The Intercept está protegido e tem apenas uma arma: o jornalismo, por Mário Messagi Jr

Grupos corruptos do sistema judiciário e mídia tradicional do país tentarão ir para cima de Glenn Greenwald, mas todos têm poucas chances de vencer portal; entenda o por quê

O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil Imagem: Brendan Smialowski/ AFP

Por Mário Messagi Júnior

Depois das primeiras matérias de domingo, 9 de junho, do The Intercept, sobre os subterrâneos da Lava Jato, as cenas dos próximos capítulos são bem previsíveis. Vamos considerar primeiro os seguintes fatores:

1) Confundir o The Intercept com um site que disputa narrativa, que tenta construir uma versão à esquerda do mundo é um erro tremendo (que, provavelmente, a direita vai cometer). Glenn Greenwald não é apenas o companheiro de David Miranda (deputado federal pelo PSOL). É um jornalista premiado que ganhou projeção com a série de matérias denunciando o mega esquema de vigilância da NSA (agência de segurança nacional dos EUA), com base em documentos do mais famoso whistleblower da história, Edward Snowden (Greenwald conta toda história no seu livro “Sem lugar para se esconder”). Tem conhecimento, compromisso e recursos para fazer jornalismo em alto nível. E já encarou o poderoso governo americano. Quem desconsiderar a força jornalística do Intercept erra feio.

2) O site tem posição, é evidente, mas vai defender sua posição fazendo jornalismo. Jornais podem ter posição política e isso não tem nada de errado. Errado é fazer como um parte considerável da imprensa nativa e pisotear o jornalismo para fazer valer sua visão de mundo ou seus interesses. O Intercept vai ganhar esta briga usando o jornalismo como arma, apenas jornalismo.

3) Num mundo tecnológico, o Intercept já anunciou que tomou todas as cautelas para proteger a fonte do vazamento (sigilo de fonte) e as informações. Os dados devem estar em servidores criptografados diferentes, em países diferentes. Uma vez vazados, é impossível torná-los, de novo, restritos.

4) Vários atores vão entrar na disputa de narrativa: as milícias digitais de Bolsonaro, sites posicionados à direita e à esquerda (Antagonista e Brasil247, por exemplo), Ministério Público, colunistas, blogueiros e Youtubers. Os grandões da mídia mídia comercial provavelmente vão se dividir: alguns entrarão na disputa de narrativa; outros vão fazer jornalismo.

Diante deste quadro, algumas questões:

Leia também:  Juíza autoriza prisão preventiva de Carmen Ferreira e Tribunal confirma sua inocência, por Cesar Locatelli

1) É possível parar o Intercept? Não. Porque a internet é incontrolável. Os dados já estão protegidos e qualquer ação que, no limite, derrube o Intercept (digital, legal ou política) vai fazer os arquivos mudarem de mãos apenas. Ainda que a mídia nativa possa querer ignorar, o ecossistema jornalístico é muito variado e, hoje, está internacionalizado. Aposto que UOL, Poder360, El Pais, BBC e muitos outros querem botar as mãos nestes arquivos.

2) Se não vai parar, como o Intercept provavelmente vai agir? As primeiras matérias ontem foram apenas o aperitivo. O site jamais sairia com o material mais quente. Vai soltar aos poucos o conteúdo, por alguns motivos: a) o material é muito vasto e exige tratamento, trabalho. Muito deve estar analisado e organizado, mas provavelmente não tudo; b) soltar aos poucos é uma estratégia comercial também, que deve projetar o Intercept como o principal veículo de jornalismo independente no Brasil (para mim, já é, mas vai ficar mais evidente agora). O site vai crescer, vai começar a arrecadar mais e terá mais leitores; c) controlar a divulgação também serve para ir desmontando as versões que os implicados vão tentar potencializar. Em suma, o Intercept vai ditar o ritmo e a agenda pública nos próximos meses.

3) Como vão se comportar os outros atores jornalísticos? Estas são minhas apostas: SBT e Record vão ser linha de defesa da Lava Jato; Globo e Estadão vão oscilar; UOL vai cair moendo, repercutindo e tentando levar parte dos louros jornalísticos também. O divisor de águas será a narrativa sobre o vazamento. Se algum dos grandes embarcar na narrativa de que o vazamento foi criminoso (e acho que alguns vão embarcar) é sinal de que não têm nenhum compromisso mais com o jornalismo. O sigilo de fonte é um dos instrumentos mais poderosos do jornalismo investigativo no mundo, está na base de Watergate, por exemplo. É tão importante que está previsto em praticamente todos os códigos de ética jornalísticos do mundo e é lei em diversos países, incluindo o Brasil, onde é princípio constitucional. Defender isso é o básico em jornalismo. Alguns vão tentar minimizar, jogar o debate para outros pontos, mas atacar o vazamento em si ou endossar tentativas de que o Intercept revele a fonte é desprezar o jornalismo por completo.

Leia também:  Lewandowski indica que Fux e Weber não tiveram "disposição" para combater fake news nas eleições

4) Como irão agir Moro, Deltan e MPF-PR? O Telegram continua funcionando. Vão tentar jogar o sistema judiciário para cima do Intercept e tentar convencer a população de que o vazamento em si é mais importante que o conteúdo vazado. Vão tratar “hacker” como sinônimo de “bandido”. Podem conseguir algum sucesso na bolha bolsonarista e entre apoiadores da Lava Jato, mas não têm como antecipar o que vem pela frente. Vão ter que reagir movimento a movimento. Quando negarem algo, o Intercept vai mostrar a prova em contrário. E vão se indispor com a comunidade hacker.

5) Como o resto do sistema judiciário vai reagir? Mesmo sendo bem monolítico, o judiciário não é um bloco só. Alguns vão se alinhar a Moro e Cia, mas outros, inclusive alguns bem poderosos, vão querer o couro do ex-juiz e da galera de Curitiba.

6) E o sistema político? Bolsonaro precisa proteger Moro, porque ele está na base da sua eleição, toda armação o fez o principal beneficiário. Mas é imprevisível, instável, nada lógico. Mesmo assim, aposto que vai até as últimas consequências para defender a Lava Jato, mesmo querendo se livrar de Moro, que se tornará um peso para o seu governo. O PSL e alguns lavajatistas vão tentar atacar o Intercept. Primeiro, vão tentar qualificar o site como esquerdopata. Não vai repercutir além da bolha. Depois, podem até retomar a discussão sobre veículos estrangeiros no Brasil (apenas brasileiros natos ou naturalizados há 10 anos podem ser donos de meios de comunicação no Brasil), seja com projeto de lei, seja com ações na justiça. As ações políticas tendem a fracassar ou a produzir efeitos tarde demais. O PSL não consegue, sozinho, articular nada no Congresso, é de uma incompetência política abissal. Já no judiciário pode conseguir liminares rapidamente, o que vai expor ainda mais o caráter partidário e censório do Judiciário. Já o resto do Congresso deve estar pensando, neste momento, em como dar o troco, pesado, na Lava Jato.

Leia também:  Intercept 1 – a Lava Jato coordenava as milícias digitais

Em suma, se nesta disputa o The Intercept conseguir jogar o canhão de luz que tem nos subterrâneos da Lava Jato, ainda estamos numa democracia. Se mesmo com tantas boas cartas nas mãos, for abatido em pleno vôo, é sinal de que cruzamos o cabo da boa esperança e já vivemos, efetivamente, num regime de exceção, num regime que não é mais o império da lei, que não é mais o estado de direito.

Um país onde o jornalismo está severamente manietado.

Mário Messagi Júnior

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

29 comentários

  1. O lavajatismo seletivo, no caso do ex-presidente Lula, produziu cenas para saciar a sede da imprensa golpista de vários modos: invadindo seu asilo inviolável e até revirando colchões, subtraindo dispositivos até das crianças, sequestrando pedalinhos e F1000 antiga e tanto mais. Teve acesso e ajuda internacional diversas para levantar informações, softwares e planilhas de tesoureiros e contadores e CRIMINOSAMENTE CONTRA O PAÍS, SELECIONA APENAS 30% DO MATERIAL para fazer sua falsa campanha e PROTEGER CORRUPTOS E LADRÕES. Só por isto merecem punição.

    13
    1
  2. Como é bom ler textos como esse; inteligência, neutralidade e seriedade sem viés ideológico. Uma leitura dos acontecimentos com cautela e responsabilidade.

    15
    1
  3. Trecho de entrevista do jornalista Glen Greenwald ao site A Pública, faz supor que eles receberam os materiais faz muitas semanas e afasta a fala dos implicados de que foram hackeados faz alguns dias:

    “Nós ficamos MUITAS SEMANAS planejando como proteger a nós e a nossa fonte contra os riscos físicos, riscos legais, riscos políticos, riscos que vão tentar sujar a nossa reputação. Nós estamos prontos. Mas não existe nenhuma vida sem riscos. Não se pode eliminar riscos, pode-se tomar medidas para minimizar.”

    https://apublica.org/2019/06/glenn-greenwald-a-globo-e-a-forca-tarefa-da-lava-jato-sao-parceiras/

    15
    1
  4. O articulista não considerou o viés violento de parte da direita brasileira,com sua “cordialidade”.Apesar de terem expertise em driblar com segurança seus perseguidores(ver o filme sobre Snowden),correm risco de vida esses garotos responsáveis pelo Intercept. Com certeza já tem uma matilha babando de ódio em seu encalço.

    12
    1
  5. Em minha opinião tudo isso tem a ver com 2022. Tudo a ver com poder e dinheiro como vc mesmo escreveu.

    1
    1
  6. Só gostaria de saber o real motivo pelo qual The Intercept demitiu os jornalistas responsáveis pelo caso Snowden sob a alegação de falta de recursos…é sabido que ao seu financiador, Pierre Omidyar, dono tb do Ebay, recursos não faltam. Fato é que apenas 2% do material do caso Snowden em poder de The Intercept foi revelado. Será que agora será diferente? E mais, lembremos q Greenwald, já estando de posse do material da vaza a jato, entrevistou o presidente Lula e reagiu à sua afirmação de que os EUA estariam envolvidos na farsa a jato, o que convenhamos é evidente; colocou em dúvida a parcialidade da operação alegando que não só o PT foi vitima da mesma aduzindo Cunha, Gedel e cia. Lula está há 13 meses injustamente enjaulado e Greenwald vai continuar sentado em cima das provas que podem libertá-lo? The Intercept pode esperar para controlar o ritmo do país, mas Lula não!

    10
    3
    • Só tinha um jeito de evitar isso, abrir para todos examinarem as conversas, e que se dane a privacidade deles, cada um pince das conversas o que achar relevante, mas isso não vai acontecer e pela demora e cautela excessiva, só uma parte vai ser revelada…….a que interessa para eles…….
      Lembra dos dados de um paraiso fiscal com um jornalista brasileiro? Onde estão? Quanto foi revelado? Absolutamente nada…..

    • Ingrid, eu acho que as conversas publicadas pelo Intercept já são suficientes para reparar as injustiças contra o Lula e botar o Moro na cadeia.

  7. Liberar o material aos poucos, além de ser uma estratégia para manter o assunto em alta, também é resultado do trabalho que está sendo feito para associar as conversas com a escala cronológica dos eventos. Pela seriedade do The Intercept, o cuidado está em separar o que realmente é de interesse público do que se restringe apenas a conversas privadas sem assunto direto com a Farsa a Jato (salvo um ou outro diálogo que reforce a ligação íntima entre o Marreco e o resto da malta do MP de Curitiba).

    Também há o fato do material bruto conter muita coisa descartável em que não é possível concluir nada a respeito.

    De resto, pela preocupação da Globo em abafar e desqualificar o escândalo, eu creio fortemente que ela está envolvida até as entranhas nesse monturo de lama. Eu quero mais é que apareça mais coisas a respeito.

    8
    1
  8. Esqueceu em sua análise de dizer como vai reagir o exército. Não há dúvidas que muitos chefes militares estão por trás do golpe e que podem ter sido hackeados também. Não irão alegar infração à lei de segurança nacional?

  9. O pobrema não é a captação das mensagens trocadas e sua divulgação, mas o conteúdo das mensagens em si.

    “O problema não era a captação do diálogo e a divulgação do diálogo, mas o conteúdo do diálogo em si”. – $érgio Moro, referindo-se às escutas ilegais das conversas do Lula e da Dilma

  10. O mais importante é que as revelações futuras não tem volta. Serão expostas de uma forma ou de outra. E se o jornalismo do Intercept for calado que tal as questões pessoais (vixi) virem a tona também! Vamos todas as partes jogar no ventilador pra ver. A propósito eu achei o ministro Barroso tremendamente desgastado na entrevista que deu para o JN de ontem…me deixou curioso porque.

  11. Eu nao entendo , ainda que seja por dinheiro, uma atividade que busca apenas e tão somente a destruição do futuro da humanidade .parece que os nossos descendentes nao importam. Só importa o dinheiro de agora .isso sim é o capitalismo selvagem, e nao ir comprar uma calça jeans pelo cartão de crédito. Talvez um futuro onde seus netos vivam em um gulag ,justifique sua ideologia pobre deste momento .lamentável, minha vida toda foi destruída por políticos. Eu físico aqui pensando se algum dia encontrar mos um alienígena qual seria o conceito que ele teria de política, será que ele vota pra vereador ?

  12. Acreditar em jornalismo independente deste blog é ingenuidade. As conversas vazadas são de 2014 e foram vazadas nas vésperas do julgamento da soltura de Lula. Então qual o cenário?? Enfraquecer publicamente a lava-jato para motivar a decisão do STF. Mais material?? Até podem ter, mas não se trata de uma “bomba mais poderosa”. Não bastasse isso, o texto se mostra tendencioso quando confunde “sigilo da.fonte” com proteção a criminosos.

    • Gosto é gosto, repetia a velhinha uruguaia tomando chimarrão frio num prato raso e canudo plástico.
      Terceirizar os ticos e tecos para o globo é gosto…..

    • Acho que você não leu todas as conversas, Paulo, há citações às vésperas das eleições de 2018 entre Dallagnol e Moro.

  13. Ok entendí,agora toda a mídia independente progressista vai ficar refém do Intercept?Só existirá isso?O q está por trás disso?É ruim o Intercept ser o principal veículo progressista já neste momento,NÃO ME ADMIRA TODOS NO MEIO ESQUERDISTA/PROGRESSISTA TEREM DEIXADO O GOLPE SER DADO E AVANÇADO EM CIMA DO POVÃO!!
    Obs: Comentário rebelde e sem noção(pra muitos mas não todos!)

  14. O megafone da extrema-direita, Diogo Mainardi, já está esperneando e “passando recibo”.
    Pode-se concluir que Diogo Mainardi tem certeza de que suas relações espúrias com a LavaJato serão comprovadas (já existiam evidências, mas faltavam provas).

  15. Porque ninguem fala do Snowden? Ele mora na Russia. Bolsonaro andando de mão dada com o Trump o tempo todo. Batendo continência e tudo. O Putim pode ter um dedo nisso. Bolsonaro enchendo o saco na fronteira com a venezuela com duas pick-up de arroz. #AdeuMoro e em seguida cai o resto.

  16. Eu acho que realmente tem muito mais por trás dessas mensagens, precisa ver de quem veio, de hackers com certeza não veio. Isso veio ou dos EUA ou de alguém de dentro da lava jato…

  17. Deveria existir uma linha entre fonte segura e fonte criminosa, que é o caso. Como as leis às vezes beneficiam criminosos (fonte ilícita de dinheiro que paga por advogados, por exemplo, se torna lícita), esse é mais um caso do “é legal mas é imoral”!
    No mais, como sou profundamente contra a corrupção, prefiro olhar o episódio como Maquiavel descrevia, afinal de contas, não se encontrou dólar na cueca, malas de dinheiro nem nada forjado nas conversas. E olha, se encontrarem, não tenho escrúpulos em mudar de opinião!

  18. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome