Bolsonaro pode dar carta branca para policiais que matarem em serviço

Presidente sinalizou que pode entregar projeto de excludente de ilicitude pessoalmente a Maia e Alcolumbre

Jornal GGN – O governo federal pode dar a carta branca a policiais que vierem a matar em serviço. O presidente Jair Bolsonaro disse que pode encaminhar ainda hoje um projeto de lei para regulamentar o excludente de ilicitude, que é uma espécie de “salvaguarda jurídica” para tais profissionais.

O chamado excludente de ilicitude está previsto no artigo 23 do Código Penal, e o objetivo da medida é prever que os militares e integrantes de forças auxiliares de segurança pública, como os policiais, não sejam punidos ou tenham sua pena reduzida no caso de homicídios cometidos em serviço.

De acordo com informações do jornal Correio Braziliense, o presidente afirmou que pode entregar a proposta pessoalmente aos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

A promessa sobre excludente de ilicitude é uma bandeira mantida por Bolsonaro desde a pré-campanha eleitoral. O presidente também indicou que, sem a normatização do tema, ele não voltará a editar decretos de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) – embora não tenha associado que o tema será aplicado apenas a operações em que essa garantia esteja em vigor.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Os novos ataques de Bolsonaro ao meio ambiente

2 comentários

  1. Se depender do Bolsonaro, o assassino da Agatha ficará impune, pois o meliante estava em serviço quando assassinou a criança.

    Governo miliciano de bosta!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome