Sondagem de investimentos volta a perder força

Jornal GGN – O índice de intenção de investimentos da indústria recuou 7 pontos no quarto trimestre de 2015 em relação ao trimestre anterior, segundo levantamento elaborado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Com o resultado, o índice atingiu 84,9 pontos, o menor nível da série iniciada no terceiro trimestre de 2012, sinalizando continuidade da tendência de desaceleração do volume de  investimentos produtivos.

Pela metodologia do índice, dados abaixo de 100 pontos decorrem da incidência de mais empresas prevendo diminuir investimentos que aumentar nos 12 meses seguintes. No quarto trimestre, 15,7% das empresas estão prevendo investir mais nos 12 meses seguintes, e 30,8% prevendo investir menos. No terceiro trimestre, esses percentuais haviam sido de 20,4% e 28,5%, respectivamente.

“A queda do indicador no quarto trimestre sinaliza continuidade da fase de desaceleração dos investimentos produtivos e reflete o aumento da ociosidade e a baixa confiança empresarial. A pesquisa captou ainda um aumento da incerteza das empresas em relação à execução dos investimentos planejados, uma tendência que, em condições normais, sinaliza o aumento da chance de revisões do planejamento diante de mudanças do cenário“, afirma Aloisio Campelo Jr., Superintendente Adjunto para Ciclos Econômicos da FGV/IBRE, em relatório.

Nos outros setores pesquisados (Serviços, Comércio e Construção), o indicador de Ímpeto de Investimentos possui periodicidade semestral, sendo apurado no segundo e quarto trimestres de cada ano.

No setor de Serviços, o indicador caiu 10,8 pontos chegando a 91,5 pontos, registrando assim seu primeiro resultado inferior a 100 pontos na série iniciada no quarto trimestre de 2014. Neste trimestre, 14,5% das empresas preveem investir mais enquanto 23% programam investir menos. No segundo trimestre, estes percentuais haviam sido de 22,8% e 20,5%, respectivamente.

No Comércio houve ligeira melhora no quarto trimestre de 2015 (1,4 ponto), com o indicador passando de 112,9 para 114,3 pontos. As empresas que estão prevendo aumento representam 27,5% e as que planejam diminuir 13,2% do total. No segundo trimestre, as parcelas foram de 25,7% e 12,8%, respectivamente.

A pesquisa mostra que o pior resultado setorial foi observado na Construção, segmento em que o indicador caiu 13,7 pontos e chegou a 69,6 pontos, menor da série iniciada no quarto trimestre de 2014. Neste trimestre, apenas 9,9% das empresas pretendem investir nos próximos 12 meses e 40,3% planejam diminuir os investimentos. No segundo trimestre, 14,3% previam aumento e 31%, diminuição do volume de investimentos nos 12 meses seguintes.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome