Música em estado de raro esplendor, por Aquiles Rique Reis

O gaitista Maurício Einhorn, 90, uniu-se ao contrabaixista, guitarrista e compositor Thiago Espirito Santo, 42, para lançar o álbum Afinidades

Música em estado de raro esplendor

por Aquiles Rique Reis

Às vésperas de completar 90 anos, o gaitista Maurício Einhorn uniu-se ao contrabaixista, guitarrista e compositor Thiago Espirito Santo, 42, para lançar o álbum Afinidades (selo Sesc), que já está nas plataformas de streaming e também gratuitamente no Sesc Digital desde 27 de maio. Gravado em setembro de 2021, o CD tem doze composições inéditas: dez de Maurício (oito em parceria com Alberto Araújo, uma com Arnaldo Costa e outra com Alberto Chimelli e Claudete Santos), e duas de Thiago.

Segundo o release, “Thiago sempre foi um grande admirador de Mauricio. Seus pais, Arismar do Espírito Santo, multi-instrumentista e compositor, e Silvia Goes, pianista e compositora, conviveram de perto com o gaitista, inclusive nos palcos, e apresentaram sua obra ao filho quando pequeno”. E Thiago acrescentou: “Em 2019, convidei o Maurício para participar com o meu grupo de uma série de shows e, ao final de um deles, ele me entregou várias partituras”. E segue: “Logo decidi registrar aquele material precioso. Fui ao Rio de Janeiro para escolher e estudar as músicas com ele. Foram dias muito especiais, porque sempre fui fã do Maurício. Voltei para São Paulo, fiz os arranjos e finalmente gravamos”.

Assim amadurecia Afinidades, disco de instrumentistas que honram o que tocam. Amadurecida a criação, reverenciam-na através da excelência sonora colhida no difícil dia a dia dos instrumentistas. Louve-se o Selo Sesc pelo lançamento de um álbum que enriquece a discografia do gênero.

Thiago Espírito Santo, além de produtor musical, mixou com sabedoria os doze temas e lidera um grupo de três músicos: Bruno Cardozo (piano acústico e Fender Rhodes), Cuca Teixeira (bateria) e Jota P. (sax tenor e flauta).

Sugiro-lhes atentarem para o suingue sagaz, às variações rítmicas bem sacadas, aos solos e improvisos categóricos, às dinâmicas precisas e à categoria dos instrumentistas, presente em todo o álbum. O som tem registros sonoros que ora citam momentos passados, ora contemporâneos, mas sempre belos e bem trabalhados. O resultado é um CD para se ter sempre à mão em qualquer cedeteca que se preze.

Dentre outras, deliciem-se, por exemplo, com “Burlesque” (Arnaldo Costa e Einhorn), faixa que abre a tampa; e com “España en Mi Cabeza” (Alberto Araújo e Mauricio Einhorn), tema encantador, tocado com graça milimétrica apenas pela gaita de Einhorn e pelo baixo fretless de Thiago.

Ao ouvir cada uma das doze faixas, percebe-se que a música atende ao espírito dos instrumentistas e flutua por entre emoções afloradas. Fica nítida e forte a percepção de alegria desde o momento em que a sonoridade instrumental se manifesta irresistível.

Dois “meninos” propagando música e jovialidade… a felicidade é contagiante.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4 desde 1965.

Ficha técnica: arte da capa: Giselle Ventura; vozes: Bia Góes e Junior Meirelles; gravação: Guilherme Canaes; masterização: Sandro Haick: produção executiva: Giselle Ventura (Ventura & A.R.T.E.S. Produções).

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Leia também:

A plenitude do choro, por Aquiles Rique Reis

O rock do Zé Geraldo, por Aquiles Rique Reis

Todos os sambas do mundo, por Aquiles Rique Reis

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador