Salles gasta menos de 1% de recursos livres do Ministério do Meio Ambiente

Enquanto alega falta de verbas, dados do Observatório do Clima apontam atuação intencional do governo Bolsonaro para paralisar agenda ambiental

Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente. Foto: Carolina Antunes/PR

Jornal GGN – O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, segue cobrando a comunidade internacional por recursos para a preservação do meio ambiente, mas fez uso de apenas 0,4% da verba destinada à sua pasta entre janeiro e agosto deste ano.

Dentre os R$ 26,6 milhões em gastos autorizados pelo governo, apenas R$ 105 mil foram efetivamente executados por Salles até o final de agosto. Os recursos são destinados a ações finalísticas, como aquelas relacionadas à criação e implantação de programas para proteção e preservação do meio ambiente.

A revelação foi divulgada em nota elaborada pelo Observatório do Clima, que considerou apenas os recursos do Ministério do Meio Ambiente que deveriam ter sido usados na adoção de programas ou políticas públicas, segundo o jornal O Globo.

Um exemplo de como essa verba está parada pode ser visto na ação orçamentária “21A8”, destinada à formulação e à implantação de estratégias para promoção da proteção, conservação e uso sustentável da biodiversidade do país. Embora Salles tenha sido autorizado a gastar R$ 1,38 milhão, o total gasto até 31 de agosto foi de R$ 50,2 mil, ou 3,6% do total.

Já ação orçamentária “20G4”, voltada ao desenvolvimento e produção de estudos relacionados à mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Salles não gastou nenhum centavo dos R$ 6,2 milhões autorizados. O mesmo ocorreu com a ação “20N1”, que prevê recursos para projetos de desenvolvimento sustentável e conservação do meio ambiente: dos R$ 3 milhões liberados, Salles também não gastou nada.

Leia também:  Presidente do Ibama derrubou licença para exportação, após se reunir com madeireiros

 

 

Leia Também
Fumaça de queimadas se aproxima do Sul e Sudeste
‘Passando a boiada’: Brasil caminha em direção a um colapso ambiental?
Chacina contra indígenas chiquitanos no Brasil e Bolívia completa um mês sem respostas
Mais da metade das coordenadorias regionais da Funai já estão sob comando de militares

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Estão colocando fogo na floresta. Depois, claro, eles vão ocupar o terreno da floresta? Vão tomar posse da floresta? e vão ser os donos? Com aprovação das FA e das PMs!!!??? E quando o MST toma posse de terras improdutivas e sem documentação? Aí não pode? A conta não fecha!!!!

  2. Em alguma “carta ao mundo”, global, deve constar que atos deliberados que contribuam para a degradação do meio ambiente podem ser qualificados como terrorismo ambiental…………………..
    engraçado é que no Brasil de Bolsonaro foram encarregados justamente da segurança ambiental

    deve ser por isso que o Brasil deixou de fazer parte do mundo civilizado, porque ninguém acredita em mais nada que venha desse governo

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome