Hanna amplia releitura de João Gilberto, por Carlos Motta

A cantora, compositora e atriz nasceu em Maceió, Alagoas, e começou a carreira muito menina na Rádio Difusora de Alagoas, onde foi eleita a "Rainha do Rádio".

Hanna amplia releitura de João Gilberto, por Carlos Motta

Quatro anos depois de lançar o álbum “O Amor é Bossa Nova – Homenagem a João Gilberto”, que recebeu indicações ao Grammy Latino e ao Prêmio da Música Brasileira, a cantora Hanna volta a se debruçar sobre a obra do grande artista, morto dia 6 de julho. Desta vez, a cantora faz uma releitura mais abrangente.

O segundo volume de “O Amor é Bossa Nova – Homenagem a João Gilberto”, um CD duplo, reúne 23 canções que se consagraram na voz do pai da bossa nova e que se tornaram obrigatórias em setlists jazzísticos mundo afora. O resgate concebido pela cantora traz ainda duas cartas na manga: “Ho ba la la” e “Bim Bom”, duas composições de João Gilberto, do seu primeiro compacto (“Chega de Saudade”, de 1957), foram autorizadas pelo próprio autor.

O disco duplo “O amor é Bossa Nova – Homenagem a João Gilberto – volume 2” reúne também outras músicas que o baiano gravou e levou para o mundo e se tornaram standards internacionais: “Aquarela do Brasil”, “Corcovado”, “Águas de Março”, “Caminhos Cruzados”, “Avarandado”, “A Cor do Pecado”, “Desde que o Samba é Samba”, “É Preciso Perdoar”, “Eu Quero um Samba”, “Eu sei que vou te Amar”, “Eu vim da Bahia”, “Falsa Baiana”, “Fotografia”, “Insensatez”, “Lígia”, “Pra quê discutir com a Madame”, “O Samba da Minha Terra”, “Retrato em Branco e Preto”, “Você e eu”, “Triste”, “Tim Tim por Tim Tim”.

Leia também:  Seu Talão Vale um Milhão, por Luciano Hortencio

Com uma carreira internacional – em março de 2019 ganhou o título de Embaixadora do Turismo do Rio de Janeiro – e depois de apresentações ao longo dos últimos 20 anos em clubes de jazz da Itália, Suíça, Grécia e França, além de importantes casas de show do Rio (Teatro Rival, Planetário da Gávea e Forte de Copacabana, entre outros),  Hanna repagina com seu estilo, a influência inconfundível de João Gilberto.

A cantora, compositora e atriz nasceu em Maceió, Alagoas, e começou a carreira muito menina na Rádio Difusora de Alagoas, onde foi eleita a “Rainha do Rádio”. Mais tarde, no Rio de Janeiro, iniciou também carreira de modelo e atriz, realizando campanhas publicitárias e filmes.

Em 1981, gravou para a trilha sonora do filme “Xavana, a Ilha do Amor”, de Zigmunt Sulistrowski, no qual também atuou como atriz no papel de uma cantora. Em 1984 gravou, pela Som Livre, uma música para a personagem de Christiane Torloni na novela “Partido Alto”, de Aguinaldo Silva e Glória Perez. Além do LP da novela, a música “Sentimentos” deu nome a outro disco, pela mesma gravadora, com produção de Alexandre Agra, arranjos de Ricardo Cristaldi e direção geral de Guto Graça Mello.

Em 1999, gravou o CD independente “Eu te Amo”, lançado em cadeia nacional no programa “Jô Soares Onze e Meia”, no SBT. Em 2001, lançou o CD “Nós em Nós”, pela Ipanema Records, no qual canta compositores consagrados como Caetano Veloso, Rita Lee, Gonzaguinha, Cazuza e outras de própria autoria.

Leia também:  Elton Medeiros: um orgulho do samba do Brasil, por Eliete Negreiros

Para ouvir online

 https://open.spotify.com/album/1FSsEutuEkvgQOWIzSwy6x?si=CneDXyWpTWWTqiy7BrXbew


 Videoclipes do novo disco

“Aquarela Brasileira” –

“Bim Bom” –

“Eu vim da Bahia” –

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora