Para grande mídia, cárcere do Lula é o Gabinete do Dr. Caligari, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Desde o impeachment de 2016, aos poucos as bombas semióticas na grande mídia foram dando lugar a estratégias narrativas: como transformar uma má notícia em um “conto maravilhoso” (Vladimir Propp) em plenas narrativas não ficcionais jornalísticas? Narrativas em que verossimilhança e relações de causalidade são mandadas às favas – transmutações, pensamento animista, magia, forças sobrenaturais, ação à distância por princípio de semelhança etc. Em meio ao mal estar da grande mídia em ver, mais uma vez, o PT ir ao segundo turno eleitoral (apesar das diversas mortes anunciadas do partido e de Lula), o jornal “Estadão” nos brindou com mais uma dessas narrativas fantásticas: tal como o clássico expressionista alemão de terror “O Gabinete do Dr. Caligari” (1920), uma colunista alerta que Lula usa poderes hipnóticos e paranormais – de dentro da prisão, Lula controla mídia, inventou Bolsonaro e o anti-petismo para depois derrota-lo… e Haddad é o seu Cesare – hipnotizado, às vezes até emula o “chefe” com a voz rouca em carros de som. Grande mídia revela agora seu expertise narratológico – só mesmo a semiótica de Julien Greimas para desmontar essa bomba narratológica.

Nunca ouviu-se ou leu-se tanto a palavra “narrativa”. Virou uma palavra da moda. Outrora restrita ao campo ficcional (filmes, telenovelas, literatura etc.), agora ganhou uma amplitude para campos não-ficcionais como jornalismo, mídia, políticos, partidos e assim por diante. Dessa forma, a sociedade transforma-se num campo de luta no qual cada grupo ou indivíduo tenta impor sua narrativa.

O interessante nesse conceito é que narrativa não é uma simples descrição dos fatos em sequência, mas uma modelização da realidade, uma tradução em signos para criar correlações. E no caso da semiótica greimasiana (de Julien Greimas, 1917-1992), uma mudança de estado sofrida ou executada por sujeitos – os chamados “actantes”, as relações funcionais entre os atores que executam ou sofrem uma ação na narrativa.

Partindo dessa diferença entre actantes e atores, Greimas criou aquilo que se chama de “esquema narrativo canônico” que poderia ser sintetizado da seguinte forma: alguém (Sujeito) deseja alcançar algo (objeto de valor, o elemento central, desejo), na jornada ajudado por alguém (ajudante) e é atrapalhado por algo/alguém (oponente). Com mais dois outros elementos em cena: o destinador (quem ou o quê empurrou o herói para o objetivo) e o destinatário: quem ou o quê recebe o objeto de valor quando for conquistado.

Uma estrutura universal, presente tanto nas narrativas ficcionais quanto não ficcionais. Mas com uma importante diferença: enquanto as narrativas ficcionais seguem a estrutura do “conto maravilhoso” (no sentido dado pelo estruturalista russo Vladimir Propp – 1895-1970), as não ficcionais fazem uma tradução dos fatos reais em signos, modelando como informação.

Propp e Greimas

Das bombas semióticas às bombas narrativas

Este Cinegnose vem observando que, desde o impeachment de 2016, no qual a guerra híbrida brasileira cumpriu o seu principal objetivo (o residual é a atual polarização política visando entregar ao vencedor do pleito um país ingovernável – clique aqui), as bombas semióticas vêm sendo substituídas por táticas narratológicas de transformação dos textos jornalísticos (seja informativo, opinativo ou interpretativo) em verdadeiros “contos maravilhosos”.

Verdadeiras narrativas mitônomas em que verossimilhança e relações de causalidade são mandadas às favas – narrativas que envolvem transmutações, pensamento animista, magia, forças sobrenaturais, ação à distância por princípio de semelhança etc. Tudo isso em narrativas supostamente não ficcionais.

Em postagens anteriores analisamos seis desses contos maravilhosos em telejornais, numa época em que a grande mídia ainda tentava levar nas costas o governo Temer, transformando cada notícia ruim em fábulas: demitidos que magicamente veem a força de trabalho se transmutando em capital; uma moradora de rua que viveu o conto do presépio vivo no Natal; o ex-executivo demitido e morador de rua que virou microempreendedor cooperado; a falta de dinheiro que faz repensar os valores consumistas no Natal; o conto vintage da cozinheira “que manda brasa” na cozinha com fogão à lenha, sem dinheiro para ter um bujão de gás; e a crise econômica que magicamente se transmuta em alta do poder de compra – clique aqui e aqui.

Com todo esse  expertise narratológico de transformar notícias ruins em contos maravilhosos de magia e superação, a grande mídia se defronta com o seu pior momento após o glorioso sucesso do impeachment de 2016: a canoa está virando – além da crise econômica e desemprego, todas as estratégias para criar um cenário eleitoral dirigido, controlado e engessado (prazos apertados para as campanhas, Lava Jato, Lula no cárcere, achincalhamento midiático diário da Política e dos políticos etc.) estão fazendo água: o cada vez mais provável segundo turno com Bolsonaro X Haddad. Para inquietação da jornalista Monica Bergamo, “como o PT conseguiu ressurgir das cinzas?”. 

Contos maravilhosos: o ex-executivo morador de rua que virou empreendedor

Dr. Caligari, o mentalizador

Hora de, mais uma vez, entrar em ação a estratégia semiótica narrativa do “conto maravilhoso”. Somente uma explicação fantástica, mágica e sobrenatural para dar conta do naufrágio de todos aqueles que embarcaram na canoa do impeachment – ele próprio um conto maravilhoso: magicamente, tal como uma varinha de condão, prometia transmutar o País numa economia de primeiro mundo, de empreendedores livres dos impostos, entulhos estatais e trabalhistas.

Vera Magalhães, em sua coluna no Estadão, publicou o artigo “Um País como Refém” que faria Propp e Greimas ficarem de boca aberta (clique aqui): o País inteiro estaria à mercê de um desfecho eleitoral que foi planejado e manobrado por Lula. De dentro da prisão em Curitiba. Mas não por conta de uma estratégia política racional. Mas por um poder mágico de mentalizar personagens e acontecimentos, e fazê-los acontecer. Influenciando por meio de poderes hipnóticos e paranormais até adversários! 

Seguindo a narrativa canônica de Greimas, Vera Magalhães busca o “objeto de valor”: evitar que o País fique mais quatro anos no cativeiro, refém dos poderes sobrenaturais de alguém que está igualmente preso.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome