Paulo Henrique Amorim, um jornalista de coragem, por Luis Nassif

Tornou-se um campeão do Youtube, graças à sua enorme capacidade de identificar um tema, mirar no detalhe ridículo que ninguém percebia, e fuzilar com a pontaria dos grandes polemistas.

Conheci Paulo Henrique Amorim em minha ida para a Editoria de Economia da Veja, em 1974, em uma oportunidade aberta por Paulo Totti, que era chefe de reportagem.

Ao lado de Elio Gaspari e Marcos Sá Correa, Paulo Henrique formava o trio dos jovens jornalistas cariocas, importados para a Veja e com curso superior. Se não me engano, ele era formado em Ciências Sociais.

Assumiu o cargo de Editor de Economia ao lado do inesquecível Emilio Matsumoto. Sua estreia em São Paulo havia sido pouco antes, convidado por Luiz Fernando Mercadante para trabalhar na revista Realidade. Ali, já deixara sua marca mais conhecida, um feroz espírito de competição que o impulsionava atrás de notícias.
Jovem ainda, tornou-se influente junto à área econômica do governo.

Sua carreira prosseguiu fora da Veja. Primeiro, foi escalado para dirigir a revista Exame, que fazia parte de um pacote de revistas técnicas que a Abril adquirira.

Depois, mudou-se para o Jornal do Brasil. Ali experimentou sua fase mais brilhante de jornalista, como titular da coluna Informe Econômico.

Na nova função, passou a revelar uma de suas características mais marcantes, de cunhar expressões que se tornariam motes, a exemplo de Elio Gaspari, e provavelmente inspirado no jornalismo de guerra da velha Rio de Janeiro de Gondim da Fonseca e outros. A expressão “raposa felpuda” tornou-se sua marca, além da incomparável capacidade de valorizar, pela manchete ou pelo lide, as informações mais prosaicas.

De lá foi para a TV Globo, onde também se consagrou pelos furos e pelos motes, como editor de Economia e comentarista. Não me lembro perfeitamente da maneira como anunciava informações exclusivas de Brasília. Mas fazia o telespectador participar do clima de cumplicidade, como se ele estivesse junto com Paulo Henrique em um local misterioso, arrancando informações da fonte. Competitivo, mantinha uma disputa surda com o comentarista oficial Joelmir Betting.

Leia também:  Como a imprensa argentina manipulou o noticiário para minimizar a crise econômica sob Macri

Era cioso de sua idade. Quando recebi um convite da Globo para ser comentarista, e foi marcado um almoço no Rio, Paulo me ligou e, na conversa, sugeriu delicadamente que eu não dissesse que havia sido seu foca na Veja. Acabei desistindo do convite e do almoço.

De lá saiu para dirigir o escritório da Globo em Nova York. Não sei as razões de sua saída. Logo foi contratado pela TV Bandeirantes para a vaga de âncora do Jornal da Band. Pouco antes, o velho João Saad me havia convidado para assumir a função. Enrolado com minha empresa, e percebendo a resistência de Johnny Saad, recusei.

Saindo da Globo, de imediato foi contratado pela UOL para apresentar um programa que ficava exposto permanentemente na home do portal. Ali, mais uma vez se revelou o pauteiro primoroso, identificando os melhores temas pela manha, conseguindo entrevistas por telefone e apresentando no programa que, se não me engano, ir ao ar ao meio dia.

De lá saiu se não me engano para o iG. Foi lá que voltamos a nos cruzar, nas guerras com Daniel Dantas.

Voltamos a nos cruzar em 2010, na campanha eleitoral, em uma frente informal contra o risco José Serra. Tinha restrições ao seu estilo, e ele devia ter ao meu. Mas foi uma guerra inclemente, em que era atacado por todos os lados.

Do lado de Serra, a pecha de chapa branca. Do lado do PT, Tereza Cruvinel me afastando da TV Brasil, suspendendo o pagamento até que aceitasse a mudança no contrato, entregando todos os programas até julho, para então encerrar o contrato. Que só foi refeito depois que Serra perdeu.

Leia também:  Ao vivo: Seminário desafios da comunicação

Éramos meia dúzia de blogs, cuja única afinidade era a resistência contra o perigo Serra. Acordava toda manhã sentindo o peso do mundo, e o que nos animava reciprocamente era a resistência para a luta, particularmente de Paulo Henrique.

E essa garra e coragem ele não perdeu, mesmo nos momentos mais críticos. Aliás, quanto mais crítico o momento, maior a sua coragem.

Nos últimos anos, seu estilo jornalístico encontrou o ambiente mais propício, os vídeos do Youtube. Tornou-se um campeão do Youtube, graças à sua enorme capacidade de identificar um tema, mirar no detalhe ridículo que ninguém percebia, e fuzilar com a pontaria dos grandes polemistas.

Deixa um legado de coragem.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Conheci PHA na redação de FATOS & FOTOS. Tinha vindo de Brasília com um curso inacabado (acho que era cinema) com Hedyl Valle Junior (que depois iria para esportes da Globo) e Nilo Martins (irmão de Franklin Martins). Era irrequieto mas sobretudo criativo. Também era gordo, peso físico que perderia ao se firmar como ancora de TV. O jornalismo crítico perde um baluarte.

vanio coelho

31 comentários

  1. Lamentável a morte de PHA, como ele era chamado. Jornalista de primeira linha. Competente, ousado, inteligente e especial. Vai fazer muita falta, nesses tempos sombrios por que passamos. Descanse em paz PHA.

    12
  2. Evidente que sua perda é irreparável pra sociedade, que perde MAIS UM CANAL progressista de larga penetração.

    Claro que estou ciente de tocar agora num tema INOPORTUNO, mas se não agora, quando ?

    Penso que tem muitos bons jornalistas espalhados por aí ..de diversas tendências, mas éticos, transparentes, convictos de suas crenças e ciências ..e é por estes, E MUITO MAIS PELO BRASIL, que penso que essa turma deveria pensar seriamente em se associar pra fundarem um canal de MAIOR penetração do que estes que conseguem estando fracionados e segmentados, e”meio que esmolando” por socorro e ajuda, nesta imensa teia digital global.

    nt – claro que falo só pelos canais progressistas com quem tenho mais familiaridade de acompanhar ..mas penso que gente como Azenha, BOB FERNANDEZ, Joaquim e a turma do DCM e 247, outros menos expostos mas com coteúdo (tipo E.Guimarães e T.Dozani) poderiam compor este time de verdadeiros campeões, pra defender a democracia e as Instituições do país.

    30
  3. Grande jornalista, deixaria saudades em qualquer momento de sua partida, hoje, fará enorme falta.

    14
  4. Grande jornalista, deixaria saudades em qualquer momento de sua partida, hoje, fará enorme falta pelo seu senso crítico e argúcia incomum.

    11
  5. O que dizer depois das palavras edificantes,carinhosas e particularmente verdadeiras de Nassif.PHA,como gostava de se identificar,era um jornalista especialmente corajoso.Seu tamanho não se harmonizava com sua coragem.Jamais capitulou,ou dobrou os joelhos para o conglomerado Mafimidiático,e enfrentou de maneira indescritível a Globo e seus tentáculos,tal qual Nassif com a Veja.Não há muito o que dizer,apenas registrar que o Brasil fica cada dia mais pobre,quando morre um homem como PHA,e seu lugar em algum cemitério da vida,será muito longe dos fariseus.

    6
    1
  6. PHA já está fazendo falta. Dia triste esse, perdemos mais um companheiro de luta.
    Que Deus console a esposa e a filha, e nos capacite na luta.

  7. Sobre a morte de jornalistas.

    A morte de PHA surpreendeu e entristeceu muito.

    Quero lembrar, também, a “morte” de outro jornalista, que acredito, ainda se encontrar vivo.

    Trata-se de Bernardo Mello Franco, cujo último artigo publicado saiu no Globo no dia 09 de junho deste ano.

    No mesmo dia, poucas horas depois, Glenn Grenwald iniciava a série de vazamentos dos conchavos da república de Curitiba.

    Bernardo Mello Franco não chegou a tecer nenhum comentário sobre o assunto.

    As dúvidas sobre um possível descanso de férias ou um “prêmio” na geladeira de O Globo, diante da reconhecida independência do jornalista, hoje parecem esclarecidas.

    Com mais de 30 dias em silêncio, a hipótese de férias parece estar descartada.

    Se o Globo resolveu “matar” o jornalista por conflito com a linha editorial do jornal, conduzida por Merval Pereira, está na hora de assumir o crime.

    • Também estou sentindo a falta do Bernardo Mello Franco. Faz tempo que não leio nada dele. O que aconteceu com Bernardo?
      E a morte de PHA pegou todo mundo de surpresa. Ninguém esperava por essa. Estou muito triste com sua partida. Fará muita falta e não perdoo a Record por tê-lo afastado do Domingo Espetacular. Acho que foi um baque para ele. Perseguição da grosso pra cima do PHA. Fora os mais de 100 processos fraudulentos na justiça que ele estava enfrentando, segundo li no blog do EduGuim. Foi demais para o seu coração. Descanse em paz, PHA!

    • Cheguei a pensar que BFM tivesse saído d’O Globo e ido para CNN. Antes fosse isso. É como o Nassif sempre lembra = nas organizações Marinho, todos os soldados andam no mesmo compasso, não há um movimento diferente. Nao é por acaso que os Marinhos conseguem tornar um país refém da sua grade de programação.

  8. Peço a devida vênia ao senhor editor para permiti-me recomendar o depoimento de Mino Carta,sobre a morte de PHA.Apesar da idade provecta,não resistir às lagrimas.

  9. Nassif,
    O grande problema é que, hoje em dia, falece um craque ( em qualquer área conhecida) que logo é substituído por um idiota da cabeça aos pés. Espero que tal não venha a acontecer neste caso de enorme perda, o craque PHA, um sempre corajoso a desafiar abertamente e de público, alguns dos chamados grandes poderosos deste país.
    Que eu me lembre, PHA só perdeu uma batalha, aquela batalha ridícula contra o jornalista global.

  10. Conheci PHA na redação de FATOS & FOTOS. Tinha vindo de Brasília com um curso inacabado (acho que era cinema) com Hedyl Valle Junior (que depois iria para esportes da Globo) e Nilo Martins (irmão de Franklin Martins). Era irrequieto mas sobretudo criativo. Também era gordo, peso físico que perderia ao se firmar como ancora de TV. O jornalismo crítico perde um baluarte.

  11. Olá tudo bem!!!
    Não; não, talvez aqui no Brasil as coisas não estejam muito bem.
    Grande jornalista, que descanse em paz.

  12. Nosso primeiro contato foram livros infantis de um amigo, quando morava em belo horizonte, que enviei para a sua filha que gostava de ler. Não sei quantos anos se passaram. Talvez você já tenha netos. Conheci o paulo henrique no lançamento do ” plim plim” em bh. Deste então tenho acompanhado os dois. Grande pessoa. Perdemos um soldado mas não perdemos a guerra. Hoje moro em tiradentes/MG. Parabéns pelo texto. Grande abraço, nicia braga

  13. Você pode gostar ou não. Concordar ou não. Mas é indiscutível que no Campo de Batalha se perdeu um Grande Guerreiro. Não existe o momento certo para tal fatalidade, mas não poderia haver pior momento. É o Brasil e a Imprensa que ficam piores…

  14. PHA não morreu, apenas atravessou um portal cósmico-místico. Ele saiu dessa dimensão e entrou na outra. Agora ele pode apreciar João Gilberto “alma viva” ao violão e hackear até o encosto do Jair Bolsonaro. Isso além de puxar a perna daquele vagabundo durante a noite.

  15. Descanse em paz, caro Paulo Henrique, o qual desde menina já era fã do estilo sarcástico, porém humano, ousado e inteligente.

  16. A Morte se tornou a bandeira desse pais nestes últimos 6 anos, o tempo da gestação e da execução do golpe: mais um nesse país cuja elite é avessa a democracia e a justiça sociais. … ..que tristeza ….que luto

  17. É uma perda terrível, deixa uma lacuna irreversível no jornalismo nacional.
    Fez de sua profissão um ofício compretido com a justiça, com os sem vez e sem voz. Poderia ter optado pelas benesses palacianas, mas não era covarde como a maioria de seus “colegas”, insignificantes sabujos e porta-vozes da Casa Grande. Empenhou seu prestígio, o seu conhecimento e refinamento cultural, na missão de informar, enfrentando ricos e poderosos e todo o aparato. Arrebatou no seu Conversa Afiada um público de milhões e milhões de seguidores, carinhosamente chamado por ele “navegantes”, sem abrir mão da qualidade e sem recorrer a jornalismo venial. À frente do tempo, já no início daquela operação curitibana, nos idos de 2013, quando até a esquerda festejava o embuste, já havia nominado como “operacao farsa-a-jato”, cujo troféu de caça seria a prisão do Lula. Não se trata de profecia, mas da visão privilegiada de profundo conhecedor do seu tempo, do seu local e da sua história.
    PHA, obrigado.

  18. Se o Brasil fosse um país sério, essas pessoas que impetram ações na justiça com pedidos sem pė nem cabeça, visando apenas azucrinar o cidadão, seria multadas por litigância de má fé….

  19. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome