guerra de mundos: nenhuma paz nos protegerá

com o processo do golpeachment, a lumpenburguesia brasileira decidiu ter chegado o momento de eleger um outro povo através de uma Democracia sem voto. o véu constituinte foi rasgado para revelar tragicamente a farsa institucional: todo poder se institui através de um golpe de força.

a macabra face dos conquistadores está definitivamente exposta. sua guerra de extermínio contra a Constituição de 1988, uma cruzada para aniquilar qualquer futuro para o Brasil como nação soberana, na qual todo poder emana do povo.

nesta invasão bárbara para recolonizar o país sob a hegemonia da Tirania Financeira global, a patologia do modelo de representação política atinge seu estado terminal.

o Congresso Nacional foi usurpado por uma horda fisiológica eleita pela promíscua coalizão do quociente partidário com o financiamento empresarial. dos 513 deputados federais, só 36 foram eleitos unicamente com votos próprios.

por não representarem o eleitor e serem completamente tributários de um sistema político falido, se explica a votação pelo congelamento por 20 anos dos investimentos públicos em saúde e educação. uma emenda constitucional que nunca seria legitimado pelas urnas, mas claramente proposta na plataforma dos grandes financiadores de campanha.

não há, portanto, nenhuma “traição” a nenhum “eleitorado”. e sim uma rígida fidelidade aos verdadeiros donos dos mandatos.

as mega doações efetuadas pelo grande capital são investimentos com alta taxa de retorno, cuja segurança jurídica é garantida por togados vitalícios absolutamente incorruptíveis. mesmo cercados pelos escombros da legalidade é impossível induzi-los a fazer Justiça.

nunca fomos uma nação. e já não somos um país. o BrasilPar é hoje uma gestora de participações acionárias em diversas empresas e empreendimentos, uma holding estrategicamente associada a USA Incorporation.

foi com estes proprietários da política e donos da justiça que o lulismo pretendeu consolidar sua pax social. esta é a “governabilidade” resultante da conciliação permanente do lulismo. um mundo no qual a justiça social é balizada pelo direito penal sob o lema: mais presídios e menos universidades.

a herança maldita do lulismo é uma nova versão do empreendedorismo colonial dos Bandeirantes, o povo superior da “raça Planaltina”, em busca do Eldorado do genocídio dos índios e do holocausto da natureza.

mais uma guerra de conquista. não apenas pelo território, para saquear seus recursos naturais e financeiros, mas principalmente para se apropriar de nossos corações e mentes. uma reconfiguração completa das subjetividades pelo modelo empresarial de concorrência e desempenho, sob uma lógica de mercantilização da vida.

oos atuais missionários catequizam através da pregação do fundamentalismo de mercado, para converter todos os povos da terra ao capitalismo como religião.

no Brasil, a santa inquisição é promovida pela Lava Jato & Associados, com sua tábua de salvação com os 10 mandamentos para purificar o capitalismo caboclo do pecado da corrupção. como se já não estivesse perdida desde sempre a alma de um sistema no qual tudo tem um preço. tudo se vende e tudo se compra. a seita diabólica dos adoradores do deus-dinheiro.

um guerra não restrita a uma imposição de projetos de país e de políticas de estado. padecemos os horrores de uma guerra de mundos. o admirável mundo novo do neoliberalismo global contra todos os demais.

um guerra não restrita a uma imposição de projetos de país e de políticas de estado. padecemos os horrores de uma guerra de mundos. o admirável mundo novo do neoliberalismo global contra todos os demais.

não há acordo. nunca houve acordo. jamais haverá acordo.

nesta guerra de mundos, nenhuma paz nos protegerá. ou lutamos, ou seremos massacrados.

.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador