Decotelli teve doutorado avaliado negativamente, diz reitor

Em entrevista, Franco Bartolacci comentou a respeito da não conclusão de cursos por parte do novo ministro brasileiro da Educação

Foto RS

Jornal GGN – O novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, não conseguiu finalizar o doutorado na Universidade de Rosário por ter recebido avaliação negativa dos três jurados em sua tese.

A afirmação é do reitor da universidade argentina, Franco Bartolacci, em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo. “Ele cursou o doutorado da Faculdade de Ciências Econômicas e Estatísticas da Universidade de Rosário, mas não completou todos os requisitos exigidos para conseguir aprovação. Falta a tese. Ele apresentou a tese, mas ela foi avaliada negativamente na opinião dos três jurados. Portanto, não foi aprovada”, afirmou.

Caso Decotelli queira retomar os estudos, será necessário apresentar uma nova admissão à faculdade, uma vez que o prazo já venceu.

Ao mesmo tempo, o reitor falou do título de doutor honoris causa que a instituição deu ao presidente Lula.  “É verdade que nossa universidade, por uma decisão do conselho superior, fez esse reconhecimento (a Lula). Mas uma coisa não tem a ver com a outra”.

 

 

Leia Também
Sergio Moro publica artigo com plágio e põe culpa na estudante que ele orientou
FHC pede “tolerância” a Bolsonaro e nega apoio ao impeachment
Do Banestado à Lava Jato: um dossiê sobre o passado de Sergio Moro

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Um mestrado copiado. Um doutorado que não existe. Um pós-doutorado suspeito. Qual a outra pilantragem. Isso não é um currículo acadêmico. É uma ficha de antecedentes ilícitos, a famosa “capivara” dos meio policiais. ‘Teje preso!”

  2. Houve a confirmação, hoje, de que o tal pós-doutorado é mentira (https://www.conversaafiada.com.br/brasil/universidade-alema-tambem-desmente-decotelli-e-diz-que-ele-nao-tem-pos-doutorado). A “capivara” do salafrário só aumenta. Suspeito até que, como oficial da reserva da marinha que disse que é, ele use esses falsos títulos acadêmicos para engordar alguma rubrica na folha de pagamento. É a Viúva, mais uma vez, sustentando um escroque que propala-se defensor do estado mínimo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome