Catarina e Jarirí – uma paixão sobre-humana

– Ieu compreendí. Ucêis falaru o cérto, i anssim nósis vamo fazê. Ieu nem seio cumo agardecê ocêis. Agóra, ieu tenhu cértesa di qui nósis vamu cunquistá a vitória i já tô inté pensanu na fésta qui nósis vamu fazê.

– Festejem bastanti, o pais ducêis num mérece u qui tá passanu. É chégada a hóra dajienti ir imbóra, nósis já cumprimo cum a nuóssa missão. Muita paz i amor pra ucêis tudo.

Entoncis, sumiru du mesmu jéito qui chegaru, instantaneamenti. Passô pela cabeça di Mestre Bódim qui pudia tê sido um sonho. Tarveiz, eile tivéssi durminu i sonhô cum a aparição. Mas não, eile tava bastanti dispérto, num havia ninhuma dúvida di qui eile tinha récébido a visita du casar di ispritos. Indaí, eile ficô num contentamento muito grandi, éra uma honra tê recebido a mensaji di otro mundo. Éra muito cérto tudo u qui eiles falaru. Incrusivi, éra muitu lógico u qui eiles disseru sobre ixistir um lugá para as péssoa boa qui mórrem, poisi éissas péssoas cuidavam da vida, purqui a vida quer vida i não a mórti trazida pelos seres marvadus. Indaí, mestre Bódim ficô si delicianu daqueli lugá maravilhoso. Tudo tinha dado cérto i eile já tinha a répósta qui eile pricisava.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome