Aumento de 34% no alerta de desmatamento da Amazônia prejudica o Brasil no exterior

"Os dados do Inpe indicam que o Brasil fracassou no cumprimento de sua lei de clima, cuja meta para 2020 era limitar o desmatamento na Amazônia a no máximo 3.925 quilômetros quadrados", diz site

Jornal GGN – O Inpe (Instituto de Pesquisas Espaciais), vinculado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, divulgou nesta sexta (7) pela manhã que o alerta de desmatamento em áreas da Amazônia aumentou 34,5% no último ano.

“De agosto de 2019 até o dia 31 de julho deste ano, houve alerta de desmatamento de 9.205 km² de área da floresta, uma área mais que seis vezes o tamanho da cidade de São Paulo. Entre agosto de 2018 e julho de 2019, esse número tinha ficado em 6.844 km²”, anotou o G1.

O secretário-executivo do Observatório do Clima, Márcio Astrini, explica como esse dado prejudica o Brasil no exterior.

“Os dados do Inpe indicam que o Brasil fracassou no cumprimento de sua lei de clima, cuja meta para 2020 era limitar o desmatamento na Amazônia a no máximo 3.925 km2. Isso também nos desvia da rota do Acordo de Paris, o que criará uma série de dificuldades comerciais para o Brasil no período crítico de recuperação econômica no pós-pandemia”.

Segundo G1, Rômulo Batista, porta-voz de Amazônia do Greenpeace Brasil, também disse que a devastação não é fato isolado, mas um “esquema organizado”.

“Chama muito a atenção o número de grandes polígonos de alertas de desmatamento, com áreas de 3 mil, 4 mil e até 5 mil hectares derrubadas nos últimos 12 meses.”

Os dados de alerta de desmatamento do Inpe não mostram o consolidado do desmate na Amazônia, mas sim as áreas com marcas de devastação que precisam ser fiscalizadas pelo Ibama.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome