Jazzmin’s, primeira Bigband só de mulheres, celebra compositoras brasileiras

Pagu apresenta repertório com obras de Chiquinha Gonzaga, Joyce Moreno, Sueli Costa, Elizeth Cardoso, Rosa Passos, Rita Lee, entre outras.

Um show dedicado às grandes compositoras brasileiras com a primeira bigband formada só por mulheres no país. Assim será Pagu, espetáculo da Jazzmin’s que acontecerá no Itaú Cultural, dia 13 de agosto, às 19 horas. A proposta é mostrar a importância da mulher na música brasileira, promovendo a visibilidade de sua criatividade e talento, além de inspirar e incentivar as mulheres que queiram seguir carreira como instrumentistas.

Pagu apresenta repertório com obras de compositoras como Chiquinha Gonzaga, Joyce Moreno, Sueli Costa, Elizeth Cardoso, Rosa Passos, Rita Lee, entre outras. Com artistas vindas do universo popular e erudito, a Jazzmin’s reúne 17 instrumentistas de várias tendências musicais e de diferentes gerações e assim, estimula e inspira outras musicistas a enfrentarem as dificuldades de um mercado ainda cruel para as mulheres.

O Brasil é um país com muita tradição musical, mas a participação das mulheres nessa história é negligenciada. Um contexto machista perpetuou a ideia de que a música é uma atividade masculina, pois é necessário muito tempo para estudar. Chiquinha Gonzaga, por exemplo, enfrentou inúmeros desafios pessoais por se dedicar à música e foi moralmente condenada por isso. Embora haja avanços e mudanças nos dias atuais, as mulheres instrumentistas ainda enfrentam dificuldades, fazendo malabarismos com o tempo disponível para o estudo e também para serem chamadas para apresentações. O desafio de enfrentar um mercado predominantemente masculino se reflete em números assustadores – Segundo o ECAD, (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), somente 8% dos direitos autorais foram destinados às mulheres em 2022.

Sobre a Jazzmin’s

A Jazzmin’s foi idealizada em 2016 pela saxofonista Paula Valente e pela pianista Lis de Carvalho que, inspiradas por suas experiências como professoras da EMESP, perceberam a necessidade e importância de abrir espaços para a expressão feminina dentro da música instrumental. Em 2021, o grupo lançou Quando Te Vejo, disco de estreia. A banda tem se firmado como uma importante ferramenta de empoderamento feminino, levantando pautas sobre igualdade de gênero, representatividade e diversidade na música. Musicalmente, se diferencia das big bands tradicionais por ter uma formação particular, resultando numa sonoridade singular. O som característico das madeiras como a flauta, o clarinete e o clarone, da trompa e até mesmo do vibrafone amplia, diferencia e proporciona ao grupo arranjos únicos.

• SERVIÇO •

Data e horário: 13/08/2023, domingo, às 19 horas

Local: Itaú Cultural – Av. Paulista, 149 – Bela Vista, São Paulo

Espetáculo Gratuito 

RESERVA DE INGRESSOS (a partir de 2 de agosto): https://itaucultural-eventos.byinti.com/#/ticket/futureEvent/jazzmins

PARA CONHECER: https://www.youtube.com/watch?v=tqK2e8-Cik4 https://www.youtube.com/watch?v=KveI-yFzXKw

REPERTÓRIO:

1. Feminina (Joyce Moreno) Arr.: Rodrigo Morte

2. Se as estrelas falassem (Eli Cardoso) Arr.: Rodrigo Morte

3. 7X1 (Gê Cortes) – composição e arranjo

4. Alguém me avisou (D. Ivone Lara) – Arr.: Paulo Malheiros

5. Brejeira flor (Llessi/Simone Guimarães) – Arr.: Rodrigo Morte

6. Se as estrelas falassem (Elizeth Cardoso) Arr.: Rodrigo Morte

7. Dois amores (Fátima Guedes) – Arr.: Tiago Costa

8. Pagu (Rita Lee) – Arr.: Rafael Rocha

9. Cobras e Lagartos (Sueli Costa e Herminio Bello) – Arr.: Paulo Malheiros

10. Corta Jaca (Chiquinha Gonzaga) – Arr.: Rafael Rocha 

11. Pano pra manga ( Rosa Passos) – Arr.: Tiago Costa 

12. Fanka (Gê Cortes) – composição e arranjo

13. Frevo In changes – Gê Cortes – composição e arranjo

Intérpretes: Marta Ozzetti (flautas), Laís Francischinelli, (clarinete), Fabrícia Medeiros (clarinete, clarone), Paula Valente (sax alto, soprano e flauta), Beatriz Pacheco (sax alto), Taís Cavalcanti (sax tenor), Mayara Almeida (sax tenor), Isabelle Menegasse (trompa), Grazi Pizani (trompete e flugel), Estefane Santos (trompete e flugel), Cindy Borgani e Luana Maele (trombones), Carol Oliveira (vibrafone/percussão), Lis de Carvalho (piano), Gabi Gonzalez (guitarra e violão), Priscila Brigante (bateria) e Gê Côrtes (baixo elétrico e acústico).

Redação

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador