A luta épica de Olga Zumbano e Hélio Zoiudo, por Luis Nassif

Não sei os detalhes da luta porque, por pudor e comiseração, quem assistiu guardou para si. Só sei que o Helio Zoiudo apanhou feito vaca na horta de italiano, embora fosse um touro de forte.

Olga Zumbano

Minha tia Mirian namorava o Hélio Zoiudo, que tinha o disputado emprego de caixa do Banco do Crédito Real de Minas Gerais, que, em Poços, só perdia em importância para o Banco do Brasil.

O Hélio era boa gente, pelo que me lembro, e muito bom de briga, conhecido por sua força, valentia e boa índole: só brigava em brigas de brincadeira,

Até que um dia chegou o Circo Irmãos Garcia em Poços de Caldas, com um desafio inusitado: uma lutadora mulher desafiando os marmanjos da cidade. Não me lembro se a lutadora era Olga  Zumbano, ou Alice Maluf, as duas campeãs da minha infância.

Olha Zumbano era dos Zumbano, a mais brilhante estirpe de lutadores da história do Brasil. A familia gerou Waldemar, míope no último grau, Ralp, que encantou o país em um Panamericano, Tônico, um boi bravo e o maior de todos, Éder. Mas tinha luz e músculos próprios.

Foi casada com o austríaco Hans Norbert, campeão europeu do peso meio-médio, apelidado de “a metralhadora austríaca”. 

Os marmanjos ficaram injuriados quando foi anunciado o repto e trataram de estimular o Hélio Zoiudo a defender as honras dos machos poços-caldense.

E o pobre do Hélio seguiu para o matadouro, isto é, para o ringue do Irmãos Garcia, ante os olhares atentos de centenas de conterrâneos.

Não sei os detalhes da luta porque, por pudor e comiseração, quem assistiu guardou para si. Só sei que o Helio Zoiudo apanhou feito vaca na horta de italiano, embora fosse um touro de forte.

Não sei se foi esta a razão da separação da tia Mirian que, tempos depois, conheceu o tio Orlando, de São Sebastião da Grama, casaram-se e foram muito felizes.

 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome