Há maioria na CCJ para furar a Previdência dos sonhos de Guedes

Segundo reportagem de Tales Faria, nesta quarta (16) a oposição e o centrão mostraram que têm maioria para desidratar Previdência de Bolsonaro. Ainda não há consenso sobre derrubar a capitalização

Jornal GGN – Centrão e partidos de oposição ao governo Bolsonaro adiaram a votação sobre a reforma da Previdência da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara nesta quarta (17). E, de quebra, mostraram que têm maioria para fechar um acordo e desidratar a proposta sonhada por Paulo Guedes.

Segundo Tales Faria, centrão e oposição, com incentivo de Rodrigo Maia, quase fecharam acordo para mudar na Previdência os seguintes pontos: as desconstitucionalizações (retirada da Constituição de renda mínima para a Previdência, entre outras garantias e benefícios), abono salarial, mudanças nas regras do FGTS, aposentadoria rural e benefício de prestação continuada.

O acordo só não foi selado nesta quarta, em derrota clara para o governo, porque a oposição, diferente do centrão, tentou retirar da proposta também o regime de capitalização.

Segundo Farias, o ensaio mostra, contudo, que centrão e oposição, juntos, têm “maioria avassaladora na CCJ” para desidratar a reforma da Previdência proposta pelo governo.

A desconstitucionalização de benefícios ainda sofre resistência de uma ala do centrão, mas “já há praticamente consenso de que cedo ou tarde cairão os itens em que o projeto trata de abono salarial, mudanças nas regras do FGTS, aposentadoria rural e benefício de prestação continuada.” Se não for na CCJ, será antes de chegar ao plenário, disse.

“As desconstitucionalizações e a capitalização deverão ser as últimas sentinelas do ministro Paulo Guedes.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora