O pub inglês e o espírito do tempo no filme “Heróis de Ressaca”

 

“Heróis de Ressaca” (The Word’s End, 2013) é o filme final da chamada “Three Flavours Cornetto Trilogy” do diretor inglês Edgar Wright – iniciada com “Quase Todo Mundo Morto” (2003) e “Chumbo Grosso” (2007). Um filme profético por ter conseguido captar o chamado “espírito do tempo”: a onda cultural que mais tarde se cristalizaria na vitória da campanha do “Leave” – o Brexit que faria o Reino Unido afundar na crise política. Um bizarro e engraçado mix de sci-fi, comédia e ação, uma conspiração extraterrestre e o típico pub inglês e todo o seu “ethos” (beber, brigar e transar) como o símbolo de resistência de uma invasão. Em “Heróis de Ressaca” os britânicos sentem-se literalmente ilhados, resistindo a uma invasão globalista ou extraterrestre que quer tirar deles seu principal símbolo: o pub. Um grupo de jovens adultos retorna à cidade natal trinta anos depois para cumprir um desafio não realizado: finalizar a odisseia de um circuito composto de 12 pubs. Mas o que encontram é uma sinistra conspiração que coloca em xeque a própria humanidade.

Quando sabemos que um filme é uma obra meramente propagandística ou um produto cultural que consegue capturar o “espírito do tempo”? Vemos filmes como o ganhador do Oscar de 2013, Argo, uma evidente peça de propaganda em meio à “guerra ao terror” no qual a política externa dos EUA estava metida- não é à toa que o anúncio do prêmio de melhor filme tenha sido transmitido ao vivo, diretamente da Casa Branca, pela Primeira Dama Michelle Obama.

Outras vezes, vemos filmes que se transformam em verdadeiros documentos históricos de uma época, representações de um espírito do tempo. Como, por exemplo, a recorrência de filmes-catástrofe como O Dia Depois de Amanhã em cada contexto de crise econômica global – clique aqui.

“Espírito do tempo” é um conceito do pesquisador francês Edgar Morin, peça principal nos seus Estudos Culturológicos nos anos 1960. Morin queria se distinguir do viés da Escola de Frankfurt sobre a cultura de massas como mero instrumento de alienação para as massas. Morin via na indústria cultural mais do que isso: haveria um sincretismo juntando a realidade com o imaginário. Haveria um momento de verdade nos produtos da cultura de massa: a maneira como se torna um documento histórico ao representar um espírito de época.

Certamente a chamada “Three Flavours Cornetto Trilogy” do diretor britânico Edgar Wright é um espantoso exemplo de como filmes são capazes de se tornarem até premonitórios, tamanha sua sincronia como o “zeitgeist” – a trilogia composta pelos filmes Todo Mundo Quase Morto (Shawn of Dead, 2004), Chumbo Grosso (Hot Fuzz, 2007) e Heróis de Ressaca (The World’s End, 2013).

Cada filme é relacionado com um sabor diferente de um sorvete de casquinha que os protagonistas sempre compram, com um sabor apropriado à narrativa.

Principalmente o último filme, Heróis de Ressaca, é surpreendentemente presciente do terremoto político do Brexit, três anos depois, que jogaria o Reino na crise que se estende até hoje.

Toda a premissa de Heróis de Ressaca espelha o conflito atual entre Reino Unido e União Europeia. Seis anos depois, olhando os protagonistas Gary King (Simon Pegg) e Andy Knightley (Nick Frost), achamos que eles praticamente são porta-vozes da campanha do “Leave”.

Afinal, eles enfrentam o movimento globalista comandado secretamente por alienígenas, com sua rede de computadores e influenciadores digitais estrategicamente posicionados, que querem transformar o Reino Unido num gigantesco Starbucks pasteurizado e conformista.

Nesse mix de comédia, ação e sci-fi, Heróis de Ressaca empunha os verdadeiros valores da cultura britânica dos pubs (beber, brigar e fazer sexo) contra uma tecnologia alienígena que pretende acabar com essa identidade cultural do Reino Unido – pesquisa sobre Atitudes Sexuais e Estilo de Vida feita em 2013 mostrava que os britânicos estavam fazendo menos sexo: primeiro, pela crise econômica onde a reocupação com dinheiro e emprego não deixam as pessoas no clima; e segundo, pela influência da Internet e sites pornôs – as pessoas levam seus tablets e smartphones para seus quartos, ficando pouco receptivas ao sexo real – clique aqui.

Uma conspiração alienígena por trás da Internet e as novas tecnologias com o propósito de destruir os valores essenciais britânico é o mote nacionalista que antecipou a onda do “Leave”

O Filme

A dupla Edgard Wright (direção) e Simon Pegg (roteiro) recheia o filme com alusões clássicas, desde os filmes Invasores de Corpos (1956), o horror de John Carpenter e as lutas coreografadas de Jackie Chan do início dos anos 1990.

Heróis de Ressaca possui aquela qualidade essencial do humor negro britânico – a fleuma: nossos heróis seguem cumprindo um circuito de pubs na sua cidade natal de Newton Haven , enchendo a cara entre pints e shots, enquanto lutam contra uma conspiração alienígena. Lutam e arriscam a própria vida, mas sempre sobre um tempo para mais um gole de cerveja.

 O filme começa centrado no personagem Gary King, que se considera “O Rei”, um príncipe entre os homens, que lidera um grupo de jovens arruaceiros no em 1990 numa pequena cidade do interior, cuja única missão na vida é cumprir a mítica “Milha Dourada”: cumprir um circuito de 12 pubs num único dia. Mas a bebedeira e a ressaca impedem de completar o circuito, parando no décimo pub.

Trinta anos depois, Gary continua se achando o “The King” e tenta reunir seus parceiros, agora respeitáveis homens de negócios e casados, para voltarem à cidade natal para cumprir o mítico circuito. Não é uma questão supérflua, mas de resistência e empoderamentos dos legítimos valores britânicos: “drink, fight and fuck”…

Mas Gary vai ter que dispender muita energia para dissuadir seus amigos, agora respeitáveis “gentlemen” – Oliver (Martin Freeman) é um imbecil agente imobiliário com um receptor bluetooth preso ao ouvido todo o tempo; Steven (Paddy Considine) é um arquiteto que já foi rival de Gary pelo amor da irmã de Oliver, Sam (Rosamud Pike) que recentemente se divorciou e foi para a cama com instrutor de fitness; Peter (Eddie Marsan), vítima de bullying durante a infância e hoje é vendedor de carros na empresa do pai; e Andy (Nick Frost) que se tornou um advogado abstêmio que se recusa a falar com Gary.

Na primeira parte do filme acompanhamos Gary tentando reviver naquele grupo a velha chama do passado para reviverem a grande odisseia frustrada dos pubs de 1990.

Depois das brincadeiras animadas e estúpidas com um fundo de melancolia, tentando reviver a juventude perdida, o filme da uma guinada para o território da conspiração e ficção científica.

Chegando à cidadezinha de Newton Haven, percebem decepcionados que os pubs abandonaram suas tradições para serem “starbucked” pelo padrão fast food globalizado. Mas há algo de mais estranho, dessa vez com as pessoas que aparentam ser extremamente ordeiras, educadas… estranhas para o padrão britânico.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora