misterioso e temido.

Tenente Aldo Raine

- 2013-12-29 13:46:51

Caro Assis,não quero

Caro Assis,não quero polemizar ,mas me permito fazer algumas observações.Concordo que se procure mudar,alterar  a natureza das escolhas,para se evitar efeito manada,da mídia ,da sociedade,seja lá de quem for.Mas há um porém Assis.E aquillo que o nosso saudoso Dr.Ulisses chamava se sua excelência "os fatos".E o fato e que as escolhas,hoje,agora,nesse momento,se dão dessa forma Assis.Para reforçar meus argumentos,o que me diz das indicações do Ministro Lewandoski(antes,tudo bem) ,do Ministro  Teori,assim ou assado do próprio Ministro Barroso.Quer dizer,depois da porrada o Governo acordou.Estou falando no aqui,agora meu caro Assis.Se mudanças de critérios para as indicações teem que haver e por certo haverá,o que me parece ser sua tese,e uma outra história.Juarez Soares filosofava "uma coisa e uma coisa,outra coisa e outra coisa",meu caro e nobre Assis.

Lionel Rupaud

- 2013-12-29 13:06:45

Obelix você é do c..

Asterix deve ser bem orgulhoso de você!

Que bom que tenha caído criança no balde de poção mágica, assim você não precisa perder tempo lendo a porcaria de nossa mídia que passa seu tempo lambendo as botas de César$$$$$$$

Assis Ribeiro

- 2013-12-29 12:49:24

Tenente. Sugiro que releia o artigo e observar atentamente...

"sempre houve um espaço reservado no senso comum para movimentos de manada (seja da mídia, setores dela, parte da sociedade, ou sua maior parcela) tragicamente correnspondidos por legisladores, e também por juízes. (...) mandatários executivos também tendem a reagir a eventos que alimentam a comoção popular. Esta é a nossa sociedade do espetáculo." (...)

"Esta é a natureza do Judiciário e do STF. Sempre foi assim, e sempre será, se nada fizermos, e tanto fez ou fará quem escolhermos para sentar naquelas cadeiras, pois a movimentação do escolhido se faz para ser aceito entre os seus pares, e não para corresponder às expectativas de quem o indicou.

"Por ser formatado desta maneira, quase como um "poder moderador", ora instrumentalizado pelas elites, ora agindo em nome destas, temos uma corte que sempre tratou os políticos antissistema como párias, e os integrantes das classes mais pobres com absoluta indiferença,"

Tenente Aldo Raine

- 2013-12-29 12:44:01

Sr.Obelix,para dizer que eu

Sr.Obelix,para dizer que eu não falei de flores ressalto a indicação,pelo menos até agora,do bom Ministro Teori Zavaschi.Qunato ao Minisro Barroso me parece ser um "quiabo ensaboado".E da turma do disse que não disse que disse,meu caro Obelix.

Tenente Aldo Raine

- 2013-12-29 12:02:41

Sr.Obelix,seria interessante

Sr.Obelix,seria interessante que dedicasse um pouco de atenção para a forma atabalhoada que se deram as nomeações,por parte do governo,para Ministros do STF.Alias fiz um comentário sobre isso aqui.Quem indicou o medíocre e mal intencionado Ayres de Brito,o doente Barbosa,as dúbias Carmen Lúcia e Rosa Weber,o ridículo Luiz Fux,o caipira Cezar Peluso,o inexpressivo Dias Toffollli.Veja em que cartilha rezam Gilmar Mendes,Marco Aurélio,o próprio Celso de Melo,que e um juiz sério,mas na dividida já viu né.Não devemos,acho eu,insistir no samba de uma nota só,mídia,mídia,mídia.Pergunte-se,quem os colocou lá,de que forma se deram as escolham,o preço imensurável que estamos pagando por elas.O Governo tem muita responsabilidade por o que estamos passando e sofrendo,meu caro Obelix.

Assis Ribeiro

- 2013-12-29 11:51:20

Obelix

Perfeito, sintético e profundo.

O Brasil continua dominado por uma elite retrógrada e separatista.

Aprofundaram o que um dia foi estampado:

"Aos amigos os favores, aos inimigos a lei."

Ampliando a interpretação delas ou mesmo cirando -as para o gosto da ocasião.

Joel Miranda

- 2013-12-29 11:32:46

STF

Nassif, é hora de determinar o prazo dos juizes: 8 anos, indicados pelo Execurivo, aprovado pelo Congresso!

Vantuil Barbosa Filho

- 2013-12-29 11:17:13

a liberdade, bendita sejas tu...

e o povo, agora começa a entender, identificar e julgar de acordo com seus princípios morais. A atitude do governo Lula de dar liberdade aos poderes constituídos, custe o que custar e a criação de demais orgãos de fiscalização, causou muitos estragos e barulhos e até mesmo desconfiança,o governo e  o PT souberam segurar a situação, e agora, as víceras começam a aparecer, vai ter muita gritaria, mas agora, o povo ta de olho e sabe o que está acontecendo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador