Técnicos da Embrapa condenam projeto de Flávio Bolsonaro que extingue reservas florestais em áreas rurais

De autoria dos senadores Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e Márcio Bittar (MDB-AC), a proposta (PL 2362/19) elimina todo o capítulo do Código Florestal que trata da reserva legal.

Para técnicos da Embrapa, projeto de Flávio ameaça futuro do agronegócio Marcos Oliveira /Agência Senado

do Congresso em Foco

Técnicos da Embrapa condenam projeto de Flávio Bolsonaro que extingue reservas florestais em áreas rurais

por Rafael Neves

Assinada por 116 pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), uma nota técnica ataca um projeto de lei em tramitação no Senado que propõe acabar com a exigência de reserva legal, área de mata nativa que os proprietários rurais devem preservar em percentual que varia conforme a região.

De autoria dos senadores Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) e Márcio Bittar (MDB-AC), a proposta (PL 2362/19) elimina todo o capítulo do Código Florestal que trata da reserva legal.  Um estudo publicado em abril aponta que a medida permitiria o desmatamento de 167 milhões de hectares. A área, superior a todo o território do estado do Amazonas, equivale a cerca de 30% de toda a vegetação nativa atual do Brasil, ou 60% de toda a mata localizada em propriedades privadas.

Protocolado no dia 16 de abril, o projeto está na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), primeira etapa de tramitação. O relator da proposta, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), ainda não apresentou seu parecer.

O texto já vinha sendo alvo de várias organizações ambientalistas, mas ainda não havia manifestação por parte de técnicos da Embrapa, que é vinculada ao Ministério da Agricultura. O Congresso em Foco procurou a instituição para comentar a nota dos pesquisadores, mas até o momento não há posição oficial sobre o assunto.

Segundo o documento, “não cabe apoiar projetos” que proponham a extinção da reserva legal, instrumento que os pesquisadores consideram essencial para garantir o futuro do agronegócio devido aos “serviços ecossistêmicos como polinização, manutenção de inimigos naturais de pragas agrícolas e balanço hídrico” oferecidos pelas reservas de mata nativa dentro das propriedades. Os técnicos fundamentam sete razões para se opor ao projeto dos senadores. Veja a nota na íntegra.

“O momento atual é de buscar melhorias e soluções para o aumento da produtividade e da produção agropecuária em áreas já abertas, ou em áreas degradadas nos diferentes biomas brasileiros, em harmonia com a conservação dos recursos naturais”, afirma um trecho da carta.

Leia também:  “Os brasileiros mataram meu papai?”

Contraponto

O projeto destaca dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR), do ministério do Meio Ambiente, apontam que dois terços (66,3%) do território brasileiro são matas nativas, e que o país ainda terá uma taxa de conservação muito superior à de europeus ou norte-americanos, por exemplo, mesmo que faça a extinção da reserva legal.

Para Flávio Bolsonaro, a legislação atual viola o direito individual. “A intenção é devolver ao proprietário rural o direito à sua terra, que hoje é inviabilizada e improdutiva por entraves ambientais desnecessários”, afirmou o senador, após a apresentação do projeto, em nota ao Congresso em Foco.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Miliciar a terra: daí, não faltará mais nada a ser destruído, pois, temos um desgoverno que tornou deserto o pensar, a pesquisa, a educação, a boa vontade, a tolerância, a amizade, a ética, tudo em nome dos negócios pentecostados dos de sempre: bala e bala. Matar o restante do meio-ambiente, para eles, meros fogos de sunjão.

  2. Algo realmente tem que ser feito em relação a Reserva Legal (RL). Da forma como está realmente não ajuda nem o meio ambiente e nem o produtor rural.

    Veja: pela Lei, a RL da maioria do país tem que ter 20% da propriedade. Se um proprietário possui 30ha ele deve deixar 6ha de RL. Pergunta: qual a importância de 6ha para a flora ou fauna? Nenhuma. Pelo contrário. Vai virar um criatório de formigas saúvas e prejudicar o plantio de todos os propritarios em sua volta e consequentemente gerar mais defensivos agricolas tão prejudiciais ao ser humano e meio ambiente. Essa é a realidade da RL.

    Os ambientalistas deveriam aproveitar o momento para mudar o formato da RL sem paixões políticas. Poderiam mudar a responsabilidade sem mexer na porcentagem. Deveriam obrigar os municípios a criarem parques ambientais exatamente no percentual da RL e de forma contínua, ou seja, não haveria reservas fracionadas. Aí sim a fauna e a flora seriam preservadas.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome