Clarín: Apesar dos 84 mil mortos na pandemia, Bolsonaro recupera imagem

Três pesquisas nesta semana mostram um aumento na popularidade do presidente brasileiro Jair Bolsonaro e sua posição favorita nas eleições de 2022

Foto: Agência Brasil

Do Clarín

Três pesquisas nesta semana mostram um aumento na popularidade do presidente brasileiro Jair Bolsonaro e sua posição favorita nas eleições de 2022, apesar de seu gerenciamento controverso da pandemia de coronavírus , que já deixa mais de 84.000 mortos.

Uma pesquisa publicada nesta sexta-feira pelo semanário Veja coloca o líder de extrema-direita à frente do primeiro turno de uma eleição presidencial hipotética, com 27,5% a 30,7% de intenções de voto, de acordo com os cenários.

E em um segundo turno, prevaleceria facilmente contra qualquer adversário, do ex-presidente de esquerda Luiz Inácio Lula da Silva ao ex-ministro da Justiça e ex-juiz anticorrupção Sergio Moro.

Em outro estudo, publicado quinta-feira pelo portal especializado Poder360, 43% aprovaram o trabalho do governo , em comparação com 40% há duas semanas. E a taxa de reprovação caiu ligeiramente, de 47% para 46%.

O portal disse na sexta-feira que a taxa de aprovação do governo Bolsonaro sobe para 52% entre os que recebem ajuda de emergência de 600 reais por mês (cerca de 115 dólares), concedida à população mais pobre para enfrentar a crise da saúde.

Os principais beneficiários são trabalhadores do setor informal, altamente afetados pelas medidas de confinamento ordenadas pelos governadores estaduais e criticadas por Bolsonaro.

Quando a questão se concentra na avaliação do trabalho pessoal de Bolsonaro, 30% consideram “bom” ou “excelente” (em comparação com 29% há duas semanas atrás) e 43% “ruim” ou “péssimo” (46% no pesquisa anterior).

A porcentagem daqueles que a consideram “regular” subiu três pontos percentuais, para 23%.

Na segunda-feira, uma pesquisa realizada pelo gerente de fundos XP indicou que 30% dos brasileiros têm uma opinião favorável do governo. Esse percentual caiu de 31% em abril para 25% em maio, antes de subir para 28% em junho.

A taxa de rejeição, que atingiu 50% em maio, caiu para 45% na pesquisa divulgada nesta semana.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

7 comentários

  1. Inacreditável!…
    Soltaram uma bomba nuclear de maconha-235 estragada sobre o braZil e 1/3 da população continua “besteirona”.
    Quanto tempo isso vai durar?

  2. Toda a esquerda brasileira terá de se repensar.
    E o tempo para isso é muito curto.
    Faltam apenas 26 meses para a eleição presidencial de outubro de 2022.

  3. Já no século XVIII o grande historiador inglês Edward Gibbon dizia: “Existem sociedades que passam direto do nascedouro ao “morredouro” sem nunca terem tido qualquer tipo de evolução.” É o caso do Brasil. Em verdade o povo brasileiro, analfabeto e ingrato, achou o presidente ideal: Bolsonaro. A combinação Bolsonaro e Brasil é perfeita.

      • Tu não entendestes a crítica! A minha sugestão é a solução Millor Fernandes:”A melhor saída para o brasileiro é o Galeão.” Hoje tem Guarulhos também. O Brasil jamais vai dar certo, cara!!!

        • Que besteira!
          Jair Bolsonaro é o Presidente da República. Já tivemos piores.
          Pelo visto parece que ele será reeleito em outubro de 2022.
          Segue a vida. O país não vai acabar por causa de um demente no poder.
          Vamos continuar…

  4. Essas “pizzquizzas” são fajutas, com resultados pré-determinados… é uma grande manobra midiática, regiamente remunerada pelos cofres dos governos… nem brasileiro acredita mais nessa “midia” escrota e canalha…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome