A carta de João Roberto Marinho ao The Guardian

da Revista Fórum

Globo envia carta reclamando de jornal britânico e conteúdo é exposto na caixa de comentários

João Roberto Marinho, um dos donos das Organizações Globo, mandou ao jornal britânico The Guardian uma carta questionando o artigo de David Miranda, que destaca a participação da rede de comunicação brasileira no golpe contra a presidenta Dilma Rousseff

Por Redação

João Roberto Marinho, um dos donos das Organizações Globo, enviou ao jornal britânico The Guardian uma carta questionando o artigo de David Miranda, que aponta para a participação da rede de comunicação brasileira no golpe contra a presidenta Dilma Rousseff. O que não imaginava é que seu texto seria exposto na caixa de comentários reservada aos leitores comuns.

“O Grupo Globo cobriu os protestos sem nunca anunciar ou dar opinião sobre elas em seus canais de notícias antes de acontecerem. Globo tomou posições iguais sobre comícios para a presidente Dilma Rousseff e contra o impeachment”, tentou argumentar Marinho, negando qualquer tomada de posição da empresa em relação às tentativas de derrubada da presidenta Dilma Rousseff..

O artigo de Miranda, intitulado “A razão real por que os inimigos de Dilma Rousseff querem seu impeachment”, lembra que “a maioria dos grandes grupos de mídia atuais – que aparentam ser respeitáveis para quem é de fora – apoiaram o golpe militar de 1964 que trouxe duas décadas de uma ditadura de direita e enriqueceu ainda mais as oligarquias do país”.

“Esse evento histórico chave ainda joga uma sombra sobre a identidade e política do país. Essas corporações – lideradas pelos múltiplos braços midiáticos das Organizações Globo – anunciaram o golpe como um ataque nobre à corrupção de um governo progressista democraticamente eleito. Soa familiar?”, continuou.

 

45 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fábio de Oliveira Ribeiro

- 2016-04-24 11:33:07

I loved it. @guardian put the
I loved it. @guardian put the authoritarianism without borders of @RedeGlobo owner in the right place: comments box. Preciso dizer mais do que um Twitter sobre este assunto?

noctivagovago

- 2016-04-24 10:24:17

Ótima ideia, mas melhor e mais prático seria
Boicotar como consumidor, os anunciantes de cotas da redinha... quebra fácil, facinho. Eles refluindo, e jogam os preços tabelados lá embaixo. O custeio fixo, altíssimo, explode o resto. A Globo, como negócio, é risivel. Os 'meirinhos' querem a segurança e rentabilidade do pré sal...

noctivagovago

- 2016-04-24 10:10:37

De se ver
Posam de antenados, despejam a porcalhada dos seus bbbs e correlatos, onde reprise de boas novelas dá mais audiência que suas ' obras abertas ' ( inventar da roda, da arte sem risco ), são fracassados empresariais notórios e, ao invés de darem os telefonemas para redação do Guardian ( porque assim se vendem, em prestígio, à nós ), a Sra. correspondente é atropelada por Obamis, e o chairman global escreve cartas à redação, e o seu melô da galinha com farofa, de helicóptero, na praia, é caixa dois sem qualquer dono ou responsabilidade ambiental... Colonização cultural nao é isto? Ter dinheiro pra poder pagar a suíte máxima do Waldorf Astoria, e dizer no Brasil, que quando a ocupa, lá fora, alguém nota... mas só quem nota mesmo foi o concierge. E Visa

Jurgen2010

- 2016-04-24 06:59:17

Na veia! E nem adianta entrar
Na veia! E nem adianta entrar na justiça lá. Lá tem juízes que ao contrário daqui. O Irmão Marinho não vai poder pressionar. A imprensa internacional já sabe. A história vai contar assim. Resta aos senadores e o supremo dizer qual o lado que estão. O da democracia ou do lixo da história, o golpe.

Djalmao23

- 2016-04-24 04:42:02

Todo Tabu tem um ponto fraco

Caro José Bispo,

Penso que, no caso da Rede Globo, tem mais mito e tabu que dados reais, práticos. A Rede Globo impõe medo porque pode acabar com uma reputação em alguns minutos de reportagem.

Seu poder econômico também se impõe na Justiça é claro, como dizia Galeano, a Justiça e as serpentes só atingem os descalços. Entretanto, acredito que uma ação popular, impetrada por alguém que não tenha compromissos escusos, orientado por um advogado criativo e destemido, pode-se entender no debate que se instaurará como um órgão de imprensa deve se portar; quais seus limites segundo a lei e quais são os direitos das pessoas quanto a ter notícias de qualidade sem manipulações ideológicas ou mercadológicas (utopia), bem como quais os seus deveres para com o Brasil como nação e a geopolítica. Muitas vezes se observa a Rede Globo indo de encontro a interesses estratégicos do Brasil na área geopolítica e macro economia.

Constata-se, no caso da Rede Globo, que não existirem limites legais para sua atuação. Em nome da Liberdade de Expressão, a Globo pode modificar e influir, como agora, em 54 milhões de votos e anular esses títulos de eleitores. A Rede Globo pauta as ações da oposição ao Governo todo santo dia, conduz o tom e a importância de assuntos de interesse nacional sem consultar o povo e os seus representantes. As instituições seguem a Globo, não o contrário. Enfim, a Rede Globo age como um superórgão supraestatal que dá o tom para aspectos que deveriam ser prerrogativas do Povo e das Instituições democráticas.

Pode parecer exagero o que estou a escrever acima, mas, em casos pontuais e importantes como na atual crise política, a Rede Globo não veiculou os fatos de forma isenta, ela influiu neles, antecipou ou forjou situações que criaram condições objetivas para que acontecimentos fossem modificados (como votos de ministros do STF), algo que não aconteceria se não houvesse essa ingerência midiática e os acontecimentos seguissem seus cursos naturais e orgânicos.

Percebe-se que a Rede Globo age em três frentes: como um poderoso partido político, uma poderosa e onipresente polícia política e de espionagem, bem como um cruel tribunal de exceção que julga sem dar amplo direito a defesa aos seus acu(s)ados.

Tudo isso, real e imaginário,  dá a Rede Globo um poder imenso e desproporcional que prejudica amadurecimento da jovem Democracia Brasileira.

saulogeo

- 2016-04-24 03:36:39

Quarto Poder

Uma Rede que tem o poder de pautar ministro do STF precisa ser combatida e dividida.

Que tal, começar-mos pelas afiliadas locais?

Estou encaminhando um email  para  um grande anunciante local, comunicando que eu, minha família e tantos quantos forem convencidos, deixarão de comprar nesta empresa, pois a mesma patrocina uma empresa, flagrantemente, antidemocrática e golpista. Lembro que, ao invés de pagar muito caro, é necessário focar mais no público da internet e nas novas formas de consumo.

Abaixo o monopólio Globells!!!

altamiro souza

- 2016-04-24 03:33:43

nessa o marinho entrou pelo

nessa o marinho entrou pelo cano...

é desespero dele porque muitos dos ditos coxinhas têm nestes

grandes veículos internacionais suas fontes de informações,

os enfatuados e colonizados de sempre...

pois é com esses que conta, uma vez que as expressivas manifestações

da juventude ultimamente contra o golpe deve ter angustiasdo

ainda mais o pessoal da infame globo....

pois isto significa que serão gerações de inconformados e rebeldes não

só contra o golpismo como, por extensão, contra o império global...

Jose de Almeida Bispo

- 2016-04-24 03:18:25

O Brasil tem que escolher: ou

O Brasil tem que escolher: ou vira uma democracia; ou mantém o Sistema Globo. Os dois não dá. Um Estado oficial não pode conviver com um Estado paralelo. Com um quarto poder - o da mídia - até que pode e deve; mas com um Estado paralelo, jamais.

Jose de Almeida Bispo

- 2016-04-24 03:15:20

Só pra lembrar que quem

Só pra lembrar que quem entrou contra a Veja, que sempre na Vara de Pinheiros... se lascou!

Com a Globo dos irmãos Marinho, muito mais poderosos, achas que será diferente?

 

Luís CPPrudente

- 2016-04-24 02:39:06

Rede Golpe de Televisão

Não tem como a famiglia Marinho esconder, pois está no seu dna a característica do golpsimo. Ela desde sempre foi golpista e entreguista. A famiglia Marinho não convive bem com a Democracia. É necessário tomar medidas para salvaguardar a nossa frágil democracia, por exemplo desmantelar essa organização criminosa chamada famiglia Marinho.

Aldo Cardoso

- 2016-04-24 02:35:58

Relato de uma filha sobre...

Tenho [email protected] morando há anos na Inglaterra. Ontem, em longo telefonema que uma delas me fez, tanto para saber do meu estado geral diante dos últimos acontecimentos, como para me posicionar sobre as repercussões na imprensa de lá, no que ela foi clara ao dizer que, se por um lado são as piores em termos de chacotas e gozações sobre os votos de 17/04, todas as publicações e telejornais são unânimes em condenar o golpe, em amplas reportagens com entradas de correspondentes e comentários do público, principalmente a BBC.

Disse-me também que está sendo distribuído uma cartilha aos que vierem para as Olímpiadas como devem se comportar quando foram abordados por assaltantes: dêem o que tiverem, levantem as mãos e se joguem inertes ao chão. Estão sendo igualmente informados que nossos meliantes estão aprendendo inglês para anunciar os assaltos. Há um crescente temor sobre o ambiente que poderão encontrar no RJ decorrente da violência tradicional da Cidade aliada à falência do Governo Estadual em diversas áreas e possíveis inquietações políticas.

Djalmao23

- 2016-04-24 02:12:57

Concessão Pública

Nassif,

Tem como contestar na Justiça que a Globo não cumpre o Contrato de Concessão do serviço de Radiodifusão e Televisão?

O Contrato é público para que se possa analisar as cláusulas contratuais?

Por que nunca um político pensou nisso?

 

Abraço,

 

Djalma Menezes

edmorc

- 2016-04-24 01:40:59

Para o The Guardian, essa

Para o The Guardian, essa carta do João Roberto tem a mesma importância de uma eventual carta que eu, reles mortal, lhes enviasse. O povo da Globo achou que estava no Brasil.

arkx

- 2016-04-24 01:01:30

“grave momento”

entre 2003 e 2012 o lulismo generosamente doou R$ 10,7 bi para a “mídia golpista”. sob a forma de propaganda federal, o total se refere ao arrego apenas às emissoras de TV. deste total a Globo ficou com R$ 5,8 bilhões.

agora o The Guardian conduz a plutocracia brasileira, mediocremente satisfeita com seu degradante papel subalterno na geopolítica mundial, ao lugar que lhe cabe: a área de comentários, não mais do que a cada um de nós.

enquanto isto, Dilma menciona na ONU de modo “protocolar” o ”grave momento que vive o Brasil”. além disto, desde a farsa dantesca encenada pela insurreição dos hipócritas no teatro de horrores da Câmara, onde estará Lula?

já não mais importa qualquer palavra de Dilma ou Lula, o lulismo já não tem o que dizer. muito menos o que fazer. o lulismo foi o combustível que a plutocracia brasileira utilizou para lentamente cozinhar o país, até chegarmos a este “grave momento”.

agora, chega!

Fabio !

- 2016-04-24 00:39:57

Embaraço aos Marinho

Por quê os jornalistas que têm credibilidade e ainda honram a profissão não assinam uma mensagem conjunta endereçada ao THE GUARDIAN relatando o tudo o que aconteceu nos últimos meses ? As jogadas conjuntas GLOBO - MORO , como a condução coercitiva de LULA , os vazamentos dos diálogos entre LULA e DILMA com o objetivo de impedir a nomeação de LULA para o ministério , a ocultação da lista da Odebrecht que envolve políticos da oposição , o envolvimento da Globo com o escritório Mossack Fonseca , as propinas da FIFA .

O THE GUARDIAN , apesar de ter os mesmos interesses das grandes mídias , passa longe do jornalismo de desinformação praticado pela GLOBO , e poderia ter interesse em abraçar o caso e produzir um grande material jornalistico , criando grande embaraço aos Marinho .

Fabio !

- 2016-04-24 00:25:04

Globo e você , nada a ver

Muita gente já viu. MAs não custa relembrar o histórico e a trajetória da maior força manipuladora da história política do país. Todos torcem para que esse câncer que é a Globo esteja finalmente em seus extertores . 

[video:https://www.youtube.com/watch?v=MtQTejGeL4M align:center]

Joaqüim Silvério dos Reis

- 2016-04-23 23:03:54

Mais um artigo da imprensa

Mais um artigo da imprensa internacional comunista financiada pelos dólares dos irmãos Castro e pela mortadela de Pyong-Yang!

 

https://theintercept.com/2016/04/22/para-entender-a-verdade-no-brasil-veja-quem-esta-sendo-implantado-na-presidencia-e-na-chefia-das-financas/

 

"(….) Como alguém, em pleno domínio da razão, pode acreditar que o sentimento anti-corrupção é o que move os esforços da elite para depor Dilma, quando estão empossando alguém com acusações de corrupção muito mais sérias que as da Presidente?

É uma farsa evidente.

Mas há algo ainda pior.

A terceira pessoa na linha de sucessão presidencial, depois de Temer, foi apontada como um corrupto descarado: o fanático evangélico e presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.. 

(….)

Isso demonstra, por si só, a farsa que está ocorrendo aqui. Como disse meu parceiro, David Miranda, hoje pela manhã em seu editorial no Guardian: “Está claro que a corrupção não é a causa dos esforços para depor a duas vezes eleita presidente; na verdade, a corrupção é um mero pretexto”. Em resposta, as elites da mídia no Brasil vão argumentar (como fez Temer) que, uma vez que Dilma seja impedida, os outros políticos corruptos serão certamente responsabilizados, mas eles sabem que isso não é verdade: e o alarmante apoio de Temer a Cunha deixa isso claro.  (...)"

Pena o bom North não ter uma imprensa realmente isenta, democrática e com a enooorme credibilidade da Rede das Revoluções (1964 – 2016), do Magazine do Boimate ou da Gazeta das Frias, tsk,tsk,tsk…

 

 

Haylton Cardoso dos Santos

- 2016-04-23 22:55:21

Carta da Globo
É brasileiro precisamos pegar firme com essa Globo, na verdade seja de qual partido for o governo eleito nesse país, não terá autonomia nenhuma e a palavra final sempre será da Globo, logo quem governa esse país é essa emissora de TV de jornalismo falsos e tendenciosos.

Jorge Rebolla

- 2016-04-23 22:51:11

A famiglia Marinho é o câncer...

...as Organizações Globo a metástase que espalha esta doença por todo o Brasil.

Luiz Claudio1

- 2016-04-23 22:38:23

É incrível o poder desta rede

É incrível o poder desta rede de televisão que influenciou o comportamento desta geração atual de cidadãos que votam constroem o país.
Este episódio lamentável de cobertura parcial nesta triste página política brasileira que está para se concretizar, caso a presidente seja retirada do cargo.

Analisando superficialmente constatamos a realidade. Como pode o ex-presidente Lula terminar seu dois mandatos com um dos maiores índices de aprovação e popularidade já atingidos por um presidente da república (87% segundo o IBOPE) e, cerca 6 anos após, perder metade desta avaliação, segundo os institutos, sem sequer ter assinado um decreto ou ato administrativo, vez que não mais presidente.
Convenhamos colegas, isto é coisa de profissionais. Desconstrução brutal,  implacável e injusta,  dirigida principalmente pela rede Globo. O estrago nas reputações é construído dia a dia, num meticuloso e planejado esquema de desvirtuação da realidade. A regra é básica: colar a mentira até que ela se torne “verdade”. Mas quem mantém o funcionamento da rede? O capital, claro. E, pra ele, tudo. Até derrubar um governo democraticamente eleito ou, se aliar a ele, se conveniente. Lula e o PT não perceberam isso e despejaram mais de 500 milhões por ano na “platinada”. Financiaram seu próprio calvário. Agora é tarde pra reverter a atual situação política, mas nunca para aprender. Aprender a jogar com e como esses profissionais.

Tudo meticulosamente planejado. Perceberam a sequência do noticiário do Jornal Nacional no dia seguinte da votação do impeachment? O apresentador já menos sisudo,  os repórteres entrevistando o pai e o filho na casa em posições a favor e contra, com justificativas dentro dos “padrões” admitidos, o povo na rua dizendo que é a democracia (óbvio que aquele que apontava o golpe não apareceria), O STF dizendo que não é golpe, o vice com postura de estadista, enfim, a festa da “democracia”. E as falas da presidente? Primeiro a presidente colocando suas posições e depois, passo a passo, a desconstrução: STF, líderes da oposição... Triste Brasil. Até o “Velho Chico”, colocado estrategicamente no momento certo, agradando uma região que certamente poderia se rebelar (mais) contra o golpe. Lembram-se do “Que Rei Sou Eu”?.

Pior ainda é saber que fazem parte de uma concessão.

Mas a imprensa internacional dá a nota.

Leonardo Santos

- 2016-04-23 22:32:14

Mentiras dos Marinhos

Certamente ele não esperava ver suas mentiras publicadas....

Essa gente metida a especial deve ficar uma arara quando é tratada como simples mortal.. como qualquer outro...

Agora é escrever pro jornal inglês e desmentir o desmentido do gopista!

Thal Caló

- 2016-04-23 22:31:49

Esses Marinho são a doença da imprensa brasileira.

Esses Marinho são a doença da imprensa brasileira.

Eo seu produto, ou seja, a Rede Globo é o cancer que destrói o tecido social desta nação. Ou extirpamos a Globo ou os 200 milhões de brasileiros vão ser comandados por esta Famiglia de apátridas.

Celio Mendes

- 2016-04-23 22:25:50

O problema desse "irmão

O problema desse "irmão marinho" é que sua onipotência no Brasil o fez pensar que o resto do mundo é um grande Rio de Janeiro onde ele manda e desmanda, perdeu playboy, tchau querido, no Reino Unido tu és apenas mais um oligarca de uma republica de bananas, ao contrário daqui por lá não se compra respeitabilidade com o vil metal.

peregrino

- 2016-04-23 22:19:17

tá bom...

e ainda bem

peregrino

- 2016-04-23 22:18:10

tá bom, vou sair...............já viu que dia é hoje, peregrino?

não

nem com o início do foguetório às 6 e às 18?

6 ou 18 o quê?............................................

chega! desisto de ti, peregrino! desse não podemos conseguir nada igual ao que já temos como possível

cidadão1

- 2016-04-23 22:10:53

Não entendi

Foi postado logo abaixo da matéria original como direito de resposta e incluído também como comentário assinado pelo staff do The Guardian para que pudesse ser também respondido. E parece que a resposta tem mais comentários, contra e a favor, do que a matéria original.

E diz o staff que foi isso que foi solicitado, a publicação da resposta :

Guardian Pick

Globo TV has asked us to post the following response to this article:

 

Outra coisa que acho interessante é que tem muita gente preocupada com os interesses internacionais no feudo da Petrobras mas pouca gente preocupada com os interesses internacionais no feudo da Globo.

 

peregrino

- 2016-04-23 22:03:05

imprevisto..................................que interessante

não é o destino, é que não há imprevisto latente quando se mente ou prejudica-se tanto um país

pegando qualquer coisa de lá, é mentira

Luciano Prado

- 2016-04-23 22:02:51

Já deu!
O "jornalismo" da família Marinho causa asco. Mente ou manipula em tudo que faz e diz, senão diretamente pela família, por seus soldadinhos. Dilma, Lula, os petistas, o PT e seus governos e eleitores estão sob ataque dessa família desde sempre. Com maior ou menor intensidade, mas as Organizações Globo estão sempre se utilizando de toda espécie de manipulação e métodos reprováveis de modo a enlamear os petistas e jogá-los contra a população. Mesmo os que não gostam ou até reprovam os governos petistas reconhecem que as organizações dos Marinho passaram dos limites. O "jornalismo" da família Marinho é um câncer para o país. A atuação nesse episódio do Golpe foi de um protagonismo desavergonhadamente arrogante, mentiroso e decisivo. Esses métodos precisam ser banidos das nossas vidas. Não há razão para que convivamos com algo tão nefasto, destruidor de valores e disseminador da discórdia e do ódio. A família Marinho não pode fazer isso com o povo brasileiro. Fizeram no passado e estão repetindo agora.

edsontadeu

- 2016-04-23 21:56:09

a GLOBO  um dia  disse estar

a GLOBO  um dia  disse estar contra  o golpe  mais ela o  fez  porque  sabia  que o  golpe  estava  certo  e  ela  queria  limpar a  sua  imagem  como  quem  nao apoiava . Acontece que  a  carta  dos  Marinhos é  uma  grande  mentira, e o  pior  mentir para os  ingleses  e  ainda mais  contra  um grande  jornalista  do  guardian, Manda o roberto  Marinho  mostrar  a cobertura  dos  manifestantes  contra o  golpe.  nao tem  uma  e  quando  o fez   mostrou  fitas  que  foram  feitas  antes  dos  manifestantes chegarem ou seja  com  poucas  pessoas  para  dizer que a  presidente nao tinha  apoio popular. Manda ela mostrar quando foi que ela  falou a  favor  do governo no caso  Pasadena, ou mesmo  a favor  da Petrobras. ou quem  sabe mesmo  uma  materia  completa  dizendo ao  mundo  que  Dilma  é honesta e que nao cometeu crime  algum. 

Vim com esse bla bla bla, para  cima  do  Guardian  nao vai  convence-los  e por  cima  eles  sabem que  a  Globo  patrocinou o  golpe  de  64  esta patrocinando o atual. 

peregrino

- 2016-04-23 21:54:19

sempre despertou em mim muita curiosidade...

o destino

há destino para tudo ou há destino em tudo?

qual seria então numa máquina ou sistema de mentiras?

diria que o imprevisto ser equivalente ao prazer de não errar nunca

temos muito o que aprender ainda sobre destino

Luciano Prado

- 2016-04-23 21:29:31

A matéria de Miranda no The Guardian
A razão real que os inimigos de Dilma Rousseff querem seu impeachment David Miranda Corrupção é só um pretesto para os ricos e poderosos que falharam em derrotá-la nas eleições • Para ler este artigo em Inglês, clique aqui Dilma Rousseff Dilma Rousseff: the target of the rich and powerful. Photograph: Fernando Bizerra/EPA Friday 22 April 2016 18.38 BST Share on Pinterest Share on LinkedIn Share on Google+ Share on WhatsApp Shares 20,400 Save for later A história da crise política no Brasil, e a mudança rápida da perspectiva global em torno dela, começa pela sua mídia nacional. A imprensa e as emissoras de TV dominantes no país estão nas mãos de um pequeno grupo de famílias, entre as mais ricas do Brasil, e são claramente conservadoras. Por décadas, esses meios de comunicação têm sido usados em favor dos ricos brasileiros, assegurando que a grande desigualdade social (e a irregularidade política que a causa) permanecesse a mesma. Aliás, a maioria dos grandes grupos de mídia atuais – que aparentam ser respeitáveis para quem é de fora – apoiaram o golpe militar de 1964 que trouxe duas décadas de uma ditadura de direita e enriqueceu ainda mais as oligarquias do país. Esse evento histórico chave ainda joga uma sombra sobre a identidade e política do país. Essas corporações – lideradas pelos múltiplos braços midiáticos das Organizações Globo – anunciaram o golpe como um ataque nobre à corrupção de um governo progressista democraticamente eleito. Soa familiar? Por um ano, esses mesmos grupos midiáticos têm vendido uma narrativa atraente: uma população insatisfeita, impulsionada pela fúria contra um governo corrupto, se organiza e demanda a derrubada da primeira presidente mulher do Brasil, Dilma Rousseff, e do Partido dos Trabalhadores (PT). O mundo viu inúmeras imagens de grandes multidões protestando nas ruas, uma visão sempre inspiradora. Play VideoPlayMute Current Time 0:00 / Duration Time 1:46 Loaded: 0% Progress: 0% Fullscreen Brazilian president Dilma Rousseff faces impeachment - video explainer Mas o que muitos fora do Brasil não viram foi que a mídia plutocrática do país gastou meses incitando esses protestos (enquanto pretendia apenas “cobri-los”). Os manifestantes não representavam nem de longe a população do Brasil. Ao contrário, eles eram desproporcionalmente brancos e ricos: as mesmas pessoas que se opuseram ao PT e seus programas de combate à pobreza por duas décadas. Advertisement Aos poucos, o resto do mundo começou a ver além da caricatura simples e bidimensional criada pela imprensa local, e a reconhecer quem obterá o poder uma vez que Rousseff seja derrubada. Agora tornou-se claro que a corrupção não é a razão de todo o esforço para retirar do cargo a presidente reeleita do Brasil; na verdade, a corrupção é apenas o pretexto. O partido de Dilma, de centro-esquerda, conseguiu a presidência pela primeira vez em 2002, quando seu antecessor, Lula da Silva, obteve uma vitória espetacular. Graças a sua popularidade e carisma, e reforçada pela grande expansão econômica do Brasil durante seu mandato na presidência, o PT ganhou quatro eleições presidenciais seguidas – incluindo a vitória de Dilma em 2010 e, apenas 18 meses atrás, sua reeleição com 54 milhões de votos. Advertisement A elite do país e seus grupos midiáticos fracassaram, várias vezes, em seus esforços para derrotar o partido nas urnas. Mas plutocratas não são conhecidos por aceitarem a derrota de forma gentil, ou por jogarem de acordo com as regras. O que foram incapazes de conseguir democraticamente, eles agora estão tentando alcançar de maneira antidemocrática: agrupando uma mistura bizarra de políticos – evangélicos extremistas, apoiadores da extrema direita que defendem a volta do regime militar, figuras dos bastidores sem ideologia alguma – para simplesmente derrubarem ela do cargo. Inclusive, aqueles liderando a campanha pelo impeachment dela e os que estão na linha sucessória do poder – principalmente o inelegível Presidente da Câmara Eduardo Cunha – estão bem mais envolvidos em escândalos de corrupção do que ela. Cunha foi pego ano passado com milhões de dólares de subornos em contas secretas na Suíça, logo depois de ter mentido ao negar no Congresso que tivesse contas no exterior. Cunha também aparece no Panamá Papers, com provas de que agiu para esconder seus milhões ilícitos em paraísos fiscais para não ser detectado e evitar responsabilidades fiscais. The real reason Dilma Rousseff’s enemies want her impeached David Miranda Read more É impossível marchar de forma convincente atrás de um banner de “contra a corrupção” e “democracia” quando simultaneamente se trabalha para instalar no poder algumas das figuras políticas mais corruptas e antipáticas do país. Palavras não podem descrever o surrealismo de assistir a votação no Congresso do pedido de impeachment para o senado, enquanto um membro evidentemente corrupto após o outro se endereçava a Cunha, proclamando com uma expressão séria que votavam pela remoção de Dilma por causa da raiva que sentiam da corrupção. Como o The Guardian reportou: “Sim, votou Paulo Maluf, que está na lista vermelha da Interpol por conspiração. Sim, votou Nilton Capixaba, que é acusado de lavagem de dinheiro. ‘Pelo amor de Deus, sim!’ declarou Silas Câmara, que está sob investigação por forjar documentos e por desvio de dinheiro público.” Advertisement Mas esses políticos abusaram da situação. Nem os mais poderosos do Brasil podem convencer o mundo de que o impeachment de Dilma é sobre combater a corrupção – seu esquema iria dar mais poder a políticos cujos escândalos próprios destruiriam qualquer carreira em uma democracia saudável. Um artigo do New York Times da semana passada reportou que “60% dos 594 membros do Congresso brasileiro” – aqueles votando para a cassação de Dilma- “enfrentam sérias acusações como suborno, fraude eleitoral, desmatamento ilegal, sequestro e homicídio”. Por contraste, disse o artigo, Rousseff “é uma espécie rara entre as principais figuras políticas do Brasil: Ela não foi acusada de roubar para si mesma”. O chocante espetáculo da Câmara dos Deputados televisionado domingo passado recebeu atenção mundial devido a algumas repulsivas (e reveladoras) afirmações dos defensores do impeachment. Um deles, o proeminente congressista de direita Jair Bolsonaro – que muitos esperam que concorra à presidência e em pesquisas recentes é o candidato líder entre os brasileiros mais ricos – disse que estava votando em homenagem a um coronel que violou os direitos humanos durante a ditadura militar e que foi um dos torturadores responsáveis por Dilma. Seu filho, Eduardo, orgulhosamente dedicou o voto aos “militares de 64” – aqueles que lideraram o golpe. Women carrying flowers take part in a demonstration against the impeachment process of Dilma Rousseff Women carrying flowers take part in a demonstration against the impeachment process of Dilma Rousseff Photograph: Eraldo Peres/AP Até agora, os brasileiros têm direcionando sua atenção exclusivamente para Rousseff, que está profundamente impopular devido a grave recessão atual do país. Ninguém sabe como os brasileiros, especialmente as classes mais pobres e trabalhadoras, irão reagir quando verem seu novo chefe de estado recém-instalado: um vice-presidente pró-negócios, sem identidade e manchado de corrupção que, segundo as pesquisas mostram, a maioria dos brasileiros também querem que seja cassado. Advertisement O mais instável de tudo, é que muitos – incluindo os promotores e investigadores que tem promovido a varredura da corrupção – temem que o real plano por trás do impeachment de Rousseff é botar um fim nas investigações em andamento, assim protegendo a corrupção, invés de puni-la. Há um risco real de que uma vez que ela seja cassada, a mídia brasileira não irá mais se focar na corrupção, o interesse público irá se desmanchar, e as novas facções de Brasília no poder estarão hábeis para explorar o apoio da maioria do Congresso para paralisar as investigações e se protegerem. Por fim, as elites políticas e a mídia do Brasil têm brincado com os mecanismos da democracia. Isso é um jogo imprevisível e perigoso para se jogar em qualquer lugar, porém mais ainda em uma democracia tão jovem com uma história recente de instabilidade política e tirania, e onde milhões estão furiosos com a crise econômica que enfrentam.

peregrino

- 2016-04-23 21:22:13

Globo não aprende nunca, nem muda...

Globo

sempre alguém vai jogar na tua cara que pouco importa o que você tenta dizer ou mostrar para se defender, porque todos sabem, o mundo inteiro sabe, que a verdade sempre esteve, como está agora, no que você sempre escondeu e novamente tentou esconder

Globo

você já era no tocante a credibilidade para o mundo inteiro

MarFig

- 2016-04-23 21:14:26

As $$ da Goebbels.

Chris

- 2016-04-23 21:12:22

Queda livre de credibilidade

Acham que todos têm a mente estreita dos midiotas. Depois de tanta manipulação grosseira ... Se ao menos tivessem tido o cuidado de manter a máscara de imparcialidade, a sutileza de quem se basta em plantar mensagens subliminares ..  Mas foram de um escracho de fazer corar até o velho Marinho.

Cafezá

- 2016-04-23 21:10:34

A famiglia poderosa chefona

A famiglia poderosa chefona se sentiu desonrada.

Claudio Melo

- 2016-04-23 20:46:29

Se for lá pessoalmente terá
Se for lá pessoalmente terá que tirar os sapatos para conversar com um estagiário da coluna cartas dos leitores. Bem feito, trata o país como um fazendão, será tratado como um capataz.

jose antonio santosj

- 2016-04-23 20:42:58

cínico

vou traduzir tudo numa frase: o sr joao roberto é um cinico!

Fernandoc

- 2016-04-23 20:29:03

É só analisar simples edições

É só analisar simples edições de seus jornais para verificarem manipulações de informações para prejudicar o governo... Se colocasse em um vídeo todas as manipulações exercidas pelos jornais da globo, poderia se ver o impacto encima do governo e do paritdo dos trabalhadores. Não lembro essa perseguição encima dos governos do PSDB... A mídia tem de ser isenta e democrática para ser boa de verdade e representar seu povo.

sergior

- 2016-04-23 20:26:28

Passou recibo do que David Miranda escreveu.

Passou recibo do que David Miranda escreveu. 

Jurgen2010

- 2016-04-23 20:25:19

Golpichment ou Tchau querida Constituição

Explicou a conexão com a Mossac Fonseca? Deveria.

Não admitem ser os promotores da Facisto Clepto Plutocracia.

Jurgen2010

- 2016-04-23 20:17:06

Magoou a família achacadora.

Magoou a família achacadora. :D

Marcos Antônio

- 2016-04-23 20:16:05

Apenas mais um...

Já são tratados apenas mais um golpista do terceiro mundo...

Um Robert Mugabe da America do sul...

Muita grana e muita corrupção...

A Suíça tem as contas do cunha e ela NÃO VAI FAZER COMO A JUSTIÇA BRASILEIRA E ABAIXAR A CABEÇA NUM SIM SENHOR!

AGORA SOU TOTALMENTE  a favor de um golpe do GOVERNO!

ESSA DEMOCRACIA DELES PARA MIM NÃO PRESTA!

Priscila Silva

- 2016-04-23 20:03:43

As 10 mentiras da Globo

Sobre as mentiras na resposta da Globo: https://aespiraldosilencio.wordpress.com/2016/04/23/the-10-lies-of-globo/.

Eduardo Pereira

- 2016-04-23 20:01:29

Mentiroso
Mentiroso deslavado , com seu séquito de empregados ("jornalistas") , com raríssimas exceções , baba ovos , vendidos e deturpados , sem quaisquer compromisso com a verdadeira atividade do informar com isenção. Com toda a compaixão q possamos ter pelo ser humano , desejo q essa empresa nefasta , que só faz idiozar ainda mais esse país de tantos atrasos , sofra num futuro bem proximo todas as consequências de sua história enlameada pelo banditismo e desonestidade .

gaúcho

- 2016-04-23 19:57:07

Nem com todo o dinheiro do

Nem com todo o dinheiro do mundo se pode comprar a verdade, a fama de golpista e manipuladora da globo é planetária.

E que atitude provinciana do mané marinho, se eu fosse patrocinador da globo ficava esperto.... vincular sua marca com uma empresa com essa fama não pega bem.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador