Cresce temor por impacto econômico global de vírus na China

Google e a sueca Ikea se juntaram a outras grandes empresas e paralisaram operações na China

Da Reuters

Os países começaram a isolar centenas de cidadãos retirados da cidade chinesa de Wuhan, nesta quinta-feira, para impedir a propagação de uma epidemia que matou 170 pessoas, num momento em que a preocupação com o impacto na segunda maior economia do mundo atinge os mercados.

As ações e moedas asiáticas caíram com o aumento do número de mortos e mais casos relatados. Há temor cada vez maior de que o impacto na economia da China se espalhe pelo mundo nos próximos meses.

A Índia se tornou o mais recente país a relatar um caso —um estudante da Universidade de Wuhan— enquanto preocupação e medo provocaram protestos na Coreia do Sul e ameaças de greves em Hong Kong.

“Os mercados permanecerão altamente voláteis enquanto sentirem que têm apenas uma imagem incompleta do que está acontecendo e do que acontecerá a seguir”, disse Agathe Demarais, diretora global de previsões da Economist Intelligence Unit.

Em um sinal de alarme por possíveis danos, o vice-governador do Banco do Japão, Masayoshi Amamiya, disse que a enorme presença da China na economia mundial precisa ser levada em consideração na avaliação do impacto que o surto poderia ter no crescimento global.

O Google e a sueca Ikea se juntaram a outras grandes empresas e paralisaram operações na China.

Também cresce a preocupação de que milhares de operários chineses que desfrutaram do feriado do Ano Novo Lunar possam ter dificuldades para voltar ao trabalho na próxima semana, devido às extensas restrições de viagens impostas para impedir a propagação do vírus.

Leia também:  Casos de reinfecção por coronavírus apresentam sintomas mais graves, diz The Lancet

A Samsung Electronics, da Coreia do Sul, informou que estendeu o fechamento do feriado para algumas instalações de produção da China.

A Comissão Nacional de Saúde da China disse que o número total de mortes pelo coronavírus no país subiu para 170 no final da quarta-feira, e o número de infectados aumentou para 7.711.

Quase todas as mortes ocorreram na província central de Hubei, que tem cerca de 60 milhões de habitantes e agora está sob isolamento. O vírus surgiu no mês passado em um mercado de animais selvagens na capital da província, a cidade de Wuhan.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Estou achado muita água pra pouco moinho a história desse vírus. A começar, se não foi detonada em guerra híbrida, mas JÁ FOI transformada em tal. Dinheiro. Poder.
    Uma coisa eram as pestes que grassavam o mundo até meados do século XX, desconhecidas e ou descontroladas, em que, de casos esporádicos, mas conhecidos, há tempos, de repete saía de controle e geravam desastres como o cólera indiano que aportou no Brasil, causando extensa mortandade (minha cidade perdeu 50% da população entre julho e novembro de 1855), muito além das ceifas pela varíola, sarampo e outras; outra, são esses “vírus mortais”, a lá filme de ficção no segmento terror, de Hollywood. E tome dinheiro pro sistema de cura e seus laboratórios hiper lucrativos.

  2. Muito conveniente para os USA Inc., que possuem 400 laboratórios espalhados pelo mundo, atuando na “pesquisa” de novos virus geneticamente modificados… Podem promover a disseminação destes virus e gerar problemas sanitários, com imensas consequencias economicas e financeiras para os países-alvo… Uma nova forma de guerra hibrida !!!

  3. O B de Brasil já caiu, o R, de Rússia deve estar em estratégico planejamento, o I de Índia parece não trazer preocupação. Agora, o elo mais resistente dos BRICS, o C, da China, parece estar se partindo inexoravelmente.
    Conseguirá a China superar mais essa prova de resistência?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome