Diante da inação do governo, população limpa praias do Nordeste

Nos últimos dias, centenas de pessoas se mobilizaram para conter o óleo que chega no litoral, enquanto governo e seus órgãos competentes estão falhando no combate ao problema

Óleo recolhido em Recife. Dezenas de sacos foram tirados com petróleo. © Joyce Farias

do Greenpeace

Diante da inação do governo, população limpa praias do Nordeste

O governo Bolsonaro e seus órgãos competentes estão falhando no combate às manchas de óleo no Nordeste. Em vez de focar na resolução do problema com eficiência, o presidente Jair Bolsonaro viajou para o exterior e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, tenta mascarar a sua inação desviando a atenção do fato e jogando a responsabilidade para a população e para as organizações não governamentais.

Enquanto isso, os cidadãos realizam, como podem, a limpeza das praias. Nos últimos dias, voluntários do Greenpeace, de outras entidades e cidadãos comuns também contribuíram com o esforço realizando atividades, ajudando em trabalhos de combate ao óleo e documentando os locais atingidos.

Neste fim de semana, voluntários do Greenpeace realizaram ações de limpeza nas praia e Cupe, Maracaípe e Muro Alto (PE) e em Fortaleza (CE), onde também fizeram um protesto pacífico.

Voluntários do Greenpeace em Fortaleza fazem protesto contra a inação do governo © Pedro Tavares

Também hoje o ministro espalhou um vídeo do Greenpeace, com uma edição falaciosa, como se não estivéssemos ajudando na limpeza. Ricardo Salles não acionou o plano de emergência a tempo e da forma correta para combater o óleo e, agora, quer jogar a culpa nas ONGS que fazem o trabalho que o governo não faz. O governo e o Ministro devem focar em resolver o problema com eficiência em vez de jogar a responsabilidade para a população.

Nosso conselho do vídeo reiteramos aqui: ao realizar a limpeza de praia em locais atingidos por petróleo, é importante utilizar equipamentos de segurança para evitar contaminação. O petróleo é altamente tóxico e pode causar danos à saúde.

Leia também:  Votação da PEC da segunda instância deve ficar para 2020

O Greenpeace atua há décadas contra a exploração de petróleo em áreas sensíveis e destaca os riscos que a atividade coloca ao meio ambiente. Há anos vemos paisagens sendo afetadas, a perda de biodiversidade e os impactos sociais causados pelo petróleo, que também é um dos principais causadores das mudanças climáticas no mundo. No Brasil, por exemplo, conseguimos barrar que a petroleira Total perfurasse e explorasse a região perto do recife dos Corais da Amazônia. Tivemos mais de 2 milhões de pessoas do mundo todo apoiando essa campanha em defesa da biodiversidade.

 

Ver essa foto no Instagram

 

#Repost @gpbr.recife ・・・ Nordeste limpando petróleo no braço. Enquanto órgãos competentes se silenciavam, nordestinos deixavam seus trabalhos e casas para limpar com as próprias mãos a sujeira que não causaram. Infelizmente tem sido comum vermos civis manejando o petróleo sem os equipamentos básicos de proteção, e também não se observa profissionais as instruindo quanto ao uso obrigatório do material. Vale ressaltar que o Petróleo pode desencadear uma série de doenças. Portanto colabore na doação dos EPIs e incentive o uso, pois é preciso saúde para cuidar do meio ambiente. No mais, parabenizamos e agradecemos esses verdadeiros heróis por cada suor derramado debaixo de um sol escaldante. Seguimos firmes na luta. #IssoÉAtivismo #ChegadePetróleo #Nordeste #GreenpeaceBrasil #GreenpeaceRecife @greenpeacebrasil 📷 : Joyce Farias

Uma publicação compartilhada por Greenpeace Brasil (@greenpeacebrasil) em

1 comentário

  1. Será que o excrementíssimo presidente não poderia dignar-se a mandar homens do Exército e da Marinha para ajudar?
    Como é mesmo aquele sloogan do Exército? “Mão amiga”? ham, sei…
    Todo aquele discurso de patriotismo serve pra que mesmo? Pra eleger miliciano?

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome