Brasil ainda pode sair do Mercosul por causa da derrota de Macri, sinaliza chanceler

A manifestação de Araújo ocorreu depois que a conselheira econômica de Fernández elogiou as medidas protecionistas do governo Kirchner

Jornal GGN – O ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo afirmou nesta segunda (25) que o Brasil não descarta sair do Mercosul por causa da derrota de Maurício Macri para Alberto Fernandez, novo presidente da Argentina, que tem como vice a ex-presidente Cristina Kirchner.

A manifestação de Araújo ocorreu depois que a conselheira econômica de Fernández, Paula Español, forte candidata a secretária de Comércio Exterior na Argentina, elogiou as medidas protecionistas do governo Kirchner.

Segundo o chanceler, o governo Bolsonaro só permaneceu no bloco depois da eleição de 2018 porque estava se dando bem com a Argentina de Macri.

“Na nossa transição [de governo], no fim do ano passado, houve dúvidas sobre a utilidade do bloco. Apostamos no Mercosul e isso vinha dando certo com a Argentina do Macri. Não podemos dizer que é um projeto inquestionável, que vai durar para sempre, aconteça o que acontecer.”

Ainda de acordo com o chanceler, “o Mercosul não é apenas um nome, uma bandeira hasteada. Se o projeto é desvirtuado, precisa ser repensado.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora