Com dados de cidadãos, comunidades estão mais fortes contra Covid-19

Um dos principais objetivos da pesquisa é envolver todos os membros desses bairros invisíveis e vulneráveis

Comunidade informal Morro Proventorio no Brasil. | Crédito: University of Warwick

do Medical Xpress

Comunidades de favela se tornaram mais resilientes contra COVID-19 com dados de cidadãos

por Luke Walton, University of Warwick

Uma equipe de pesquisadores internacionais de desenvolvimento, trabalhando com alguns dos bairros mais pobres do Brasil e da Colômbia para mitigar os efeitos dos desastres naturais, transformou seu projeto para ajudar a fortalecer a resiliência dessas comunidades à pandemia COVID-19.

Os pesquisadores, liderados pela Universidade de Warwick (Reino Unido), estavam colaborando com residentes do Morro do Preventório no Brasil e El Pacífico na Colômbia para reunir dados locais em tempo real de cidadãos comuns sobre os riscos de deslizamentos mortais. O objetivo era mobilizar essas comunidades para trabalharem juntas, desenvolvendo em conjunto ferramentas com as quais coletar dados e dando às pessoas os meios para se protegerem contra desastres.

Quando o COVID-19 atingiu – afetando desproporcionalmente regiões urbanas menos ricas como essas – os pesquisadores e  rapidamente concordaram em adaptar o foco imediato do projeto dos riscos de deslizamento aos causados ​​pela pandemia.

O Brasil é um dos países mais afetados pela pandemia, e seus graves  socioeconômicos e de saúde foram sentidos com mais força pelos residentes de bairros urbanos empobrecidos.

A equipe adaptou seus métodos originais para equipar líderes locais e cidadãos com os meios para organizar ajuda para aqueles que mais precisam durante o bloqueio.

Os dados que estão coletando agora são sobre a necessidade de cestas básicas, descarte seguro de lixo, assistência médica, bem como distribuição de crédito da previdência social nacional que pode manter as famílias à tona e apoiar a frágil economia local.

Os pesquisadores utilizam imagens de satélite de alta resolução da região, trabalhando com  para produzir mapas detalhados de áreas habitacionais que muitas vezes são invisíveis em mapas oficiais e para marcar as imagens com dados em tempo real sobre onde os vizinhos têm maior necessidade de suporte particular. Por exemplo, pontos específicos onde o lixo se acumula ou onde há pessoas isoladas que precisam de comida.

Os mapas detalhados estão apoiando ações dirigidas pela comunidade em resposta à crise pandêmica, que até agora resultou na distribuição de mais de 1.700 cestas básicas para residentes de bairros parceiros próximos ao Rio de Janeiro / Brasil.

O projeto é financiado pelo Fundo de Pesquisa de Desafios Globais de Pesquisa e Inovação do Reino Unido e denominado URBE Latam.

Morro do Preventório e El Pacífico são conhecidos como assentamentos “informais”: seus cidadãos não têm emprego seguro e muitas vezes são esquecidos pelas políticas nacionais de seguridade social e planejamento de infraestrutura. Os residentes trabalhavam anteriormente na economia informal e, portanto, tiveram seus meios de subsistência repentinamente prejudicados pela crise do COVID-19 e pelas medidas de isolamento social resultantes.

Um dos principais objetivos da pesquisa é envolver todos os membros desses bairros invisíveis e vulneráveis, trabalhando com eles para criar novas maneiras de unir seu conhecimento local existente com dados modernos e tecnologia digital para proteger uns aos outros e diminuir os efeitos da pobreza ou desastres.

Espera-se que isso torne as comunidades parceiras não apenas mais resilientes contra os efeitos da pandemia COVID-19 e suas desigualdades sociais relacionadas, mas também mais visíveis para os legisladores nacionais e governos. De fato, os pesquisadores planejam estabelecer contato com o governo e órgãos nacionais para compartilhar os dados com base nos cidadãos, criando um vínculo sustentável entre as autoridades centrais e os cidadãos locais.

Exemplo de mapa detalhado do bairro Morro do Preventorio no Brasil. Crédito: University of Warwick

O Professor João Porto de Albuquerque, investigador principal e Diretor do Instituto de Desenvolvimento Sustentável Global da Universidade de Warwick, comentou:

“O projeto GCRF URBE Latam sempre foi sobre a colaboração com os cidadãos locais que têm pouco poder econômico, mas uma riqueza de conhecimento local, desenvolvendo ferramentas para que eles possam usar esse conhecimento para se protegerem contra ameaças e garantindo que sejam vistos e ouvidos por governo nacional. A COVID-19 revelou e agravou as duras desigualdades econômicas que já existiam nessas comunidades invisíveis que se desenvolveram nas periferias de uma urbanização acelerada e negligenciadas por tanto tempo pelos formuladores de políticas. Portanto, embora tenhamos que nos adaptar rapidamente nossos métodos e objetivos em resposta a uma pandemia de rápida evolução, o cerne do projeto permanece o mesmo. Por meio da coleta de dados eficaz, podemos melhorar – e até mesmo salvar – vidas em curto prazo; e engajar os cidadãos a trabalhar e aprender juntos e continuar a coletar dados,Acredito que, a longo prazo, essas comunidades se tornarão mais resilientes economicamente. ”

O projeto no Morro do Preventório, uma favela perto do Rio de Janeiro, é baseado em uma estreita colaboração com o “banco comunitário” existente na área, uma organização social que oferece ajuda à comunidade, fornece microcrédito e administra um serviço social local moeda (denominada Prevê) que sustenta a economia da região. O último é vital, porque muitos cidadãos mais pobres não têm nenhum acesso aos pacotes de apoio financeiro COVID-19 do governo nacional.

Os pesquisadores desenvolveram maneiras de coletar e aproveitar os dados dos residentes locais e fornecer tudo isso para o “banco da comunidade”, permitindo que os organizadores locais trabalhem com mais rapidez e eficácia na melhoria da vida de seus vizinhos.

Marcos Rodrigo Ferreira, que é coordenador voluntário do banco comunitário Preventório e pesquisador do projeto GCRC URBE Latam, comentou:

“Nasci e cresci em uma favela e sei muito bem a importância da solidariedade e da colaboração. Nossas ações para melhorar a resiliência da comunidade em resposta à pandemia foram muito beneficiadas pelo diálogo com os parceiros do projeto URBE Latam, por meio do intercâmbio e aprendizado com nossas universidades e comunidades parceiras internacionais na Colômbia e no Reino Unido. Esta colaboração está nos permitindo pensar em novas maneiras de gerar dados que podem nos apoiar a ajudar os mais pobres e fornecer evidências para defender melhorias junto aos legisladores. ”

O professor Henrique Cukierman da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que é o líder brasileiro do projeto, comentou:

“Estabelecemos um ‘Comitê de Solidariedade’, incluindo 60 líderes comunitários de favelas, 100 voluntários de universidades locais, organizações sociais e ONGs. O comitê foi fundamental nos esforços para arrecadar doações e criar um esquema de distribuição de alimentos que criou uma ponte entre os pequenos agricultores próximos e aqueles que passaram fome, mas não podiam comprar comida. Estamos trabalhando e pesquisando juntos para que esta rede de mobilização possa ser sustentada para melhorar a resiliência da comunidade a longo prazo. ”

Na Colômbia, o bairro El Pacífico em Medellín conseguiu estabelecer ações voltadas para a comunidade para mitigar os riscos que surgem da vida nas encostas periféricas da cidade e seus perigos geofísicos. Entre as experiências realizadas para mitigar esses problemas, a comunidade tem um histórico de mobilização comunitária inovadora por meio de uma “escola comunitária de gestão de riscos”, desenvolvida com parceiros locais como a universidade Colegio Mayor de Antioquia e outras organizações sociais. No entanto, essas práticas nunca levaram em conta a possibilidade de uma crise de saúde como a provocada pela pandemia COVID-19.

Luis Alejandro Rivera, que é membro da equipe de pesquisa da URBE Latam e trabalha com a comunidade do Pacífico desde 2017, comentou:

“El Pacífico continua fortalecendo suas relações estratégicas para realizar de forma mais adequada as práticas de gestão de riscos físicos e socioeconômicos, gerando medidas para enfrentar a atual pandemia e melhorando as condições de vida de seus habitantes. Todos esses objetivos são apoiados pela URBE Latam, que está inovando na investigação de novas maneiras de compreender os perigos, vulnerabilidade e capacidades, e a maneira como as comunidades autoconstruídas na América Latina abordam essas questões em parceria com entidades acadêmicas e governamentais nacionais e internacionais. “

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome