Salles diz que cargo não é seu e que permanecerá enquanto Bolsonaro quiser

O ministro não respondeu sobre as acusações e sobre a pressão por parte dos investidores, diante das políticas contra o meio ambiente

Foto: Marcos Corrêa/PR

Jornal GGN – Alvo de diversas críticas por parte de empresários e investidores internacionais pelas políticas do meio ambiente, com o aumento do desmatamento na Amazônia, o ministro Ricardo Salles isentou-se da responsabilidade e disse que enquanto Bolsonaro “entender” que ele está fazendo “um bom trabalho”, permancerá no comando do Ministério.

O ministro do Meio Ambiente do governo Bolsonaro vem sendo pressionado em diversas frentes, desde investidores internacionais que expressaram o receio de manter os negócios no Brasil, com a instabilidade gerada, entre outros fatores pela imagem do país com o aumento do desmatamento, até por investigações, entre elas a procuradores da República do Distrito Federal que pediram o afastamento de Salles, na semana passada.

Leia mais: MPF lista crimes em ação civil: Salles deve ser afastado imediatamente

Mas o ministro não respondeu sobre as acusações e sobre a pressão por parte dos investidores. Alegando que o posto de ministro não era seu, “o cargo é do Presidente da República”, resumiu-se a se defender atendendo aos interesses de Jair Bolsonaro.

“No momento em que o presidente entender que é necessário substituir a mim, ele fará isso com a maior tranquilidade. Enquanto ele entender que eu posso fazer um bom trabalho, eu permaneço no cargo”, disse, em entrevista à GloboNews.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Exoneração de coordenadores do Ibama impulsiona desmate no PA

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome