Estados membros da União Europeia processam Astrazeneca por atraso nas vacinas contra Covid

Ao menos 27 estados da UE reclamam que o laboratório só entregou 30% da vacina de Oxford já encomendada e pré-financiada

Jornal GGN – Ao menos 27 estados membros da União Europeia movem uma ação contra a Astrazeneca por causa dos atrasos na entrega das vacinas de Oxford contra Covid-19. Segundo a reportagem, em agosto de 2020 a Comissão Europeia firmou contrato prevendo o fornecimento de 270 milhões de doses da vacina, além da opção de 100 milhões de doses adicionais. Apenas 30 milhões de doses foram entregues no primeiro trimestre de 2021, dos 120 milhões previstos, e 70 milhões estão programados até o final de junho, menos da metade do que era esperado: 180 milhões de doses. As informações são do jornal La Liberation.

La Liberation

Vacinas: hora de fazer um balanço entre a União Europeia e a AstraZeneca

Os críticos são mais precisos e mais agressivos contra o laboratório que não forneceu todas as doses solicitadas. Uma primeira audiência ocorrerá em um tribunal belga em 26 de maio.

Nada mais está acontecendo entre os 27 estados membros da União Européia e a AstraZeneca, laboratório sueco-britânico selecionado como um dos fornecedores de vacinas anti-Covid. No centro da disputa, atrasos na entrega. Em 27 de agosto de 2020, o contrato firmado com a Comissão Europeia previa o fornecimento de 270 milhões de doses da vacina, além da opção de 100 milhões de doses adicionais. Ao final, apenas 30 milhões foram fornecidos no primeiro trimestre de 2021, dos 120 milhões previstos, e 70 milhões estão programados até o final de junho, enquanto 180 milhões eram esperados. Ou seja, no total apenas 30% do que foi encomendado e pré-financiado.

Sem renovação após junho
Depois de começar a protestar mezza voce, o executivo da UE acelerou. Em 23 de abril, a Comissão anunciou a abertura de um processo sumário (urgente) contra a AstraZeneca no Tribunal de Primeira Instância de Bruxelas, uma vez que os contratos celebrados são regidos pelo direito belga. E neste domingo, 9 de maio, durante uma visita ao France Inter, o comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton, disse sobre o laboratório: “Não renovamos a encomenda para além do mês de junho”. Finalmente, na terça-feira, um porta-voz da Comissão Europeia indicou que a instituição está exigindo na Justiça a entrega dos 90 milhões de doses que não foram entregues no primeiro trimestre sob pena de dificuldades financeiras.

A irritação é ainda maior em Bruxelas porque o Reino Unido não teve realmente de sofrer atrasos nas entregas do mesmo fornecedor. Solicitada várias vezes pela Liberation , a direção da filial francesa da AstraZeneca recusou-se a responder a qualquer questão, quer se trate de atrasos nas entregas, quer da forma como o laboratório pretende se defender no procedimento a que está sujeito. Segundo um bom conhecedor do caso, os advogados da AstraZeneca tiveram que jogar com a noção de “melhor esforço” (fazer todo o possível) escrita no contrato sobre entregas. Isso não constituiria um compromisso firme de fornecer o número esperado de injeções.

Uma vacina evitada e subutilizada
Qualquer que seja o resultado deste procedimento perante os tribunais belgas, a vacina fabricada pela AstraZeneca não deve faltar na França. Longe disso. Até o momento, quase três milhões de doses são armazenadas na França, após o recebimento de dois milhões há dez dias. Principalmente porque, segundo dados do Ministério da Saúde consultados pela Liberation , essa vacina flui muito menos do que suas concorrentes. A partir de 5 de maio, a AstraZeneca apresenta taxa de utilização de 54% e estoque acima de sessenta dias de vacinação, enquanto o da Pfizer, que utiliza a técnica de RNA mensageiro, apresenta taxa de utilização de 89% e apenas seis dias de consumo de reserva.

Philippe Besset, presidente da Federação das Sindicatos Farmacêuticos da França, confirma a adesão mais fraca à vacina da AstraZeneca: “Devemos conseguir encontrar onze pessoas prontas para serem vacinadas antes de abrir o frasco e é um tanto chato. Prefiro ser oferecido para trocar meu estoque de doses de AstraZeneca por injeções de Pfizer ou Moderna. ” A vacinação nas 7 mil farmácias que se comprometeram a se engajar nesse processo também está longe de funcionar a todo vapor: “Nossa capacidade de vacinação é de 1,5 milhão de doses por semana e, desde o início da pandemia. Aplicamos 886 mil injeções”,detalhes Philippe Besset. A não renovação de encomendas anunciada por Thierry Breton pode muito bem aumentar a desconfiança que parece ter instalado em relação a esta vacina .

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome