Por que ninguém pode ficar sem TV digital? A “Família Dinossauros” sabia porque, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Na época que a série “Família Dinossauros” (1991-1994) ia ao ar no início dos anos 1990 não existia a TV digital. Mas um episódio da série em 1993 explicava o porquê do atual esforço concentrado e inédito envolvendo Governo, emissoras, Federação de indústrias e ONGs para evitar que massas de telespectadores ficassem sem televisão com o desligamento do sinal analógico na Grande São Paulo. Praça responsável por 70% do faturamento das emissoras, apenas as possíveis consequências financeiras da perda de telespectadores não explicam esse esforço que até envolveu a entrega de Kits de TV digital gratuitos através do “assistencialista” e “populista” Bolsa Família. O humor ácido da “Família Dinossauros” dizia que jamais em uma crise econômica o Governo permitiria que cobradores tirassem a TV de pessoas endividadas: o sistema que as endivida precisa que a TV mantenha os endividados distraídos e confiantes. Conhecemos bem a função da TV em momentos de conflagração política (censura e manipulação das notícias) mas prestamos pouca atenção à sua função cotidiana e silenciosa: fazer as pessoas acreditarem que a força de vontade, o mérito e o trabalho são moralmente bons e que vale à pena acordar toda manhã confiantes e cheios de esperanças.

“Caravanas da TV Digital” organizadas às pressas para levar informações aos telespectadores sobre o desligamento do sinal analógico; uma oficina itinerante chamada “Sintonize-se” para orientar como instalar conversor e antena digital; seguidas reuniões em Brasília com o presidente da Anatel e as emissoras de TV; programas assistenciais do Governo como o Bolsa Família utilizados para a distribuição gratuita de kits de conversão para TV digital; um projeto chamado “Patrulha Digital” feito em parceria entre a Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV) e Fiesp (aquela federação de indústrias do gigantesco pato amarelo do Paulo Skaf) no qual alunos do SENAI orientaram a população e distribuíram kit digitais, entre outra série de iniciativas na Grande São Paulo para orientar as pessoas a ter a TV digital com o desligamento do sinal analógico.

A Grande São Paulo é a prova de fogo: “se vencermos aqui, implementaremos a TV digital no restante do País”, disse Paulo Tonet Camargo, presidente da Abert. Afinal, a região corresponde a 30% de audiência do PNT (Painel Nacional de Televisão) e é a praça de onde se origina 70% do faturamento. 

A “Patrulha Digital” do SENAI: ninguém pode ficar sem TV Digital

Confesso que esse humilde blogueiro jamais viu tamanho esforço concentrado para “educar” as pessoas a lidar com uma novidade tecnológica em décadas de história das comunicações no Brasil – a introdução da TV em cores, o surgimento dos canais UHF, o videocassete, o controle-remoto, a chegada dos canais a cabo, os CD-ROM, a Internet etc.

Até os então criticados programas assistenciais dos governos lulo-petistas como o Bolsa Família (acusados de assistencialismo, populismo, de “estimular a preguiça”, de “somente dar o peixe e não ensinar a pescar” etc.) foram instrumentalizados para entrega gratuita de kits. 

Nem em educação e saúde públicas foram vistas tantas iniciativas publico-privadas concentradas – a não ser, claro, em campanhas de vacinação contra pandemias imaginárias para favorecer grandes laboratório bio-farmacêuticos – sobre isso clique aqui

É o dinheiro?

O leitor pode argumentar: “é o dinheiro, estúpido!”. As grandes emissoras de TV não querem perder grana e anunciantes pela queda de audiência com milhões de telespectadores pegos de surpresa pelo desligamento do sinal analógico. 

Mas acredito que isso apenas explica parte da questão. Afinal, os índices de audiência já vêm há décadas sendo manipulados por metodologias e amostragens de pesquisas por grandes institutos, sempre favorecendo a TV Globo e mascarando sua queda de audiência. Como deverá acontecer agora, o impacto do desligamento do sinal analógico será diluído pelos erráticos números das pesquisas. Como de praxe, favorecendo o “share” da audiência global e com muito sigilo.

O atual complexo político-jurídico-midiático golpista vem demonstrando que está sendo muito diligente no campo da comunicação (bem diferente do que foram os governos petistas): a reforma do ensino médio (com a agenda secreta de reproduzir o analfabetismo visual para manter o atual sistema de comunicação – clique aqui), a contratação de youtubers para dourar a pílula dessa reforma educacional, a co-produção Polícia Federal e Netflix para produzir a série Lava Jato – Justiça para Todos como parte da engenharia de opinião pública para normatizar a diversionista onda de moralização nacional etc.

O atual esforço em “educar” as massas sobre a necessidade de converter sua velha TV ao sinal digital (nem que seja na base do terrorismo e da ameaça) é mais um capítulo nesse ousado arco do golpe que vai da politica (a deposição de uma presidenta democraticamente eleita) às medidas a fórceps de “flexibilização” dos direitos trabalhistas e previdenciários e a resignação das pessoas em ver cortada na própria carne o custo da crise econômica.

“Distraídas e confiantes”

Por que? Talvez aquele famoso seriado Família Dinossauros do início dos anos 1990 (com os bordões “Querida, cheguei!” e “Não é a mamãe”) possa nos ajudar a explicar o porquê de todo essa urgência em torno da necessidade em garantir uma recepção perfeita de TV para as massas.

Embora muito de nós lembremos dela como uma série infantil, seu humor era bem ácido e abordava temas polêmicos sociais e familiares como feminismo, consumo exagerado, assédio moral no trabalho, misoginia, puberdade, racismo, bullying etc. 

No episódio 42 da terceira temporada, “O Casamento de Roy” (1993), o chefe de família Dino e o seu amigo Roy perdem o emprego. Há uma grave crise econômica em Pangeia que o governo acaba jogando a culpa nos dinossauros quadrúpedes – a velha tática de criar um inimigo externo para unir uma nação desesperada – assista ao vídeo no final da postagem.

A certa altura há uma sequência de impagável cinismo: “tenho que arrumar um emprego logo, minhas conta estão virando um bolo enorme”, lamenta Roy. Dino tenta ser otimista, dizendo que nessa crise os cobradores estão “mais compreensivos ultimamente”. Puro engano: sua esposa, Fran, avisa: “Dino, tem um cobrador tomando o seu carro!”.

“Essa tal de recessão está mal… daqui a pouco vêm aqui tomar a minha televisão”, lamenta Dino abanando negativamente a cabeça. Mas o cobrador o tranquiliza: “Não esquenta, o Governo nunca deixaria isso acontecer… a televisão é uma ferramenta essencial para manter as massas empobrecidas distraídas e confiantes”.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

10 comentários

  1. Wilson, você está certíssimo.

    Wilson, você está certíssimo. A TV ainda é o meio mais poderoso para o controle das massas. O pior é que o sinal digital é mais difícil de bloquear, num eventual “levante” contra a corporação midiática. 

  2. Ultimamente tem ocorrido que

    Ultimamente tem ocorrido que ao tentar abrir um vídeo, como o acima dos dinossauros, aparece a tela em branco. 

  3. Siameses

    A manipulação é uma faca de 2 legumes ,corta pela esquerda e pela direita, não se auto enganem.A direita é recionária e não se fala mais nisso. Hipocisia maior é esquerda convivendo com o capitalismo. 

    • Quer o quê então, troll?

      Que o pessoal de esquerda elimine os capitalistas pra não ter que conviver com eles? Ou então sai mais ao seu agrado que os capitalistas eliminem o pessoal de esquerda? Não conheço ninguém mais manipulado do que gente como você, que acha que ser de esquerda é algo excludente. Excludente é o capitalismo, que impede  acesso de inúmeras pessoas a saúde, educação e salário digno. Exclui até o acesso de pessoas como você ao raciocínio normal…

  4. Peguei meus filhos e a tv

    No mais recente incêndio em favela em são paulo, uma mulher diz para a repórter da globo: “perdi tudo. Só salvei meus filhos e a televisão.”

  5. Não sei se influi tanto assim

    Digital ou não, a TV tem a sua influência no comportamento das massas, mas acho que hoje o maior dano político vem da internet. Até porque atingem mais pessoas e só precisa de um celular pra ser manipulado pelo PIG digital. A internet inclusive serve bem pra disfarçar de “blogueiro” e “youtuber” ou mesmo de “uma pessoa comum” – enfim, disfarça de algo espontâneo alguns agentes profissionais treinados e bem pagos do golpe. Esse Kim Kataguiri é um. Já flagaram algumas mentiras do cara quanto ao seu passado. Até hoje eu acho que o nome dele não é esse. Alguém conhece bem o passado desse cara?  

      • Não existe “tipo físico brasileiro”

        Uma característica básica do Brasil é a miscigenação. Aqui tem todos os tipos físicos. 

        O que eu falo é que ninguém sabe nada do passado desse cara. Toda vez que surge um heroi do povo, como Joaquim Barbosa e Sergio Moro, a mídia vai atrás do passado do sujeito pra glorificá-lo. Entrevista professoras do primário que elogiam o heroi como excelente aluno, procura amigos da adolescência e da faculdade pra mostrar como ele era um bom sujeito desde cedo, etc.

        Nesse caso do Kataguiri a história conhecida dele já começa na faculdade. Ele disse que abandonou o curso de economia na Federal do ABC, pois sabia mais que os professores (que afirmou “nem conhecerem Milton Friedman”) e só ensinavam economistas de esquerda. A faculdade desmentiu isso, aliás ele nunca foi nem aluno de economia da faculdade. Quando perguntado sobre o que havia lido sobre Milton Friedman, seu heroi declarado, não soube dizer o nome de nenhum livro dele. A imprensa nunca escavucou o passado desse cara.

  6. Mas… e se não existisse a televisão?

    Será que teríamos uma “conscientização” maior dos indivíduos, por conta da falta de uma tela que as guiasse? Ledo engano: provavelmente outras distrações viriam a tomar o espaço da pequena tela.

    Basta pensar no que dá mais dinheiro, no Face ou no Twitter: discussões sérias e edificantes? Notícias? Claro que não. Vida pessoal, fofocas, isso é o que dá curtidas e compartilhadas.

  7. Não subestimem o rádio :  não

    Não subestimem o rádio :  não está morto !  Durante o dia, donas de casa, empregadas domésticas, taxistas, profissionais de serviços ( barbeiros, lavanderias, lojas de conserots, e pequenos comércios  ficam à merc~e dos tais “comunicadores ” de pensamento único, o do patrão, disseminando teses antiprogressistas.

     

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome