Tenho que ficar vivo e lutar, diz Othon ao ser solto da Lava Jato

 
Jornal GGN – Após quase dois anos detido em um processo penoso da Operação Lava Jato, o ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, agora solto, trouxe traumas de seu isolamento em uma cela, em duras condições. Para ele, os culpados de sua detenção foram os “interesses internacionais”.
 
Othon foi condenado em primeira instância a uma das maiores penas da Lava Jato: 43 anos de prisão por supostamente ter cometido cinco crimes – corrupção passiva, lavagem de dinheiro, embaraço às investigações, evasão de divisas e participação em organização criminosa.
 
Considerado o pai do programa nuclear no Brasil e um dos mais importantes cientistas nucleares no país, teve que aprender a comer com as mãos e chegou a tentar suicidio quando lutava, sem mais esperanças, aos 77 anos, por sua liberdade. Com a idade, os 43 anos de prisão seriam equivalentes a pena perpétua.
 
A primeira prisão de Othon, de 77 anos, foi decretada pelo juiz Marcelo da Costa Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal de Brasília, ainda em julho de 2015. Então investigado, o cientista conseguiu passar ao regime aberto em dezembro daquele ano, sendo novamente preso em julho de 2016.
 
A suspeita alegada pela Justiça do Distrito Federal era que o pai do programa nuclear brasileiro ainda mantinha influência na Eletronuclear, onde desvios e irregularidades em contratos foram detectados, a exemplo do que ocorreu com a Petrobras.
 
A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) sustentava que o almirante recebeu  R$ 4,5 milhões por meio de propina, que seria 1% dos contratos firmados entre a Eletronuclear e as empreiteiras Andrade Gutierrez e Engevix, para a construção da Usina Nuclear Angra 3, no complexo nuclear de Angra dos Reis.
 
Mas para Othon, a sustentação que partiu do Ministério Público tinha outra origem. Certificando-se de sua inocência, acredita com “forte sentimento” que sua prisão teve as mãos dos “interesses internacionais”. 
 
Em entrevista à Monica Bergamo, na Folha, afirmou as suas motivações para acreditar nos interesses externos: “Tudo o que eu fiz [de avanços na área nuclear] desagradou. Qual o maior noticiário que tem hoje? A Coreia do Norte e suas atividades nucleares. A parte nuclear gera rejeição na comunidade internacional. E o Brasil ser potência nuclear desagrada. Disso eu não tenho a menor dúvida”, disse.
 
Mostrou também que, apesar da idade e dos traumas que levou da cadeia, seu conhecimento na área permanece vivo: “[Se necessário, o Brasil produziria uma boma buclar] em uns quatro meses. Com a tecnologia de enriquecimento que nós usamos, podemos fazer a bomba com o plutônio, como a de Nagasaki, ou com o urânio, que foi a de Hiroshima. Temos os dois porque quem tem urânio enriquecido pode ter o plutônio também.”
 
Mas defende o não uso da arma: “O artefato nuclear é arma de destruição de massa e inibidora de concentração de força. Mas, no nosso caso, se tivéssemos a bomba, desbalancearíamos a América Latina, suscitando apreensões. E a última coisa que a gente precisa na América Latina é de um embate.”
 
Contrariando um dos eixos das acusações que recaiu sobre ele, de que o almirante teria contribuido para a desvalorização da Eletronuclar, lembrou que antes de assumir a presidência, a empresa era chamada de “vaga-lume”. 
 
“Em poucos anos, passou a figurar entre as centrais de melhor desempenho do mundo. As ações se valorizaram. Como então eu contribuí para desvalorizar as ações? Nada disso foi levado em conta no meu julgamento. O meu passado serviu como agravante. Eu peguei cinco anos de cadeia a mais porque, se eu tinha aquele passado, eu tinha que ter um comportamento [exemplar]. É a primeira vez que antecedente virou agravante. Vida pregressa ilibada virou agravante.”
 
Neste momento da entrevista à jornalista, as emoções de Othon Luiz tomam conta: “Tá lá, escrito [na sentença]. É só ler. Eu li. Me deu uma revolta tão grande…”, chorando ao se lembrar.
 
Nas polêmicas de sua condenação e de sua filha, contou ainda que ficou sabendo de sua pena pela televisão. E também para a sua filha. Logo viu que o suicidio não alertaria para nenhum abuso do processo contra ele, e tudo seria esquecido.
 
“Pensei ‘os caras ficaram loucos’. E mais 14 anos para a minha filha [Ana Cristina]. E ela não fez nada. Tive um desespero… não é desespero. É revolta. Uma profunda revolta. Eu queria chamar a atenção. E pensei ‘vou fazer um ato de revolta’. Eu reuni os cadarços do calção e com eles eu ia me enforcar. Pela câmara, a oficial viu e [impediu]. Mais 15 minutos ela não pegava mais. Na hora eu fiquei pau da vida. Mas depois eu vi que era bobagem. Me enterravam e em três dias tudo acabava. Vou bancar o japonês, confissão de culpa? Não. Hoje penso que tenho que ficar vivo e lutar.”
 

14 comentários

  1. Parece evidente que a

    Parece evidente que a onipresença dos falcões do norte tem responsabilidade nestas incursões,assim como a recente incursão com os aliados da Arábia Saudita.

    Se fizessem com os EUA o que eles fazem com o mundo,descobriríamos que além de ser o país mais corrupto do mundo,também é o mais golpista.

    Descobriríamos não,eles se auto-descobririam.

  2. Maior vítima dos lavajateiros.

    Alm. Othon nosso emblema de nacionalismo e de competência profissional, por isto sacrificado pelos lavajateiros ávidos por fama, dinheiro e interesses espúrios. Gente sem valor ferrando o que temos de melhor.

     

  3. Moro e os Dallagnóis são,

    Moro e os Dallagnóis são, além de canalhas, moleques.

    Othon fez pelo Brasil o que esses oulhas jamais sonharão fazer.

    Aliás, quem nunca fez nada pelo Brasil já fez mais que esses moleques da “República de Curitiba”.

    • moro….

      Comandante Othon e Base de Alcantâra por Samuel Pinheiro Guimarães,  no mesmod dia, na mesma página mostra o quanto mesmo tendo extrema capacidade nacional podemos nos colocar numa posição tão medíocre. O Brasil se explica.  

  4. Os crimes dos fascista entreguistas

    Almirante Othon é um brasileiro digno e que está sendo agredido pelos traidores do Brasil.

    Cada golpe contra o Almirante Othon é na verdade um golpe contra a soberania do Brasil.

    Esse é um verdadeiro militar brasileiro e não um entreguista como o general Mourão.

    Se ele fosse corrupto, teria vendido seu conhecimento aos EUA por milhões de dólares !!!

  5. Bravo, Almirante!

    Acho que entre muitos casos da Lava Jato o do Almirante Othon é o mais chocante, assim como José Dirceu também faz parte dos grandes perseguidos e injustiçados. Esses alucinados da Lava Jato condenaram um cientista porque o departamento de justiça americano disse que deveriam condena-lo por praticas de corrupção. Hahaha. Os bestas fizeram o que mandam seus herois do norte. Lute Almirante Othon porque o senhor é reconhecidamente um grande cientista e um grande brasileiro.

  6. Desanimador, as forças armadas sempre de joelhos para os ianques

    O judicário em troca de apto em Miami, de joelhos para os ianques, o eleitor vota em Tiriricas, Bolsonaros, e agora vai ter a disposição o Luciano Hulck pra votar…..DESANIMADOR…..

    E aquele procurador, baixinho da Xuxa, Dallagnol, diz que estudou em Harvard, ai pega o dinheiro que tem e compra dois aptos do “minha casa minha vida” para investir????? UM CARA QUE DIZ TER ESTUDADO EM HARVARD??? 

    Me digam não é pra desanimar???

    Procuradores e juízes da geração de “baixinhos da XUXA” não só destruindo a economia, mas o desenvolvimento cientifico, a soberania nacional, e soa aplausos daqueles que dão votos pra Tiriricas, Bolsonaros, que tristeza!!!!

  7. Vão, esses ciosos do MP e do

    Vão, esses ciosos do MP e do Judiciário, tomar alguma medida drástica contra os lesa-pátrias atuais, como presidente da Petrobrás, o ministro das Minas e Enegias? Para não falar em Jucá, Angorá,  Padrilha e o golpista-mor.

    Uma vergonha absoluta! Só cerceiam os nacionalistas.

    • E na Trafigura não vai nada

      E na Trafigura não vai nada não? Procurem se informar sobre esta companhia e outras denuncias muitíssimo piores que não vieram ao caso.

  8. Faltou perguntar

    Monica Bergamo esqueceu, ou não publicaram, a pergunta sobre quantas vezes os EUA fez propostas ou ameaças ao Almirante. Certamente ele teria muito a dizer. Pois foi exatamente por nunca ter cedido informações que o prenderam, com a alegação de que recebia por consultoria realizada. Acusam de corrupto um nacionalista que não se vendeu.

    • Para mim essa foi a exata

      Para mim essa foi a exata causa da detenção. Queriam as informações de onde o Alm. comprou certos ítens das centrífugas.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome