Esperança e desesperança num lamento de despedida, por Sebastião Nunes

Num país desgraçado como o nosso, só o humor salva, então segue a distopia com meus amigos falecidos e o Jair Messias tentando, sem sucesso, escapar do pântano de merda em que se meteu.

Esperança e desesperança num lamento de despedida

por Sebastião Nunes

– Não existem seis milhões de mortos – disse Luís Gonzaga Vieira, o filósofo existencialista. – Existem seis milhões de indivíduos que morrem sua morte particular, única, irrepetível, intransferível. A diferença parece sutil para quem está vivo e gosta de estatística, mas uma diferença monstruosa separa a morte de cada indivíduo das mortes estatísticas. Todos os pensadores humanistas basearam seu desencanto e seus temores na dor desse indivíduo particular e único, ou multiplicado em chacinas e genocídios.

Fez-se um silêncio aterrorizador. O sopro da morte soprou um vento gelado na nuca dos imortais-mortais-imortais, que sentiram as veias gelarem e os cabelos eriçarem de pavor.

Jair Messias continuava imerso no pântano de merda, agitando em desespero braços e pernas, tentando implorar ajuda, mas nem ao menos podia abrir a boca.

– Mesmo Bolsonaro é um exemplar humano único – continuou Vieira. – Ainda que seja desprezível e que participe da escória humana, a despeito de sua absoluta falta de empatia, não deixa e não deixará, até a sua morte, quando se desintegrará no nada absoluto, de ser um indivíduo dotado de consciência, a despeito de sua maldade inata.

Janis Joplin entoou um lamento modulado, o mais triste lamento que já se ouviu.

Otávio Ramos se adiantou lentamente e, extraindo de um bolso inexistente uma folha de papel, começou a ler, como se cantasse uma elegia.

E o que leu, como se cantasse, foi o seguinte.

JOÃO

“Perdi meu filho, em janeiro de 2001, depois de uma longa (ou curta?) agonia de quatro meses.”

“Morreu devido a dezenas de tumores cancerígenos que se espalharam pelo seu cérebro, conforme indicou o exame de ressonância magnética e a opinião médica especializada. Mas nunca conheceremos a real natureza do mal, porque enquanto ele esteve lúcido – e esteve lúcido ate quatro horas antes de expirar – recusou-se terminantemente a submeter-se a uma biópsia ou a qualquer outro tipo de exame que ocasionasse a invasão de seu crânio por instrumentos cirúrgicos. Recusou-se, também, a se internar em qualquer hospital.”

“Respeitamos sua vontade até o fim.”

“Os primeiros sintomas da doença se mostraram um ano e meio antes da morte. Corajosamente, talvez adivinhando o fim iminente, ele se mandou, sumiu, para, quem sabe, fazer como os elefantes velhos, que se isolam da manada para morrer sós.”

“Depois de meses sem notícias, fomos descobri-lo na Costa Rica, aquele pequeno país centro- americano situado entre o Panamá e a Nicarágua, numa localidade de nome Pacha Mama.”

“Finalmente, conseguimos convencê-lo a voltar a Belo Horizonte e, a partir daí, começou sua decadência física irreversível.”

“Primeiramente, perdeu a visão dos dois olhos. Depois, a capacidade de se locomover. Às vezes, tinha alucinações.”

“Morreu aos 26 anos, magro, exaurido, mais esquelético do que a imagem de judeus sobreviventes em campos de concentração nazistas.”

“Pode-se dizer que seu enterro foi uma cerimônia bonita.”

“O vazio causado por sua falta jamais será preenchido e, enquanto o tempo não se encarregar de dissipar o fantasma de meu filho nas brumas da memória, a lembrança de sua vida soará no coração ora como tortura, ora como salvação.”

“Embora eu saiba que a dor é, intrinsecamente, uma experiência pessoal e subjetiva, por uma questão de sobrevivência psicológica e emocional, posso, mesmo que em vão, tentar, de público, transcender a morte pela literatura.”

“Tentar tornar ‘suave meu tormento; doce, minha amargura; agradáveis minhas penas; aprazível, a minha tristeza’.”

Otávio se calou, voltando a guardar o papel no bolso inexistente.

O SILÊNCIO DOS ESPAÇOS INFINITOS

Os imortais-mortais-imortais ficaram em silêncio. Também em silêncio, Sancho Pança abriu seus alforjes, oferecendo doses de sonho e maravilha e deslumbramento a todos os amigos, exceto, é claro, a Jair Messias, que não era amigo de ninguém, e continuava a se debater, cada vez mais desesperado, no pântano de urina e merda.

Nota explicativa:

Otávio Ramos, um escritor tão importante quanto desconhecido, nasceu em 25 de maio de 1949 e morreu sozinho e de causas desconhecidas em sua casa, na noite de 23 de setembro de 2005, aos 56 anos, apenas quatro depois da morte de João.

O texto desta carta me foi enviado num e-mail por Jaime Prado Gouvêa, diretor do Suplemento Literário de Minas Gerais, explicando que o recebera de nosso amigo comum Régis Gonçalves. Desconheço a fonte original.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome