Cliente do chefe da Secom de Bolsonaro agora é número 1 em verbas publicitárias

A Secom nega que esteja ocorrendo uma "inversão de tendências" com critérios subjetivos

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN – Desde que Fabio Wajngarten assumiu a Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência), no governo Bolsonaro, a agência Artplan passou a ser a que mais recebe verbas publicitárias do governo.

A agência é cliente da FW Comunicação, empresa de Wajngarten que recebe dinheiro de emissoras de TV (como Record e Band) e agências contratadas pela Secom e outros setores do governo Bolsonaro, para fazer checking e outros serviços.

Segundo reportagem da Folha desta segunda (20), a Artplan fez a campanha da Nova Previdência, que demandou 36% do orçamento de publicidade para todo o ano de 2019.

De abril de 2019 (quando Wajngarten assumiu a Secom) até dezembro, a Artplan recebeu R$ 70 milhões, 36% mais do que no ano anterior (R$ 51,5 milhões).

Antes de Wajngarten virar chefe da Secom, a agência que mais recebia verba publicitária era a Calia Y2, que pertence ao irmão de Elsinho Mouco, marqueteiro de Michel Temer.

De janeiro a abril de 2019 (período anterior a Wajngarten), a Calia Y2 recebeu R$ 43,8 milhões, ante R$ 15,4 milhões da Artplan.

A Secom nega que esteja ocorrendo uma “inversão de tendências” com critérios subjetivos. Para Wajngarten, a mudança nos pagamentos visa um “equilíbrio” entre as agências contratadas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  "Brasil: um general nomeado chefe do governo por Bolsonaro", mancheta Le Monde

2 comentários

  1. Vê-se, neste caso da Artplan, mais um resultado da preferência do regime Bolsonaro em prestigiar a comunidade judaica. Será que algum dos Medina, os donos da Artplan, estava na famosa palestra na Hebraica, em Laranjeiras, em que aplaudiram maciça e entusiasticamente, a referência de Bolsonaro às arrobas dos quilombolas?

  2. Nassif, já é possível fazer um fluxograma da propina nas verbas de publicidade do governo Bozo.
    O dinheiro sai do bolso do contribuinte, passa pela Secom e vai direto para a agência Artplan, para a Band e para a Record, de onde é desviado para o Bolso de Wajngarten, via F(ábio) W(ajngarten) Comunicações.
    Resumindo, dinheiro do contribuinte indo parar na conta do secretário da Secom.
    Facílimo de entender.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome