Planeta deve enfrentar calor inédito nos próximos anos, diz ONU

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

Levantamento também constatou que, no período, a previsão é de queda do regime de chuvas na Amazônia

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) alertou em novo levantamento, publicado nesta quarta-feira (17), que o planeta deve registrar altas temperaturas inéditas nos próximos cinco anos, como consequência do aquecimento global e do fenômeno El Niño.

De acordo com os dados da entidade ligada às Nações Unidas (ONU), há 66% de probabilidade de que a temperatura média anual próxima à superfície terrestre seja superior a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais entre 2023 e 2027. 

Além disso, “há 98% de probabilidades de que ao menos um dos próximos cinco anos, e o quinquênio em seu conjunto, seja o mais quente já registrado“, anunciou a organização. 

O ano mais quente já registrado foi 2016, quando se produziu um fenômeno El Niño muito intenso, mas as previsões da OMM indicam que é muito provável que esse nível seja ultrapassado antes mesmo de 2027.

Isto não significa que vamos superar de forma permanente o nível de 1,5 ºC previsto pelo Acordo de Paris, que se refere ao aquecimento a longo prazo. Mesmo assim, a OMM alerta sobre o risco de superarmos esse nível de forma transitória e de forma cada vez mais frequente”, afirmou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.

Segundo o especialista, esse aumento das temperaturas a curto prazo “terá repercussões na saúde das pessoas, na segurança alimentar, na gestão das águas e no meio ambiente”. 

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn”      

QUEDA DE CHUVAS NA AMAZÔNIA

O levantamento também constatou que, no período, a previsão é de queda do regime de chuvas na Amazônia, o que deve impactar a agricultura brasileira. 

Os padrões de precipitação previstos para 2023 em relação à média de 1991-2020 sugerem uma maior chance de redução de chuvas em partes da Indonésia, da Amazônia e da América Central“, disse o informe.

Além disso, o Sul do Brasil também deve ser afetado. “Entre 2018 e 2022, partes da Ásia, sudeste da América do Norte, nordeste da América do Sul e o Sahel africano foram mais úmidos do que a média, e o sul da África, Austrália, sul da América do Sul, oeste da Europa e partes da América do Norte foram mais secos do que a média“, afirmou. 

Com informações do Uol e Estadão.

Leia também:

Ana Gabriela Sales

Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador