As duas histórias do Almirante Othon, por J. Carlos de Assis

Aliança pelo Brasil

As duas histórias do Almirante Othon

por J. Carlos de Assis

Há duas formas de contar a história do almirante Othon Luiz Pereira da Silva, o herói do programa nuclear brasileiro condenado a 43 anos de prisão por um juiz entreguista e vaidoso cujo nome não vale a pena mencionar. A primeira é simples e direta: o Almirante, segundo o juiz, é um cleptomaníaco pervertido que não suportou a tentação de pegar uma propina da Andrade Gutierrez, construtora de Angra 3, no valor divulgado de 4,5milhões de reais. Assim, por esse ato de corrupção explícita, atirou no lixo os registros de uma notável carreira militar e de uma carreira científica ainda mais destacada, relatadas com inigualável acuidade pelos jornalistas Mauro Santayana e Luís Nassif em vários sites na internet.

A outra história é a seguinte. O Brasil, país ainda em desenvolvimento, se meteu, à revelia e contra as imposições dos Estados Unidos, a desenvolver um programa nuclear de primeiro mundo do qual resultou uma tecnologia de ponta em centrífugas para gerar urânio enriquecido, um produto nuclear ultrasensível. Para o comando dessa tarefa designou o Almirante Othon, por sua notória especialização na área. Ele saiu-se maravilhosamente bem. Os americanos, através da Agência Internacional de Energia Atômica, quiseram bisbilhotar as centrífugas já que, com todo o potencial científico que tem, dispõem de uma tecnologia de enriquecimento menos eficiente. O Brasil recusou-se a abrir a exibir a tecnologia das centrífugas e os norte-americanos, pacientes como são, decidiram ficar de tocaia.

Com os recursos do seu poderoso sistema de informação, a espionagem norte-americana, que há muito vinha seguindo, sem sucesso, a trilha do Almirante Othon no mercado negro de peças e equipamentos da indústria nuclear, necessários para o desenvolvimento do programa nuclear brasileiro, obviamente só possíveis de serem compradas com caixa 2,encontrou no Judiciário do país um sócio perfeito para revelá-la. De fato, a Lava Jato não tem nada a ver com Angra 3, e a extensão das investigações a esta última só foi possível porque informações paralelas de Curitiba foram vazadas para ela. E, claro, tudo isso tinha uma rede básica de informação a partir da espionagem norte-americana: os “amiguinhos” do juiz Sérgio Moro, que frequentemente o cumulam de honrarias.

Qual desses dois roteiros é mais plausível? Esse último, conforme os italianos, si non é vero é bene trovatto! Pessoalmente, rejeito a primeira hipótese, a de corrupção. Não se encaixa na biografia do Almirante. E estou convencido de que, caso o Almirante tenha pedido “propina” às empresas construtoras de Angra 3, seu objetivo era formar com esse dinheiro um caixa 2 para comprar para as centrífugas equipamentos nucleares no mercado negro, já que os países monopolistas da tecnologia nuclear não os vendem de forma regular. Claro que o Almirante não poderia dizer isso aos empresários que estava fazendo um caixa 2 para ajudar o Brasil a desenvolver a tecnologia nuclear. Estaria revelando um segredo de Estado. E não pode revelar também para o juiz porque não se revela esse tipo de segredo a ninguém inconfiável.

O lado ainda inexplicável dessa história é o papel desempenhado pela Marinha e as outras Forças Armadas. Elas deveriam ter levantado imediatamente a bandeira do segredo militar quando o Almirante foi preso pela primeira vez. A conclusão é que ou estão todos comprometidos com segurança para os norte-americanos, ou são desatentos com a Defesa brasileira. A propósito, o contra-golpe na Turquia, que interpretei corretamente aqui antes que qualquer outro comentarista, revelou a estreita cumplicidade do sistema judiciário turco com a CIA e o Pentágono. Não sei se é também nosso caso. Entretanto, os caminhos perseguidos pela Lava Jato e pelo processo de Angra, com a agressividade da condenação dos que não fazem delação premiada (ou revelam segredos de Estado), nos deixam em profunda suspeição.

P.S. Um criminoso de guerra a serviço dos nazistas, Werner Von Braun, recebeu total cobertura do governo norte-americano para escapar da Alemanha e da forca, nos últimos dias da guerra, pelo simples fato de ser um cientistas de primeira linha e não obstante milhares de vítimas de suas V1 e V2 lançadas sobre Londres. Nos EUA, chefiou o programa de mísseis que, na parte civil, levou o homem à lua. Tornou-se herói nacional. É assim que os EUA fazem com os homens de ciência que servem ao interesse nacional. Aqui, recompensam-nos com 43 anos de prisão!

J. Carlos de Assis – Economista, professor, doutor pela Coppe/UFRJ.

55 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

jusemar

- 2016-12-30 10:13:55

Descomhecimento

Desde quando tecnologia de segurança nacional é partenteada?

Só um idiota irrecuperável farfia isso. As centrífugas brasileiras inventadas pelo Almifrante Othon são,

de longe, as melhores do mundo e sua tecnologia, provada e comprovada, enriwuece o urânio usado em

nossa central nuclear e pode enriquecer urânio para a produçáo de bombas nucleares.

Esse juiz é sí mais um entreguista subordinado aos Estados Unidos, como Moro e, infelizmente, os militares

brasileiros!! Se brasileiros patriotas fossem o Almirante Othon nunc a seria tocado!

Rchiavennato

- 2016-08-07 14:22:56

"Ganância"

não quer dizer somente $$$$. É também poder, vaidade etc. Othon era o tzar da área nuclear do País há décadas, e quem é  desse business sabe como ele era "agarrado" às benesses do cargo; vale a pena dizer que era assim  desde os tempos de FHC (incluam, por favor, Sarney, Collor e Itamar).

Por fim, essa estória de "realizar coisas secretas por debaixo dos panos" é conto da carochinha... Quem está a fim de fazer algo secreto, o faz de forma legal. Há inúmeras formas, basta ver nossa área de criptografia de Estado, notadamente considerada de  ponta e objeto de cobiça de várias potências. Por acaso, veio à tona algum caso de corrupção envolvendo servidores do Estado  dessa área?

PS: Dilma, e seu entorno , nunca usaram os equipamentos de criptografia em suas comunicações (correio eletrônico e telefone). Deu no que deu....

Severino Januário

- 2016-08-07 08:47:10

A propósito do que afirma o

A propósito do que afirma o Assis: “Os americanos, através da Agência Internacional de Energia Atômica, quiseram bisbilhotar as centrífugas já que, com todo o potencial científico que tem, dispõem de uma tecnologia de enriquecimento menos eficiente. O Brasil recusou-se a abrir a exibir a tecnologia das centrífugas...”, é bom relembrar este episódio da inspeção de Rezende, que anda meio esquecido. Isto hoje se faz necessário para tentar resguardar os grandes avanços nacionais no setor nuclear, quando pululam na vida pública brasileira, com ar vitorioso, os entreguistas e traidores de todos os matizes. Houve naquela ocasião, fins de 2004, no próprio Congresso Nacional, uma tentativa de fazer o país abrir totalmente a fábrica de urânio de Resende aos inspetores da AIEA. Na época, o deputado Gabeira falou para a mídia que recusar uma vistoria integral aos inspetores era uma “bobagem”. Não se sabe se o deputado, conhecido por lutar contra a energia nuclear, estava também, como matuta Assis sobre os militares, comprometido com os norte-americanos, ou desatento com a Defesa brasileira, ou se aquela afirmação não era apenas pura ingenuidade sua. Seja como for, isso revela como é perigoso certas autoridades não entenderem ou não se alinharem com os interesses nacionais de defesa e com os segredos industriais de Estado. Recentemente, dentro do episódio da prisão de Othon, um detalhe passou despercebido e nada que tenha sido publicado na mídia o faz completamente esclarecido. Aconteceu que o juiz Moro ficou furioso pelo fato de que pediu ao Almirante e a sua filha certos documentos de teor científico que continham dados supostamente secretos. E eles enviaram a ele outros documentos, cópias inócuas de material que pode ser visto por qualquer um pela Internet. Quem analisou para Moro os tais documentos, para revelar que não se tratava do que havia sido pedido? Até onde se saiba, a vara de Curitiba ainda não tem assessores especialistas em alta física nuclear. Isto requer investigação jornalística e completo esclarecimento. Aliás, por que nenhum órgão de imprensa se interessa em fazer uma longa entrevista com o próprio Almirante Othon? Por sua enorme importância militar e científica, ele merece.

Jose de Almeida Bispo

- 2016-08-07 01:23:58

"A primeira é simples e

"A primeira é simples e direta: o Almirante, segundo o juiz, é um cleptomaníaco pervertido que não suportou a tentação de pegar uma propina da Andrade Gutierrez, construtora de Angra 3, no valor divulgado de 4,5milhões de reais."

O safado queria que o almirante entregasse os segredos de Estado para que ele repassase aos seus patrões da CIA.

Egomet Leão

- 2016-08-07 00:52:16

Caro Almeid, nesse tipo de

Caro Almeid, nesse tipo de negócio, não existe "patentes". Se alguma "coisa" foi "inventada", é pra ficar o dito-pelo-não-dito - compreende?

Até porque, o Presidente Fernando Henrique Cardoso (tinha que ser ele, não?!) assinou um certo Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares durante seu desgoverno, o que impediria no Brasil uma pesquisa dessa e uma consequente descoberta nessa área.

Assim sendo, meu caro, se algo realmente foi descoberto, o foi por portas-travessas, na moita (sabe como é?!) e ninguém - principalmente um homem do naipe do Almirante Othon - abre a boca nessas horas. E é exatamente essa necessidade de segredo que faz supor que possa haver dinheiro que nunca foi para ser contabilizado mesmo.

O problema é que esse pessoal da "justiça" brasileira não tem capacidade para descobrir coisa nenhuma, ou está comprometido com algo mais que não o Brasil.

Particularmente, eu creio que as duas opções do parágrafo anterior se aplicam nesse caso. 

Ze Guimarães

- 2016-08-06 21:25:03

Ordens dos EUA

Porque os militares não reagiram à prisão do Almirante Othon?

Simples. quem leu Maquiavel sabe. Os Generais, especialistas em confrontos e batalhas sabem também. A prisão do Almirante foi ordem de cima, aliás de tão alto, que não se pode em sã consciência enfrentar ou contestar as ordens do Império Norte americano. Os militares sabem disto. Iniciar uma altercação com os EUA é como mexer com uma cobra, da qual não se poderia fugir depois, e esta nos perseguiria até o fim do mundo para vingar esta insolência. Guerra funciona assim: quando uma pessoa tenta matar uma víbora, tem de calcular se conseguirá matá-la com uma só paulada certeira, porque se achar que não pode, é melhor nem tentar.

Militares não dão ponto sem nó. Eles devem estar tão mordidos quanto nós pela prisão de Othon. Só que... sabem muito bem que não tem poderio militar mínimo para reagir à quarta frota Americana. Somos menos que um inseto perante os EUA.

 

Diferentemente de Dirceu, que mexeu com a midia sem avaliar se podia realmente vencê-la, e depois foi encarcerado, os militares avaliam bem quais as batalhas que eles tem condições de vencer, e quais é melhor obedecer, para não ser esmagado.

Almeid

- 2016-08-06 18:16:11

Vamos lá saber o que está

Vamos lá saber o que está ocorrendo...quando?

Vou deixar as primeiras perguntas:

1- A centrífuga foi patenteada primeiramente onde e em que ano? 

2- Patentes no Brasil, quando foram realmente admitidas (lembro que décadas atras caminhava a passo de tartaruga (saiu no blog Nassif, e não eram reconhecidas pela "comunidade internacional")?

 

Almeid

- 2016-08-06 17:38:04

E, se levantar quem são os

E, se levantar quem são os responsáveis pela descoberta de material que é impedido de ser vendido... Verão que inúmeros são os cientistas, de outros países, que trabalharam para o  produto final. Inclusive do Brasil.

 

 

Djijo

- 2016-08-06 13:39:06

Nassif. Libere os emoticon

Bom dia Nassif.  Libere os emoticons. Eu tinha colocado milicos e eua se beijando no título  e não  apareceu.

mello

- 2016-08-06 13:34:38

Senor er..."rigoroso"

Senor er..."rigoroso" comentarista : e o cunha ? e o ricardo sérgio? e o aecinho ? e tantos outros do Banestado,  edas privatizações?  Já sei !  Antecedem esse caso,  mas......Não veem ao caso,  não é ?

 

Djijo

- 2016-08-06 13:21:38

Milicos com estrelas

No da ditadura já tinha lido que oss generais brasileiro  faziam especialização  (doutrinação? ) nos EUA.  Daí que acho  que eles só obedecem o Império Norte americano.

Jossimar

- 2016-08-06 12:43:03

Sobre este assunto há um post

Sobre este assunto há um post do André Araújo publicado há mais ou menos um ano.

Apesar das visões ideologicas contrárias, o post dos dois(André e José Carlos), publicados no intervalo de quase um ano tem muitas coincidências.

Eu acredito no André e no José Carlos. Para mim o Juiz não passa de um boçal.

Não creio que está a serviço de ninguém, condenou porque é um burro mesmo.

Aliás, a mioria dos juízes entende muito mal a lei que eles aplicam.

Jossimar

- 2016-08-06 12:38:37

R$ 4.5 milhões de

R$ 4.5 milhões de reais.

Quanto você acha que os americanos ou quem tivesse interesse pagariam ao Almirante para que revelasse o segredo das centrífugas brasileiras?

U$ 100, 200, 500 milhões de dólares?

43 anos de prisão é o presente que o almirante Othon recebeu por não ser um traidor vendido.

O Braço dos EUA conhecido por AIEA ficou décadas querendo "verificar a conformidade" de nossas centrífugas. Neste campo, os EUA tratam o Brasil como tratam o Irã. Ou tratavam.

Enquanto isto, o preposto dos EUA no Brasil, José Serra, ainda vai ser primeiro ministro.

Carlos B.

- 2016-08-06 11:55:00

Endosso tudo o que se diz

Endosso tudo o que se diz quanto à atividade funesta das agências americanas em volta do mundo, que fazem intrigas, promovem ações violentas, destroem reputações e fazem tudo o mais que seja necessário para garantir o domínio de seu país.

Mas devemos tomar cuidado, para não tentar explicar qualquer coisa aplicando a teoria conspiratória.

A mim parece muito estranho que o Almirante e a Marinha prefiram aceitar a vergonha de ver sua reputação de homem integro, construida em décadas de trabalho profícuo atirada ao chiqueiro, a esclarecer que estava usando o dinheiro para atividades legítimas, embora ilegais.

Há uma velha frase que resume bem o que digo: "Ao Rei, tudo, menos minha honra.". Não acredito que um homem justo abra mão dela.

Trata-se de um caso doloroso, é verdade, e devemos respeitar a biografia e a família, mas acreditar nesse inverossímil sil~encio é muito difícil.

Maria Carvalho

- 2016-08-06 03:42:13

"corrompeu-se de forma deliberada e gananciosa."

"Ganância" de 4,5 milhões de reais?

O conhecimento que esse brasileiro possui é incomensurável!

Neideg

- 2016-08-06 03:21:23

Não sei quem é mais "limpo",

Não sei quem é mais "limpo", Moro, seus policiais e procuradores ou a classe média hipócrita que repercute sua "limpeza ".

j2c

- 2016-08-06 02:34:22

Se o amigo entende tanto de

Se o amigo entende tanto de dosimetria penal, exerça uma comparação entre as penas para crimes hediondos e essa contra o almirante.

Vale lembrar das declarações de Joaquim Barbosa quanto à dosimetria das penas para condenados no mensalão ("... é para isso mesmo...")

jose carlos vieira filho

- 2016-08-06 01:10:50

míopes

Será miopia? Veja a quantidade de juízes com bolsas da Fundação Fullbright, e estágios em universidades americanas pagos pelo Departamento de Estado. Sem flar em MP e PF.

jose carlos vieira filho

- 2016-08-06 01:06:54

escandalo

Em vista da atitude corajosa do comandante de Congonhas no caso do sequestro do Lula, esse escândalo não poderia ser o troco do sistema que ele representa, troco e aviso?

Marcos Antônio

- 2016-08-06 00:33:38

Passaram da conta...

Meu amigo...

Se ele tivesse aceito O QUE PROVAVELMENTE OFERECERAM ANTES PARA REVELAR PARTE DE SEUS CONHECIMENTOS, ele já estaria rico...

Ele NEGOU, então lhe impuseram: sofra as consequências...

Ou você acredita que ele não foi "procurado" quer por agentes da CIA ou de outro pais?

O GRAVE, é que para REDUZIR ESSA PENA ABSURDA - A DELAÇÃO PREMIADA PARA ELE E SUA FILHA DEVA SER - ENTREGAR O PROJETO DAS CENTRÍFUGAS OU OUTRA COISA "INTERESSANTE" NA QUAL ESTEJA TRABALHANDO....

Ele vive uma violência SEM LIMITES!

Ou você não está vendo uma SEMELHANÇA DO MÉTODO MORO de arrancar CONFISSÕES?

Prisão indefinida, condenação sumária e penas absurdas...

LF Pereira

- 2016-08-05 23:42:27

Como defender o Almirante?

O primeiro parágrafo começa falando dos 43 anos de condenação do Almirante Othon por um juiz entreguista e vaidoso. A afirmação é tola e despropositada. Lendo a sentenhça de 159 páginas dá perfeitamente para entender o porquê de pena tão severa. Culpa do "juiz vaidoso"? Não. Regras do código penal. Numero de crimes ou ilicitudes, repetição ou continuidade delitiva provocam soma de penas. O autor defende a tese imoral de que o curriculum, a expertise e notoriedade do condenado seriam passaporte para impunidade. A personagem que ele defende tem inegavelmente todas essas qualidades, mas cometeu uma falha imperdoável: corrompeu-se de forma deliberada e gananciosa. Errou. Se desmoralizou. Lamento muito.

Mário Mendonça

- 2016-08-05 22:23:17

Nassif Muito estranho a

Nassif

Muito estranho a omissão das forças armadas com um dos seus !!!

Marcelo Marques Costa

- 2016-08-05 22:15:03

Não, você não entendeu.
Não, você não entendeu. Ninguém aqui está falando de assassinato. E depois dê uma lida sobre uso de empresas de fachada pelos EUA para atividades secretas. https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Agência_dos_Estados_Unidos_para_o_Desenvolvimento_Internacional

Marcelo Marques Costa

- 2016-08-05 22:04:26

Não, você não entendeu.
Não, você não entendeu. Ninguém aqui está falando de assassinato. E depois dê uma lida sobre uso de empresas de fachada pelos EUA para atividades secretas. https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Agência_dos_Estados_Unidos_para_o_Desenvolvimento_Internacional

Felipe Lopes

- 2016-08-05 19:55:19

Ter prestado bons serviços não é desculpa para se corromper....

Ninguém está acima da lei, por maiores que tenham sido seus méritos para o país em outras áreas. Podia jurar que já tinhamos superado o relativismo grotesco do "sabe com quem você está falando?".

Bonobo de Oliveira, Severino

- 2016-08-05 19:09:58

Faltam HOMENS no Brasil.

Faltavam e faltam médicos no Brasil. Não em quantidade, mas em qualidade técnica, moral e humana. O Governo do Brasil, ora em extinção, criou o programa Mais Médicos, sob grita geral das classes médias medíocres. Mas, se há falta de homens qualificados em todos os setores da sociedade. No judiciário, principalmente. Não há projeto de país que possa nunca ser sustentável. Em que país do mundo um sujeito de qualificações medianas, como esse cafajeste arrogante e audacioso, seria capaz de abalar um país do tamanho geográfico, econômico e estratégico do Brasil, apoiado apenas em organizações de banqueiros agiotas nacionais e internacionais e meia dúzia de empresários corruptos controladores de concessões públicas de televisão e rádio?

Não precisaria nem haver muitos homens com as qualificações próximas ao homem de Rudyard Kipling. Bastaria haver pelo menos uma dezena de homens como Luiz Inácio Lula da Silva que, por ser um homem justo e honrado, segue ferozmente caçado e  perseguido, como outros poucos homens que essa terra já produziu.

Mariano S Silva

- 2016-08-05 19:06:21

Prezada Maria Helena

Prezada Maria Helena Bastos.

Meu coração de cidadão menor, porém devotado e  incansável lutador pela causa desta nossa Nação Brasileira, está muito triste e completamente solidário contra essa imensa ignomínia a que submeteram seu pai e sua irmã. Já disse em outro site que chego a acreditar que esta pena absurda a que os imputaram, parece ter sido ditada lá de fora. Soa como uma pena capaz de atemorizar e provocar uma confissão de assuntos secretos que não podem ser revelados...A um assassino que comete um crime com dolo é imputada uma pena de, no máximo, trinta anos. Como se explicar tamanho peso da mão da "lei?"? Presenciei, certa vez, uma pesquisa acadêmica, onde se queria fazer a espectroscopia detalhada no infravermelho longínquo de moléculas. Me relataram que os norte-americanos se recusaram a vender o laser de sal de Pb necessário ao esperimento. Eu mesmo tentei comprar um relógio de Rb miniaturizado para um experimento que envolvia medidas temporais precisas, em uma universidade, e, a empresa que me enviou o folheto de anúncio do produto, depois sequer atendeu à solicitação de fatura para exportação.

Por essas experiências pessoais, creio firmemente, que seu pai e sua irmã não são corruptos! Estou convicto que confessaram um crime para encobrir segredos estratégicos nacionais! Eles estão sendo punidos por um poder estrangeiro operante em nosso país.

Para mim são heróis da nação brasileira!!!

 

 

Bonobo de Oliveira, Severino

- 2016-08-05 18:54:12

A voz do moralismo cínico e hipócrita.

Se não é um imbecil, paneleiro e midiota está exercitando falsidade intelectual consciente. Tentar fazer crer que o Almirante Othon, do alto de sua sabedoria científica e qualificações morais e cívicas, tendo e honrando a capacidade e a misssão de operar e desenvolver tecnologia de ponta em área científica de grande interesse para a geopolítica mundial e determinante da soberania das nações capacitadas a utilizá-la e desenvolvê-la, se sujeitaria a fazer movimentação de merreca em benefício próprio, é o mesmo que dizer que Lula poderia, em algum momento de vertigem, ter pensado em usar o seu extraordinário prestígio e conceito internacionais para obter vantagens para melhorias em um sítio dotado de tanques com pedalinhos e para um apartamento em um cortiço de classe média no Guarujá. Não faz o menor sentido e nem tem a menor lógica, nem com as explicações esforçadas dos convidados amestrados "especialistas" da Globo News, com suas opiniões remuneradas.

Eh mais um caso, a acrescentar-se entre tantos outros, em que agentes corruptos do judiciário tentam inovar no Direito Penal, tentando provar a insustentável tese da existência improvável do CORRUPTO POBRE, enquanto protegem e abafam os crimes VERDADEIRAMENTE CRIMINOSOS de seus "bandidos de estimação".

Retrovisor combina com retrógrado que é palavra proparoxítona tal e qual a palavra hipócrita, que define uma das alternativas postas ao seu comentário!!

Mariano S Silva

- 2016-08-05 18:39:49

EXATAMENTE!!! Dedicamos isto

EXATAMENTE!!!

Dedicamos isto aos tolinhos que ainda não perceberam o fio desta estória!

Mariano S Silva

- 2016-08-05 18:36:12

Os militares do golpe dentro

Os militares do golpe dentro do golpe (que deram um jeito de Lacerda sumir) eram nacionalistas e fascistas, porque fascismo é um governo forte à direita que necessariamente é nacionalista. Getúlio pode é classificado como fascista por alguns. Era um nacionalista exarcebado, que inclusive deu sua vida pela nação, e atendeu a reclamos antigos da classe trabalhadora em criar direitos (Leis Trabalhistas), o que uns classificam como populismo (a forma de se manter no poder dentro de uma estrutura democrática). Criou empresas estatais que mais tarde se tornariam os gigantes de hoje, que é o capitalismo de estado, outra faceta do fascismo. Privilegiou, também, empresas que se dispunham a aceitar sua política, ou seja, um oligopólio, outra faceta do fascismo ( quem não se lembra das empresas Krupp, na Alemanha Nazista?).

Um juiz que veste camisa preta, gravata preta com terno preto e destroi um parque inteiro de empresas nacionais, muitas delas envolvidas com projetos de defesa, não é um fascista! Esta pessoa não passa de um entreguista, que cursou certo período em Harvard, travestido de fascista! Bessinha (do blog do PHA) bem que poderia ilustrá-lo, como o faz com Serra: totalmente vestido com as cores da bandeira norte-americana, com uma bandeirola brasileira costurada na bunda!

A mídia brasileira jamais será fascista, porque se o fosse perderia o acesso às grandes geradoras de notícias ocidentais e faliria em seguida. Lembram do episódio da globo tentando noticiar o ataque ao Charlie Hebdo, quando caiu a internet para os repórteres?

Alexandre Gomes M

- 2016-08-05 17:58:59

Não faz sentido mesmo

Tirando a parte de que ele estava fazendo caixa 2 próprio para comprar peças e a parte do Moro, tem alguma verdade aí sim.

Isso não bate com o perfil desse almirante. Não faz sentido receber essa merreca para sujar a biografia dele. O Cabral recebeu muito mais para quebrar o Rio.

anac

- 2016-08-05 17:40:30

"O lado ainda inexplicável

"O lado ainda inexplicável dessa história é o papel desempenhado pela Marinha e as outras Forças Armadas. Elas deveriam ter levantado imediatamente a bandeira do segredo militar quando o Almirante foi preso pela primeira vez. A conclusão é que ou estão todos comprometidos com segurança para os norte-americanos, ou são desatentos com a Defesa brasileira."

 

Saberemos a verdade - os militares brasileiros são traidores da nação -  quando o governo do usurpador, traidor, judas entregar a Base de Alcantara as Forças Armadas dos USA, ou seja parte do territorio brasileiro para que instale uma base militar no Brasil  e não houver reação a altura dos militares brasileiros.  

Os milicos de 1964 pelo menos eram patriotas. Geisel agiu com altivez perante o governo dos USA, na questão das usinas nucleares. 

Marcos K

- 2016-08-05 16:53:07

Neste país onde não é

Neste país onde não é novidade perseguir e destruir quem tenta construir o país (Anísio Teixeira, Roberto Freire, Mauá, Mario Wallace Simonsen, etc.) conseguimos acrescentar mais um triste capítulo na nossa trise história onde sobra a burrice, estupidez e idiotice.

É desta forma que vejo a condenação do Almirante Othon da Silva. Conseguimos fazer a façanha de destruir quem tenta construir o país. Merecemos ser o que somos: pobres, estúpidos e subdesenvolvidos.

jose carlos vieira filho

- 2016-08-05 16:41:07

entreguismo

O caso do pré-sal é igual ao das centrífugas.

As empresas gringas perfuraram nos mesmos locais dos camps de pré-sal e não descobriram nada. Acontece que sua ciência geológica ainda acredita na história da carochinha de origem fóssil do pretróleo, e as perfurações foram até 2800m.

A Petrobrás descobriu os campos a profindidades superiores a 5000m abaixo do fundo do mar, em camada geológica anterior a qualquer possibilidade de horizonte fóssil.

Óbvio que o conhecimento geológico da Petrobrás é diferente dos gringos, e eles querem isso de graça.

A Rússia detem o mesmo conhecimento, e os gringos tenteram com o golpe da Yukos. Perderam, e na mesma hora o contrato da Exxon no ártico foi rescindido.

E o Moro é o agente encarregado de execuatr esse saque.

Zé Tucaninho

- 2016-08-05 16:40:12

Tudo indica que a CIA é a

Tudo indica que a CIA é a chefona do judiciário tupiniquim. Espero que nossas Forças Armadas não sejam subalternas do Sam, também. 

Ricardo Cavalcanti-Schiel

- 2016-08-05 16:37:13

Muito mais além.

Ainda há muita água a rolar nessa história.

Alguém com o histórico do VA Othon é um combatente que sabe os riscos do seu combate... e seguramente os assumiu. Essa é a ética do combatente.

A Marinha, por mais que seja a força que mais preze pelo requinte da crueldade no tratamento do seu pessoal, não desampararia alguém como ele, que foi parte do almirantado, a não ser que sua cúpula tenha sido agora encampada por uma linhagem muito hostil à dele. Mesmo assim, esse jogo ainda parece ter algumas regras implícitas.

O embate todo é muito mais subterrâneo, pesado e até, em alguns momentos, mais prosaico do que supõem as interpretações sumariamente totalizantes (como esta do Prof. José Carlos de Assis).

Soam-me bastante suspeitas, isso sim, as razões pelas quais esse juiz que condenou o Alte Othon fez tanta força para ser tão escandaloso.

Eu acho que é a partir daí que as hipóteses devam ser montadas. É esse o caroço que as pessoas pouco percebem nesse angu.

Fabian Bosch

- 2016-08-05 16:19:12

a hipótese de Assis

é perfeita. Tenho acompanhado há anos o trabalho do Almirante Othon, por quem, por isso mesmo, nutro profunda admiração e gratidão, como brasileiro.

Ando sem motivação para escrever em rede social, mas estou cumprindo um dever cívico ao comparecer aqui para protestar contra a ignomínia de um juiz e de um procurador da república, entes nauseabundos, e em favor de um cientista, um militar modelo.

Finalmente, um argumento sujo, em favor do que Assis escreveu: quanto o Almirante receberia se vendesse a tecnologia nuclear a uma empresa do Pentágono? Pra mim é um argumento definitivo, apesar da degradação da hipótese.

fabiano

Maria Helena Bastos

- 2016-08-05 16:11:02

#MexeuComOthonMexeuComigo

Muito boa matéria! Apenas gostaria de acrescentar que o nome dele é Othon Luiz Pinheiro da Silva.

Seu nome é sinônimo de patriotismo e da potência da ciência brasileira, o que os golpistas não toleram!

Meu pai, preso injustamente e minha irmã sendo arrastada nesta lama

Isto tem que acabar

Retrovisor

- 2016-08-05 16:09:51

Os especiais e os comuns?

Deixa eu ver se entendi. Segundo esta argumentação, se Albert Einstein fosse um assassino ele não deveria ser preso, mas mantido em liberdade para continuar sua relevante pesquisa. É isso? Pessoas "especiais" não seriam atingidas pela Lei? Ora, ora, isso não passa da teoria do personagem de Crime e Castigo de Dostoievski. Não tenho formação em Direito, mas se o tal almirante cobrava propina, que vá para a cadeia. Cabe se questionar como um almirante e presidente da Eletronuclear está envolvido em assuntos de cobrança de propina. Isso sim.

A busca pela excelência tecnológica deve ser mantida, mas, se para isso, deve recorrer a ilegalidades há algo de muito errado nesta história. O argumento da "propina para o bem" não passa de relativisto perigoso, que pode justificar qualquer coisa.

Maria Silva

- 2016-08-05 15:54:02

Assis Irretocável

Causa mesmo  estranhesa que as Forças Armadas permitam esse tipo de perseguição a um dos seus quadros mais brilhantes. 

naldo

- 2016-08-05 15:47:12

Somos um país de

Somos um país de estupidos,

 

Enquanto midiotizados estão se trombando jogando um joguinho imbecil o Brasil está sendo vendido a troco de banana, com as bençãos da midia quadrilheira e corrupta, o unico lado bom, se é que posso chamar assim, é que as chamas do inferno tambem vão lamber as chagas dos meus vizinhos paneleiros, por que acredito que nem todos são grandes empresarios e rentistas, acredito que nenhum, estão todos no mesmo barco e f....s. TOP TOP.

JOSE MIRA

- 2016-08-05 15:42:38

J. Carlos O dignissimo Juiz

J. Carlos

O dignissimo Juiz Moro e sua república de curitiba é assim...  Seletivo em que prende, acusa e julga. 

Mas ele vai ser julgado pela História.

Enquanto isso, Romero Jucá e uma grande turma estão soltos e o interino golpeando a democracia.

Agora, que papelão da Marinha e das Forças Armadas.... Enfiram a viola no saco.

O almirante não  deveria ser julgado por um Tribunal Militar?

Como diz o Ciro Gomes "tem tatu em cima do toco"

Parabens pelo seu artigo.

José MIra

martos

- 2016-08-05 15:14:47

É nojento esses anti brasil

É nojento esses anti brasil do judiciario, lambendo as nadegas desses americanos e entregando todo um projeto de desenvolvimento. Fico chateado que as forças armadas, maior beneficiaria de todo o projeto atomico fiquem calados perante de todo esse esquema.

juarez da silva campos

- 2016-08-05 15:07:27

Brasil

É O Brasil que nanda produz criminalizando o Brasil que produz. 

Álvaro Noites

- 2016-08-05 15:03:13

As Forças Armadas nada fazem.

As Forças Armadas nada fazem.

C

- 2016-08-05 15:00:05

A Justiça e a Geopolítica

O judiciário brasileiro está se revelando míope nos assuntos de interesse geopolíticos, de defesa dos interesses nacionais.

Como sempre fala o LULA, os brasileiros ainda não se emanciparam do complexo de inferioridade em relação aos países desenvolvidos. Basta de sermos submissos!

Na formação dos juízes brasileiros deveria ter uma disciplina relacionada a interesses estratégicos, geopolíticos e de defesa dos interesses e soberania nacionais, colocando os interesses do Brasil e dos brasileiros em todas as decisões que possuam um vies de interesse de nossa economia, de nossa soberania, independência econômica e tecnológica.

A decisão do juiz sufoca o programa brasileiro de energia nuclear. Os americanos e os países detentores dessa tecnologia, cujo comércio mundial está em torno de mais de 5 trilhões de dólares, devem estar rindo do Brasil, que continuará importando tecnologia deles para suprir nossas necessidades futuras.

Bravo intreguismo dos juízes nacionais!

Álvaro Noites

- 2016-08-05 14:59:12

Somos dois. Me irrita ver

Somos dois.

Me irrita ver que, além de judiciário capacho e entreguista, as FFAAs não fazem absolutamente naaaaaada.

Para quê ter forças armadas então?

Renato Lazzari

- 2016-08-05 14:49:40

"É assim que os EUA fazem com

"É assim que os EUA fazem com os homens de ciência que servem ao interesse nacional. Aqui, recompensam-nos com 43 anos de prisão!"

Mas de onde a ideia de que quem mandou o almirante para a cadeia é brasileiro? Pode ser essa a nacionalidade oficial do juiz mas com certeza não é essa a orientação pátria. Pode-se dizer, creio, que juízes de orientação pátri estadunudense julgam de forma diferente cientistas que moram nos EUA (e que contribuem com aquele país) e cientistas que moram em outros países, contribuindo com esses outros.

Esse negócio de dizer que o juiz é brasileiro é tão falácia quanto a tal de "Escola Sem Partido". Sem partido, ok, mas sem ideologia?

 

Carmen Fusquine

- 2016-08-05 14:42:42

  Os chinelões da

 

Os chinelões da RODIN/DETRAN/RS levaram 44 milhões, há 10 anos, processo parado, livres e soltos...

Led.João

- 2016-08-05 14:40:06

Sem comentários

Lastimavél, sem comentários........

Ataíde Coutinho

- 2016-08-05 14:35:17

Suzane von Richthofen

É sempre bom lembrar que a pena a ser cumprida por essa moça foi de 39 anos e seis meses ! 

Miguel A. E. Corgosinho

- 2016-08-05 14:34:09

Parabéns Assis, pelo

Parabéns Assis, pelo considerável argumento de trabalho sobre o Almirante Othon, ilustrando o seu precioso conteúdo de ideias.

Dessa remoção de aspecto a partir da Lava Jato, porém, ele é humilhado, como não possuindo valor algum.

O baixo status do juiz Moro, na função de subalterno ao império americano, justifica apenas o uso inferior de uma mente profana e limitada, na realidade, contra um valoroso talento do nosso país.

Marcos Antônio

- 2016-08-05 14:16:47

Perfeito. Subscrevo. E isso

Perfeito.

Subscrevo.

E isso está me IRRITANDO PROFUNDAMENTE.

Roberto S

- 2016-08-05 14:14:00

e assim prosseguimos

como pais de terceiro mundo e quintal dos impérios (e seus prepostos)

Marcio Roberto

- 2016-08-05 13:59:11

Comentário 10

Concordo inteiramente com o argumento, e parabenizo pela excelente claritude com o que o senhor J. Carlos Assis coloca a questão. O Brasil precisa crescer! Essa rasteirice no tratamento das coisas sérias não nos eleva na sabedoria da história.

A Marinha e as Forças Armadas ainda podem interferir.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador