Quem me vê perambulando pela rua não sabe o que eu sofri…, por Luciano Hortencio

Zilá Fonseca interpreta PERAMBULANDO de César Brasil.

Quem me vê perambulando pela rua não sabe o que eu sofri…

por Luciano Hortencio

Essa arraia desenhada na lateral do Edifício Jalcy Avenida, em Fortaleza, deu nó no meu juízo para conseguir batê-la. Ia eu de carona com um amigo pela Avenida Duque de Caxias quando o sinal fechou.

Imediatamente vi a lindíssima arraia e não titubeei: Abri a porta do carro e saquei meu celular para fotografar um dos sonhos da minha infância. (Nunca aprendi a soltar arraia).

O diabo é que o sinal abriu e os motoristas começaram a buzinar furiosamente. Muitos fios elétricos atrapalhavam achar um ângulo bom e meu amigo Marcos Antonio, que me dera carona, ainda me chamando de doido. Doido, eu? Imagina!!!

Consegui fotografar a linda arraia e o Marcos fez o favor de retirar da foto todos os fios que a enfeavam.

Ontem a achei sem querer e procurei uma música que pudesse ser editada com a foto.

O resultado é esse!

 

 Quem me vê perambulando pela rua

Não sabe o que eu sofri

A maldita da saudade me acompanha

Depois que o meu amor perdi.

 

 Eu antigamente não sofria

Cantava, sorria

Mas agora tudo é diferente

A minha vida mudou de repente.

 

Quem me vê perambulando pela rua

Não sabe o que eu sofri

A maldita da saudade me acompanha

Depois que o meu amor perdi.

Zilá Fonseca – PERAMBULANDO – César Brasil.

Disco Todamérica TA-5.238-A.

Novembro de 1952.

Foto: Arraia pintada na lateral do Edifício Jalcy Avenida, em Fortaleza Ceará, batida por luciano hortencio.

Arquivo Nirez.

Coisas que o tempo levou.

luciano hortencio.

O GGN prepara uma série de vídeos que explica a influência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Clique aqui.