A blogosfera e o caso Telexfree

Por Sergio Saraiva

Blogueiro sujo protege Ministro Samambaia

No Caso TelexFree, se a Veja o tivesse denunciado, não só o Ministro da Justiça teria caído, como a Presidente estaria enfrentando uma crise séria e uma CPI no Congresso. Como o denunciante foi um blog sujo, as samambaias continuam verdejantes nos jardins da Esplanada dos Ministérios. 

O caso TelexFree é o típico caso que se presta para uma exploração demagógica midiática. Envolve pessoas simples que perderam suas economias por, de boa fé, acreditar em estelionatários. O meio para o golpe foi a internet, o que sempre desperta atenção, dado que a maioria da população ainda se sente muito insegura em relação a isso. E, uma bomba, o Ministro da Justiça, que as devia ter protegido, mostrou-se relapso, displicente, negligente, enfim, em relação ao crime do qual essas pessoas estavam sendo vítimas, mesmo tendo sido alertado do delito. Um caso de prevaricação no primeiro escalão.

E, no entanto, o caso TelexFree não despertou maiores interesses na mídia ou nos partidos, ambos, de oposição que investiram suas fichas em um caso provavelmente morto, se não contrassensual, tal como o Petrobras-Passadena. Por quê?

Porque seria necessário reconhecer que, hoje, existe mais um partícipe de peso nos processos de formação da opinião pública – a blogosfera.

O Caso TelexFree não é único a ter surgido na blogosfera e ter sido ignorado, tanto quanto possível, pela grande imprensa. Um caso de furo jornalístico foi o do Blog O Cafezinho e o affaire Globo X Fisco que acabou por resultar no bordão “Globo, mostra o DARF”. Caso com episódios barra-pesada ao ponto de furto de documentos de dentro da Receita Federal. Aqui poder-se- ia especular que a pouca divulgação do caso deveu-se a um espírito-de-corpo entre as empresas jornalísticas. Um depravado espírito de corpo, sem dúvida. As relações Veja-Cachoeira são outro em que, fora da blogosfera, não teria tido maior repercussão na opinião pública.

Leia também:  “Os brasileiros mataram meu papai?”

A não repercussão do Caso TelexFree na grande mídia é mais complexa. Até porque o blog foi atacado por hackers assim que começou a divulgar o crime de pirâmide que estava sendo cometido. E isso é notícia, mas não foi. Nossa imprensa tão ciosa de seu direito de comunicação manteve-se calada. Se a página na internet de um cantor sertanejo ou de um astro do funk fosse atacada, seria noticiada.

No entanto, desprezar o potencial explosivo do caso e a capacidade de criar constrangimentos ao Governo é algo inédito para uma imprensa que chamou de consultor um escroque ex-presidiário e deu voz às suas “denúncias” corrupção.

Mas como noticiar que um jornalista independente, mas que já fez parte de suas equipes, hoje um blogueiro sujo, um blogueiro chapa-branca, foi capaz de sustentar sozinho uma campanha contra um esquema criminoso poderoso e colocar contra a parede um Ministro da Justiça de um governo que paga com dinheiro publico esse mesmo blogueiro para defendê-lo?

Como reconhecer que a blogosfera já é capaz de gerar conteúdos que antes seriam das redações de grandes empresas jornalísticas?

Como reconhecer que a blogosfera é independente quando a própria grande imprensa chafurda na lama do partidarismo que a impede de denunciar casos de corrupção nos governos que lhes são, mais do que simpáticos, grandes assinantes?

E assim, um Ministro negligente segue sua estratégia de ser simpático sempre e de fazer se de samambaia a cada nova situação de conflito, sem ser incomodado.

15 comentários

  1. Lógica circular…

    Tantas perguntas e a resposta está no início do próprio texto:

    “No Caso TelexFree, se a Veja o tivesse denunciado, não só o Ministro da Justiça teria caído, como a Presidente estaria enfrentando uma crise séria e uma CPI no Congresso.”

    Já ouviu falar em “risco calculado”? Ou, de maneira mais clara: tão alto que os que não apitam escutem e tão baixo que os que apitam não ouçam.

    • Um dia ainda vou entender por

      Um dia ainda vou entender por que jornalista acha que isso é notícia. Se fosse o Pontes de Miranda baixando doutrina no terreiro, vá lá.

  2. “Como reconhecer que a

    “Como reconhecer que a blogosfera já é capaz de gerar conteúdos que antes seriam das redações de grandes empresas jornalísticas?”:

    De fato, lembrei disso ontem:  a Patricia publicou um item jornalistico espetacular no blog!

    E sao varios outros tambem, so aqui no blog -sem contar com Miguel, Azenha, ou Eduardo, por exemplo.

    Dinheiro que eh bom?  Represado pela rede golpe.  Quase ninguem da blogosfera esta ganhando grandes coisas.

  3. Estou ficando desanimado com

    Estou ficando desanimado com esse governo pautado pela velha mídia. 

    Veja o caso da TV Brasil: deveria ser uma TV das grandes massas, mas não, segue o modelo da TV Globo.

    A comunicação do Governo Federal é feita pelos seus inimigos (Globo, Folha, Estadão, Veja, etc..).

    Não dá mais para ser simpático a um governo pautado pelos próprios inimigos!

  4. Gostei bastante do texto,

    Gostei bastante do texto, tirando a parte que ainda mistura opinião pública com jornal impresso. Estamos em fase de transição, mas entre amigos não se vê alguém sério, ainda que de direita, citando a Veja. E já não se mistura tanto o que o jornal diz com o que a opinião pública pensa. Entre as pessoas sérias de esquerda, a diversidade de fontes é cada vez maior, e citar Folha e Estadão vem quase sempre com um “porém”.

  5. pensando o futuro

    Se por algumas cargas d’água o Aécio superar o teste das urnas o Brasil será novamente uma terra prometida, infelizmente para os nativos será prometida e entregue aos financiadores.

    Os pig gastarão os primeiros dois anos de governo falando da;

    Herança maldita desta excrescência das políticas sociaisDa indecência de termos apenas uma selic a 10%.De uma Petrobrás e suas políticas industriais de construção de plataformas navios e com estes trabalhadores a exigir direitos trabalhistas e salários.Etc. etc. etc.

    A dupla Arida Franco fará engenharia econômica reversa com:

    Eliminação dos direitos trabalhistas, o marqueteiro dirá flexibilização.Entrega da Petrobras, o Estado se comprometerá pagar á Chevron o que ela exigir.Desativar as indústrias navais e das de plataformas.Fechar o pré-sal, comprar os produtos da Pasadena agora em boas mãos.Taxa de juros livres leves e soltas.Liberdade de tarifação, todas. Elétricas, petróleo, saúde etc.Será instituído o bolsa imprensa para garantir liberdade de informação.Etc. etc. etc.

    No segundo biênio de governo o pig terá como lema: Não vai ter eleição.

  6. Sergio Saraiva, poderia por obséquio nos esclarecer a respeito?

    Caro Sergio Saraiva, vossa senhoria poderia nos dizer, de forma objetiva e factual, porque causa, motivo, razão ou circunstância o Ministro de Estado da Justiça, José Eduardo Cardozo, mostrou-se relapso, displicente e negligente? 

     

    Poderia nos dizer, também de forma objetiva e factual, quais ou atos praticados ou que deixaram de ser praticados pelo Ministro de Estado da Justiça, José Eduardo Cardozo, e que configurariam o delito de prevaricação no caso em questão?

     

    Te faço estas perguntas porque vou escrever um texto sobre o caso TelexFree e não encontrei em lugar algum nenhum ato que tenha configurado o delito de prevaricação. 

     

    O Ministério da Justiça recebeu a primeira denúncia sobre este caso no dia 16 de janeiro de 2013, por intermédio de um Ofício do Procon do Estado do Acre. Já em fevereiro tomou providências administrativas, dando conhecimento do caso para outras esferas de governo e para todos os outros Procons do país.

     

    Em junho, após ter o retorno das outras unidades administrativas para as quais a denúncia foi encaminhada, o Ministério da Justiça abriu um processo administrativo contra a referida empresa. E em abril deste ano de 2014 aplicou uma multa de 5,5 milhões de reais contra a mesma (a multa máxima por violação do Código de Defesa do Consumidor, no Brasil, é de R$ 6,8 milhões).

     

    Paralelo a tudo isso, a TelexFree está impedida de ‘trabalhar’ no Brasil desde junho de 2013, em função de um processo cautelar que corre na justiça cível (primeira instância) do Estado do Acre. Ou seja, não há ainda sequer uma única sentença condenatória, obviamente aplicada pelo poder judiciário brasileiro, contra a tal de TelexFree…

     

    Dentro deste contexto (tem várias outras informações e datas relevantes), renovo o pedido para que vossa senhoria nos diga como e de que forma o Ministro de Estado da Justiça, José Eduardo Cardozo, teria sido relapso, displicente, negligente, ou mesmo de que forma sua Excelência teria cometido o delito de prevaricação.

     

    Abraço.

    • Tão devagar que perece descaso.

      Prezado Diogo, havia alguma dúvida de que se tratava de um golpe?

      Pois bem, nem assim o Ministério da Justiça, entenda-se a Polícia Federal, poderia deixar de atuar. Há um princípio, que sei que você conhece, o “in dubio pro societate” que exigia ter sido acionada a Polícia Federal para investigar o caso.

      Talvez bastasse isso para que a quadrilha se desfizesse. Mas a PF não foi acionada, e sim medidas administrativas.

      Mesmo assim, veja o que você mesmo lista (os golpistas não podem reclamar de que lhes faltou tempo para agir):

      Jan13 – denúncia.

      Fev13 (um mês após) – comunicação aos PROCONS

      Jun13 – (5 meses depois) – abertura de processo administrativo.

      Abr14 – (1 ano e 3 meses após) – multa de R$ 5 milhões para um esquema que movimentava bilhão.

      E isso com base no Código de Defesa do Consumidor, como se houvesse realmente um produto sendo comecializado.

      Seria, desde o começo, imperioso acionar a PF, não se tratava de defesa do consumidor e sim de crime.

      Art.171 do Código Penal -Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento.

      Nem, tampouco, deveria se deixada investigação a cargo das Polícias Civis de cada Estado, dado que, cometido pela internet, o golpe tinha características nacionais.

      PS.: o texto não diz que o ministro prevaricou e sim que isso poderia ser explorado pela mídia em uma escandalização do caso. O texto também estranha do por que isso, a escandalização, não tenha ocorrido, tendo em vista que até uma tapioca já foi utilizada como “prova” de mau uso do dinheiro público. 

  7. A Veja perderia a

    A Veja perderia a oportunidade de derubar a Dilma porque a denúncia partiu de um blogueiro sujo! O sujeito que escreveu esse texto deveria estar muito, mas muito chapado mesmo! Ridículo. Pena que perdi meu tempo lendo essa bobagem.

    • São ridículas todas as cartas de amor.

      Ocorre que o blogueiro sujo, no caso, tem algumas arestas com a Veja para ter repercussão na revista. Seria por isso?

      Realmente, isso também me espanta. Por que a oportunidade foi desperdiçada?

      A Veja já havia se apoiado até em fumaça para atacar o Governo. Lembra de ”Caraca, que dinheiro é esse” ?

      Até hoje não sei como é possível colocar 2.000 notas de R$ 100,00 em um envelope.

      Quanto ao sujeito que escreveu este post, não escreveria se temesse ser ridículo. Mas há muito tempo não sabe o que é estar chapado. Fê-lo de cara limpa, mesmo.

      PS.: o título deste post, “são ridículas todas as cartas de amor” não é do sujeito. É de Alvaro de Campos, heteronômio de Fernando Pessoa.

  8. Acho que o motivo é outro. Os

    Acho que o motivo é outro. Os que passam por dono são apenas testa-de-ferro. Tem alguem grande e forte por trás desse pessoal. Como explicar que cara da periferia tenha condições de ‘tocar’ um negocio a nivel nacional e internacional?

    Como explicar que nada tenha saido, ATÉ HOJE, na grande mídia impressa e televisiva? Aí tem.

  9. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome