Os truques da edição jornalística da Globo

Por Alexandre Tambelli

Comentário ao post “Globonews e professor Sami Dana, da FGV: o uso do ambiente leigo para o exercício da inveja acadêmica

A verdade é uma só!

Nunca dê entrevista, nunca assista a Globo News e jamais acredite em nada  do que é veiculado neste canal e nem dê audiência para nada que seja vinculado às Organizações Globo. Excetuando o caso do Sportv por uma questão de ser quem transmite eventos esportivos, como o Campeonato Brasileiro, e não temos como fugir da emissora, pela exclusividade da transmissão.

Tudo na Rede Globo é uma enorme farsa. Vou repostar aqui meu texto: Os Truques do Jornalismo da Rede Globo.

Este é meu texto sobre Os Truques da Edição Jornalística na Rede Globo.

Versão atualizada em 17/11/2013.

OS TRUQUES DA EDIÇÃO JORNALÍSTICA NA REDE GLOBO

A seletividade da denúncia e da informação na Rede Globo sempre existiu. (Eu não assisto mais à Rede Globo – desde o final de 2009).

A grande mídia costuma informar sobre qualquer assunto segundo sua ótica (visão política ou interesses políticos) e ainda pode omitir informações, notícias relevantes, conforme o seu interesse.

As Organizações Globo representada pela TV GLOBO, Revista Época, Jornal O Globo, Portal G1, Rádio CBN, etc. faz parte da grande mídia e pode veicular matérias sobre uma notícia importante, por exemplo: o Mensalão. Durante minutos seguidos, pode o seu telejornal, informar sobre os acusados e acusações do Processo e mostrar os detalhes do seu Julgamento pelo STF e ao mesmo tempo, pode negligenciar a informação de que existe outro Mensalão, anterior ao do PT e batizado de Mensalinho ou Mensalão do PSDB, um processo que não está tendo a mesma celeridade no STF.

A emissora veicula desde sempre notícias sobre o Mensalão aos seus telespectadores, ouvintes e leitores, trazendo informações básicas do seu surgimento, dos políticos envolvidos e das acusações. Já sobre o Mensalinho, pouco ou nada noticia, pelo fato dos indiciados serem seus aliados políticos. Veremos que as notícias veiculadas do Mensalão têm um viés mais de denúncias aos seus opositores do que de espaço para o equilíbrio entre a denúncia e o direito de defesa do sujeito que ela coloca como réu. Durante a enumeração dos truques de edição ficará clara esta afirmação.

Conforme a ideologia política um sujeito ou partido está mais a mercê de ser denunciado do que outro sujeito ou partido pela emissora dos “marinhos”.  Mesmo que o primeiro seja honesto e o segundo seja, comprovadamente, corrupto.

É interessante, um Best Sellers como A Privataria Tucana (livro que já vendeu mais de 120 mil exemplares – até 2012), do Jornalista Amaury Ribeiro Junior, denunciando com provas robustas (vários documentos oficiais anexados) como foi uma parte do processo fraudulento das privatizações de empresas públicas no Governo FHC; e colocando até familiares do Político José Serra do PSDB (incluindo sua filha Verônica Serra) em maus-lençóis não mereceu sequer uma reportagem investigativa por parte da emissora ou de seus jornais, revistas, rádios e portal. Nenhuma indignação, nem cobranças para a Justiça apurar se são verdadeiras as denúncias do livro. Nenhuma mudança de comportamento para com seu aliado político.

Somos diariamente levados a compreender o mundo de forma seletiva pela Rede Globo. A informação que for do interesse das Organizações Globo divulgada será, e a que não for do seu interesse será omitida.

Muitas pessoas honestas têm suas reputações manchadas por uma simples necessidade de destruir os inimigos de suas ideias, ou para favorecer políticos que defendam seus interesses. Além é claro de serem as Organizações Globo a porta-voz do Capitalismo e das Grandes Potências mundiais, dos grandes grupos econômicos mundiais no Brasil. Ela defende a ideologia do capitalismo central (o que não seria problema), se na sua defesa não se utilizasse de diferentes métodos ilegais, inclusive o da denúncia sem uma investigação precisa do que se acusa, da omissão de notícias ou da notícia apenas até a primeira página, da destruição de reputações de pessoas honestas e governos e governantes honestos, e até de posicionamentos antinacionalistas, etc. (Leiam na internet sobre a contenda Brasil X EUA sobre os subsídios americanos sobre o algodão e vejam como se posicionou as Organizações Globo).

É interessante observar um exemplo prático da destruição de reputação, o de Erenice Guerra, ex-assessora da Presidenta Dilma Rousseff, para compreender o Jornalismo das Organizações Globo.

Erenice Guerra foi acusada de diferentes irregularidades em 2010, no exercício da função de Ministra da Casa Civil, após Dilma sair candidata à Presidenta. Era na época da eleição presidencial, então a Revista Veja criou uma denúncia nem um pouco consistente de lobby e emprego de parentes no serviço público e as Organizações Globo repercutiram a notícia com toda a força, porque era uma maneira de privilegiar o candidato que a emissora simpatizava e ainda simpatiza: José Serra. Um ano e sete meses após as denúncias, o MPF – Ministério Público Federal arquiva o Processo contra a Ex-ministra por total falta de provas! E onde está a retratação pública para com a Ex-ministra Erenice, por parte das Organizações Globo? Caso semelhante ocorreu com o Ex-ministro dos Esportes Orlando Silva que foi, também, absolvido pelo MPF das denúncias que pululavam no noticiário da Rede Globo e associadas no ano retrasado.

A mola mestra das denúncias que fez com que a Presidenta Dilma trocasse Ministros nos seus meses iniciais de Mandato era desestabilizar seu Governo e não uma batalha anticorrupção.

Aliás, a corrupção dos seus aliados políticos é jogada para baixo do pano! Como exemplo temos o escândalo da inspeção veicular, sabem aquele selo que fomos obrigados a colocar no carro? Houve um grande escândalo de corrupção, na realização dessa inspeção, envolvendo políticos do Rio Grande do Norte e de São Paulo, incluindo o subchefe de gabinete da Casa Civil de José Serra, quando ele foi Governador do Estado de São Paulo, chamado João Faustino. O subchefe de gabinete da Casa Civil de José Serra foi até preso junto com outros aliados políticos, na Operação da Polícia Federal Sinal Fechado por causa da “controlar” e foi omitida a informação da íntima ligação do preso com seu aliado político, por parte da TV Globo. (Coloque essas duas palavras e leia mais a respeito: “escândalo controlar”; e muitos outros casos).

Viram a diferença de tratamento dado a Erenice e ao João Faustino pela Rede Globo?

Quem ouviu falar de João Faustino subchefe da casa Civil do Serra? Preso pela Polícia Federal? Se ouviu ou leu o nome dele em algum veículo de mídia das Organizações Globo, soube que era intimamente ligado a José Serra e que coordenou sua campanha para as eleições de 2010 no Nordeste? Sobre a Erenice todo mundo ouviu falar, só que esta foi absolvida por falta de provas. Os dois trabalhavam na Casa Civil, ela no Governo Federal e o João Faustino no Estado de São Paulo.

A informação do “escândalo da controlar” tivemos com detalhes, através da internet, em blogs de Jornalistas, que não mais fazem parte desse círculo fechado, que seleciona as informações a serem noticiadas e que podemos chamar de “grande mídia” ou “velha mídia”, como queiram, da qual as Organizações Globo é a mais forte representante.

Para este processo de ora informar ou ora desinformar, de informar até a primeira página ou de omitir a informação, de acusar uma pessoa sem provas consistentes, manchando sua reputação a emissora dos “marinhos” possui diferentes técnicas (truques jornalísticos).

Acabei listando um conjunto delas, técnicas que fui observando ao longo dos anos, ao assistir seus telejornais, até o final de 2009, quando definitivamente, abandonei quase por completo, a relação com as Organizações Globo em Jornal, Revista, Rádio, TV e Internet, excetuando a área esportiva, quando da falta de outra opção em assistir um evento esportivo; pelo desrespeito dela para com a informação a mais precisa possível, sem a seletividade da informação e pela parcialidade e viés da notícia.

 

Métodos básicos, que sempre assisti nos seus telejornais (lembrando-me, de memória, do tempo em que assistia com meu pai, já falecido, em locais públicos, onde acabo assistindo porque está a TV ligada no canal e em vídeos, imagens e notícias postadas por críticos da emissora na internet):

 

1. Seleção. Corrupção no Governo, hospitais públicos com pessoas em leitos nos corredores, obras superfaturadas, etc. existem, quase sempre, nos Governos que ela não apoia; Os telejornais da Rede Globo selecionam os estados ou cidades das matérias. Quanto mais perto das eleições mais evidente fica este modo de agir. Elogios são, na maioria das vezes, para administrações do DEM, PSDB, PPS e demais opositores do Governo Federal. Quase toda reportagem negativa está situada em um Estado ou cidade governado por quem ela não apoia ou na técnica de mostrar problemas em obras ou estabelecimentos “FEDERAIS” no Estado ou cidade oposicionista. Por que nos federais? Porque ela é opositora às ideias do PT e oposição ao(s) seu(s) Governo(s).

Na eleição de 2010, vendo o Jornal Nacional, próximo da época do voto, observei uma reportagem, apontando problemas na separação do lixo hospitalar no Hospital São Paulo da capital paulista, ele é administrado pelo Governo federal, pois, pertence à Unifesp – Universidade Federal de São Paulo. Fica a impressão de que a Rede Globo faz reportagens investigativas, denúncias em todos os estados e que só se encontram erros em obras e estabelecimentos do Governo Federal no Estado de São Paulo. 1***

1.1. Seleção do comentarista. Todo comentarista e especialista defende a mesma posição. A emissora tem um grupo de pessoas, que revezam nos seus microfones. Eles aparecem umas 8, 10 vezes ao ano, para dar uma disfarçada. No Jornal Nacional, de vez em quando via um Economista, homem de estatura média para alta, utilizava óculos, cabelo branco, peso normal e fala mansa. Vinha para dar respaldo a toda tese econômica da emissora.

1.2. Seleção da pergunta. Todo apresentador e repórter tem um tipo de pergunta e de atitude para com o entrevistado. Se for seu aliado, ameniza todas as críticas e faz perguntas para “encher a sua bola”. Se tiver outro pensamento político, aterroriza nas perguntas, não dá trégua ao entrevistado e busca emparedá-lo.

Em 2010. É só lembrar o tratamento dado pelo JN e seus apresentadores, nas entrevistas da campanha eleitoral. A DILMA quase foi fuzilada pelo apresentador e o SERRA parecia íntimo da casa. Ficou célebre a chamada que a Fátima Bernardes deu no Willian Bonner pela indelicadeza no tratamento de Bonner para com Dilma, vi na internet no dia seguinte ao ocorrido – foi quase um fuzilamento da, então, candidata, perante seus telespectadores. 2***

1.3. Seleção do momento de exposição. Alguns políticos, opositores às ideias da emissora, tem vez e voz na Rede Globo, em determinados momentos.

Se surgir uma denúncia contra o Governo Federal, um político da extrema-esquerda pode ser entrevistado, para falar mal do Governo. Não para expor suas ideias, estas não possuem espaço nos microfones da emissora.

Se for útil, em determinado momento, a exposição de um político e suas ideias, de um movimento social contrário às suas ideias, a emissora aceita sua presença diante de seus microfones, e depois, ao bel-prazer a emissora colocará o político ou o movimento social em total descrédito, como é o caso do MST, que do nada ficou, respeitado e conhecido no Brasil todo, por uma novela e foi para as páginas policiais da emissora algum tempo depois.

Como é o caso da Marina Silva e da Heloísa Helena, espécies de “quarentena” da emissora para atacar seus opositores, por terem saído do PT, seus adversários máximos, segundo a lógica da emissora. Quando precisaram delas para atacar o Governo LULA foi só tirá-las da quarentena e colocar na caixa de entrada. Depois, foi só jogá-las na quarentena novamente. Marina Silva, que teve até suas ideias políticas veiculadas, para tirar votos de Dilma Rousseff em 2010 e parece que querem traze-la para a caixa de entrada, por causa das eleições presidenciais de 2014. ***3

1.4. Seleção do entrevistado comum (Dissociação). Este truque consiste em dissociar a matéria dos entrevistados comuns, por motivos ideológicos. Um exemplo típico foi quando morreu o Cazuza. No enterro dele, escolheram senhoras, senhor e até criança para falar sobre a morte do Cazuza. O interessante é que as pessoas escolhidas não pareciam em nada com o espírito contestador e rebelde do cantor e optou-se, apenas em falar da batalha pela vida, por causa da AIDS. Eles foram escolhidos a dedo, porque falar da Rebeldia de Cazuza e de sua homossexualidade, dizendo o que realmente importava sobre o cantor e suas posições político-ideológicas, não se encaixaria nos interesses globais. Nem na vestimenta, nem na fala, nem na intimidade entrevistado e personagem da reportagem se pareciam. 4***

1.5. Seleção das imagens favoráveis e desfavoráveis. É comum, em período eleitoral destaca-se. Ouviram falar do debate para Presidente entre Collor e do Lula em 1989? A emissora editou a matéria sobre o debate. Filtrou cenas favoráveis ao Collor e desfavoráveis ao Lula para exibir no Jornal Nacional, na véspera da eleição. 5***

1.6. Seleção de dados estatísticos desfavoráveis e omissão dos favoráveis. É comum na emissora, diante de informações econômicas, sociais, estatísticas do IBGE, do IPEA, da FGV, do DIEESE, etc. a escolha de índices desfavoráveis no meio de índices favoráveis para divulgar.  A emissora sempre opta por divulgar o índice desfavorável, mesmo no meio de inúmeros índices favoráveis.

Por exemplo: a inflação cai para 0,39% no mês X abaixando quase meio ponto percentual em relação ao mês anterior e com uma tendência de manter a queda nos próximos meses. Quem acompanha, minimamente, as notícias de Economia sabe que o Governo estipula uma meta de inflação anual. Como o índice de 0,39% do mês X, mantêm a inflação anual próxima da meta, a emissora noticia assim: – apesar da queda do percentual no mês X a inflação continua próxima da meta estipulada pelo Governo. A Rede Globo não vai citar/valorizar a tendência de queda dos próximos meses.

Ou ainda: imaginemos dois dados estatísticos associados: criação de emprego com carteira assinada no mês X foi num total de 100 mil batendo o recorde desde que se iniciou a medição no ano Y. O ganho salarial médio do trabalhador no mês X caiu 0,1%. Advinha qual é a manchete do seu telejornal? – O ganho salarial médio do trabalhador caiu 0,1% no mês X.

1.7. Seleção ou omissão da fisionomia de um acusado/ corrupto/ ladrão/ homicida. É uma técnica que consiste em não mostrar o rosto, o corpo, a vestimenta de um acusado ou corrupto ou ladrão, quando este possui um perfil da classe social à qual a emissora representa. Noticiasse uma ocorrência e omitisse a imagem de quem está envolvido.

Observemos que, quase sempre, os acusados ou corruptos ou ladrões que a Rede Globo mostra a imagem/fotografia/ entrevista tem estes estereótipos: não são brancos, têm rosto com espinhas, com marcas outras, barba por fazer, cabelos compridos ou carecas, são magros demais ou gordos, não possuem a aparência e o corpo saudável e não estão bem vestidos, de terno e gravata.

Branco, ascendência europeia a imagem/fotografia, certamente, será omitida e a entrevista do acusado ou corrupto ou ladrão ou homicida se edita a imagem para evitar mostrar o acusado ou corrupto ou ladrão ou homicida.

É claro que se for inimigo político da emissora este truque deixa-se de lado.

Quase sempre os acusados ou corruptos ou ladrões ou homicidas que têm imagem/fotografia revelados ou são entrevistados são de classes sociais menos abastadas, muitos são negros ou mestiços ou orientais ou latinos ou indígenas, etc.

Existe uma predileção por mostrar imagens de pessoas ligadas a pequenos delitos, roubos à mão-armada, a atos de violência física, etc. em detrimento de imagens de pessoas ligadas a crimes de colarinho branco. O corruptor, o que promove delitos financeiros, golpes na praça se for mostrada sua imagem na tela terá o estereótipo de um perfil diferente da classe social a quem a emissora representa. O grande corruptor ligado a bancos, empreiteiras, grandes empresas não vai ter sua imagem/foto revelada e, talvez, nem será notícia, apenas se estiver contrariando seus interesses particulares.

Pobre e negro acabam associados a ilicitudes. Branco com ascendência europeia acaba associado à correção dos atos.

Nesse processo de seleção da imagem de pessoas podemos encontrar um truque interessante.

1.7.1. Seleção de um entre diversos indivíduos. É a escolha entre um grupo de pessoas daquela pessoa que menos se parece com a classe social que a emissora representa e menos se parece com o perfil médio das pessoas que trabalham frente à tela da Rede Globo: apresentadores, jornalistas e artistas, pessoas que ditam a moda, a imagem padronizada de indivíduo que a emissora julga ser a correta para o seu telespectador buscar.  Então, se tenho, por exemplo, vários delegados presos por corrupção, para sacramentar que corrupção é uma anomalia social eu escolho o delegado mais desajeitado e fora do padrão global de tipo físico ideal para mostrar a imagem/fotografia e tentar, conseguindo ou não uma entrevista. Parece que o padrão do acusado/ corrupto/ ladrão é sempre de outra classe social, que a emissora não representa. E que os delegados corruptos, também, não pertencem.

A corrupção é dos outros.

É a criação de estereótipos uma marca registrada da emissora dos “marinhos”.

1.8. Seleção vocabular. É a seleção das palavras para tratar uma notícia a ser veiculada pela Rede Globo. Pode-se utilizar uma linguagem menos polida ou mais polida conforme a situação prática.

Por exemplo: imaginemos que jovens saiam para protestar por Reforma Agrária e ocupem as estradas do País, eles podem ser chamados de “jovens baderneiros”.

Leia também:  A demissão da direção da Época: uma perda para o jornalismo, por Luis Nassif

Imaginemos agora que jovens de classe média e média alta saiam para protestar nas ruas contra a corrupção, eles serão chamados de “jovens idealistas”.

Conforme a reivindicação de trabalhadores, de empresários, conforme o apoio ou não da emissora, conforme a ideologia e o público do protesto, conforme os políticos que são cobrados no protesto a linguagem alterna entre o não polimento e o polimento da escolha vocabular. Sempre buscando levar a opinião pública a ser favorável a um lado: o lado da TV dos “marinhos”.

Outro valioso exemplo é o escândalo de corrupção envolvendo Governos do PSDB de São Paulo e as licitações do Metrô, fraudes bilionárias e que duram quase 20 anos. Por serem denúncias contra partido aliado e aliados políticos da Rede Globo não se usa o termo corrupção no governo do PSDB, mas sim: cartel de empresas. O Governador não é corrupto e sim, vítima.

 

2. Omissão. Quando existe uma denúncia grave de corrupção no Governo, seu aliado, diz-se o nome do denunciado, mas se evita falar a sigla partidária; ou simplesmente, ignora-se o fato. E ainda, se acusam envolvidos, o Governante é poupado; já na corrupção dos seus opositores, o Governante opositor, tem partido e é suspeito de prevaricação.

Certo dia no Jornal local da noite, assisti no médico, houve uma reportagem com um Prefeito que recebia propina, o apresentador fez questão de falar o nome do partido do Prefeito: PMDB. PMDB – aliado do Governo Federal; PSDB – oposição. 6***

Obras inauguradas da oposição têm partido, belas imagens, sorrisos e discurso, vide a reportagem de inauguração de trecho do Rodoanel no Jornal nacional***7; quando é do Governo federal geralmente as Organizações Globo não anunciam, como foi o caso da criação do SAMU 2003, em que mostraram o LULA em uma fábrica automotiva do ABCD paulista discursando, mas não disseram o que ele tinha ido fazer lá: criar o SAMU; ou no caso da inauguração em SUAPE, Pernambuco, do Petroleiro Almirante Negro, um momento histórico de recuperação da Indústria Naval brasileira, que não foi motivo de reportagem para a Rede Globo.

2.1. Ocultação. Quando surge uma denúncia de corrupção contra os aliados políticos da emissora envolvendo diferentes pessoas, dá-se a notícia, mas não se informa o nome de todos os envolvidos, se omite por completo o nome do político, geralmente, o mais famoso do grupo, o que nomeou o chefe da corrupção, ou que a corrupção aconteceu em sua Secretaria/Ministério e até se omite o nome de outras pessoas.

No caso da máfia dos fiscais da Prefeitura de São Paulo descobertos numa fraude praticada contra o ISS paulistano, que pode chegar aos 500 milhões de reais, não foi citado o nome do Político amigo da emissora: José Serra do PSDB (partido mais amigo da emissora), que nomeou Mauro Ricardo para ser Secretário das Finanças em 2005 da cidade de São Paulo e que ficou no cargo até o final do mandato de Kassab em 2012.

Mauro Ricardo que já trabalhou com José Serra em outras administrações, atualmente foi indicado pelo Político José Serra para ser Secretário de Finanças da cidade de Salvador, cujo Prefeito eleito em 2012 é o Antonio Carlos Magalhães Neto, outro político aliado da emissora. Interessante é notar que só depois de alguns dias, quando todo mundo está ouvindo falar da pessoa, o nome do Ex-secretário de Finanças Mauro Ricardo aparece no noticiário das Organizações Globo, claro, que preservando o nome de seu aliado Político que o indicou para o cargo.

Não se está dizendo que José Serra tenha ligação com a fraude, mas, ético seria, num Jornalismo com precisão da informação e isento dizer que a nomeação do Secretário de Finanças da cidade de São Paulo, ocupante do cargo de Secretário da pasta, onde ocorre esta enorme fraude, se deu por intermédio de seu aliado Político. Por que ocultar o nome de José Serra e não dizer que o ex-secretário e José Serra trabalharam juntos em outras administrações? Porque José Serra é um dos principais aliados políticos da emissora dos marinhos.

 

3. Edição. Escolha de imagens para ilustrar um ponto de vista da emissora. Subjetividade e propaganda subliminar. A técnica dessa emissora é apurada.

Lembro-me da eleição de 1989, onde, na véspera da eleição, colocaram a imagem do COLLOR sentado em uma poltrona de couro, dentro de uma biblioteca, lendo um livro; e colocaram a imagem do LULA jogando bola na rua com o filho. Mais editado impossível, aquele era homem culto, preparado, este, um ignorante, que ocupa seu tempo livre jogando bola e pouco preocupado com o cargo que pleiteava de Presidente da República.  8***

Na última eleição presidencial, calhou de estar na padaria comendo Pizza, bem na hora do JN. E era uns três dias antes da eleição. Outra edição. Aparecia a DILMA toda suada em cima de uma caminhonete, de baixo de um sol enorme – parecia uma pessoa desesperada a caça de votos; enquanto isso o SERRA aparecia numa moderna sala de reuniões, discutindo “questões importantes” com uma bela assessora, se não falha a memória, sobre o escândalo da licitação combinada do metrô da cidade de São Paulo. Moral da história, idêntica a de COLLOR e de LULA – o SERRA com a imagem de quem decide as coisas, um homem preparado, sábio e sanando questões de corrupção; a DILMA, em desespero, buscando um último suspiro para ganhar alguns votos, uma candidata derrotada.

 

4. Divisão. Outro truque da Rede Globo é o truque da divisão. Ela coloca o Brasil, quando não gosta de uma decisão do Governo Federal em âmbito internacional, ao lado dos países que ela considera ser ditaduras, sempre as mesmas: Cuba, Venezuela e Bolívia (principalmente estes) + o Irã e a Coréia do Norte, países da Ásia. Em um assunto que casa as posições desses países e a do Brasil, dá-lhe divisão. De um lado a Europa, os Estados Unidos e o Japão; do outro o Brasil e as supostas ditaduras.

Pense em qualquer tema: o Irã e a bomba atômica. Quando o Brasil, no Governo LULA, defende que o Irã poderia utilizar a energia nuclear para fins pacíficos, fomos colocados no grupo dos países que defendem ditaduras e citaram os três países de sempre, como, também, partidários do direito do Irã utilizar do enriquecimento do urânio para a produção de energia nuclear. Nesse truque existe a omissão inclusa. Países como Israel, já possuem, até a bomba atômica, e são uma ameaça à paz no Oriente Médio, e não existe nenhuma menção do fato e grita para com eles, talvez, porque são aliados dos Estados Unidos.

É clássico o que vou dizer: em Países da África e a da Ásia há ditaduras, se forem aliados os seus Governantes aos Estados Unidos, mesmo que seja uma ditadura sanguinolenta, a Rede Globo não coloca estes Países no grupo seleto das ditaduras, omite ou fica do lado do Ditador.

E a técnica da divisão tem o truque da não citação. Se Países de distintas bandeiras políticas possuem uma posição semelhante em determinado assunto e a Rede Globo tem outra, se calhar de fazer uma reportagem dirá assim: Brasil, Cuba, Venezuela, Grécia (está caindo pelas tabelas, inclui para dar um ar de diversidade) são favoráveis; Japão, EUA, Dinamarca são contrários. Só que no grupo em que se encontra o Brasil, podem estar: França, Alemanha, Canadá e a Rede Globo engambela quem assiste o seu telejornal, omitindo a informação. Fica sempre parecendo que o Governo do PT (seu opositor ideologicamente) está do lado de ditaduras e/ou de países subdesenvolvidos.

 

5. Acusação. A emissora decide fazer uma acusação grave contra uma pessoa, partido político, etc.

Exemplo: um Ministro de Estado. O acusado se tem direito de resposta, não é o último a falar. Vem depois dele a personalidade que respalda a acusação. Geralmente, colocam um político da oposição. As figuras “carimbadas” – os “supostamente” paladinos da moralidade e incorruptíveis, de sempre, aqueles políticos que vivem dos holofotes da mídia, para referendar a matéria acusativa (até serem desmascarados, como é o caso do Demóstenes Torres). O acusado, por exemplo, de corrupção, está, quase sempre, numa pose desesperada e quem respalda a notícia (o último a falar) muitas vezes aumenta a voz e diz: – são fatos gravíssimos e devemos apurar o mais breve possível! Já parece, de antemão, o julgamento final e a culpabilidade do acusado (hoje, o porta-voz oficial e principal da moralidade é o Senador Álvaro Dias do PSDB).

 

6. Reputação. É clássico na emissora o derrubar de reputações por interesses escusos. Eles dão aos seus opositores políticos um tratamento desrespeitoso.

Quando quiseram atingir o Governo Dilma, as ONGS e por tabela o PCdoB (Partido comunista do Brasil), dá-lhe atacar o Ministro Orlando Silva por todos os lados, sem nenhuma prova contundente, tanto é que o Ministério Público Federal arquivou o processo contra o Ex-ministro dos Esportes por falta de provas. É interessante, que jogam a reputação da pessoa e até de seus familiares se preciso for, de partido político, País, etc. no chão, sem o menor constrangimento. E qualquer acusado fica marcado como corrupto e mesmo que consiga provar sua inocência e honestidade a Rede Globo não faz nenhuma retratação pública.

No quesito reputação é praxe se dizer: Fidel castro, Evo Morales, Hugo Chaves (já falecido) são uma ameaça para a Democracia. Insistem, nos mesmos inimigos, dia e noite. E vivem propalando que qualquer tentativa de se buscar uma moralização da Profissão de Jornalista em suas redações, tendo um código de ética e conduta, tendo uma Lei que garanta ao acusado, o direito de resposta às acusações inverídicas; que as reportagens se pautem pela verdade dos fatos e que sejam realizadas de uma maneira correta, sem ilicitudes, com o equilíbrio da informação, não tendendo a mostrar a ilicitude só de seus opositores seria um cerceamento à liberdade de expressão e uma afronta à Democracia.

 

7. Investigação. Quando um político opositor aos seus interesses é acusado de algo, imediatamente a Rede Globo repercute, investiga e condena de antemão; mas quando se trata de um aliado político ela não condena, de antemão, e coloca alguém para falar: – só ao término do inquérito policial, do Processo na Justiça é que poderemos dizer se o Réu é culpado ou inocente.

Geralmente, a emissora, desqualifica a denúncia e dá toda voz do mundo para o acusado se defender.

 

8. Postergação. Um fato de relevância pulula no País e investigações e mais investigações acontecem. A população toma partido e fica do lado da oposição às suas convicções e parceiros, a Rede Globo finca o pé nas suas convicções até o instante que não dá mais para segurar, então, ela posa de partícipe da causa defendida pela população, a um bom tempo.

Nas Diretas Já e no impeachment do COLLOR demorou a estar do lado vencedor.  E será assim, em qualquer investigação do Ministério Público e das Policias Federal e da Civil dos Estados, e condenação do STF de seu(s) aliado(s). Quando ela sentir que não dá mais para defender o indefensável, irá posar de defensora da verdade desde o limiar do fato e execrar (fazer de conta que nem conhece) todos os culpados, que até bem pouco tempo, eram defendidos ardorosamente.

Um caso recente de postergação:

No caso da juventude do MPL (Movimento do Passe Livre) a Rede Globo foi de um extremo ao outro em poucos dias. De jovens baderneiros para jovens idealistas. E terminou com repórteres à paisana, sem identificação de trabalharem para a emissora. Terminou com medo dos manifestantes e até com medo de ser pedido que seus repórteres saiam da cobertura do evento ou que a emissora seja hostilizada por quem participa das passeatas. Passou a transmitir de helicópteros e estúdios.

Busca de dividendo político e particular, certamente, é a razão pela mudança repentina de postura. O apoio chegou após mais de uma semana depois das passeatas dos jovens por todo o Brasil.

 

9. Apropriação e desapropriação. Consiste na repentina mudança de posicionamento diante de um fenômeno que vem das redes sociais para as ruas, que possa nascer, tão somente, das ruas e o Jornalismo da emissora vê na apropriação desse fenômeno e mostra-lo com “suposto” envolvimento uma chance de ter dividendos políticos e benefícios para si e seus aliados.

As passeatas apartidárias do MPL (Movimento do Passe Livre) são um exemplo perfeito. Houve a possibilidade de a emissora mostrar as manifestações de uma juventude lutando pela diminuição das passagens de ônibus trem e metrô. Afinal se o MPL é um movimento apartidário e que não veicula bandeiras de partidos políticos e movimentos sociais, tornam-se, então: valiosas, as imagens para o Jornalismo da emissora. Se tivesse bandeiras de partidos de esquerda e de movimentos sociais a Rede Globo não mostraria as passeatas, induzindo a ideia de calmaria e civismo absoluto como fez, porque os beneficiários das imagens seriam seus inimigos políticos.

Quando a emissora sente que já não cabe mais o apoio às passeatas ela ao bel-prazer recomeça a criticar a quem deu seu apoio repentino, a não mais mostrar as imagens que lhe foram úteis em determinado momento. Lembra um pouco o tópico 1.3. Seleção do momento de exposição e o tópico 10.1. Apartação.

 

9.1. Editoração, falsificação e inclusão.

9. 1.1. Editoração. Consiste em modificar a realidade de um acontecimento, mostrando apenas imagens que lhe são favoráveis e reportando ao seu telespectador uma verdade que é sua, não a verdade dos fatos. Nas passeatas do MPL, por exemplo, as faixas de fora Rede Globo foram omitidas das imagens transmitidas ininterruptamente pela emissora. Lembremos as reinvindicações dessa juventude, apesar do apartidarismo do movimento é pauta de esquerda e a emissora não se deu ao trabalho de informar seu telespectador.

9.1.2. Falsificação. Consiste em transformar a real intenção de um fenômeno social. O MPL nas ruas luta pela revogação do aumento das passagens de ônibus, trem e metrô e pelo passe livre. A emissora, ao se apropriar da manifestação quis passar a imagem que esses jovens estavam indignados com os Governantes, os políticos, os partidos políticos, a Política e bradando palavras de ordem contra a corrupção no País. E, subliminarmente, sobrou para a Presidenta da República, que vira a responsável por tudo o que acontece nessas manifestações pelas ruas do País.

9.1.3. Inclusão. Consiste em inserir novas pautas num movimento social e coloca-las em evidência. O MPL briga pela revogação do preço das passagens de ônibus, trem e metrô e pelo passe livre. De repente, com a apropriação das passeatas pela Rede Globo de Televisão o MPL “supostamente” briga contra a aprovação da PEC – 37, taxada como Lei da Impunidade, porque tira do Ministério Público o poder de investigação criminal, luta contra a corrupção, contra os gastos com a realização da Copa do Mundo de 2014 no Brasil e tudo o mais brigaria, na editoração e falsificação do movimento.

Quem viu as imagens e fotos do MPL nas ruas, percebeu que o cartaz contra a PEC 37, empunhado por algum jovem, estava ao fundo, em evidência.

 

10. Recriação. Consiste em amoldar a imagem do entrevistado. Pelo conteúdo das perguntas o entrevistador vai moldando personalidade outra do entrevistado.

Exemplo prático. Um político vai dar uma entrevista para a emissora e quem o entrevista começa a transformar o entrevistado em um crítico dos aliados políticos do próprio político e a defender os interesses da emissora, inadvertidamente e sem que o entrevistado, muitas das vezes, se dê conta. Isto se dá com o desenrolar da entrevista ou pela edição das imagens – quando não é entrevista ao vivo, das falas do entrevistado ou pelo direcionamento das perguntas, aqui com o interesse de direcionar a fala do entrevistado sempre na direção das respostas que o Jornalismo da emissora quer. Anda meio escassa a recriação, porque a emissora dos marinhos, praticamente não abre mais espaço para vozes dissonantes às ideias (ideologia) que ela defende, em seus programas de entrevista.

10.1. Transmutação. Consiste na mudança de foco repentina de uma entrevista, devido à resposta, opinião do entrevistado. Vale mais para assuntos polêmicos sobre Economia, Sociedade, Política, Brasil e Mundo, etc.

Exemplo prático. Quando a Fátima Bernardes entrevistou em seu programa uma representante do MPL (Movimento do Passe Livre) e a jovem começou a falar que era necessário diminuir o lucro dos empresários das empresas de ônibus de São Paulo, como forma de abaixar os preços da passagem, a entrevistadora cortou logo o assunto e mudou o foco da entrevista. O entrevistador pode transformar a pauta, pedir um comercial, mudar para outra atividade do programa e até continuar o programa de entrevistas e/ou entretenimento com outro convidado.

Por isto, que quase sempre, os programas de entrevista da emissora têm mais de um entrevistado e se for programa de palco, várias atividades em conjunto. Imagina o risco de apenas um entrevistado, é cara a cara, e ele se contrapor a opinião da emissora e não apoiar os interesses da Rede Globo. Às vezes acontece, mas é raro. Para se evitar tal risco promovem programas com entrevistados com no mínimo duas pessoas, mesmo que selecionados a dedo, para não contradizer os interesses, ideologia e nem criticar aliados políticos da emissora.

10.2. Transformação. Este truque consiste na postura diferenciada da opinião, sempre pelo lado negativo, conforme a situação. Muito usual para com os adversários políticos.

Exemplo: se o Governo Federal (atual oposição à Rede Globo de Televisão) abaixa os juros anuais da taxa SELIC a emissora, através de um Jornalista, comentarista, entrevistado ou reportagem, opina que pode gerar inflação, se aumenta os juros anuais da taxa SELIC um Jornalista, comentarista, entrevistado ou reportagem diz que é prejudicial para indústria e o comércio.

Outro exemplo: Se o Governo não aliado propõe uma Reforma Política via Plebiscito e Assembleia Constituinte e a emissora crê que não é benéfico para ela e seus aliados políticos ela desmerece a ideia, mostra a inviabilidade da proposta através de reportagem, de seus jornalistas e analistas e dos entrevistados que mostram a impossibilidade (neste caso, a Inconstitucionalidade da proposta); porém, se o Governo não aliado não propuser uma Reforma Política a Rede Globo de Televisão pode criticá-lo por não realiza-la.

Leia também:  TV GGN: A Globo vai ser engolida pelos grupos de mídia internacionais, por Luis Nassif

10.3. Indução. Este truque consiste em transformar a opinião pública em favor dos interesses políticos, ideológicos (visão de mundo) e particulares da emissora, quase sempre, contrários ao interesse do seu telespectador.

No exemplo do tópico 10.2. Transformação, que abordo a Reforma Política, fica bem clara esta técnica.

Imaginemos que seja irremediável uma Reforma Política, um Plebiscito e uma Assembleia Constituinte, a emissora que lutou contra a aprovação da Reforma Política e nos moldes que se dará, agora, tentará direcionar as escolhas do eleitor no Plebiscito e pressionará as votações da Reforma Política pelos constituintes, segundo seus interesses políticos, ideológicos (visão de mundo) e particulares. Reputações de pessoas honestas ameaçadas, certamente, nesse processo de pressão para que a Reforma Política vá de encontro aos seus interesses.

Por exemplo: a emissora dos “marinhos” vai mostrar e convencer, através de seus telejornais, jornalistas, comentaristas e entrevistados que o financiamento privado de campanha por empresários é uma medida sensata e que apenas o financiamento público de campanha: não, porque é o dinheiro do contribuinte, arrecado através dos impostos, que financiará as campanhas eleitorais. Tentará a emissora dizer que o Referendo é mais justo que o Plebiscito, dirá que a Reforma Política pode ser feita pelo Congresso Nacional que temos, o mesmo que ela colocou, diariamente, no imaginário do seu telespectador como sendo um Congresso onde a corrupção campeia.

A indução está presente em toda notícia veiculada em programas jornalísticos da Rede Globo. A emissora não busca equilíbrio da informação mostrando os dois ou mais lados possíveis de uma situação concreta. A emissora não prevê em seu jornalismo contrapontos, pontos de vista diferentes dos seus e não tem interesse em fazer o seu telespectador escolher o melhor caminho entre possibilidades. A notícia chega pronta ao seu público, e caminha na estrada do pensamento único, traduzindo, chega a notícia até nós a partir do posicionamento que convém a Rede Globo de Televisão defender em determinado momento.

Todas as notícias, todos os Jornalistas e comentaristas e entrevistados estarão defendendo uma mesma ideia, uma mesma posição. Então, a Reforma Política deverá ser a que os donos da emissora querem e não se terá, será rara, a possibilidade de opiniões diversas nos microfones da emissora, o que se pode definir como: formar o contraditório, o contraponto da notícia, da defesa de uma tese.

Opiniões diversas são caminhos que permitiriam o seu telespectador pensar, refletir entre possibilidades e escolher entre opções. Opinião única é entregar pronta a notícia sem que o telespectador precise pensar, refletir e escolher. E seu telespectador acaba induzido a pensar que a informação ou opinião da emissora é a única correta, afinal só existe um lado para a notícia, o lado que interessa as Organizações Globo.

A Rede Globo diariamente busca o direcionamento da opinião pública para defender suas ideias e denegrir as ideias que não vão de encontro aos seus interesses. Transformação e indução são marcas inseparáveis e caminham juntas no cotidiano jornalístico das Organizações Globo.

 

11. Interrupção. Consiste na interrupção repentina de uma transmissão por causa do interlocutor falar sobre um assunto que não interessa mais aos interesses da emissora. Pode acontecer, também, ao se dar um aparte para outra pessoa. A fala do interlocutor ou de quem foi concedido o aparte pode ser uma opinião comprometedora à emissora, pode conter uma crítica à emissora e até defender opinião diferente da emissora.

Então, se interrompe a transmissão com a entrada de um repórter ou a volta da transmissão para o Jornalista que está no estúdio.

No “Mensalão” acontecia de ser interrompida a fala de um Ministro no Julgamento, quando este estava dando um parecer favorável aos acusados. Ou seja, o contraditório sumia da emissora. As manifestações favoráveis aos réus não se viam ao vivo. Talvez, editadas depois.

A ideia unificada da condenação sem espaço para uma opinião diversa à condenação é uma marca do Jornalismo da Rede Globo. Jornalismo de mão única e de uma só posição diante dos fatos.

Outro exemplo: Um Senador discursa (aliado político ou defendendo as ideias da emissora) e a emissora Globonews está ao vivo, de repente, um Senador oposicionista da emissora pede um aparte e é concedido; a emissora para não dar oportunidade de veicular a fala contraditória, a opinião diversa, do nada interrompe a transmissão e corta para o estúdio ou o repórter entra na tela e começa a dar uma informação outra. Depois, a emissora volta ao pronunciamento do político aliado que, certamente, lhe é favorável.

 

12. Criação. Uma ideia, um personagem é criado no decorrer do tempo. Os dois, ideia e personagem caminham juntos.

A. Vai sendo moldada uma ideia: a do Mensalão do PT, do PT criador de dossiês contra a oposição, etc. Ideia – mensalão, personagem – PT.

B. Vai sendo moldado um político: Collor, o caçador de marajás; Serra, o grande gestor, criador dos medicamentos genéricos, etc. Ideia – Caçador de marajás, personagem – Collor. Ideia – grande gestor, personagem – Serra.

12.1.  Apartação. A ideia e o personagem podem ser abandonados no decorrer dos meses, anos.

Exemplos clássicos de apartação: o caso do Ex-senador Demóstenes Torres e do Ex-senador José Roberto Arruda, além do Ex-presidente Fernando Collor, que de Caçador de Marajás virou um sujeito que realiza magia negra. Do nada, a intimidade da emissora com o personagem desaparece e o mesmo some de seus holofotes. Parece que o personagem só serve para garantir os interesses de momento da emissora, são como robôs, descarta-se se tornar obsoleto. E ao haver a apartação, outro personagem ocupa o espaço daquele que não serve mais à emissora.

 

13. Diferenciação. Tratamento desigual para situações semelhantes. Cai um enorme temporal com várias vítimas fatais, em dois estados distintos, um de seu aliado político outro de um opositor às suas ideias. O tratamento é diferenciado.

Em 2010 choveu uma barbaridade na cidade de São Paulo e na cidade de Niterói. Em São Paulo, o Governador sequer apareceu para dar entrevistas, visitar os locais afetados, após as enormes enchentes nas avenidas marginais e outros locais. A Rede Globo culpou as chuvas torrenciais e a população pelas enchentes, por jogar lixo nas ruas. A emissora não exigiu do Governador, seu aliado, explicações para o ocorrido e nem reclamou de sua conduta, um tanto estranha, de se esquivar de ir aos locais afetados.

Já na cidade de Niterói que fica no Estado do Rio de janeiro, o Governador do Estado, opositor da Rede Globo, foi acusado dos transtornos, das enchentes e das mortes ocorridas, naquele ano, por exemplo, no Morro do Bumba, onde aconteceu grande tragédia. Foram pedidas explicações imediatas para o Governador sobre a tragédia e não se utilizou em defesa do governador do Rio de janeiro, o índice pluviométrico das chuvas e nem o lixo jogado pelos moradores da cidade, bem como a população não foi considerada culpada. O Governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral era aliado de LULA e o Governador SERRA oposição e o candidato preferido da Rede Globo nas eleições de 2010.

No Rio de janeiro parecia um jornalismo policialesco, o fato ocorreu pelo descaso do poder público. Em São Paulo, a culpa foi de São Pedro.

Aqui cabe o tratamento desigual da notícia e do acusado. Os 3 mil reais de propina recebidos pelo ex- funcionário dos Correios Mauricio Marinho, flagrado em um vídeo (hoje já se sabe que o vídeo foi feito por Jairo Martins de Souza um Policial e araponga à mando de, nada mais nada menos que, Carlinhos Cachoeira – o famoso bicheiro preso pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo e entregue para o Diretor da Sucursal da Revista Veja em Brasília, Policarpo Junior, publicar e, claro, a Globo repercutiu o vídeo)***  valem muito mais que os 1,4 bilhões de reais desviados da Sudene no Governo FHC, seu aliado, e o primeiro caso, merece muito mais apuração, mais reportagens da emissora, só pelo fato de ser uma corrupção que pode incriminar e desmoralizar seus opositores.

*** Jairo Martins de Souza foi acusado pelo Ministério Público de ser “funcionário” de Carlinhos Cachoeira e receber um salário mensal de 5 mil reais do contraventor. Esta gravação feita por um araponga a mando de um contraventor e entregue à Revista Veja foi o detonador do “suposto” escândalo do “Mensalão” em 2005.

 

14. Desqualificação e inversão. Se surge uma notícia (denúncia) que não seja favorável aos seus aliados de momento, a emissora corre logo para desqualificar a denúncia e provar que não é verdade o que está sendo denunciado. A Rede Globo pode até inverter a situação, acusar quem fez a denúncia e provar a inocência do denunciado.

Na Operação Monte Carlo está bem claro este processo. Pegaram o Deputado Protógenes Queiroz e começaram a acusar a pessoa que primeiro quis investigar numa CPI o Cachoeira e suas ilicitudes e tentaram incriminá-lo como parte integrante do grupo do contraventor. O Deputado Protógenes Queiroz foi até processado pelo PSDB, para tirá-lo das investigações da CPMI do Cachoeira, e absolvido por falta de provas, pelo Conselho de Ética da Câmara por 18 votos contra 1.

14.1. Desfocalização e inversão. Um truque onde quem promove a investigação, por exemplo, de uma corrupção é quem a emissora tenta colocar no centro das denúncias, tornando os verdadeiros corruptos personagens menores. Neste caso, o que é essencial da notícia vira secundário e o secundário da notícia vira o carro chefe do noticiário.

O atual Prefeito de São Paulo Fernando Haddad do PT (o partido mais inimigo da emissora dos marinhos) criou a Controladoria Geral do Município (CGM), um Órgão independente e com plenos poderes. Segundo lemos na internet: “o órgão terá status de secretaria e vai auxiliar diretamente o prefeito no controle interno da máquina administrativa e também em prevenção e combate à corrupção no poder público municipal” – retirado do site JusBrasil –. Essa controladoria descobre que havia na administração anterior ao mandato de HADDAD na Prefeitura uma máfia de fiscais ligados à Secretaria de Finanças, onde se fez a cobrança de propina de construtoras em troca da liberação do termo de quitação do ISS, o Imposto Sobre Serviços, com valores muito abaixo do real. Sem esse documento, as construtoras não conseguiriam o Habite-se. A CGM descobriu que os bens declarados desses funcionários (fiscais) concursados da Prefeitura eram incompatíveis com os seus ganhos mensais e desencadeou-se uma quantidade enorme de notícias relacionadas ao assunto. Essa máfia trouxe de prejuízo aos cofres do Município um montante em torno de 500 milhões de reais.

Ronilson Bezerra foi considerado o chefe da máfia dos fiscais do ISS e era subsecretário de Mauro Ricardo, este, indicado Secretário das Finanças do Município por José Serra do PSDB (Partido mais aliado da emissora) em 2005, quando José Serra se elegeu Prefeito da cidade. A máfia atuou no período da gestão SERRA/KASSAB.

Porém, apareceram duas denúncias contra o Secretário das Finanças Antonio Donato, Secretário do atual Prefeito Fernando Haddad, uma através de uma interceptação telefônica, nesta, ele foi acusado por Vanessa Alcântara, que se apresenta como ex-mulher de um dos fiscais da máfia do ISS, de ter recebido em 2008 duzentos mil reais para sua campanha eleitoral; e outra, relatada pelo Fiscal Eduardo Barcellos, da máfia do ISS, através do benefício da delação premiada, de que o Secretário Donato recebia uma mesada de 20 mil reais quando ainda era vereador e cuidava da transição de Governo (de Kassab para Haddad).

Portanto, uma pessoa que se apresenta como ex-mulher de um dos fiscais da máfia do ISS e um dos fiscais da máfia do ISS ajudaram na inversão do foco da notícia: a desfocalização. A questão central: os 500 milhões desviados dos cofres da Prefeitura na gestão passada, que durou 8 anos, perderam a centralidade da notícia, e a palavra da ex-mulher e do fiscal colocaram o Secretário de Haddad e a administração atual (com 10 meses no cargo) no centro da notícia.

O Prefeito atual e a sua administração tornam-se questionados, pelas palavras dos que estão sendo investigados, a corrupção da Secretaria de Finanças da gestão SERRA/KASSAB é colocada em segundo plano, e a administração que cria a Controladoria Geral do Município e que investiga, descobre e denuncia diversas pessoas por esse rombo de 500 milhões nos cofres da Prefeitura paulistana vira notícia e de forma negativa, como, corrupta, também. Ao invés de se valorizar a coragem da investigação e lutar para a elucidação plena das investigações e prisão dos fiscais e funcionários da Prefeitura corruptos, tenta a emissora colocar todos na mesma barca, quem investiga e descobre a roubalheira e quem é ladrão. E, lógico, buscando nenhuma associação com um aliado político da emissora, omite-se o nome de quem indicou o Secretário de Finanças, Secretaria, onde, atuavam os fiscais da prefeitura da máfia do ISS, afinal quem colocou o Ex-Secretário lá foi José Serra, um dos principais aliados políticos da emissora e do partido mais aliado da emissora: o PSDB.

14.2. Desfocalização com exumação. Este truque consiste em tirar do foco de uma denúncia de corrupção, disfarçadamente, os aliados da emissora que ainda estão em atividade na Política e aproveitar o Político afastado ou já falecido, este, não pode nem se defender, para imputar a(s) culpa(s).

No escândalo das licitações fraudulentas do Metrô de São Paulo, que duraram quase 20 anos, três Governadores do PSDB, nesse período, estiveram à frente do Governo Paulista: Mário Covas, Geraldo Alckmin, José Serra. Mário Covas já é falecido. O que faz o noticiário da emissora? Uma corrupção que perpassa três governadores diferentes é desfocada, como sendo praticada, quase que exclusivamente, no primeiro Governo do PSDB; exumasse o corpo de Mário Covas e pronto. E por que, assim? Porque o Ex-Governador Mário Covas, já falecido, não tem como se defender. Imputa-se a culpa em uma administração distante no tempo 20 anos, onde boa parte dos integrantes já está separada da vida política, alguns desses integrantes já falecidos: como é o caso do governante “supostamente corrupto”. E se livra a barra dos políticos aliados da emissora, ainda em atividade. A corrupção que dura 20 anos é tida como algo que seus aliados políticos vivos não sabiam que existia, não perceberam que continuou ocorrendo pós o término do mandato do Governador falecido em 2001, mais de 12 anos atrás.

14.3. Desqualificação com mudança de foco.

Se não tem como envolver seus opositores na denúncia com provas robustas, cria-se outra denúncia explosiva, mesmo sem prova alguma, e centram todas as reportagens nela. Até o esquecimento quase total da denúncia com provas robustas.

Um exemplo foi no período de efervescência da Operação Monte Carlo. A Rede Globo começou com uma série de denúncias contra o Governo do Rio de Janeiro na área de Saúde, por causa de contratos irregulares. O intuito foi para desviar o foco da Operação que prendeu o Carlinhos Cachoeira, pois, as investigações acertavam em cheio seus aliados políticos.

Passou-se um ou dois dias, e se descobre, por exemplo, que uma das Empresas beneficiadas por estes contratos iniciou suas atividades de prestação de serviços públicos com partido político aliado da Rede Globo, então, a emissora e suas as denúncias foram minguando do noticiário. Sem, é claro, dizer que na cidade de São Paulo, por exemplo, quando o seu aliado maior na política atual, José Serra, era Prefeito, a empresa que a emissora utilizou na acusação contra o Governo do Rio de Janeiro, teve, também, contratos.

 

15. Massificação. É o truque de capturar para si um evento que dê muita audiência que está acontecendo em algum lugar ou até vários lugares do País e do mundo para formar e informar a opinião pública.

A massificação procura cobrir, sem dar tréguas, um evento X, Y, Z, etc. por ser de interesse da emissora dos marinhos que a população se informe exclusivamente pela Rede Globo. E por que se informar exclusivamente pela Rede Globo? Porque as ideias veiculadas e as ações praticadas no evento não vão de encontro com os interesses da emissora e a classe social a que ela defende. Com o público interessado no evento ligado no canal de TV da emissora fica mais fácil editar e manipular a informação.

É claro que uma fala ao vivo é, praticamente, impossível de ser editada.

Vou demonstrar abaixo que o controle da opinião pública pode iniciar-se no momento do evento para se tornar a emissora a suposta “porta-voz oficial” do evento e seus desdobramentos. A intenção principal da Rede Globo com a massificação é controlar o fluxo informação presencial e futura (na futura: editar, negligenciar e manipular informações se torna um simples querer).

Notemos que nos dias de hoje a importância e a audiência possível de um evento é externa à emissora por causa da Internet. Se a emissora dos marinhos chegar atrasada na cobertura de um evento que for contrário aos seus interesses particulares e a classe social que a Rede Globo representa como ela poderá editar e manipular o evento, garantir a audiência para si? Ficará complicado, porque outro meio de informação poderá formar e informar a opinião pública. E dar uma visão distinta da desejada pela emissora e não mais ser possível o controle da opinião pública pela emissora dos marinhos.

Nos tempos antigos, pré-internet acontecia de a emissora negligenciar informações de eventos importantes, porque ela tinha hegemonia plena da informação, quase todo brasileiro se informava sobre o Brasil e o Mundo pela emissora. Assim, aconteceu nas Diretas Já e no impeachment do Ex-presidente Fernando Collor, a História nos conta, de a Rede Globo se render aos dois eventos apenas perto de seus términos.

Leia também:  Snowden defende Vaza Jato: "se a informação é de interesse público e verdadeira, tem que ser divulgada"

Hoje se torna preciso participar de tudo o que a emissora possa considerar subversivo, contrário a sua visão de mundo e seus interesses particulares porque o evento com ou sem a sua cobertura será divulgado, assistido, terá grande público e será comentado.

Exemplos práticos de massificação são as passeatas com protestos e a visita do Papa Francisco.

Passeatas.

Quem acompanhou as passeatas de junho de 2013 viu que o MPL, grupo inicial das passeatas, defendia o Passe Livre e discursava para que se diminuísse o lucro das empresas de transporte como forma de diminuir o preço das passagens de ônibus, trem e metrô. Este é um discurso de esquerda (politicamente), então, a Rede Globo se viu obrigada a encampar as passeatas e a passar diariamente e por horas seguidas os jovens nas ruas, até deixando de lado as novelas da emissora para dar a sua versão dos fatos que aconteciam.

E o que fez então? Editou o conteúdo das passeatas, relatando uma realidade, diversa da real (das ruas), incentivando seu telespectador jovem a participar, incluindo então: as reivindicações que eram úteis à emissora, seus aliados políticos e as classes sociais que representa. De repente, PEC 37, corrupção, partidos políticos e políticos eram pautas, segundo a Rede Globo, das passeatas e não apenas a revogação do aumento das passagens de ônibus, metrô e trem e o passe livre.

Massificou na cobertura das passeatas a ideia de que os jovens do País todo foram nas ruas para demonstrar suas insatisfações para com a Política. Pequenas parcelas de jovens de algumas cidades tornaram-se grandes parcelas de jovens do Brasil todo, na massificação da notícia.

É o truque do tostão que vira milhão, se eu disser que é milhão. E do milhão que vira tostão.

Na passeata dos médicos na Avenida Paulista em São Paulo, contra o Programa Mais Médicos e a contratação de médicos estrangeiros para trabalhar no Brasil em cidades e regiões do Brasil onde faltam médicos residentes havia 500 pessoas, na edição global tinha-se 2000 mil pessoas.

Papa Francisco.

Com o Papa aconteceu igual. A Rede Globo ficou horas e horas seguidas televisionando e informando tudo o que o Papa Francisco fez no Brasil e quis controlar a opinião pública.

O Papa Francisco tem um discurso social progressista e mais agradável à esquerda (se pensarmos no espectro político), quando fala de questões sociais: desapego material, simplicidade, humildade, erradicação da pobreza, etc.

A Rede Globo precisou produzir uma quantidade significativa de informação sobre o Papa Francisco e diversificada, para garantir que a audiência ficasse na emissora e ela pudesse, ao máximo, pautar e informar a opinião pública. Tentou assim, controlar os meios de informação sobre as ideias e ações do Papa Francisco no Brasil. E tenta se passar agora, como a “porta-voz oficial” de Sua Santidade.

Tentou capturar para si a visita do Papa Francisco e agora pode, na lógica da emissora, selecionar o que é inofensivo divulgar, o que se deve editar e o que não se deve mostrar das pregações e ações do Sumo Pontífice.

Afinal, a opinião pública, segundo a lógica da emissora dos marinhos, irá buscar informações do Papa em seus meios de comunicação: rádio, TV, jornal, revista e portal da internet por ela passar a ideia de ser a “porta-voz oficial” de Sua Santidade no Brasil.

 

16. Decantação. É o truque do autoelogio entre os Jornalistas e analistas da própria Rede Globo diante de uma reportagem ou entrevista da própria emissora. Um programa dentro da programação da própria emissora para elogiar a própria emissora.

Na visita do Papa Francisco ao Brasil um Repórter da emissora conseguiu entrevista exclusiva com o Sumo Pontífice. Parte da equipe de profissionais da área de Jornalismo da emissora participou de um programa para elogiar a entrevista do Repórter com o Papa Francisco.

É a decantação. Prática comum na emissora em áreas outras, como a do entretenimento, quando, por exemplo, se mostra a história de vida de um artista contratado da emissora através de outros artistas e funcionários contratados da emissora, sendo de fora dos quadros de contratados da emissora, quase que exclusivamente, familiares e amigos que não sejam contratados de outros canais de televisão.

O truque da decantação é utilizado para valorizar a própria emissora, seu quadro de artistas e sua programação e alavancar a audiência da Rede Globo. Quem vai ser homenageado ou vai falar do artista homenageado pode estar prestes a realizar uma novela, um novo programa na Rede Globo ou pode estar ali porque se quer melhorar a audiência de uma novela ou de um programa da emissora.

 

17. Associação. Muito comum esta ação. Consiste em combinar ou simplesmente repercutir reportagem da mídia aliada, abrindo uma ótima pauta para atacar os opositores da emissora, o inimigo em comum. Por exemplo, a revista Veja solta uma reportagem, então os meios impressos e sites, as rádios e a TV das Organizações Globo amplificam a reportagem durante o dia, iniciando um processo de chamamento para que nós assistamos seus telejornais, principalmente o Jornal Nacional, onde a audiência é a maior de todas e a notícia surgirá com a maior força possível. Assim, a denúncia fica amplificada e em toda parte se repercute o que foi noticiado.

Pode haver a associação com um político, também, via horário eleitoral. Esta é uma técnica que consiste em jogar uma matéria no Telejornal da emissora e que o político associado à emissora, está pronto para repercutir, seja matéria em seu favor ou contra os adversários da emissora e do político. Na eleição para Presidente de 2010 ocorreu, algumas vezes, em horário nobre. E por que o político está pronto para repercuti-la? Porque a matéria foi feita por ambas as partes: emissora e político associado.

 

18. Organização. É o truque de como aparecem as reportagens, no decorrer do telejornal. Conforme as notícias vão se sucedendo no telejornal da emissora você observa que existe uma organização precisa do encaixe, numa sequência programada, das notícias X, Y e Z.

As notícias estão divididas em três grupos:

Grupo 1: As favoráveis aos Governos, à ideologia (visão de mundo) e classe(s) social(is) que a Rede Globo apoia;

Grupo 2: As notícias desfavoráveis aos Governos, à ideologia (visão de mundo) e classe(s) social(is) que a Rede Globo não apoia.

Grupo 3: As notícias que aparentemente não precisam de um viés positivo ou negativo. Por exemplo: notícias do futebol e da previsão do tempo.

Ápices, quedas, clímax, anticlímax, última notícia favorável ao lado que apoia ou desfavorável a quem não apoia são observados no decorrer da apresentação do telejornal.  

Todos estes truques abaixo e outros mais sintetizam as técnicas possíveis para a organização dos telejornais diários da Rede Globo de Televisão: 

A) Os temas jornalísticos abordados no dia e as omissões de temática que a internet desmascara;

B) A escolha das notícias positivas e negativas;

C) O tempo de exposição das notícias positivas e negativas de seu inimigo político ou de classe social;

D) O tempo de exposição das notícias positivas e negativas de seu aliado político ou de classe social;

E) O tom da fala e a fisionomia do(s) apresentador(es) e dos repórteres;

F) A escolha vocabular. Linguagem menos polida ou mais polida conforme a situação.

G) A imagem mais clara ou a imagem mais escura de uma reportagem, de uma entrevista, os flashes, os closes, a situação mais alegre ou acuada de uma pessoa que a emissora torna notícia, a omissão, desvalorização ou valorização da imagem dos personagens da notícia;

H) Os elogios escancarados, as críticas veladas;

I) O tom das matérias: mais policialesco, de denúncia, acusatório, mais sério, mais fúnebre ou mais amigável, parceiro e até festivo em determinadas situações conforme a situação (dentro da lógica amigo e inimigo da emissora) seja pelo lado político, ideológico (visão de mundo) ou de classe social;

 J) A maior exposição ou menor exposição do indivíduo A em relação ao B para dar explicações de uma denúncia qualquer conforme a necessidade particular da emissora;

Etc.

18.1. Permutação. É o truque de alternar notícias positivas e notícias negativas de diferentes temas. Positivas de seus aliados políticos e negativas de seus inimigos políticos. Aqui aparecem diferentes notícias de temas distintos num telejornal da emissora no dia X: saúde, educação, transporte, violência. Então se organiza, por exemplo, o Jornal Nacional com uma notícia de saúde desfavorável aos governos que a emissora não apoia e segue na sequência uma notícia favorável sobre um projeto educacional do governo que ela apoia e o telejornal se constrói dessa maneira, entre notícias positivas e negativas, sempre com tudo calculado e termina o Jornal Nacional escolhendo se vai encher a bola do seu aliado político ou rebaixar a credibilidade política de seu inimigo ideológico.

A Rede Globo pode bater por 18 minutos seguidos no inimigo político dela, como aconteceu no auge do Julgamento do “Mensalão” em outubro de 2012 e ainda a seguir, cortar para outra notícia e elogiar uma ação do seu aliado político, com toda a pompa é claro, e terminar o seu telejornal batendo, novamente, no seu adversário político, tudo sem nenhum constrangimento e quase sem nenhuma chance de defesa de quem ela veicula notícias negativas por quase todo o tempo do telejornal. A última notícia com diz a gíria: “é para acabar de chutar cachorro morto”.

A partir da duplicação ou comparação, tópico abaixo, se pode mostrar a organização dos telejornais da Rede Globo de Televisão na prática.

18.2. Duplicação ou comparação. É um truque semelhante à permutação, mas com o ingrediente de duplicar notícias de um mesmo tema no mesmo telejornal, por exemplo: saúde, educação, transporte, segurança, corrupção, etc. e dar enfoques distintos para cada uma. A emissora mostra uma reportagem, por exemplo, sobre segurança, onde seu aliado político aparece realizando ações concretas e benéficas para a população e, depois, coloca outra reportagem sobre segurança, onde busca passar a ideia de que seu inimigo político não age com competência e existem falhas em suas atividades administrativas, mesmo que a reportagem do seu inimigo político não condiga com a verdade, mesmo que seja produzida sem cuidado, apenas para uma confrontação entre políticos, mesmo que seja uma reportagem requentada, tudo posto para a manipulação do seu telespectador. É uma técnica que visa a comparação de ações, dizendo da competência de um e da incompetência de outro.

Em férias viajava pelo Paraná e no almoço a TV estava ligada no Jornal Hoje da afiliada da Rede Globo: RPCTV. Ao assisti-lo ficou bem clara a organização do telejornal Hoje em benefício do Governador Beto Richa, seu aliado político. A Polícia Civil do Governo deste político havia prendido, naquele dia, 18 pessoas, entre elas, dois delegados acusados de extorsão na Operação batizada de Vortex, e a emissora tratou do tema combate à corrupção no telejornal daquele dia com toda a pompa, entrevistou até um dos delegados acusado de corrupção: selecionou o Delegado, por ser meio esquisito o sujeito e fora do padrão, para entrevistar e mostrar imagens: sujeito meio gordinho, espinhas na cara, barbudo e malvestido. O Governador foi entrevistado, também, no começo do telejornal, num iluminado close de sua face, barba feita, terno alinhado e diante das câmeras e dos flashes bradou contra a corrupção. A fala dele creio que seja esta: – se as investigações comprovarem as irregularidades, os policiais envolvidos serão punidos rigorosamente. Busquei a fonte da fala via internet em texto escrito, não encontrei o vídeo de sua fala.

Em seguida outra notícia mostrou grades avariadas na Ponte da Amizade que liga Foz do Iguaçu à Cidad Del Leste no Paraguai. Segundo a notícia as avarias formam buracos onde se jogam muambas pelos vãos com destino ao Brasil.

Uma informação importante. A Polícia Federal estava realizando no dia do telejornal uma grande operação de fiscalização das fronteiras brasileiras para apreensão de armas, drogas, remédios falsificados, etc. e que duraria 45 dias. Todos os ônibus que peguei na viagem próxima à fronteira foram parados para revista da Polícia Federal ou Rodoviária Federal ou Rodoviária Estadual (no total de sete vezes). A emissora não noticia (omite) a Operação da Polícia Federal, apenas disse que as grades da Ponte da Amizade estão avariadas, o que possibilitaria o contrabando, e entrevistou numa sala escura um desconhecido membro do Ministério Público Federal dizendo que o Governo Federal tem um projeto de modernização da Ponte da Amizade, mostrou até uma maquete.

Depois, o que fez a emissora? Voltou com a notícia do Governador e a Operação Vortex que prende “corruptos” (na verdade acusados de corrupção) e dá-lhe valorização do aliado Político. O clássico: – voltamos a falar diretamente… E o telejornal termina com um auge, repetindo a notícia da ação do Governador aliado prendendo “corruptos”.

Assim se deu o Telejornal: clímax: notícia positiva (aliado), anticlímax: notícia negativa (opositor), clímax: notícia positiva (aliado).

O que aconteceu nesta organização do telejornal? Falou-se positivamente de seu aliado político, colocando ele como personagem central do noticiário, alguém que age de prontidão e com eficácia – seu honesto e trabalhador governo prende delegados e outros funcionários ligados à Polícia Civil acusados de corrupção; depois se falou negativamente de seu inimigo político, colocando sua Polícia a Federal (o Governo Federal atual é seu inimigo político) como omissa para com as avarias na Ponte da Amizade e o contrabando e que o Governo inimigo tem um projeto para revigorar a ponte, mas, sabe-se lá quando irá realiza-lo; e volta a falar das prisões de delegados e outras pessoas da Polícia Civil do Paraná, acusadas de corrupção, Polícia Civil comandada pelo Governador paranaense, seu aliado político, e termina o telejornal enchendo a bola do Governador Beto Richa.

Seu aliado político foi tratado com respeito, com luzes claras, como sujeito que age e deram voz para o aliado dizer da ação da Polícia Civil do Estado do Paraná, afirmando que se as irregularidades forem comprovadas haverá a punição imediata dos acusados.

De seu inimigo político foi omitida toda uma Operação na Fronteira contra o contrabando de armas, drogas, remédios falsificados, etc., e entrevistaram, para mostrar imparcialidade, um membro desconhecido do Ministério Público Federal em uma sala escura dizendo que há um projeto de modernização da Ponte da Amizade sem previsão de quando será feita esta modernização. O Governo Federal foi colocado como alguém que não faz as coisas que deveria fazer, através de sua Polícia Federal e vive de projetos e maquetes sem realiza-los.

É muito provável que tudo foi combinado entre a assessoria do Governador e a emissora, para a edição precisa de o telejornal acontecer.  Tudo preparado à perfeição, repórteres na hora exata nos locais exatos, Governador discursando e matéria negativa pronta, do inimigo político com a omissão da significativa Operação da Polícia Federal nas fronteiras que ocorria naquele dia, com uma entrevista gravada de membro do Ministério Público para a notícia negativa se processar. A notícia da ponte pode ter sido reprisada, estava lá para existir o truque da duplicação ou comparação.

A emissora não iria dar valor à Operação da Polícia Federal, esta se omite, e como contraponto coloca a Operação de prisão de membros da Polícia Civil de seu aliado político. Uma Polícia, a Federal, inoperante; outra, a Polícia Civil do Paraná, trabalhando para defenestrar a corrupção de seus quadros.

Um mesmo tema duplicado e comparado com distintas abordagens e se dá a organização do telejornal da emissora. Outras notícias estão presentes no telejornal e são todas coadjuvantes do enredo montado milimetricamente para seu telespectador assistir e ser manipulado. 

 

VÍDEOS DEMONSTRATIVOS:

 

1*** http://www.youtube.com/watch?v=cGSaPQH63aw

Nesta matéria existem diferente cidades citadas. Ênfase para duas, maiores. Aracaju – SE, administrada pelo PCdoB até 2012. E São Paulo, onde foram checados 5 hospitais e 1 deles o da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) encontrou-se problemas. O detalhe é para a ênfase de que o hospital é da Unifesp. Moral: termina a reportagem com a valorização da reportagem/denúncia, onde a Prefeitura de Aracaju diz que irá tomar providências.

(Na matéria condensada do Jornal Nacional a ênfase era para o Hospital São Paulo).

2*** Seleção das perguntas para SERRA e para DILMA.

Tentei encontrar a entrevista mais radical, onde a Fátima Bernardes teve de intervir. Pena não ter encontrado.

3*** Heloisa Helena no Jornal Nacional.

Seria legal fazer uma retrospectiva das aparições de Heloísa Helena nos Jornais da Rede Globo e ver a quantidade de vezes que ela foi entrevistada, apenas para falar mal do PT e/ou de seus políticos.

4*** É possível fazer uma cobertura da morte do Cazuza sem entrevistar um “fã de carteirinha”? Veja como é possível, no link abaixo:

 http://www.youtube.com/watch?v=mgrUhK-exGc&feature=relmfu

5*** Debate entre Collor X Lula. (Não encontrei o vídeo)

A edição do Jornal Nacional é um clássico do Jornalismo parcial da emissora.

6*** Vídeos: um com omissão e outro com citação do partido político.

Seria legal observar no dia a dia este detalhe. Será fácil subsidiar a técnica que apontei.

7*** Aqui aparece o SERRA discursando para a plateia. Diz-se que a obra foi inaugurada sem estar totalmente pronta, mas termina a reportagem com um motorista de carro que diz que tem que inaugurar logo o Rodoanel, para diminuir o trânsito de caminhões na cidade. Moral: Mesmo não estando, totalmente pronta, a Rede Globo tenta incutir a ideia de que era vantajoso entregar a obra inconclusa.

http://www.youtube.com/watch?v=hU07YA5lInM

Se fosse um político opositor às suas ideias, certamente, a reportagem seria sobre os perigos de se entregar uma obra viária inconclusa, onde carros com pessoas trafegam.

8*** Edição JN 1989 – Lula e Collor e 2010 Dilma e Serra.

Pena não encontrar o vídeo. Mais ilustrativo impossível.  

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

81 comentários

  1. Uma verdadeira dissecação de

    Uma verdadeira dissecação de um cadaver insepulto, cujo mal se espalhou na nossa terra. É chegada a hora de mostrar a verdade sobre essa prostituta vil, que somente ainda dar prazer a poucos “escolhidos”. Ainda diz que não somos “Nazistas”.

    • Abraço, Assis!O texto

      Abraço, Assis!

      O texto começou em abril do ano passado, deu uma inspiração e comecei. Lia uma postagem sobre a Rede Globo aqui no Nassif e veio o início de tudo, virou um primeiro post. Com o tempo fui ampliando e reescrevendo o texto. É simplório, no sentido que busco uma forma de mostrar o Jornalismo da emissora, sem complicações teóricas, é mais na prática de quem assiste, lê, ouve e, atualmente, acompanha via net, os fatos e notícias através modo de trabalhar do Jornalismo da Rede Globo. 

       

  2. Mais uma ilustração

    Semana passada a jornalista de economia do programa de Leilane Neubarth ao se referir à queda dos índices inflacionários argumentou que se devia à sazonalidade de alguns produtos. Nunca a vi comentar sobre a sazonalidade quando a inflação aumentou, ao invés disso a Globo preferiu ornamentar Ana Maria Braga com um colar de tomates. Talvez, da próxima vez, inventem colocar uma melancia no traseiro dela.

  3. os truques da globo

    Agora, meus caros, será o órgão oficial informativo da Supr via, Rio de Janeiro. Dentro dos trens foram instaladas aparelhos televisivos para iludir os milhares de usuários. Os caras são terríveis!

  4. “Nunca dê entrevista, nunca

    “Nunca dê entrevista, nunca assista a Globo News e jamais acredite em nada  do que é veiculado neste canal e nem dê audiência para nada que seja vinculado às Organizações Globo. “

    Enterrem a cabeça na terra e só acreditem no governo e no partido.

    Assistam a telesur a verdade esta lá.

     

  5. Truques da grobo.

    Tambelli, achei elogiáveis seus comentários sobre os truques da grobo para deformar seus espectadores. Isto não eh criação dos marinhos. Foram precedidos por Chateaubriand nos diários associados  e certamente terão substitutos com o declínio de seu império midiatico .Nos falta uma lei de imprensa que nos  de segurança contra marginais que se valem de servicos publicos.

    • Com certeza nasceu antes da

      Com certeza nasceu antes da Rede Globo. O texto é apenas uma enumeração de situações reais, que ainda ocorrem, Serralheiro!

      A Lei de Médios. Eu acredito que a discussão possa avançar a partir do segundo mandato da Presidenta DILMA. Por hora é arrumar um baita dum problema para todos nós. A eleição de 2014 viraria uma violenta batalha, ainda maior do que será, nos meios de comunicação tradicionais.

      Abraço,

      Alexandre!

  6. “No quesito reputação é praxe

    “No quesito reputação é praxe se dizer: Fidel castro, Evo Morales, Hugo Chaves (já falecido) são uma ameaça para a Democracia. Insistem, nos mesmos inimigos, dia e noite”:

    Ordens do departamento de Estado dos Estados Unidos.

  7. Perfeito, Alexandre. Fizestes

    Perfeito, Alexandre. Fizestes um trabalho de folego ao catalogar todas esses truques e maquinações jornalísticas utilizadas pelas Organizações. É isso aí sem tirar nem por.

    O que mais me irrita, confesso, é a cara de ironia desse sujeito campeão em antipatia, o pernóstico Willam Waak. Esse cara se acha!

    Aí me o Aliança Liberal, como sempre, deslustrar esse excelente compêndio que DEMONSTRA, não só aventa, as sacanagens de uma mídia hipócrita, safada, desonesta e vagabunda. 

     

  8. A primeira frase é um grande

    A primeira frase é um grande exagero, a Globo News tem bons programas e bons comentaristas. Tem péssimos também mas não acho que caiba generalização.

    O pessoal parece que ainda não percebeu , mas a Globo, ja pela segunda semana seguida fez reportagens favoráveis ao Governo, no fantástico.

    A primeira foi a dos caminhões pipa aonde desancou o exército.

    A segunda foi ontem, com relação as organizações e cooperações da saúde, aonde desancou médicos e profissionais da saúde, principalmente gestores. Nesses momentos de mais médicos, ponto para o Governo Federal.

     

    • Daniel

      Alexandre fala da lavagem cerebral. Os raros jornalistas e parte de pouco dos progamas são isentos, isso não tira a condição da rede globo ser péssima para a formação do conhecimento.

    • Daniel!

      Eu penso que devemos ficar atentos.

      Existe a circunstância atual: dívida com a receita, custo da emissora para manter o padrão global, popularidade dos Governos Dilma e Lula, os protestos na porta da emissora, o pacto com LULA, etc.

      A Rede Globo está atenta à realidade de hoje, e toca a música conforme a dança. 

      Na primeira oportunidade não terá nenhum pudor de abraçar aquele que possa vencer a Presidenta DILMA e que tenha o seu aval como candidato(a). 

      Como a Rede Globo sabe que está difícil, na conjuntura de hoje, final de 2013, ela dá alguma sua trégua, faz alguma reportagem positiva, quando enxergar que pode novamente avançar para cima dos governos de esquerda, não tenho dúvidas de que lado a emissora estará. 

      Um abraço,

      Alexandre!

       

    • Não vejo o fantastico

      E não vi o citado programa, mas acho que você deu um exemplo inadequado quando mencionou a crítica ao exercito.

      Hoje, ele é  um importante agente da ação do governo, principalmente nos rincões. Falo sobre segurança das fronteiras (nada  mais que sua obrigação) mas falo também da construção ou reforma de trechos rodoviários, obras que já presenciei. Falo da participação das forças armadas, em tempo de paz, levando saúde. Diria mesmo que hoje as forças são um importante Braço Civil no esforço de fazer um país mais justo e igual. Seria o alvo oculto da crítica o Ministro da Defesa, Celso Amorim?

  9. Informação
    Meu caro, eu não vejo a globo desde o governo Sarnei e continuo bem informado, aliás, estou melhor informado. A globo e seus tentáculos é para aqueles que acham que a vida só tem coisas ruins e estão destinados a sofrerem. É a valorização do pior.

    • Dijalma!

      Que coisa boa!

      Sou um aprendiz desse mundo sem velha mídia. Eu assistia com meu pai, já falecido, de 4 a 5 horas de telejornais diários. Imagina a maratona de SBT, Globo, Manchete, Cultura depois foi incluída a Band na lista. 

      Um abraço,

      Alexandre!

  10. Uma aula. A maioria da

    Uma aula. A maioria da informação contida no artigo eu conhecia. Isso tem que ser lido por muitas, muitas e muitas pessoas para terem a exata dimensão de como uma Organização Criminosa age no Brasil. Uma empresa corrupta, sonegadora, manipuladora com jornalistas de 5ª que se submete ao patrão abdicando da ética que a profissão exige. Manietados e vagabundos.

  11. Touché!

    Que belo apanhado Alexandre, parabéns de verdade pela extensa pesquisa.

     

    É preciso muito estômago para acompanhar qualquer produto fabricado pelas mídias da Globo, eu mesmo já não “consumo” nada deles (com exceção do futebol) há mais de 10 anos.

     

    Mesmo assim deixo duas observações que sempre me intrigaram:

     

    – Por que o governo federal insiste em dedicar tanta publicidade em veículos, notadamente a Globo, que sempre adotam um viés negativo em tudo que diz respeito a suas ações e iniciativas? O governo paga para apanhar da Globo? Qual a lógica disso?

    – A Globo, assim como os demais veículos de mídia, fala para os seus. Não acredito que seja possível a formação de uma nova classe de reacionários a partir apenas de sua catequese diária, mesmo porque é possível se informar sobre qualquer assunto hoje em dia apenas pela internet e sem ter que passar perto da Veja, Folha e etc. Essa massa reacionária sempre existiu e sempre existirá, assim como existem os radicais de esquerda, mas não é por causa da Globo, eles são amplificados por ela. Mais do que um desejo, tenho a convicção de que essa mídia de viés reacionário capitaneada pela Globo caminha para a irrelevância a médio prazo (assim como os reacionários), algo em torno de 10 anos.

    • Adão!

      Uma coisa que defendo é que ainda não existem forças suficientes para se derrubar a velha mídia. O PT sabe bem disso e joga o jogo. Anuncia na velha mídia como antídoto às notícias.

      Por exemplo, a velha mídia diz que a Petrobrás está quebrada e a Petrobrás anuncia recordes de investimento nos comerciais da Rede Globo. 

      Tem dado resultado eleitoral. 

      Aos poucos essa mídia vai perdendo fôlego, mas não vai entregar de mão beijada o espaço que possui nos meios de comunicação. Irá radicalizar muito ainda. O enfraquecimento significativo da mídia tradicional é um processo para alguns anos a frente, penso eu. 

      Abraço,

      Alexandre!

      • imprensa marron?

        Alexandre,

        Nos velhos tempos isso se chamava chantagem, que parece não ser exclusividade daquela revista cujo principal repórter investigativo era o bandido Cachoeira. Os anúncios chovem… mas não sei se o governo deve fazer esse jogo. Tanto dinheiro poderia ser melhor empregado em obras de saneamento (esgotos, embora a recusa também possa causar um saneamento dos costumes).

        Aproveito para te dar parabéns pelo trabalho de fôlego!

         

  12. “batizado de.. Mensalão do

    “batizado de.. Mensalão do PSDB, um processo que não está tendo a mesma celeridade no STF.”

    Errado. Chegou lá só 2 anos depois, justamente porque foi o mensalão do PT que desencavou o esquema Valério, o que então desnudou o esquema anterior do PSDB.

     

    “A Privataria Tucana… não mereceu sequer uma reportagem investigativa por parte da emissora ou de seus jornais”

    Mereceu isso aqui ó:

    “A Justiça Federal em Brasília aceitou denúncia contra o jornalista Amaury Ribeiro Jr. e outros cinco réus por quebra do sigilo fiscal de integrantes e familiares de políticos do PSDB. O juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara do Distrito Federal, tomou a decisão no último dia 30 e transformou os envolvidos em réus no processo que investiga o caso. Em julho deste ano o Ministério Público Federal denunciou à Justiça Ribeiro Jr. e os despachantes Dirceu Garcia e Antonio Carlos Atella, o office-boy Ademir Cabral e a então funcionária do Serpro (serviço de processamento de dados do governo) cedida à Receita Federal, Adeildda dos Santos, pela quebra de sigilo de pessoas ligadas ao ex-governador José Serra (PSDB) em 2009. A Procuradoria pediu ainda a abertura de inquérito para identificar mentores da ação.”

     

  13. Por que continua tudo assim?

    Os governantes e políticos, todos eles, sabem como funciona o esquema de midiatização descrito aqui. Ficam então algumas perguntas:

    1. porque eles continuam a financiar esse sistema por meio das verbas de comunicação social?

    2. por que as assessorias de comunicação ou imprensa não organizam a própria divulgação dos atos, por meio de coletivas COM A PARTICIPAÇÃO DE VEÍCULOS ALTERNATIVOS, como blogues e portais (A Pública, Carta Maior, entre outros), e estabelecem a própria pauta?

    3. por que os governos, especialmente os de viés de esquerda, estão sempre atrasados em relação à mídia convencional? E, finalmente:

    4. por que, quando os índices de audiência revelam um enfraquecimento da credibilidade dos veículos tradicionais, os governos não ousam, fortalecendo os novos atores que já demonstraram ter poder de mobilização ou mesmo utilizando as tv’s estatais (a tv Brasil é o maior exemplo) para criar um noticiário de qualidade diferenciada e que revele os pontos positivos de suas realizações?

    Fica a impressão de que os governos ditos progressistas estão sempre correndo atrás, sempre tentando recuperar a imagem depois de sucessivos “escândalos”. Como o PHA vive a dizer (e o Mino Carta também), todos os petistas vivem a reclamar da Globo e da Veja, mas não recusam uma entrevista exclusiva ou uma aparição nas páginas amarelas.

    O telejornal da TV Brasil (para ficar apenas no exemplo federal) é um dos melhores da TV brasileira, mas passa justamente no horário da novela que, goste-se ou não, ainda atrai grandes contingentes de espectadores. Porque não alterá-lo para bater de frente com o Jornal Nacional?

    A Petrobras, com o blogue Dados e Fatos, deu uma paulada na mídia, desvalorizando as matérias negativas que seriam veiculadas. Foi um excelente exemplo a ser seguido, mas não virou uma boa prática copiada (para usar um termo que é caro aos “gestores).

    Aliás, citando programas além dos jornalísticos, a programação da TV Brasil é muito boa, mas os horários são péssimos.

    Enfim, há uma conjuntura extremamente favorável aos governos e políticos que não têm voz nos veículos da velha mídia – ou a tem deturpada, como o excelente artigo demonstrou – para uma ofensiva contra esses veículos tradicionais. Além da audiência em baixa da TV Globo, rumores cada vez mais forte da venda do Estadão tomam a internet, a Editora Abril cancela diversas publicações, as emissoras concorrentes da Globo contratam um novo sistema de medição de audiência. Os responsáveis pela área de comunicação dos governos – de todos os governos, mas em especial o federal – revelam-se inaptos para o exercício da ousadia, criando um marco inovador e um ambiente em que o jornalismo honesto passe a vigorar.

    Todos os problemas que o governo enfrentou, desde 2003, são reflexos diretos dessa falta de ação: deixou-se o mensalão assumir a dimensão que teve, sem efeitos políticos, claro, mas o enredo foi elaborado e contado pela mídia sem praticamente nenhuma oposição; a CPI do Cachoeira terminou de forma melancólica, quando se tinha ali todos os elementos para levar a Veja e seus colunistas ao completo descrédito; figuras como Aécio Neves, Álvaro Dias e José Serra são incensadas pelo noticiário sem nenhuma contraposição.

    Se a comunicação social do PT e aliados não mudar radicalmente, continuaremos a ver o mesmo filme, a ler as mesmas notícias e a ver as mesmas “reportagens’  pelos próximos 10 anos, no mínimo.

    • Cristhian Camilo!

      Em duas palavras te respondo: é o jogo eleitoral!

      Política se faz com votos, talvez, seja cômoda essa situação para o PT!

      E por quê?

      Com a velha mídia sendo a verdadeira oposição, o PT disputa a eleição contra ele mesmo, porque a velha mídia não é candidata numa eleição. 

      Cabe as oposições criar candidaturas fortes, com programas de governo que atendam os interesses do Brasil e que possam confrontar as administrações Lula e a de Dilma. 

      Senão, sabemos o resultado final antes de se abrirem as urnas. 

      Abraço,

      Alexandre!

  14. TV ABERTA = TUDO IGUAL

    Concordo com tudo, mas faço algumas ressalvas:

    Não é só a Globo que é assim. TODAS as grandes emissoras do Brasil são iguais. Até a falida Rede TV! é reaça. Tem uma magricela que apresenta o jornal das 8.30h na Rede TV! que pensa que é a Cantanhede. Toda vez que fala do PT faz cara de nojo.  

    A RECORD não fica atrás. A Adriana e o Celso do Jornal da Record são tucanos de carteirinha. Adoram dar notícia ruim sobre os governos do PT.  Tem um apresentador em BHTE no horário das 7:30 que disse que a culpa dos protestos em BH e da violência dos manifestantes era do PT. Falou isto umas dez vezes em um só bloco do noticiário.

    O SBT tem o Nascimento que debocha toda vez que fala alguma coisa sobre os petistas, uma tal de “cheirazade” que é reaça descarada e o intragável tal Newmane Pinto.

    A BAND tem o Boris Cazoy que dispensa comentários e agora neste momento acabei de ver na BandNews uma notícia MANIPULADA sobre as eleições da Venezula. A apresentadora lendo o telepronter com a cara mais lambida do mundo e falando que Maduro perdeu nas urnas por causa da abstenção dos eleitores e que eles estão insatisfeitos com o governo chavista e que mesmo assim Maduro comemorou o resultado. Me deu nojo, mudei de canal na hora. 

    A IDEOLOGIA DE TODAS É A MESMA, A DIFERENÇA ENTRE A GLOBO E O ” RESTO” É QUE A GLOBO É PROFISSIONAL NA MANIPULAÇÃO E AS OUTRAS SÃO AMADORAS. MAS A MÁ INTENÇÃO É A MESMA.

    • E o Boechat?

      Dá nojo assistí-lo!  Mas que ele saiba que estamos ansiosamente aguardando seus comentários a cerca do TRENSALÃO, do  ISS e do HELIPÓTERO! Faz-se de surdo e mudo sobre tais escândalos! Quantos mensalões aí, hein BOECHAT? 

    • Soraya!

      Certamente que não é só na Rede Globo que essas coisas acontecem! Eu falei da Globo porque ela é a que mais tem poder de informar, tem mais audiência e tem o maior monopólio das telecomunicações no Brasil. O texto surgiu pensando na Rede Globo. 

      Um abraço,

      Alexandre!

  15. Para sorte nossa a rede globo

    Para sorte nossa a rede globo tem data para acabar, e ela sabe disso, daí o desespero.

     Recebo e-mails me oferendo assinatura do jornal o globo quase de graça, todos os dias, morei em um prédio, onde os moradores ganhavam exemplares do jornal durante um determinado tempo, a intenção era de que alguns incautos viessem a assiná-lo ou mesmo comprá-lo nas bancas a partir da gratuidade do exemplar.

    Os jovens não assistem televisão, a internet desmascara toda e qualquer reportagem feita de má fé por encomenda a seus empregados.

    O telespectador é considerado um idiota, incapaz de perceber as manipulações, ilações, e notícias tendenciosas. Lembro-me que Hugo Chávez coronel paraquedista do exército, eleito sucessivamente presidente da república da Venezuela, era chamado de ditador a cada notícia envolvendo seu nome.   Alguns de seus empregados (repórteres) ainda disfarçam o mau estar, outros estão tão comprometidos com a ideologia da organização para a qual prestam serviço que não se preocupam sequer em disfarçar as caras de júbilo, feitas a partir de notícias cujo conteúdo é difamar, distorcer, manipular e enganar,  os telespectadores ou assinantes.

    Uma coisa que daria fim ou mesmo atenuaria essa situação, seria o corte de verbas endereçada para essa nefasta emissora e suas irmãs siamesas.  Sem dinheiro, principalmente público que acredito ser a maior fonte de renda dessa organização, abalaria seus alicerces já combalidos e necrosados juntamente com seus podres poderes ocultos e de fins inconfessáveis.

    • Os jornais que eles

      Os jornais que eles distruibuem “de gratis” já estão todos pagos pelos tucanos de São Paulo.

      De gratis eles não dão nem injeção na testa.

  16. Imprensa marinho

    Proponho que o termo “imprensa marrom” seja atualizado para  “imprensa marinho”. 

    Muda-se apenas o significante; o significado é o mesmo: manipulação da notícia com fins políticos.

  17. Francamente, isto é dar

    Francamente, isto é dar importancia demasiada a um meio de comunicação. Parece até uma obsessão da parte de Vossa Senhoria – o autor do post. E como tal, torna-se um assunto enfadonho ou chato, se preferir.

    Janio governou contra toda mídia. Lula, no inicio tambem.

     

     

  18. Complementando o anterior,

    Complementando o anterior,  dirijo-me novamente ao autor do post, para alertá-lo que defender o Orlando e Berenice é canoa furada. Só faltou o senhor defender o Wagner Rossi, como alguns militantes o fizeram neste espaço, por ocasião do que o senhor rotula de denuncias infundadas. Modere a sua obsessão, e certamente enxergará algo mais que torcidas partidárias. Ou , de maneira direta e crua : deixe de ser otário, governos não prestam. 

  19. O Jornal Nacional tá

    O Jornal Nacional tá patinando nos 20 pontos, e tende a cair mais. Mas a notícia mais importante à respeito , é a pesquisa que afirma que 71% da população não acredita mais na televisão.

  20. Acho que todos que tenham um

    Acho que todos que tenham um pouco de sensibilidade já estão cientes de tudo isso.   A questão é : o que se pode e deve ser feito ?  Lamentações não vão alterar nada !  Acho que outros canais estão a fazer um servicinho um tanto mais rasteiro. E impressionante o destaque que SBT e BAND dão a atos criminosos.  Vídeos de assaltos, tiros na cabeça, estrupos, vandalismo, incendio de onibus, etc,  são exibidos repetidadmente nesses canais. Qual o efeito disso na população ? Aparentemente os apresentadores condenam tais atos, mas se realmente estivessem contra  evitariam de dar tanto destaque.  Acho que estão usando essa divulgação de crimes com segundas intenções.Esses vídeos de crimes e vandalismos não deveriam ser exibidos após as 23 horas ?

    • Segundas intenções são as

      Segundas intenções são as suas, ao perguntar candidamente o que fazer. A resposta deve estar na ponta da sua lingua anti democratica e totalitaria : – fechem as midias ué ! Se não elogiar o governo, é pra fechar . 

      Êta pig.gov, não se cansam mesmo. Argentina e Venezuela são os exemplos a serem seguidos, né.

  21. BAND

    E a Bandeirantes que vende o horário nobre da sua programação pra pastores evangélicos, ou seja, o concedido não tem programação nem boa nem ruim naquele horário e ainda vende horas e horas por milhões de reais para conteúdos religiosos.

    E ainda o mesmo grupo possui o Canal 21, onde são vendidas 23 horas de programação por dia para canais de venda e religiosos, e na única hora em que tem programação mostra um jornal feito pela Band. Ou seja, uma concessão pública recebida para ser alugada com lucro de milhões. Isso pode?

     

  22. A mascara esta caindo!

    Alexandre, otimo trabalho. Vou enviar para a turma que conheço, que ainda acredita na velha imprensa. Agora, duvido que metade va ler toda a dissecação que fizeste. Esse pessoal é aquele que so lê três linhas e cansa… 

    • Maria Luisa!

      Valeu por compartilhar!

      O texto vem sendo ampliado e reescrito a um ano e meio, por isto cresceu. As vezes me debruço nele, vem aquela situação nova que me impulsiona a criar um novo tópico. 

      Um abraço,

      Alexandre!

  23. Não dou Ibope às emissores de TV

    Comemorei há dois dias, meus doze meses sem assistir a nenhum programa da Rede Globo. Nenhum. E também da GloboNews. Também já não assisto a Band, o SBT e a Rede TV. Não dou Ibope para eles. Assisto aos jogos na tv paga, concordo que relativamente aos jogos de futebol ou outro evento esportivo não temos como evitar, mas quero ver essas empresas, se muitos acompanharem essa atitude –  e por que não fazê-lo? – o fracasso irá levá-los à perda de audiência e de patrocinadores. Vejo as notícias na internet, pelos blogs. E assisto a Youtube, escolhendo meus preferidos, para o lazer.

  24. Trabalho de fôlego, com se

    Trabalho de fôlego, com se diz. Parabens!!! Eu já havia percebido muitos desses truques, dessas artes. Arte mesmo. Inteligencia pura. Já as outras emissoras fazem ‘o mesmo’ mas de forma truculenta, grosseira, não profissional. 

    Nos ultimos dias, a globo noticiou no fantastico – duas vezes – e nos seus jornais a lambança que estão fazendo no Nordeste com a distribuição de agua: não há distribuição de agua, há distribuição de agua suja, há distribuição de agua contaminada já tendo até mesmo havido muitas mortes, motos viraram carro-pipa que distribuem toneladas de agua, etc. Enfim, uma lambança completa.

    Não vi a repercussão desta noticia em qualquer outro jornal, revista, site ou blog. O que está havendo? O pessoal está acuado e a globo está em um ponto fora da curva? Alguem pode  esclarecer?

  25. Afinal de contas,uma pergunta

    Afinal de contas,uma pergunta se impõe:
    “Qual é a dessas TVs”  ? Que “órgão” é esse, afinal ? Que “artefato” é esse ? Qual a finalidade dessa “coisa” chamada TV ?
    Essa “coisa”, implantada em nosso meio, existe pra quê ?   
    Divertir as pessoas ?   Ajudar a educar ?   Ajudar a pacificar ?    Ajudar a acalmar ?   Ajudar a disciplinar ?  
    Estimular o diálogo e a compreensão ?  Ajudar a civilizar ? Estimular os bons costumes ? Estimular a ordenação geral ?
    Estimular o respeito e os bons sentimentos às nossas coisas e ao nosso país ? Mostrar os bons exemplos ?
    Essa “coisa”  está fazendo isso ? Essa “coisa” é amiga ?

  26. Lixo

    Hoje, enquanto zapeava, ouvi um amestrado dizer no programa manhattan conexion que Mandela foi uma mistura de Abraham Lincol, Martin Luther King e…obama.

    Ele disse também que Mandela é o último homem a usar a política para ajudar as pessoas e não para se aproveitar e roubar como outros políticos. Acho que ele se referia aos políticos da oposição. rsrsrsrsrsrsrsrssr

  27. pig

    Tem um asqueroso,que fala direto ao assunto,nao dou tempo dele abrir

    a bocarra,ja mudei de canal,outro e o  Barbeiro do record news,que nao fala mais

    na chamada Um jornal sem enrolaçao? alem de ficar perdido nos teloes,igual o da

    concorrente,tem aquele que ofendeu os garis tome o botao DESLIGAR e ate muito divertido.

    volto   aos blogues    Boa Noite a todos.             

  28. Simplesmente fantástico

    Parabéns Luis Nassif pela excelente publicação. Lembro de algumas coisas as quais voce não citou aqui:

    – Eleições para 1998, se voce tiver alguém que tenha acesso, procure a programação da emissora no sábado que antecedia o primeiro turno, começou no JN um bombardeio de mensagens subliminares apontando o número 45 na eleição contra do FHC contra o Lula. No caso, no JN, mostrava a primeira vez que pessoas iriam utilizar a “fraude” eletrônica (urna), e como exemplo, mostraram uma senhora simples, com uma calculadora na mão digitando o 45, depois vieram outras inserções, tanto que minha filha pequena na época, perguntava se eu iria votar no 45. Marta (a qual não gosto nem um pouco) perdeu para o então desacreditado Mario Covas em SP, por que será que foi?

    – Entrevista no SPTV recente com todos os candidatos a prefeito, todos sendo bem tratados, porém, o Celso Russomano foi extremamente destratado pelo pseudo jornalista Cesar Tralli.

    – Eleições para presidência, Alckmim candidato, a globo mostrava em SP os ataques às bases da polícia e logo depois da notícia começa a falar do dia dos candidatos, começando com Geraldo Alckmim. Ligando ele aos acontecimentos.

    – No SPTV, antes da eleição que tirou (felizmente) a Marta da prefeitura, um editor da emissora explicando como seria a cobertura das eleições municipais no ano. Me lembro de uma frase dele, mas não me recordo o nome, “Este ano ficaremos o mais distante possível dos candidatos, seremos o mais imparcial possível.” Ou seja, concordando que sempre eles influenciam o povo alienado que os assistem.

    – Nas eleições para 2002, tivemos o Serra bajulado pela emissora, aparecendo até no Faustão. Resultado disso? R$ 700 milhões liberados pelo BNDES para a Globo, que investiu na TV a cabo NET, viu como ela cresceu de lá para cá? Depois, as outras emissoras pediram também valores semelhantes, porém, acho que era o preço da aparição do candidato do PSDB em horários de grande audiência. Tanto que ele foi no Gugu (Record), no SBT e claro, na BAND que recebeu também uma quantia até maior que as outras. Nesta época, eu trabalhava em uma empresa ligada a uma emissora, e tivemos um investimento fenomenal na área de tecnologia, graças a verba liberada pelo BNDES. Me pergunto se eles pagaram a dívida, pois não temos como transparência a visualização dos recebimentos destes valores publicos.

    Vejo alguns jornais da emissora hoje em dia, mas só os melhores momentos, sem publicidade e em horários alternativos, para ver o que eles estão tramando, sempre foi assim, porém de 1998 para cá perdeu totalmente o crédito.

    Já há algum tempo admiro seu trabalho, agora mais ainda, porém, peço que não suma, pois ví que voce citou o Protógenes acima, e este cara, que abriu a CPI da Globo, saiu a caça de votos para aprová-la e depois se calou, se voce pergunta para ele via sua página no facebook, ele não responde, se cala. Ou talvez calaram ele né? Assim como em 1998, calaram a Marta e Requião (que era o relator da CPI das Pesquisa) e simplesmente não se falou mais nada disso. Continue assim, parabéns Luis, tenho certeza que voce ainda tem muito mais para contar, principalmente sobre esta urna eletrônica. Abraços

  29. Cruz Credo. Parei de ler na

    Cruz Credo. Parei de ler na metade, diante de tanta maldade. Depois de 30 anos assistindo a TV Globo, todos os truques são facilmente detectados. Mas não é só a Globo que faz isso. A Band o SBT e a Record  vão pelo mesmo caminho. Todos editam, mentem e omitem … atacam reputações  e distorcem a realidade. A Globo é capaz de cortar na propria carne para prejudicar a Dilma e o PT. Incentivou as manifestações contra a Copa do Mundo, mesmo   obtendo o monopolio de transmissão dos jogos. Vale tudo para desancar o governo. Na Copa das Confederações meia duzia de gatos pingados  levantando cartazes de papelão   dentro dos estadios, com palavras de ordem contra a Copa, eram mostrados como sendo um grande movimento de protesto, como se todo estadio estivesse protestando. Qualkquer protesto patetico contra o governo federal e seus aliados, é alçado a condição de grande manifestação. Mas tudo isso passa. Dificl mesmo é aguentar a cara de pau das apresentadoras da Globo News, defendendo o ponto de vista de seus patrões. Dicicil mesmo é aguentar a Eliane Catanhede e seus comentários  parciais  … Por tudo isso, o ex presidente Lula nunca botou os pes na Globo, nunca deu qualquer entrevista nem participou dos debates eleitorais promovidos pela emissora. Prá que? O que quer que ele diga,  eles vão deturpar. Então, que se dane…

     

  30. O que me espanta é: por que

    O que me espanta é: por que as pessoas ainda assistem televisão ? Eu até entendo que tem gente que gosta de novela, e de vez em quando a Globo dá umas migalhas para o público masculino e passa um futebolzinho, mas fora isso, não entendo como as pessoas têm estômago pra assistir qualquer outro programa de tv. Não assisto televisão já há uns 8 anos, acho, e regra geral sou muito mais bem informado do que as pessoas que assistem. Fora que é um masoquismo sem fim, pelo amor de deus, Faustão, Ana Maria Braga, Datena, etc, isso aí embrutece o cérebro. Nem vou falar nos “noticiários”, que não tinha paciência pra assistir mesmo na época qua ainda assistia televisão, de tanta manipulação que é aquilo lá…

  31. Isto é crime

    Excelente artigo. Vou copiá-lo para guardar.

    Mas fico meio incomodado porque estamos diante de um crime, crime de desinformação de um, um não vários, orgãos cuja meta é desinformar. Um crime continuado e que cresce a cada dia. 

    Mas e o crime de desinformação?

    Como seria este país se tivesse um jornalismo, mesmo partidário, correto, de informação de debate dos problemas, de análise crítica da situação, da apresentação e confronto das idéias, de acompanhamento e critica e elogios aos poderes públicos, etc.

    Calcule-se a perda de milhões de pessoas ideologicamente formadas contra esta bangunça e canalhice que ai está e que na  verdade não existe, é pura fantasia do pig. Vejo pessoas boas e corretas completamente nanuseadas por esta imprensa criminosa. Outro dia um me disse que odeia a… Venezuela. Coitado; e eu nda podia fazer. Certamente a alemanha nazista não foi tão forte na (de)formação do cidadão. 

    Qual o custo econômico, viu economistas?, deste desastre da desinformação, e o pior, o esquecimento premeditado, a escandalização seletiva, o falsemante dos dados, o compromisso com a especulação e a torcida pelo pior, a divulgação do desastre eminente que não existe, a divulgação no exterior do pior que temos? A nossa inflação, perigosa sempre, é insulflada todo dia por estes canalhas, nem sei como ela resiste e se mantém dentro de limites. e olhe que inflação é muito influenciada pelas perspectivas e humor da sociedade.

    A existência do TSE é tremendamente questionável quando o desequilibrio criminoso proposto por estes que figem descaradamente uma neutralidade  que até não engana ninguem. Para falar a verdade nem fingem, agem criminosamente contra qualquer jogo político do dia a dia. O artigo acima é claor como o sol. Não vê quem não quer. E tem gente que ganha salário e cuja função é corrigir isto e se fazem de anginhos ingênuos. O tse faz de contas que isto não existe? Isto é muito pior que compra de votos, que financiamento incorreto de campanha, etc, E o tse faz de conta que não vê e põe toda sua função no lixo.

    É crime. E deles participam, nunca vou entender, de jornalistas profissionais seniors a aprendizes. As ecolas de jornalismo e os sindicatos, quem diria: sindicatos, fazem de conta que não existe, mergulham de cabeça na lama. Quando o jornalismo vai conseguir perder esta pecha de prostituição, que me perdoem as prostitutas mil vezes melhores. Uma classe de grande importância em qualquer sociedade jogada na lama e nela se acomodando.

    Os crime da impprensa são muitos e ela se associa ao de pior há no mundo, as bárbaries do mundo atual tem a ajuda franca e poderosa da imprensa, e é um crime continuado, aberto, descarado, vicioso para os que nele tem mergulhado. 

    A única reação até agora vem de uns poucos herois e do pessimo conceito que já adquiriu junto aos não muito ingênuos. O pig é a corrupção encarnada. Conseguiram.

     

  32. revisão

    Excelente trabalho, Alexandre Tambelli. Pena q não submeteu o txt a uma revisão gramatical. Em várias passagens o sentido fica até invertido (observe-se, p. ex., o uso de “de encontro a” no lugar de “ao encontro de”). 

  33. Desinformação.

    Há muito que não me utilizo desse tipo de imprensa para obter qualquer tipo de informação. Meu velho pai ensinou-me que quando tiver que lê um jornal, leia sempre mais três, para alcançar a opinião contrária. Isso , em nosso país se tornou impossível. O episódio de declaração de vagância do cargo da Presidência da República, em 1964, foi gritante. E o silêncio da imprensa ou a falta de um comentário pela importância do fato iniciou, o meu discrédito. Não encontro uma cobertura lógica para o ocorrido nos anos 1979/1985 e nem comentários que sucite explicação para o devaneio econômico que se siguiu. O país acordou de um pesadelo e nunca mais foi o mesmo. E, na construção de uma nova república você encontra esse  “tipo de imprensa”. O ato civilisatório está doente!

    • imprensa e sua divulgação de noticias.

      Vivemos num mundo altamente capitalista, a imprensa divulga o que melhor a interessa no momento e o que vai dar ibop.  ela nunca publicou, que os presidentes brasileiros indistintamente, pós 1988 desrespeitaram o direito constitucional. Aponto como exemplo o artigo 7º INCISOS IV DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1.988. O sr. Lula que tanto preconizou ser em favor dos trabalhadores, nada fez neste sentido e a DD. Presidenta Dilma também nada fez. A cultura dos brasileiros está num patamar que os capacita para uma crítica eficiente? Portanto quem está responsável, são os 513 deputados federal , cujo cargo tem função precipua legislar. Assim podem casar os seus interesses com os da televisão, para atingir os seus objetivos, ou seja levar as mensagens ao povo brasileiro. Nós precisamos da palha para acender o fogo e desta forma digo: O salário mínimo nacional deve er um valor igual ou maior que R$ 2.450,00, mas para viablizar tal valor é preciso da REFORMA TRIBUTÁRIA, PREVIDENCIÁRIA, UMA VIGILÂNCIA ACIRRADA NOS 16.000 KM DE FRONTEIRAS DO BRASIL (ÁGUA, TERRA E AR). NÃO É O BASTANTE EU CUIDAR ÚNICA E EXCLUSIVAMENTE DO MEU UMBIGO, POIS A CRIMINALIDADE ESTÁ AI E SERÁ QUE ELES TIVERAM OPORTUNIDADES PARA IR AS ESCOLAS? TIVERAM DINHEIRO PARA PAGAR UMA BOA ESCOLA? PORTANTO ESTE VALOR DO SALÁRIO MÍNIMO É UIMA FORTE ALAVANCA PARA A CRIMINALIDADE. QUEM DE VOCÊS SE HABILITA À DISCUTIR ESTE ASSUNTO? OS SENHORES QUEREM MUDANÇA DE VERDADE? JUNTE-SE AO PROJETO. PORTANTO A CULTURA E EDUCAÇÃO DE UM POVO FARÁ A DIFERENÇA EM QUALQUER ESPÇO.

  34. Trucagem na Globo

    Sobre os tais especialistas, os mais frequentes eram:
    Questões envolvendo trabalho e mercado de trabalho: José Pastore
    Questões envolvendo Economia: Raul Veloso

  35. Ótimo texto!
    Não assisto a

    Ótimo texto!

    Não assisto a rede Roubo desde 2004, Costumo sair de um lugar no momento seguinte que entrei se esse estiver transmitindo a emissora, inclusive a próxima será a terceira copa do mundo que vou literalmente ignorar só pra não ter o desprazer de ouvir o Estúpido Bueno.

    Peço licença pra replicar esse texto entre meus conhecidos.

    Um abraço.

  36. Edição seletiva

    Nassif,

    Acompanho diariamente a rádio CBN e não me consta que seja verdade o que você afirmou.
    A emissora tem dado muito espaço a questão da corrupção no Metrô e pelo teor das críticas não parece haver nenhum “bias” em favor do PSDB. Muito pelo contrário.
    Com relação à Globo é óbvio que ha uma edição tendenciosa dos textos, porém me lembro de terem dado muito espaço à questão do mensalinho do PSDB.
    Com relação à corrupção no Metrô-SP a Globo tem dado razoável espaço diariamente. Notamos que, curiosamente, no comentário das âncoras, a Globo faz MUITA questão de frisar que estes casos ocorreram durante os governos Alckmin, Sierra e Covas, como se já se tivesse absoluta certeza que eles estão/ estiveram envolvidos e isto já tivesse sido comprovado e julgado….o que também não é verdade.

    É claro que a midia é tendenciosa. TODA a mídia. A Globo não é muito diferente da Midia Ninja, nem do Blog Opera Mundi
    Também, quem recebe grandes contas de publicidade da Petrobrás, Caixa Econômica e Banco do Brasil dificilmente trate mal o Governo Federal (The Economist por ex.).

    O importante mesmo é ler as “entrelinhas”e questionar o que é dito/ exposto e como é dito/ exposto.

  37. Dissecou a emissora dos

    Dissecou a emissora dos Marinho

    Muito bom!

    A Massa de manobra deveria ler esse texto pra saber de que lado a midia esta!

  38. O sujeito que escreve e
    O sujeito que escreve e prolifera pensamentos tão imbecis só pode estar comendo pratadas de cocô.

    • atenha-se aos fatos.

      Sr. Renato Boçal, ele não emite ideias, ele apenas descreve a realidade. Você deve brigar com os fatos, não com o comentarista dos fatos relatados. Suas afirmações são injuriosas, assim como o são seu corrompido intelecto.

  39. Só aplausos. Ontológico.

    Só aplausos. Ontológico. Parabéns.

    Obrigado Alexandre Tambelli

    Obrigado Nassif.

    É por isso que acredito no poder da ação coletiva. Sempre evolui. E, tendo direção, nada, poder nenhum, será capaz detê-la.

  40. O belo texto de Alexandre

    O belo texto de Alexandre Tambelli me lembra uma conversa entre Graciliano Ramos e Joel Silveira,seu amigo.O Brasil  jamais será um pais sério seu Joel,o Brasil não tem um Golfo seu Joel.Oh Graça,como Joel o chamava,que tem ver Pais serio com Golfo ,não entendi.Ora seu Joel,todo pais de respeito e sério tem que ter um golfo.Veja a Geografia,todo grande pais tem um Golfo,seu Joel,aprenda isso.O Brasil não tem um Golfo,jamais será sério e respeitado.Mas tem Rede Globo,um câncer a ser extirpado.Parabens,Tambelli.

  41. Isso chama-se liberdade de imprensa.

    É inquietante verificar a intolerância das pessoas, inclusive do autor do texto com a imprensa, no caso a Rede Globo. Que bom vivermos em uma democracia onde a citada emissora pode comentar, correta ou incorretamente, segundo um ponto de vista, o que quiser. A linha editorial pode até refletir os interesses do dono da emissora, como de qualquer outro órgão jornalístico, nenhum problema, até porque sempre se tem a opção de mudar de canal, de deixar de ler e etc. O que o Brasil precisa realmente é de pessoas dotadas de cultura para poder confrontar reportagens com o mundo que as cercam. Outro detalhe que me parece cabível, é que a rede Globo, historicamente sempre esteve ao lado de quem estivesse no comando do país, independente de qualquer ideologia. O PT, eor conseqüência seus simpatizantes devem deixar de justificar seus crimes, pelo eventual não esclarecimento dos crimes do PSDB. Ora e dever moral de qualquer um pleitear a apuração de crimes. Da minha parte como cidadão brasileiro, embora residindo no exterior, quero que um dia meu país deixe de ser um grande esgoto de políticos bandidos, que independente de quem o governe, que o faço com amor ao Brasil e as pessoas que aí vivem. Se um dia  isto ocorrer a discussão sobre a rede Globo será menos relevante. Abraços.

    • Sua conta não fecha. Se a

      Sua conta não fecha. Se a liberdade de imprensa apregoada por você permite liberdade editorial tal que criminalize qualquer coisa relativa a um deterimnado partido ao mesmo tempo que acoberta crimes reais de outro, usando-se dois tipos de cobertura, como seria possível chegarmos ao dia em que a corrupção seja estirpada da política brasileira? É claro que essas decisões editorias não visam denunciar práticas condenáveis para melhorar o país, visam apenas aproveitar-se desse discurso para fins igualmente condenáveis que nada ajudam nossa evolução política. Sendo assim, não há coo defender a prática da Rede Globo, nem mesmo como exercício de algum tipo enviesado de “liberdade de imprensa”. A coerência é condição para validar qualquer discurso, e é sua falta que o texto acima demonstra de maneira exaustiva e exemplar. Sem essa análise você mesmo demonizará um lado enquanto perdoa o outro, citando a cobertura da Globo como se fosse referẽncia.

  42. Jagunços da globo

    Como questionar o poder dominador se os dominados, fantoches, alienados, estão totalmente escravizados por esse poder? Impossível! A globo jamais cairá. E, se um dia isso pelo menos chegar próximo de ocorrer, basta ela clamar aos seus escravos “assistidores” de novelas para que a defendam com unhas e dentes (ou com a própria vida). Impostos abusivos, falta de educação, violêcia desenfreada, corrupção; por trás de tudo isso tem um pouco de globo. Os alienados estão curvados, de joelhos, como tolos consomem mentiras fabricadas por um canal de TV podre.

  43. Ainda faltou falar de mais de um milhão de Famílias Telexfree

    Eu sou de Portugal e fico estupidamente de boca aberta como é possível a rede globo conseguir manipular tanta corrupção, infelizmente está no sangue de muitas pessoas que vivem a custa do poder brasileiro…

     

    Este artigo parece também ter tudo, mas mais uma vez foi omisso alguns interesses partidários que estão a prejudicar milhões de famílias brasileiras, com certeza isso não interessa porque já vimos noutros artigos que interfere com as companhias telefónicas.

     

    Por Isso ainda faltou falar de mais de um milhão na Família Telexfree e dos interesses das companhias telefónicas do Brasil

    Boa continuação… Vamos acabar de vez com o lado escuro das coisas J

    Atentamente,

     Joaquim Pedrosa

  44. Ué? E a emissora oficial do

    Ué? E a emissora oficial do governo? Quem lá trabalha? A globo, é privada. E a emissora oficial do governo? O caso da namorada de Lula, nada vi na Globo. Ela fez quantas viagens com Lula? Ora, ora. A globo, trabalha para quem está no poder, independente de partidos. Ou o mensalão, não existiu? Que dizer das privatizações de Lula? Vão a fundo, por favor. A estrutura do país, é podre. Só. Quem entra lá, está igual. Ou Ives Gandra, não defendeu José Dirceu? E ele, é da “direita reacionária”. ACordem! Deixem de paíxões. O país, está num atraso educacional nunca visto. Começou o “desmanche” do ensino público básico na década de 60, continuado pelos militares, e os pós militares, pioraram o que já estava falido. A saúde, sem comentários. Por falta de senso crítico, esse povo se ilude com “importação” de médicos. Os médicos? Elitizaram a profissão. Porque os pós militares, inclusive, FHC,Lula e Dilma, não melhoraram o ensino público para dar chance ao pobre de ser médico? Não por quotas, mas por mérito de um bom ensino. Mas não, populismo barato é melhor. Pobre Brasil: violência como nunca; drogas como nunca; ensino público, um dos piores do mundo(alguém quer ser professor?); saúde deteriorada por falta de direçção correta e ensinar o povo, quando ir ao médico, mas isto com educação.

    Esperar o que de um país que a presidente, Dilma, em fala de improviso se mostra uma analfabeta funcional. Se duvidam, mande ele participar de entrevistas de improviso. Nunca vi. A oposição? Comunada com essa estrutura.

  45. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome