Sylvia Thereza lança projeto gratuito para jovens pianistas, por Carlos Motta

A artista vai lançar, neste mês de fevereiro, o projeto “Sylvia Thereza Encontra Jovens Pianistas”, uma oportunidade de transmitir, por meio de seis workshops online e gratuitos, parte da experiência que adquiriu.

Sylvia Thereza lança projeto gratuito para jovens pianistas 

por Carlos Motta

Um ano depois de realizar uma turnê e promover workshops por cinco capitais brasileiras (Goiânia, Brasília, Fortaleza, Rio e São Paulo), a pianista Sylvia Thereza retoma sua atenção para os jovens brasileiros. 

Pianista premiada internacionalmente, Sylvia também foi durante 10 anos assistente da pianista portuguesa Maria João Pires. Esse período inclui cinco anos em uma das mais prestigiadas escolas de música do mundo, a Queen Elisabeth Music Chapell na Bélgica, onde lecionou para proeminentes pianistas de diversas nacionalidades. 

A artista vai lançar, neste mês de fevereiro, o projeto “Sylvia Thereza Encontra Jovens Pianistas”, uma oportunidade de transmitir, por meio de seis workshops online e gratuitos, parte da experiência que adquiriu. 

Em formato já utilizado na Bélgica também presencialmente e assistidos por inúmeras personalidades – dentre elas, o rei Alberto II e a rainha Paola –  os workshops contarão ainda com a participação de dois renomados profissionais estrangeiros, que trabalharam com Sylvia e Maria João Pires nos anos de Chapell: a fisioterapeuta do movimento Anne Schütt (Bélgica) e o musicoterapeuta Dominique Bertrand (França). 

As inscrições são abertas para o público em geral e poderão ser feitas por e-mail. No fim do curso os participantes receberão um diploma de participação.

“A transmissão da tradição musical de excelência sempre foi uma prática dos maiores mestres da música”, destaca a pianista, que complementa: “Não é só uma compreensão de responsabilidade com gerações futuras e com o futuro da arte, mas sobretudo com o aprimoramento de si mesmo. Não há, a meu ver, verdadeiro artista sem generosidade. Nesse sentido, compreendo que é só em me doando ao outro que encontro minha essência mais verdadeira.”

No primeiro workshop, que será disponibilizado no dia 13 de fevereiro, sábado, intitulado “Música como Discurso”, Sylvia vai abordar a retórica musical e a arte de fazer a música “conversar com o ouvinte”. 

No dia seguinte, será a vez do tema “O Corpo e a Virtuosidade”, com a participação de Anne Schütt, especializada na relação corpo-instrumento. 

No sábado, dia 20, Sylvia aborda “A Construção do Som”, apresentando conceitos e elementos que compõem a identidade do artista. 

No domingo, dia 21, com o tema “Despertando o ouvido interior”, o workshop vai contar com a participação do musicoterapeuta francês Dominique Bertrand, especialista na metodologia de ensino da pianista Maria João Pires.

No dia 27, Sylvia Thereza fará uma abordagem filosófica sobre a transcendência artística com o tema “A concepção do Tempo na Música”, apontando rumos sobre o nosso entendimento humano do tempo. 

Encerrando o ciclo de workshops, no domingo, dia 28, com duração de duas horas, apresentado ao vivo, a pianista promove uma masterclass onde vai interagir com os participantes. 

Contemplado no edital Prêmio a Projetos de Fomento à Todas as Artes, o projeto tem o apoio da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Secretaria Especial da Cultura, Ministério do Turismo e Governo Federal, além de parceria e chancela da Instituição Belga, Uaná – Association for the Arts.

Inclusão social pela música

O projeto “Sylvia Thereza Encontra Jovens Pianistas” é mais uma importante realização da artista, que enxerga a música como grande ferramenta de inclusão e transformação social. Com uma vasta experiência como solista e camerista, tendo estudado com renomados nomes do cenário mundial, sua atuação na educação e qualificação de crianças e jovens desfavorecidos é parte de seu compromisso social e de sua filosofia musical – no Rio, foi coautora de um projeto pioneiro que introduziu a música erudita para mais de 12 mil crianças e que teve como madrinha a atriz Malu Mader.

Na Bélgica, é cofundadora e diretora artística da Associação Uaná – Association for the Arts, instituição que visa reunir artistas com o propósito de produzir arte com a missão de colaborar com projetos sociais. Por meio dela, vem proporcionando cultura e rompendo barreiras sociais para crianças necessitadas e deficientes, unindo renomados profissionais do mundo artístico e educadores, por meio de projetos de educação musical, concertos, exposições e discos.

A artista tem o apoio de instituições nacionais e internacionais, entre elas o Instituto Kodaly, da Hungria, e de conceituados artistas do cenário internacional para a realização do programa “Mestres em Residência”, que vai estabelecer um intercâmbio entre renomados músicos, instituições europeias e inúmeros projetos sócio-artísticos, buscando treinar e qualificar mais de 24 mil jovens brasileiros em diversas cidades do país.

Inscrições e mais informações: [email protected]

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora