As parcerias da Globo com o Judiciário carioca, por Luis Nassif

Os factoides plantados pelo jornal O Globo, em parceria com o Judiciário carioca, comprometem totalmente a ideia do jornalismo isento que tenta passar, em suas escaramuças contra Bolsonaro.

Analise dois casos recentes:

  1. O encontro do prefeito Marcelo Crivela, do Rio de Janeiro, no episódio conhecido como “Fala com Márcia”.

O Globo tentou dar cunho religioso à reunião. Pela descrição do evento, feito pela própria mídia, não havia nada que indicasse essa intenção. Mas o carnaval feito pelo jornal induziu um juiz a dar uma liminar proibindo o evento. Hoje, o Ministro Dias Toffoli, do STF (Supremo Tribunal Federal) cassou a liminar por não ter visto nenhum sinal de proselitismo religioso no evento (clique aqui).

  1. O caso do desembargador  Siro Darlan.

Darlan é conhecido por ser um juiz garantista – isto é, que privilegia os direitos individuais em suas sentenças. Mais que isso, é um crítico feroz das regalias do Poder Judiciário carioca. Insurgiu-se contra a bolsa escola conquistada pelos juízes e por outras benesses. Também colocou-se contra a TV Globo em programas em que julgava que crianças estavam sendo exploradas. E tem se constituído em opositor permanente de Luiz Zveiter, a eminência parda da Justiça carioca, intimamente ligado às Organizações Globo.

Dias atrás, candidatou-se a um cargo na câmara superior do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. No dia da votação, O Globo publica uma denúncia requentada, vergonhosa contra ele, um factoide que não passava sequer no teste de verossimilhança (clique aqui). Requentou uma armação antiga, de que a polícia teria grampos em que uma pessoa se apresentava como intermediário para a venda de sentenças do juiz. Era uma armação tão evidente que, aqui no GGN, desmontamos recorrendo exclusivamente às próprias informações contidas na tal denúncia (clique aqui). Em cima desse factoide, tempos atrás foi aberta uma representação contra Darlan no CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

Leia também:  A suposta popularidade inesperada de Jair Bolsonaro e a força de sua agenda moral, por Camilo de Oliveira Aggio

A escandalização do jornal fez o CNJ acelerar a analise do caso. E resultou no seu óbvio arquivamento, por falta de fundamentação e de provas.

O jornal não noticiou o arquivamento.

Nos próximos anos haverá uma luta ciclópica entre a liberdade de imprensa e os esbirros autoritários do governo Bolsonaro. Pergunto: é mantendo essa cultura de usar o jornalismo politicamente contra alvos mais vulneráveis que a Globo pretende se legitimar para enfrentar o arbítrio?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

20 comentários

  1. 60.000

    40.000 flies

    torn by a temporary wind
    we come back together again

    check walls and ceilings for cracks and
    the eternal spiders

    wonder if there will be one more
    woman

    now
    40.000 flies running the arms of my
    soul
    singing
    I met a million dollar baby in a
    5 and 10 cent
    store

    arms of my soul?
    flies?
    singing?

    what kind of shit is
    this?

    it’s so easy to be a poet
    and so hard to be
    a man.

    Charles Bukowski

     

    jornalista de merda?

     

  2. Jornalismo precisa de sua comissão da verdade
    Resposta a PolyaNassif: sim, é assim que a Globélica pretende manter seu poder e seu feudo nas instituições. O que fez você pensar que não seria assim? Impressionante a ingenuidade da mídia alternativa. Não tem coragem de dar seu grito de independência em relação à mídia comercial e fica contente com migalhas estratégicas, como a contratação de alguns jornalistas ditos “progressistas”, para se manter em seu lugar de sombra dela ou imaginar que será ouvida ou seguida por estes canalhas que fazem do jornalismo mero disfarce e vetor para suas negociatas.
    Não sei o que pior, a Globélica continuar sendo quem sempre foi, ou a mídia alternativa praticar o republicanismo que tanto critica nos outros.
    À merda a Globélica, e aos tribunais contra ela. Por que não publicar, em resposta a cada caso de chantagem, um memorial de sua podridão? Todos reclamam da anistia dada aos militares mas poucos falam da que continua sendo dada a veículos da imprensa que vivem de dar golpes. Corporativismo da imprensa é tão nocivo pra democracia quanto os outros.

    Sampa/SP, 14/12/2018 – 20:33 (em luto).

    • A Cristiane, a meu ver, é uma

      A Cristiane, a meu ver, é uma das melhores comentaristas

      do blog. Tem informação, sabe fazer contraponto, sem

      ofensas e argumentção rasteira.  Mesmo que não queira

      representa bem parte do leitores da págfina.

      • Por outro lado compreende-se

        Por outro lado compreende-se as razões do Nassif

        e as suas imensas responsabilidades com o que 

        escreve. Um vacilo seu pode representar uma

        perda enorme.  Para nós outros é fácil cobrar

        uma atitude mais aguda. Mas é ele   que tem se

        desdobrado para defender-se em tribunais. 

        Entendamos isso.

        • História do jornalismo como antídoto para tribunais pelegos
          Tem razão. Mas é exatamente porque Nassif já foi prejudicado também por gente da imprensa como o Kamel da Globélica e pela inVeja, e outros do judiciário como o TJ/RJ, que não entendo por que ele os trata com essa condescendência. Não precisa se expor ao risco de ser processado mas também não pode capitular, por isso mesmo falei de relembrar casos como as denúncias de propina para a Globélica em jogos de futebol, e para isso não é necessário nada mais que manter a memória sobre os casos com informações e bom jornalismo, que o Nassif tem de sobra. O que me incomoda é o tom de cobrança ética ingênua como se estivesse falando de uma empresa que se responsabiliza ou se preocupa com as consequências de seus atos, nem parece que está falando da empresa que ajudou a dar o Golpe de 2016 que nos colocou exatamente na situação de ter que defender o mínimo de direitos conquistados duramente por gente de tantas gerações, principalmente a liberdade de expressão e de imprensa.
          Você cobraria decência do Vampirão? E qual a diferença entre ele e a Globélica? Ele passa e ao que parece não transmitirá seu legado público a outras gerações, a Globélica é a herança maldita da ditadura e que passa na cadeia (a única que eles conhecerão por algum tempo) hereditária da família Marinho.
          Por isso também uma comissão da verdade seria importante: passar a limpo a história do jornalismo brasileiro durante a ditadura de 1964-1985 para que quem diz a verdade sobre os bastidores não seja processado por “danos morais” por quem não tem tanta moral para ser danificada.

          Sampa/SP, 14/12/2018 – 23:20 (em luto).

      • A dificílima arte do debate público, em que sou tosca
        Agradeço a gentileza. Mas preciso admitir que nem sempre eu tive a força moral de fazer contraponto sem ofensa, e de fato em alguns casos fui bastante agressiva. Contudo, depois de assistir a uns vídeos de gente interessante e com a consulta a minha consciência, estou tentando ser mais polida sem perder a sinceridade ou ter que aderir à hipocrisia para dissimular divergências.

        Fronteiras do pensamento – Karen Armstrong – “A perdida arte do diálogo”.
        [video:https://m.youtube.com/watch?v=Y_aRxiFJEVk%5D
        https://m.youtube.com/watch?v=Y_aRxiFJEVk

        Fronteiras do pensamento – valter hugo mãe – ” A coragem de dialogar”
        [video:https://m.youtube.com/watch?v=3PGJ6FMwEgo%5D
        https://m.youtube.com/watch?v=3PGJ6FMwEgo

        Fronteiras do pensamento – valter hugo mãe – “O que esperar das pessoas”
        [video:https://m.youtube.com/watch?v=FU9LTuzHJsE%5D
        https://m.youtube.com/watch?v=FU9LTuzHJsE

        Sampa/SP, 14/12/2018 – 23:55 (em luto).

  3. Telegramas do fim do mundo
    Por tudo que li aqui no post da chinesa presa, parece óbvio que se há uma crise decorrente da inutilidade atual das formas de organização social mantidas no capitalismo, que decorre do colapso desse sistema para dar lugar a acumulação de capital fictício, parece que uma as formas caras ao capitalismo (o jornalismo e a chamada liberdade de imorensa) para o controle ideológico também segue esse caminho.

    Antes o sistema criava sua própria oposição… e a mantinha dentro dos esquemas conhecidos, agora essa oposição de versões não é mais útil…

    Tudo começou com Watergate… ali a mídia mordeu a isca e passou a caminhar para o abismo… apesar do caso ser exemplificado um marco na investigação jornalística…

    Ali começou o tribunal da mídia… o resto é história…

  4. A (o) Globo é parte

    A (o) Globo é parte indissociável do golpe de Estado de 2016. O “jornalismo” do grupo  tornou-se mera fachada. Essencialmente, é um instrumento de poder, braço midiático das corporações.  Nassif está marcando e identificando os degetos produzidos pela família Marinho. 

  5. Flávio Bolsonaro questiona:
    Porque eu, e não o PSOL, sou alvo da imprensa e das redes sociais?
    Ora, porque se perdoa o pecador, mas não o pregador.

  6. Jornalista, pelo amor de

    Jornalista, pelo amor de Deus! Não vai haver luta ciclópica nenhuma porque a Globo & cia, a mídia,. e o presidente eleito, Bolsonaro, são farinha do mesmo saco, todos golpistas, defensores da repressão política disfarçada de luta contra a corrupção, no caso, principalmente a políticos da oposição, majoritariamente os do PT. É notório que a mídia induziu o mais que pode a prisão do Presidente Lula e, até agora acha tudo normal. Mais que tudo os da mídia, todos, são favoráveis  aos pressupostos da economia neoliberal. No momento, nesse entrevero que assistimos a que se refere, na realidade estão terçando armas para estabelecer  o preço, num acordo em que ninguém saia como perdedor. É o que está em jogo, desculpe-me. 

  7. Judiciário Carioca

    A manipulação é ainda maior. A liminar do Judiciário carioca, na verdade, proibia o prefeito Crivella de fazer “qualquer pronunciamento que ferisse a laicidade do Estado, sob pena de multa”. A maioria dos brasileiros, inclusive o Lula, fala de Deus. A subjetividade da liminar é grande. E a promotora que acusa o prefeito de ferir a laicidade do Estado é nada menos que a promotora que foi beneficiada por Eduardo Paes, pois o filho dela ganhou um cargo no governo Eduardo Paes, que teve que pedir demissão com a derrota do candidato Pedro Paulo.https://odia.ig.com.br/colunas/informe-do-dia/2018/07/5556509-promotora-que-investiga-exoneracoes-de-crivella-teve-filho-nomeado-na-gestao-paes.html

     

  8. O problema é o seguinte:

    O problema é o seguinte: todos os grandes grupos midiáticos tem outros negócios, ou seja, outras fontes de renda. Como eles têm muito dinheiro, puderam escolher negócios altamente rentáveis, até mesmo usando seu poder poder econômico. Por isso, eles não precisam vender jornalzinho, revistinha, anúncios em rádio e tv. Desde que estes não tenham um grande prejuízo, tudo bem. Assim, foda-se o jornalismo, a mídia é apenas um brinquedinho de manipulação política. E é altamente necessária porque todos tem culpa no cartório, então, ela também serve para impedir que seus donos sejam presos até o fim dos seus dias. É isso e danem-se os pudores.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome