EUA espionavam a JBS muito antes da Lava Jato firmar acordo com irmãos Batista

O monitoramento desde 2014 consta em documentos obtidos por um consórcio internacional de jornalistas que investigam o caso

Jornal GGN – Ao menos desde 2014, a unidade de inteligência financeira do Departamento de Tesouro dos Estados Unidos monitora e produz relatórios sobre a JBS, que é uma das maiores empresas processadoras de alimentos no mundo.

O monitoramento ocorre, portanto, pelo menos três anos antes dos irmãos Batista aceitarem fazer um acordo de leniência por causa dos desdobramento da Lava Jato.

A espionagem consta em documentos obtidos por um consórcio internacional de jornalistas que investigam o caso. Aqui no Brasil, fazem parte do consórcio apenas Poder 360, revista Época e revista Piauí.

De acordo com Época, os Relatórios de Atividades Suspeitas (Suspicious Activity Reports, ou SARs, na sigla em inglês) foram produzidos entre 2014 e 2017, com a JBS no centro da operação. Aqui no Brasil o documento seria equivalente aos relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Cinco relatórios “detalham transações financeiras de contas oficiais” da JBS, “registradas no banco de dados do Deutsch Bank e totalizam US$ 1,86 bilhão entre agosto de 2014 e setembro de 2015 (o equivalente a R$ 10 bilhões, segundo a cotação do dólar de sexta).” Nem todas as transações são evidências de irregularidades.

Os relatórios citam também quatro episódios envolvendo a JBS. “O primeiro é a operação Abate, que em 2009 investigou fiscais de órgãos sanitários; o segundo é o bloqueio de R$ 73 milhões da empresa no Mato Grosso, em 2014, por suspeita de recebimento de benefícios fiscais ilegais; o terceiro é a suspeita de favorecimento à empresa em julgamentos do Carf, trazidos à tona pela Operação Zelotes. O quarto evento foi a investigação sobre corrupção em fundos de pensão de estatais que investiam na Eldorado Brasil Celulose, empresa do grupo, trazida à tona no âmbito da operação Greenfield, em 2016. Na época, ativos da empresa foram congelados e os irmãos Batista tiveram que se afastar da direção”, registrou Época.

Segundo a revista, o caso Eldorado foi considerado o “mais grave” e motivou uma investigação em cima das contas de “11 integrantes da diretoria, conselhos fiscal e de administração da Eldorado, citados nominalmente”. Mas não há informações sobre o resultado desta investigação.

Leia também:  EUA anuncia sobretaxa para importação de alumínio

Há desconfiança de ilegalidades sobre movimentações das offshores Valdarno e Lunsville, usadas pela JBS para “pagar propina a agentes públicos que defendiam os interesses da empresa no Brasil”, diz a revista.

Ainda de acordo com a apuração, os EUA tiveram ajuda complementar dos bancos envolvidos nas transações, como o Santander e o Sudostroitelny Bank, russo.

Exclusivo: 5 vídeos para entender a influência dos EUA na Lava Jato

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. O Brasil crescia como nunca,empresas Brasileiras dominavam as Estadounidenses na América Latina e na África e os EUA preparavam um golpe de estado com a cumplicidade de Procuradores Brasileiros.
    FOI COM FORÇAS ARMADAS COM STF COM TUDO A TRAIÇÃO A PÁTRIA.
    MERECEM SER FUZILADOS COMO SERIAM EM QUALQUER DEMOCRACIA DO MUNDO.

  2. Muitos empresários pró-Bolsonaro/Guedes são grandes varejistas e boa parcela é de comercialização de tecidos e vestuários. Um portal de vendas de confecções paranaense, postou em seu twitter o seguinte:

    MÁSCARA CASEIRA É FEITA DE TECIDO
    Clientes, preciso contar pra vocês uma coisa que está rolando com a produção têxtil no Brasil. Nunca, em toda nossa história, tivemos uma crise tão grande nas matérias primas do setor têxtil. Essa thread vai ser um segue o fio quase literal
    As fábricas de tecido não têm fio pra produzir malha. Toda a produção nacional de fio foi vendida pra fora porque assim: se você pode vender em dólar no preço de sempre e converter em real, o lucro é muito maior. Por isso, falta tanto algodão quanto fio no mercado.
    Isso tá rolando faz um tempo já, mas acredito que a coisa vai ficar terrível daqui pra frente, viu? Acabou o estoque das empresas fornecedoras. Temos um belo estoque aqui, mas ele tá acabando. Muito material está atrasando DEMAIS, demais mesmo. Um pedido meu de julho chegou hoje.
    E o que isso significa? Aumento nas camisetas. Vocês vão ver lá no site: subiu tudo. Não estamos fazendo e nem temos a menor previsão de fazer promoção, inclusive Black Friday, porque não temos como produzir.
    Pedidos específicos estão atrasando porque não chegou tecido/água. Como não temos estoque, a produção atrasa mais ainda.
    E nossa situação é até que confortável porque temos malha, por enquanto, e pedidos para chegar que serão honrados mesmo com muito atraso.
    Entretanto, é URGENTE alguma política que impeça que matéria prima seja totalmente exportada deixando preços como do algodão e do arroz subirem absurdamente. O kg de tecido subiu 25%.
    Nem na década de 90, com o bicudo, que foi destruída quase toda a lavoura de algodão do Brasil, tivemos uma crise dessa. Somos o quinto maior produtor do mundo e não temos algodão em casa.
    Não comentei muito com vocês porque estava tentando resolver esse problema conversando com fornecedores, lançando mão da nossa boa relação com fábricas e lojas pra montar uma estrutura boa pra passarmos por esse momento da forma mais suave possível.
    E também ajudando quem tá precisando de malha e não tem pra produzir, porque além da gente tem mais galera se fodendo MUITO com isso. Aqui tem uma rua que só vende malhas… pode andar de ponta a ponta e você não acha tecido de algodão branco e preto.
    Fora isso, pra tecer não precisa só de matéria prima nacional: o fio vem da China, tem suprimento que vem da Europa, EUA etc. e com a desvalorização do real e dificuldade de importação, tudo isso tá sendo muito complicado de se conseguir, e se conseguir, o preço tá altíssimo.
    As fábricas não estão aceitando pedido. Se estão, é apenas pra novembro/dezembro, sem data ou prazo certo. A colheita do safra de algodão aconteceu mais ou menos há 15/20 dias, e esse prazo até novembro é baseado na expectativa desse algodão virar fio pra poderem produzir.
    Entretanto, é uma expectativa só, porque só 10% do fio ta sendo entregue aqui no Brasil, 90% tá sendo exportado.
    Lembrando que MÁSCARA RESPIRATÓRIA CASEIRA é feita com… tecido. Não é só uma crise sobre “comprar roupas novas” e a solução não é “comprar no brechó”, como vi RT comentando. É só… sobre o emprego das pessoas (?). Uma coisa não anula a outra. Industria têxtil não é só roupa.
    Lamentável esse governo que acredita que desenvolvimento econômico se lê apenas em número. Porque sim, os números vão ser lindos: toneladas de exportação, muito dinheiro estrangeiro vindo pra cá… e ficando parado na mão de uns gatos pingados. E a indústria nacional que se foda.

    Continua em https://twitter.com/usebrusinhas/status/1309126427162402816

    Polo têxtil de Pernambuco em crise de matéria prima e mão de obra
    Costureiras e produtos estão em falta no Polo de Confecções

    https://interior.ne10.uol.com.br/noticias/2020/09/10/costureiras-e-produtos-estao-em-falta-no-polo-de-confeccoes-194925

    • Alerta importante. Teremos então a volta da estagflação. A economia parada mas a inflação subindo. O desemprego no setor então, poderá ser maciço, tanto no comércio quanto na indústria e essa carência de matéria prima não se restringirá ao vestuário.
      Pelo jeito, a crise ainda está pra começar.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome