Chefe da Secom de Bolsonaro recebe dinheiro de emissoras e agências

Legislação proíbe que integrantes do governo mantenham ligação com empresas que possam ser favorecidas por suas decisões

O secretário especial de Comunicação Social da Secretaria de Governo da Presidência, Fabio Wajngarten. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil.

Jornal GGN – O chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), Fabio Wajngarten, recebe dinheiro de agências de publicidade e emissoras de TV contratadas pela secretaria, ministérios e estatais do governo Jair Bolsonaro.

Segundo informações do jornal Folha de São Paulo, o pagamento é feito à FW Comunicação e Marketing, empresa em que Wajngarten segue como sócio principal desde que assumiu a Secom, em abril de 2019. O secretário possui 95% das cotas da empresa e sua mãe, Clara Wajngarten, outros 5%, segundo dados da Receita e da Junta Comercial de São Paulo.

A FW oferece um serviço conhecido como Controle da Concorrência, além de elaborar estudos de mídia para TVs e agências, incluindo mapas de anunciantes do mercado e o chamado checking (averiguar se peças publicitárias contratadas foram veiculadas).

A empresa de Wajngarten possui contratos com pelo menos cinco empresas que recebem dinheiro do governo, entre elas as emissoras Band e Record, cujas participações na verba publicitária da Secom tem aumentado.

A legislação brasileira proíbe que os integrantes da cúpula do governo de manter negócios com empresas ou pessoas físicas que venham a ser influenciadas por suas decisões. A prática é um sinal de conflito de interesses e pode representar improbidade administrativas, sob risco de demissão do agente público.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora