As apocalípticas revelações do ultimo álbum de Johnny Cash

O Homem Está Por Perto

“The Man Comes Around” fala sobre o Dia do Julgamento Final.
Lançada em 2002, foi a canção título do último álbum de Johnny Cash.
A canção tem inúmeras referências bíblicas, muitas dos quais continuam enigmáticas.

Ouça as trombetas, ouça as flautas
Cem milhões de anjos cantando
Multidões marchando para o grande timbale*
Vozes chamando, vozes chorando
Alguns estão nascendo e outros morrendo
É o reino do Alpha e do Omega que está vindo

E a ventania está na árvore de espinhos
As virgens estão todas arrumando seus pavios
E a ventania está na árvore de espinhos

 

Até o Armageddon nenhum shalam, nenhum shalom
Então o pai chamará seus frangos para casa
O homem sábio irá se curvar diante da coroa
E ao Seus pés jogarão suas coroas douradas
Quando o Homem chegar

Quem for injusto, deixe-o ser injusto
Quem for correto, deixe-o ser correto
Quem for imundo, deixe-o ser imundo

Escute as palavras escritas há muito tempo
Quando o Homem chegar

Tradução enviada por Eliederson

Fonte: http://musica.com.br/artistas/johnny-cash/m/the-man-comes-around/traducao.html

Uma reveladora análise sobre a intrigante canção de Cash pode ser conferida em:
https://wesleyanarminian.wordpress.com/2010/01/08/the-meaning-of-the-man-comes-around-by-johnny-cash/

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Elton Medeiros: um orgulho do samba do Brasil, por Eliete Negreiros

24 comentários

    • Poetas da canção

      Os gringos têm feras da poesia, mas nada que se compare à grande plêiade musical brazuca, fabulosa e inesgotável.

      ZECA BALEIRO | ESTADÃO | REVISTA PIAUÍ | 09/10/2013

      “Puxa, então você tem um rosto?!”. A mesma blague usei quando conheci Fausto Nilo e Sérgio Natureza, em diferentes ocasiões. Eu fazia piada óbvia com o fato de os letristas de canções serem famosos porém anônimos, já que não sobem ao palco nem mostram a cara nas capas de discos. E olha que já foram até mais famosos, pois houve um tempo em que as rádios faziam questão de dizer o nome da música, do intérprete e dos autores – melodista e letrista, quando era parceria -, luxo que foi dizimado nos nossos tempos apressados, para darem lugar a cada vez mais anunciantes.

      Mas vamos aos fatos, ou melhor, às letras. Há uma legião de grandes poetas devotados à canção. Uma lista que pode abranger desde Humberto Teixeira e Zé Dantas até Orestes Barbosa, Paulo Sergio Valle, Paulo César Pinheiro, Abel Silva, Fernando Brandt e Aldir Blanc. Alguns dos quais nunca lançou livro, ou nem talvez sequer tenha escrito um poema com ambições “literárias”. Poetas da canção, única e exclusivamente.

      Há um conversê recorrente de que Vinícius teria sido o grande responsável por “elevar” o nível das letras de canções, ou pelo menos de chamar a atenção da alta cultura para as letras de canções. Nem de todo verdade nem de todo mentira. Marcus Vinícius de Moraes, homem culto que era e diplomata bem relacionado, de fato fez uma ponte inaugural e essencial entre o beco escuro, boêmio e (ainda) malvisto da música popular e o círculo intelectual elegante dos homens de letras. Mas antes dele, outros bardos muito bem reputados, como Manuel Bandeira – que fez canções com Heitor Villa-Lobos e Jaime Ovalle (e com este último compôs nada menos que a obra-prima “Azulão”) – e Mário de Andrade, escritor, poeta, músico e pesquisador, que se aventurara muitos anos antes em suas missões de redescobrimento do Brasil cultural, tendo feito recolhas musicais fantásticas, como a bela moda “Viola Quebrada” (há rumores de que Mário a teria composto parodiando trechos melódicos de várias outras modas e criado nova letra para a colagem de melodias, fato que, se comprovado, faria dele um compositor à vera, ainda que paródico), já haviam chafurdado na lama lírica do cancioneiro popular.

      Lendas à parte, fato é que a música brasileira é pródiga em poesia, talvez mais que qualquer outra – ok, os americanos têm Ira Gershwin, Cole Porter, Bob Dylan e Lou Reed; os franceses têm Serge Gainsbourg; os cubanos têm Pablo Milanés e Silvio Rodríguez; os portugueses têm Sergio Godinho e Fausto Bordalo e os sulamericanos têm Felix Luna e Victor Jara, mas nada que se compare à grande plêiade musical brazuca, fabulosa e inesgotável.

      [video:https://youtu.be/53tT5SLC-M8 width:600]

      [video:https://youtu.be/xVm2nUY96TU width:600]

      [video:https://youtu.be/JZAcsXx1V4Y width:600]

      [video:https://youtu.be/Esi_H_huKBM width:600]

      [video:https://youtu.be/pPP5Er6ZpTU width:600]

      [video:https://youtu.be/Wq0FkmcT1Jc width:600]

      [video:https://youtu.be/ufcWjDhvioY width:600]

      [video:https://youtu.be/Yw5L5exltgU width:600]

      [video:https://youtu.be/ihmUScI_Bjw width:600]

      ATENÇÃO VÉIM VACILÃO!

      Você fica olhando pro próprio umbigo e não visita os posts dos parceiros, para descobrir que o grande Zeca Baleiro incorporou um dos seus vídeos no artigo publicado em outubro de 2013 na Revista Piauí do ESTADÃO.

      LINK: http://revistapiaui.estadao.com.br/blogs/questoes-musicais/geral/poetas-da-cancao

  1. Em que trem?

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=sGu_IbxeGHE%5D

     

     

    Trem das Sete

    Raul Seixas

     

    Ó, olha o trem, vem surgindo de trás das montanhas

    azuis, olha o trem

    Ó, olha o trem, vem trazendo de longe as cinzas do

    velho aeon

     

     

    Ó, já é vem, fumegando, apitando, chamando os que

    sabem do trem

    Ó, é o trem, não precisa passagem nem mesmo bagagem no

    trem

     

    Quem vai chorar, quem vai sorrir ?

    Quem vai ficar, quem vai partir ?

     

    Pois o trem está chegando, tá chegando na estação

    É o trem das sete horas, é o último do sertão, do sertão

     

     

    Ó, olha o céu, já não é o mesmo céu que você conheceu,

    não é mais

    Vê, ói que céu, é um céu carregado e rajado, suspenso

    no ar

     

     

    Vê, é o sinal, é o sinal das trombetas, dos anjos e

    dos guardiões

    Ó, lá vem Deus, deslizando no céu entre brumas de mil

    megatons

     

    Ó, ó o mal, vem de braços e abraços com o bem num

    romance astral

  2. Ha uns 2 anos atraz quase

    Ha uns 2 anos atraz quase tive uma briga com minha filha a respeito do “Fall Out Boy” e essa musica:

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=Gxy6DPrAjQM%5D

    Como voce pode ouvir, eh tudo que Phil Collins gravaria em seu primeiro album solo, som fantastico.  Mas um dia eu li a letra.  A letra eh psicotica.  Tentei ouvir outras coisas deles.  TODAS as letras do Fall Out Boy sao psicoticas, sem excessao.  Eu ADORO psicoticos mas pra mim psicotico tem que ter talento.  Nao basta rimar palavras (como Cash em wicks e pricks) pra FAZER SENTIDO LIRICO!  Ate psicotico tem que saber rimar bem;  eu vou ali rimar “amor” com “calor”, espere um pouco…  Viu como eu sei espanhol tambem?

    So que as letras desses meninos nao tem nem metrica local nem global  -e infelizmente isso eh caracteristica do “talento” norte americano com a linga e eu sou alem de cricri com linguagem de metrica escabrosa.

    Nenhuma metrica, nada, zero.  Nem nas contas de silabas, nem nas rimas (porquissimas), nem nas pronuncias;  Chico Buarque estrangularia esses meninos como estrangularia Cash…  aa primeira vista.

    A razao da minha “briga” com a Dax, no entanto, nao foi essa mas que eu falei que o letrista deles era tao psicotico que era um caso muitissimo potencial de suicidio -ele nao consegue escrever UMA unica coisa que faz sentido porque nao ve sentido nenhum em nada, nao consegue FORMAR UMA MERDA DE SENTENCA com comeco, meio, e fim.  Suponho que veio de familia evangelica -literalmente suponho isso, nao vou pesquisar, nao quero saber.  O cara nao entende o mundo.

    Nem Johnny Cash.  (alias a primeira vez que ouvi falar dele veio de minha mae recem chegada da Australia que viu um documentario ou outro com ele -nao sei o assunto)

    Eu vou ali rimar “amor” com “calor”, espere um pouco.  Viu como eu sei espanhol tambem?

    • Poetas da canção

      “Os gringos têm feras da poesia, mas nada que se compare à grande plêiade musical brazuca, fabulosa e inesgotável.”

      Terrível Ivan, confira artigo do Zeca Baleiro dando seu recado, pra fazer sentido lírico, sem wicks e pricks, neste post.

      Abraço!

  3. Cash & Druggs

    “Eu não me importo com os seus malditos urubus amarelos”. 

    [video:https://youtu.be/xd14cBeAfU4 width:600]

    Quando a carreira estava decolando no início de 1960, Cash começou a beber muito e tornou-se viciado em anfetaminas e barbitúricos. 

    Por um breve tempo, ele dividiu um apartamento em Nashville com Waylon Jennings, que era fortemente viciado em anfetaminas. 

    Cash passou a usar drogas para ficar acordado durante as turnês.

    Amigos brincavam sobre o seu “nervosismo” e comportamento errático, muitos ignorando os sinais o agravamento da sua toxicodependência. 

    Apesar de muitas atitudes na espiral fora de controle, a sua criatividade frenética ainda entregava hits. 

    Sua versão de “Ring of Fire” foi um sucesso, alcançando primeira posicção nas paradas do país e entrar no Top 20 nas paradas pop. 

    A canção, escrita por June Carter e Merle Kilgore, foi, originalmente, realizada pela irmã de Carter, mas a assinatura do estilo mariachi dos arranjo de sopros foi fornecida por Cash, que disse que tinha chegado a ele em um sonho. 

    A canção descreve o inferno pessoal que June Carter passou enquanto lutava contra o seu amor proibido por Cash (eles eram  casados ​​com outras pessoas na época) e como ela lidou com o “anel de fogo pessoal” de Cash (dependência de drogas e alcoolismo). 

    Cash, às vezes, falava e, induzido por drogas com algum grau de descolamento confuso, o seu comportamento tornou-se errático. 

    Em junho de 1965, seu caminhão pegou fogo devido a um rolamento de roda superaquecido, provocando um incêndio florestal que queimou várias centenas de hectares em Los Padres National Forest, na Califórnia. 

    Quando o juiz perguntou dinheiro porque ele fez isso, Cash disse, em seu característico estilo irreverente no momento:

    – “Eu não fiz isso; meu caminhão fez, e ele está morto, então você não pode questioná-lo.”

    O incêndio destruiu 508 hectares, queimando a floresta em três regiões montanhosas e matando 49 de 53 condores ameaçadas do extinção. 

    Cash não se mostrou arrependido:

    _ “Eu não me importo sobre seus malditos urubus amarelo”. 

    O governo federal processou-o e foi condenado a pagar $ 125.127,00. 

    Johnny finalmente resolveu o caso e pagou $ 82.001,00. 

    Cash disse que ele era a única pessoa processada pelo governo por iniciar um incêndio florestal.

    [video:https://youtu.be/JMll6TNnTs4 width:600]

    Ele cultivava, cuidadosamente, uma imagem de bandido romântico, mas ele nunca cumpriu uma pena de prisão. 

    Embora tenha desembarcado na cadeia sete vezes por contravenções, cada estadia durou apenas uma única noite. 

    A seu mais grave e conhecido confronto com a lei ocorreu quando ele estava em turnê em 1965, e foi preso por um pelotão de narcóticos em El Paso, Texas. 

    Os oficiais suspeitaram que ele estava contrabandeando heroína do México, mas eram apenas narcóticos e anfetaminas que ele tinha escondido dentro do estojo da sua guitarra. 

    Porque eles eram medicamentos prescritos em vez de narcóticos ilegais, a sua  pena foi suspensa. 

    Cash também foi preso em 11 de maio 1965, em Starkville, Mississippi, por invasão, tarde da noite, em uma propriedade privada para colher flores. 

    Este incidente foi a inspiração para a música “Jail Starkville City”, que ele falou sobre a sua prisão no álbum Live At San Quentin.

    [video:https://youtu.be/gZ2sWO9SLVI width:600]

    Em meados dos anos 1960, Cash lançou uma série de álbuns conceituais, incluindo Ballads Of The True West  (1965), um álbum duplo experimental misturando autênticas músicas de fronteira, como a narração falada de Cash em Bitter Tears  (1964), com canções destacando a situação dos nativos americanos. S

    A sa dependência de drogas estava no seu pior neste momento, no entanto, e seu comportamento destrutivo conduziu ao divórcio de sua primeira esposa e performances canceladas. 

    Em 1967, o dueto de Cash com June Carter, “Jackson”, ganhou um Grammy. 

    [video:https://youtu.be/4GvD_NQrLFo width:600]

    Cash parou de usar drogas em 1968, depois de uma epifania espiritual no Nickajack Cave.

    JuneCarter, Maybelle Carter e Eck Carter se mudaram para a mansão de Cash, durante um mês para ajudá-lo a derrotar seu vício.

    Cash fez uma proposta de casamento para June Carter, em um concerto no Canadá, em 22 de fevereiro de 1968, e eles se casaram uma semana mais tarde em Franklin, Kentucky. 

    [video:https://youtu.be/M51MPPaDc2M width:370]

    June havia concordado em se casar com Cash somente depois que ele estivesse “limpo”. 

    Cash redescobriu sua fé cristã, quando atendeu “um apelo divino” em um templo evangélico – uma pequena igreja – na área de Nashville.

    Cash escolheu a igreja, descartando outras muitos maiores, freqüentadas por celebridades na área de Nashville, porque lá, ele disse que era apenas mais um homem e não uma celebridade.

    Fonte: Heather C. que, por sua vez, atribui créditos à Wikipédia

  4. Das águas que tudo lavam

    [video:https://www.youtube.com/watch?v=kFCeFXP2Rdc%5D

     

    Em cascata

     

    Que água é essa

    que escorre,

    atropela,

    carrega,

    dissolve

    dilui

    molha e

    suaviza?

     

    Que água é essa

    que ensurdece a razão

    lubrifica o espírito

    entontece o corpo e

    asperge a devoção?

     

    Que água é essa

    que sonoriza histórias

    colore cenas

    entorpece sentidos e

    emoldura beirais?

     

    Que água é essa

    que devassa as palavras

    desmata as distâncias

    deflora as margens e

    irrompe em murmúrios?

     

    Que água é essa?

    exibida

    exuberante

    medonha

    terrível

    quedando

    pelos caminhos?

     

    Que água é essa?!

     

    Odonir Oliveira

      • Onde o sol brilha antes do homem chegar

        Enviado por Cris Kevin

        Eu fui sendo levado pelas capitais de lata
        Onde homem não pode caminhar ou falar livremente

        Eu parei na frente de uma igreja
        Onde os cidadãos gostam de sentar.
        Eles dizem que eles querem o reino
        mas eles não querem Deus nele.

        Eu saí na procura por experiência
        Para experimentar, tocar e sentir
        Enquanto o homem puder antes de se arrepender.

        Eu saí caminhando com uma bíblia e uma arma
        A palavra de Deus pesando em meu coração
        Eu tinha certeza que e era o escolhido.

    • afrodisíaca

                          sua pegada lírica

                          colore cenas

                          entorpece sentidos e

                          emoldura beirais

                          – ai meus sais!

                         

                          Sigamos então, tu e eu,
                          Enquanto o poente no céu se estende
                          Como um paciente anestesiado sobre a mesa;
                          Sigamos por certas ruas quase ermas,
                          Através dos sussurrantes refúgios
                          De noites indormidas em hotéis baratos,
                          Ao lado de botequins onde a serragem
                          Às conchas das ostras se entrelaça:
                          Ruas que se alongam como um tedioso argumento
                          Cujo insidioso intento
                          É atrair-te a uma angustiante questão . . .
                          Oh, não perguntes: “Qual?”
                          Sigamos a cumprir nossa visita.

                          T.S.Eliot por Ivan Junqueira

  5. Antes de o homem chegar

    [video:https://m.youtube.com/watch?v=d0G2X0Zpgfw%5D

    O andarilho

    Eu saí caminhando pelas ruas pavimentadas com ouro
    Levantei algumas pedras, vi pele e ossos
    De uma cidade sem alma
    Eu sai andando sob um céu atômico
    Onde a terra não dá frutos e a chuva queima
    Como as lágrimas quando eu disse adeus.

    Sim, eu saí sem nada, nada além de sua lembrança.
    Eu saí vagando.

    Eu fui sendo levado pelas capitais de lata
    Onde homem não pode caminhar ou falar livremente
    E filhos falharam para com seus pais.
    Eu parei na frente de uma igreja
    Onde os cidadãos gostam de sentar.
    Eles dizem que eles querem o reino
    mas eles não querem Deus nele.

    Eu saí dirigindo por aquela velha rodovia
    Eu passei por mil sinais procurando pelo meu próprio nome.
    Eu procurei com nada além do pensamento que você estaria lá também,
    Procurando por você.

    Eu saí na procura por experiência
    Para experimentar, tocar e sentir
    Enquanto o homem puder antes de se arrepender.

    Eu saí em busca, procurando pelo bom homem
    Um espírito que não se entortaria nem quebraria
    Que sentaria ao lado direito de seu pai.
    Eu saí caminhando com uma bíblia e uma arma
    A palavra de Deus pesando em meu coração
    Eu tinha certeza que e era o escolhido.

    Agora Jesus, não espere, Jesus eu estarei em casa logo.
    Sim, eu procurei pelos papéis, disse a ela que estaria de volta de meio-dia.
    Sim, eu saí com nada além do pensamento que você estaria lá também
    Procurando por você.

    Sim, eu saí sem nada, nada além de sua lembrança.
    Eu saí vagando.

    (Canção de U2)

     

     

    • Meu Garoto!

      Tô, aogora, saboreando uma divina graviola alucinógena, que encontrei na beira da estrada de chão no sagaraneano sertão mineiro.

      O estradão não é pra ser encarando por amadores, porque, quem não conhece as senhas, vai se perder por lá.

      Alí é o meu lugar…

      Abs!

       

       

    • O Homem de Preto

      Cash ataca com ‘Big River’ na cerimônia da sua inclusão no Rock and Roll Hall of Fame em 1992.

      [video:https://youtu.be/jIWBEggDFa0 width:600]

      A galera, que incluía Keith Richards, John Fogerty e The Edge, se junta, no palco, durante a jam do “Homem de Preto”.

    • Cash

      O videoclip “Hurt” na minha opinião é um dos melhores já feitos.

      Parece coisa de Peter Greenaway…

  6. O que está no livro de apocalipse, foi escrito muito antes

    Os vedas e o mahabharat (a grande guerra do final do ciclo) indianos, com outras metáforas fala de muitas coisas que inclusive já estão ocorrendo.

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome