Jornalistas, eu os acuso!

A responsabilidade da imprensa pelo acirramento de ânimo entre petistas e anti-petistas é evidente. Estão fabricando um fosso que vai se aprofundando. Um dia será impossível a construção de pontes para o retorno à confraternização.

Ontem (18/10) publiquei um twit com a seguinte mensagem: “O antipetismo cego está se radicalizando e dividindo o país. Um dia ainda conseguem a guerra civil.”. É o que penso de verdade, mas esse pensamento não cabe em somente cento e quarenta caracteres, por isso a razão desse texto.

Estamos entrando num caminho extremamente perigoso, a partir do qual a percepção de uma parcela da população quanto à dificuldade de solução política pela via democrática começa a criar, em mentes menos tolerantes, perigosas ideias de dominação a qualquer preço, a qualquer custo.

A paz social sempre nos caracterizou, ao ponto de sermos inclusive considerados pusilânimes. Enquanto o povo argentino ou o chileno não deram trégua às respectivas ditaduras, os militares brasileiros sentiram-se totalmente confortáveis na cadeira do poder, praticamente sem resistência da população, sem contar uns poucos “chatos” que não chegaram a causar incômodo relevante.

Sempre fomos assim, um povo pacífico. Os que hoje arriscam perturbar essa paz brincam de forma irresponsável com o monstro do sonho totalitário. Fazem isso porque, ou pensam tolamente que o barulho ainda é incapaz de acordá-lo, ou são idiotas imaginado que lograrão controlá-lo.

O abismo que estão criando é capaz de engolir os dois lados.

É sábia a comparação feita pelo juiz paulista Marcelo Semer do jogo praticado pela imprensa real com aquele retratado no excelente filme “V de Vigança”, no qual, dada a ordem para a disseminação do medo pela imprensa, esta imediatamente passa a publicar somente manchetes negativas. O objetivo? Causar medo na população, disseminar o pânico, para facilitar o caminho daquilo que apropriadamente Semer denomina de “populismo legal”, com estabelecimento de medidas apresentadas como de “segurança” e de “benefício social”, que, porém, invariavelmente envolvem severa redução das liberdades e dos direitos individuais. Em todo lugar, em toda a história, a escalada do medo é seguida da ascensão do canto do radicalismo conservador, com o discurso do ódio, da segregação, do preconceito, do endurecimento criminal, do conservadorismo moral, da eterna sensação conspiratória causada pela vigilância de todos por todos. Sempre envolve imensas perdas e grave retrocesso civilizatório.

Se isso ocorrer, parcela substancial da culpa deve ser atribuída a quem a merece: os jornalistas.

Leia também:  O Prêmio Nobel de Economia e as fórmulas para reduzir a desigualdade

As empresas jornalísticas praticam a política que interessa às corporações que são suas donas, pretendem a subida de um governo mais palatável ao financismo, mais aberto ao capital especulativo. Elas apelidaram isso de “mercado”. Porém, embora com culpa inarredável, não teriam a facilidade que têm não fosse a extrema leniência, subserviência mesmo, que os jornalistas empregados nesses veículos inacreditavelmente demonstram. Falta honra, falta vergonha na cara para os jornalistas.

Claro que todos temos medo de perder emprego, lógico que precisamos do ganha-pão. Existem momentos, contudo, em que valores mais elevados do que a mera superação da incerteza se impõem. Não se imagina que possa um médico empregado realizar uma cirurgia com bisturi enferrujado sob o descabido argumento de que seu patrão mandou.

Da mesma forma, não poderiam os jornalistas contratados estar compactuando, como em grande parcela estão, com uma ação confessadamente orquestrada pela grande imprensa no papel de oposição, o que violenta os mais elementares princípios da informação que deveriam pautar o jornalismo.

São cúmplices desse desvario político e serão, junto com seus patrões, culpados por toda e qualquer ruptura institucional ou social que eventualmente ocorrer. São co-autores desse crime de imprensa que está dirigindo a nação para conflitos impensados há poucos anos.

No mínimo, repúdios diários das associações e dos sindicatos de jornalistas deveriam ser publicados, a cada manchete nitidamente tendenciosa. Os professores e estudantes das faculdades de jornalismo deveriam mobilizar-se maciçamente em eventos públicos que demonstrassem, de forma inequívoca, que a classe não compactua com os objetivos das empresas jornalísticas.

Todavia, afora exemplos admiráveis de jornalistas desvinculados das grandes empresas, muitos atuando no que orgulhosamente chamam de “blogs sujos”, o que se vê é timidez, é silêncio da classe. Isso tem nome: trata-se de compactuar por omissão.

E e a partir dessa omissão, o Brasil, um país historicamente pacífico e reconhecido por essa natureza de tranquilidade social, aos poucos vai se metamorfoseando numa espécie de Bósnia da década de 1990 ou com outros países cujos profundos conflitos sociais resultaram em facções da população se auto-digladiando em busca do poder ao preço da própria destruição e da ruína do próprio país. Aos vencedores, os escombros.

Hoje, ainda nos encontramos num estágio mais brando. O que vemos é um indivíduo se achar no direito de vociferar agressões verbais a um ator que, na condição de pessoa comum e acompanhado de sua mulher, tentava fazer uma refeição num restaurante, somente porque esse ator declarou apoio a candidatura petista.

Leia também:  A suposta popularidade inesperada de Jair Bolsonaro e a força de sua agenda moral, por Camilo de Oliveira Aggio

Nesse momento, a violência física chegou “apenas” à inacreditável agressão de um cadeirante que, nas ruas, exercia o seu direito constitucional de militar politicamente, sendo jogado ao chão por um descerebrado por usar um broche do partido no peito e uma bandeira na mão.

Ainda estamos num estágio incipiente (e insipiente) em que um artista, mais famoso por ter passagens na polícia do que pela arte que exerce, ao invés de simplesmente pedir votos para o candidato que apoia, entende-se no direito de atacar um colega de profissão, denominando-o de “marginal” e “acéfalo”, simplesmente por discordar da opção eleitoral do artista que agride.

Esse é o nível em que estamos atualmente. Amanhã, porém, petistas e anti-petistas poderão ser obrigados a se entricheirar em condomínios e quarteirões onde viverão livres da presença incômoda da democrática voz dissonante, mas presos no próprio espaço em que se confinaram.

Felizmente, ainda estamos longe disso. Por ora os conflitos ocorrem mais pesadamente em ambiente eleitoral. Porém, se lembrarmos que até pouco não era assim e que a escalada da violência vem progressivamente aumentando, já extrapolando do limite verbal para o físico, não há porque imaginar que um conflito interno mais grave não possa ocorrer no futuro.

Hoje agridem petistas, amanhã os petistas revidarão e isso conduzirá ao caos. Novamente invocando Marcelo Semer, o namoro com o estado policial pode ser entendido no presente como uma opção eleitoral, porém, sair dele no futuro, nunca será. Desse namoro resulta inescapável casamento compulsório do qual não se pode libertar sem muita dor, sem muito sofrimento, sem muita perda.

Essa é a responsabilidade que imputo à imprensa e, principalmente, aos jornalistas.

O abismo que está se aprofundando não resultou da queda de um imprevisível meteoro social. Ela é fruto inevitável do incansável trabalho da impensa na prática da escandalização de um lado só, das distorções da realidade, da manipulação da verdade, da ocultação criminosa de tudo que seja entendido como positivo, da disseminação da falsa ideia de que todos os problemas do Brasil possuem apenas um só nome e uma só coloração.

Enfim, o acirramento político e a escalada de violência que se testemunha é o filho degenerado de um posicionamento orgulhosamente assumido pela imprensa na voz da presidente da Associação Nacional de Jornais, Judith Brito, da Folha de São Paulo, que, em entrevista ao jornal O Globo, não teve qualquer pudor em confessar que, ante a fragilização da oposição no Brasil, cabia aos meios de comunicação ocupar a posição oposicionista no país.

Leia também:  Em algum lugar do passado, Moreira Salles e a velha paixão

É preciso que os ânimos sejam serenados e que os eleitores que não desejam o PT governando entendam, de uma vez por todas, que esse partido foi alçado e vem sendo mantido no poder através de eleições realizadas de forma absolutamente democrática e que, se tiver que sair do poder, e não tenham dúvidas de que sairá um dia, esse caminho necessariamente deve passar pelo mesmo itinerário do convencimento pacífico e democrático, necessariamente pela sufragação nas urnas.

Creiam, a opção é muito pior.

Os eleitores do PT já deram demonstrações sobejas de que são mais orgânicos e militantes do que os simpatizantes dos outros grandes partidos. Eles são milhões e representam uma parcela significativa do país, quase um terço, e não podem, simplesmente, ser calados, manietados ou impedidos de escolher pelo voto os mandatários da nação. Não cabe a pretensão elitista de silenciar os nordestinos ou os cidadãos que recebem benefícios sociais.

O regime político brasileiro ainda não é, e espero que nunca seja, totalitário, ditatorial, embora aparentemente muitos assim desejem.

A cada cidadão um voto e que prevaleça a democracia.

Essa é a única maneira de evitar uma convulsão social.

Esse deve ser o objetivo de cada jornalista brasileiro que entenda o poder que a manchete possui na estruturação do tecido social, no direcionamento da pauta de discussões públicas, na determinação dos sentimentos sociais capazes de conduzir para um lado, pacífico e desejado, ou para o outro, radicalizado e trágico.

Até aqui, a irresponsabilidade dos jornalistas, entendidos como classe, imperou.

É por isso, jornalistas, que eu os acuso!

http://marciovalley.blogspot.com.br/2014/10/jornalistas-eu-os-acuso.html

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

66 comentários

  1. É agora ou nunca !Acordei com

    É agora ou nunca !
    Acordei com um pensamento;
    Acho que estamos sendo vítimas de um gigantesco trabalho de direcionamento da opinião pública.
    Uma grande jogada de convencimento, um trabalho de “marketing” de âmbito nacional.
    ——————————————————————————–
    O alvo desse trabalho seria MANTER AS COISAS COMO SEMPRE ESTIVERAM
    Eles estão com medo !
    Estão pressentindo perigo à vista.
    A mídia está com medo 1
    Sabem que, se Dilma tiver um segundo mandato, vai mexer com o monopólio da mídia.
    Sabem que, se Dilma tiver um segundo mandato, assuntos como reforma politica e financiamento de campanhas poderão crescer.
    Isso sem falar em outros temas.
    ——————————————————————————–
    Essa é a QUESTÃO BASE de tudo o que estamos vendo, lendo e ouvindo atualmente.
    A quebra do monópólio da mídia seria o “fim do mundo”, para eles.
    Esses assuntos parecem ser A BASE DE TODO O PODER DOS GRUPOS “DONOS DO BRASIL”
    ——————————————————————————–
    Essa coisa de “fora PT”, “fora Dilma”, “PT nunca mais”, denúncias seletivas na Petrobrás, mensalão, etc, parecem organizadas demais para serem espontânea.
    Não estou inocentando ninguém, apenas dizendo da maneira como divulgam.
    ——————————————————————————–
    Sem essas reformas nada muda no Brasil.
    Esses assuntos são a ESPINHA DORSAL de qualquer tentativa de real democracia no país.
    Caso o PSDB volte ao poder, podem esquecer esses temas.
    Por muitos anos não teremos chance de cuidar desses temas, ou pior, farão essas coisas do jeito deles.
    Se perdermos essa chance, enquanto temos um governo popular, podemos dar adeus
    ——————————————————————————–
    Temos de reeleger Dilma ! Temos de reeleger o PT de ponta a ponta.
    O povo brasileiro não deve esquecer a luta que Vargas e Brizola tiveram com esses grupos
    Convoco, a todos que lerem esse texto, que reflitam sobre isso e passem adiante.
    É agora ou nunca !
     

    • Embora sem passar adiante, li

      Embora sem passar adiante, li e refleti. Num ponto você tem razão, a mídia teme governos autoritários, que são a última moda na América do Sul: Cristina, Chávez e Correa deram um jeito de encabrestar a imprensa que dizia a verdade. Desde ameaça de prisão a bloqueio de papel-jornal. Felizmente, até agora Dilma não cedeu aos reclamos dos radicais do partido, pois sabe o que pode acontecer quando não há liberdade de imprensa para expor o que se passa. Em caso de reeleição, espero que mantenha essa lucidez. Não quero governo fascista pisando em nossa liberdade.

      •   Engraçado… o MP, o

          Engraçado… o MP, o Judiciário, a PF, a mídia, etc etc etc todos dão as mãos ao PSDB, e vc teme o Fascismo vindo do PT???

          Acorda e lava o rosto, meu caro.

  2. que libelo bobo … sociedade pacífica…

    “Infelizmente, sempre quiseram dar ao jornalismo uma nobreza que ele jamais teve e jamais terá. Sua independência termina na origem de sua existência, ou seja, os interesses de quem o banca, seja o dinheiro do capitalismo ou o poder do socialismo. Conta com a ingenuidade de seu leitor que, tendo sua cabeça feita pelo próprio jornalismo, tem dificuldade de entender que é vítima de um logro. Claro… existem exceções. Mas muito frágeis para lutar contra os interesses – particularmente – do grande capital”.     –   Maria Fulô, sab, 05/05/2012 – 15:43 ,

    http://www.advivo.com.br/blog/luisnassif/o-encontro-nacional-de-professores-de-jornalismo

    • Nickname, o fato de um coisa

      Nickname, o fato de um coisa não existir faticamente, não significa que não possa ser pensada, planejada, e tornar-se parte do real. A isso podemos chamar de projeto ou de utopia. O jornalismo pode cumprir um papel, senão perfeito, ao menos mais próximo de algo com interesse mais relevante em prol da sociedade. Quem sabe uma lei de mídia mais apropriada, vedando, por exemplo, a propriedade cruzada ou concedendo um direito de resposta radical (desproprocional, maior, do que o agravo)? Enfim, algumas manifestações podem possuir a aparência de ingênuas, mas cumprem o seu papel de disseminador de ideias. Sonhadores são os seres mais perigosos da Terra, Nickname. E, sim, meu sonho é com a paz. Fazer o quê? Se fosse mulher, e bonita, poderia dizer essa frase num concurso de miss. Como não sou, tenho que escrevê-la. Abçs.

  3. digno e notável texto.
    como

    digno e notável texto.

    como diria zola, não podemos ser cúmplices

    desses absurdos cometidos por essa grande mídia

    mas ela está na verdade ancorada no sistema economico rentista,

    o da dita financeirização da economia,contra a

    essencia da produção e da criação de empregos.

    na verdade, o tal do pig – partido da imprensa golpista –

    está consorciado, mancomunado,

    em conluio com esse sistema representado e defendido

    atualmente pelo candidato à presidencia da república aécio neves,

    do psdb, partido que faz esse jogo sujo de

    criminalizar e judicializar tudo o que se refere à política,

    contando muitas vezes com pelo menos parte de um judiciário retrógrado

    – vide gilmar mendes etc e tal –

    desde 2003 e muito antes no tempo das lutas contra a ditadura,

    essa colusão de interesses ancorado na mídia está

    sempre criminalizando os movimento sociais, os partidos políticos,

    principalmente os progressitas,

    tachando-os de populistas,

    como se esse termo determinasse uma

    condenação a priori de um jeito de fazer política

    em benefício da população, portanto que poderia ser criminalizado indiscriminada e

    impunemente.

    esse consórcio entre esses interesses é notório.

    vide a propaganda dos bancos antes de começar o jn, da globo.

    vide a propaganda insistente de venda de carros nas revistas semanis, que predominam.

    é a hegemonia de um sistema consumisata e espoliador.

    acho que se os jornalistas deixarem de ser office-boys

    sofisticados dos patrões que representam a casa grande

    que violenta os representantes da senzala,

    não sobrará  quase ninguém da grande imprensa,

    da grande mídia,do dito pig.

    eu acuso o sistema capitalista,

    cruel e expropriador dos trabalhadores.

     

     

     

     

  4. Plutocracia X Resto da população

    A plutocracia se vale de todos os que consegue comprar, pois o que tem é dinheiro e este ela usa para comprar o poder.

    Na verdade seus interesses só favorecem a bem poucos, o resto, que é toda a população vai ter de se contentar com migalhas.

    Mas o povo não tem força para vencer esta batalha, mesmo porque, no reset, quem mais perde é ele, pois os plutocratas conseguem se reerguer mais rápido e de melhor forma. Assim, jogam no perdido. Mas não precisa ser assim, um acordo e todos ficam felizes, mas tem de haver vantagens neste acordo, senão não sai.

  5. O PT sempre foi um partido

    O PT sempre foi um partido não radical. Pelo menos o é desde que conquistou o poder. O PT é para o Brasil, guardadas infinitas proporções, o que os democratas são para os EUA. Já os republicanos, os “reds”, com todo o seu conservadorismo, reacionarismo, etc, sim, foram eles, que por exemplo, aboliram a escravidão. Não o fizeram por causa de razões humanitárias, mas porque sabiam que o modelo latifundiário sulista dificultava a industrialização do país. Se o Lula tivesse feito a mesma coisa que o Collor ou seja, o confisco da poupança, estaria apeado do poder no outro dia. Por que? Porque Collor era o partido da direita, representava o empresariado, a classe dominante. Não adianta mais querer governar pra todo mundo. O PT tem que radicalizar. Tomar o poder realmente, ou o caso do mensalão não foi uma lição? Isso sempre no jogo democrático, no estado de direito, mas saber que realmente existe um inimigo a ser combatido: a direita.

     

  6.  
    Esse ódio contra o PT

     

    Esse ódio contra o PT chegou também à classe médica, seruramente em razão do Programa Mais Médicos. Na sexta, dia 17, vi algo absurdo : uma médica fazendo campanha pro Aécio e contra a Dilma em plena sala de cirurgia, em total desrespeito aos clientes fragilizados que lá estavam. Perderam a noção de ética médica. E o que é pior : tudo isso com o apoio dos CRMs.

    • O ódio dos médicos a Dilma

      O ódio dos médicos a Dilma não é apenas pelo Mais Médicos, mas acho que principalmente pelo veto que ela deu ao artigo da lei chamada de Ato Médico, que regula a profissão médica. Eles queriam que constasse na lei que apenas médicos poderiam determinar os procedimentos e os tratamentos para o paciente, de forma que todas as profissões de saúde ficariam subordinadas ao poder do médico. Isso, na prática, significaria que uma pessoa só iria ao psicólogo se um médico prescrevesse; só iria ao fisioterapeuta, se um médico prescrevesse e por aí vai. A luta dos demais profissionais de saúde foi grande, mas a Presidenta entendeu e vetou o golpe. Penso que isso tenha irritado muito mais os médicos do que o Programa, pois essa era uma disputa muito antiga na área da saúde.

  7. Dividir para conquistar

    Nada de novo nessa tática, assim como não é nova a máxima “quando um não quer, dois não brigam”.

    muitos petistas alimentam o anti petismo quando entram no jogo, quando usam os mesmos expedientes que tanto criticam.

    Exemplo: chamar Marina de fada é o mesmo que chamar Lula de sapo barbudo. Isso é achincalhar a pessoa e fechar a porta para o debate. Só ofende àqueles que votam nela e não abre espaço para mostrar as inconsistências no discurso dela. Atitudes assim, movidas pelo fígado, são um tiro no pé. Pessoas inteligentes não alimentam trolls. Há muito que os petistas estão colaborando para que o anti petismo se aprofunde.

    • Chris,
      Vc deve ter sido

      Chris,

      Vc deve ter sido votante da Marina, não é?  Eu não fui, embora a respeitasse como uma pessoa  que teve a trajetória de vida dela. Mas vc há de convir comigo que ela perdeu todo esse respeito com uma frase “inesquecível”, mas que infelizmente eu esqueci, por ter retirado essa pessoa dos meus pensamentos. O sentido da frase foi de que o PT (ou a Dilma) tinha colocado o Paulo Costa na Petrobrás somente p/ roubar. Vc diz que a alcunha de Fada, é o mesmo que “sapo barbudo”, porém vc sabe desde quando o Lula é chamado assim, sem nenhuma reação maldosa por parte dele ou de qualquer outro membro do PT? Se vc se interessa por política deve saber e não vou repetir. O PT sempre foi chamado por muitos militantes e pessoas que frequentam o Blog do Nassif, de partido covarde, que nunca reage às mentiras expostas na imprensa e à desconstrução dos seus membros mais ilustres, como Lula, Dilma, Genoíno eJosé Dirceu, além de outros menos importantes. A presidente Dilma, tb com toda a sua trajetória de vida e honradez foi “celebrada” com uma vaia jamais vista , na abertura da copa do mundo. Qual foi a reação dela? Como a oposição não tinha nada a dizer s/ ela, criaram aquela “vaia” p/ diminuí-la. E, pela 1a. vez em toda a história do PT, ele tem mostrado alguma reação nesta campanha, pois a coisa está de tal forma, que lhe foi negado pelo Ilmo Min. Gilmar Mendes, declaradamente partidário do PSDB, o direito de resposta naquela revista” e agora proíbem a pres. Dilma de falar nas falcatruas do Sr Aécio e seus aeroportos ,  em MG. Pq se parou de investigar as roubalheiras no Metrô de SP ? Pq jamais foi investigado de quem era a droga encontrada no helicóptero e sua destinação, em MG? O que está em andamento é um golpe, quem sabe c/ a colaboração dos irmãos do norte e sua ânsia por petróleo, e a facilidade de “ouvir” o que querem em qualquer país. Será que não estarão influindo tb nas nossas urnas eletrônicas? E vc vem falar da Fada, numa hora desta?

      • Você está enganada. Eu votei

        Você está enganada. Eu votei em Dilma no 1o turno e votarei novamente . Estou convicta de que ela é o melhor para o país no cenário atual. Achei muito estranho a subida expressiva do Aécio, cheira a golpe branco, o resultado da eleição já pode estar definido sem que saibamos, talvez Aécio ganhando por pouco, para não dar muito na pinta. A campanha da mídia , os questionáveis institutos de pesquisa mais essas urnas eletrônicas sem uma forma de fiscalização física….

        Marina não me convenceu, mas meu esclarecimento não foi graças as agressões verbais dos militantes. Dilma reage e deve reagir às injúrias e difamações, como qualquer um. A qualidade da reação é o que importa, a desconstrução da infâmia , da mentira, deve ser embasada e comprovada , como no caso do TCE. Se entrar no tiroteio indiscriminado, na vala comum da adjetivação torpe – sapo barbudo, Aócio, fada, gerentona – vamos todos juntos para a lama, para a radicalização , para o facismo, enfim.

        A melhor maneira de se sair bem de agressões baixas é se diferenciando do agressor, deixando que fique evidente sua arrogância .

  8. Mídia, e agora o TSE, blinda as falcatruas do Aécio

     

    TSE proíbe Dilma de falar sobre aeroporto de Aécio construído com dinheiro público para a família

    http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com.br/2014/10/tse-proibe-dilma-de-falar-sobre.html
     Reproduzir reportagens de grandes jornais como a Folha, como fez a campanha da Dilma, agora é passível de censura do TSE? Preocupante o rumo que está tomando esta eleição. Decisão absolutamente equivocada. ( Comentário de um leitor da Folha)

     

    Na sexta-feira (17), o ministro Tarcisio Vieira de Carvalho Neto suspendeu a propaganda eleitoral da coligação Com a Força do Povo  da presidenta Dilma, por a campanha ter  divulgado vídeo sobre o aeroporto particular de Aécio

    O texto informava que o candidato Aécio Neves (PSDB) construiu um aeroporto em terreno de sua família e mantinha as chaves “nas mãos de seu tio”. A propaganda foi veiculada na quinta-feira (16). Agora, a presidente Dilma foi proibida de falar no aeroporto, construido  com dinheiro público, por Aécio Neves (PSDB), quando foi governador de Minas.O candidato Aécio Neves também requereu direito de resposta, mas o pedido ainda não foi julgado.

    De acordo com a defesa de Aécio, a propaganda adversária levava o eleitor a crer que o candidato “estaria fazendo uso de bem público para favorecer sua família”. O TSE, precisa também calar a Folha, que digulvou a notícia de que a chave do aeroporto fica na mão de um tio de Aécio

    Portão do aeroaecio. A chave fica com o tio

     

    Até o TSE blindando o Aécio.

         

     

  9. O que percebo até entre

    O que percebo até entre pessoas inteligentes que que conheço, foi a competência executar uma verdadeira lavagem cerebral que a mídia teve. Repetem frases e falas exatamente como aqueles personagens condicionados do Admirável mundo novo. Reclamam da corrupção e vão fazer o que? Votar no psdb. Reclamam da economia, e vão colocar um especialista em mercado financeiro no ministério da fazenda. Enfim, o analfabetismo político da classe média é de doer! Aquela conversa de que quem recebe Bolsa Família não deveria votar é de vomitar. Estes jornalistas a que o texto se refere são mesmo os Flautistas de Hamelin que estão conduzindo gente em direção ao afogamento e, pior, andando pra trás. Estou estarrecido só de pensar naquele vice do Aécio, homem de serra, virando vice presidente e, eventualmente, presidente interino do Brasil. Tem milhões de pessoas dando no tiro no próprio pé. Goebbels deve estar fazendo festa.

  10.  Esta materia trata de

     Esta materia trata de questoes muito serias. Em Curitiba o discurso do ódio ao Partido dos Trabalhadores, e contra a política, da oposição fez uma vítima fatal .

    Um militante da campanha de Gleisi Hoffmann (PT) ao governo do estado do Paraná, que também fazia campanha para a presidenta Dilma Housseff (PT), chamado Hiago Augusto Jatoba de Camargo, de 21 anos, foi assassinado com uma facada na Praça da Ucrânia, em Curitiba, onde há uma Feira Noturna frequentada pela classe-média e alta da cidade, no Bigorrilho (Champagnat).

    Hiago era cantor com mensagens de paz e esperança e já tinha músicas gravadas .

    O jovem que sofreu o homicídio era responsável por cuidar dos cavaletes das candidatas e um homem, possivelmente com um grupo, iniciou discussão com o menino e deferiu um golpe de faca contra ele.

  11. O Brasil do faz de contas vai

    O Brasil do faz de contas vai desmoronando.

    Não há como ser de outra forma, e isso é bom

    “Liberais” aqui no blog se vangloriam, defendendo o não aumento dos direitos trabalhistas, que suas domésticas tiveram os filhos formados. Isso nunca foi liberalismo

    Defender que o baixo salário mínimo brasileiro é muito alto; isso não é liberalismo

    O que se pede como “pacto de conciliação” foi feito por Lula com o que ele denominou de comer pelas beiradas ou enquanto elevava a renda de boa parte da população dizia os banqueiros nunca ganharam tanto dinheiro como em meu governo se esgotou sem que o Brasil conseguisse avançar de forma robusta.

    É preciso as reformas estruturantes. E elas só se darão com o confronto.

    A direita muito mais pragmática já percebeu que esse limite enfim chegou ao Brasil, por isso o medo, última trincheira de defesa, estampada nas matérias dos jornalões

    O que está posto não é apenas a democratização da mídia, é também a reforma política e a tributária que irá onerar  os ricos

    Para o confronto final resta a classe média brasileira (que sempre se considerou superior) perceber, que igualmente aos de baixo, é também espoliada; foi assim na revolução Francesa e em certa dose um dos motivos da guerra civil americana.

    E isso já começou a ocorrer com a constatação, de forma mais clara, que os serviços públicos de transportes, educação e saúde são péssimos.  A classe média começa a perceber que os salários que recebem não está dando para manter filhos em escolas particulares, em planos de saúde privados e que a falta de transporte público de qualidade está bloqueando a sua própria circulação pelos excessivos engarrafamentos e interferindo na sua qualidade de vida pelo estresse e aumento de doenças causadas pela poluição.

    • “liberais” como o Aliança

      “liberais” como o Aliança Liberal defendem abertamente esse vale tudo contra o PT, até mesmo o golpe.

      Basta olhar a doutrina defendida pelo Aliança, emanada no Instituto Mises: teses racistas(que Aliança chama de “racialistas”), repúdio ao regime democrático, e a defesa do recurso a meios violentos(Hans-Hermann Hoppe, um dos professores do Inst. Mises, defende que ambientalistas, homossexuais, democratas e outros adeptos de estilos de vida “não centrados na família” sejam “fisicamente removidos” da “sociedade libertária”).

      Por isso nada mais natural que Felicianos, Bolsonaros e Malafaias sejam os aliados de primeira ordem da “sociedade libertária” defendida pelo Aliança Liberal.

    • Assis Ribeiro, o confronto é

      Assis Ribeiro, o confronto é sempre salutar no campo das ideias. A ausência de confronto é um outro nome para conservadorismo. Não é a isso que refiro. Faço alusão à violência física, à agressão desmiolada por conta de preferências ideológicas, à divisão tão radical que separa amigos e parentes. O exercício do diálogo, e através dele, da dialética, é coisa diferente disso que vemos. Essa radicalização do discurso que está chegando aos punhos soa perigosa para mim. As rupturas radicais são perigosas porque podem ir pra qualquer direção, inclusive para alguma que nem esteja em pauta.

  12. Fascismo no Brasil, seu filho
    Fascismo no Brasil, seu filho da puta? Cê tá louco?! Esquerdopata do caralho!
    orlando-brito-fernando-henrique-cardoso
    Gustavo Magnani – 19/10/2014 Tweet 

    Tenho amigos que votam 45 e amigos que votam 13.

    Até aí, nada de novo embaixo do sol.

    O que não tenho são amigos que votam 45 dispostos ao diálogo – e esse post deve provar isso.

    São poucos, pouquíssimos. Conto nos dedos.

    No início da eleição, não tinha uma enorme simpatia por Dilma. Respeitava muito mais sua biografia, do que sua atuação política.

    Hoje, me compadeço de toda sua trajetória. E isso por culpa do discurso de ódio, que me fez conhecer mais sobre a presidenta.

    Mas, essa não é a razão deste texto.

    Não vou falar de corrupção, não vou falar de candidatos, não vou falar de vida pessoal.

    Primeiro, porque petista já sabe da gana que a mídia tem em enquadrar qualquer um que sirva ao 13.

    Segundo, porque tucano não tá nem aí pra corrupção. Só se ela for vermelha.

    O texto de hoje é pra questionar essa onda que não é mais só conservadora, mas já atingiu o nível do fascismo.

    Gregório Duvivier foi atacado, em pleno Leblon, por declarar seu voto em Dilma – com enormes ressalvas.

    Conhecidos meus foram atacados num comitê.

    Um blogueiro de cadeira de rodas, foi atacado. E os tucanos ainda disseram “não é porque você é deficiente, que não pode levar uns tapas pra endireitar” – ou algo do tipo.

    Os nordestinos são atacados, constantemente.

    Os pobres, idem.

    Os médicos, atacam a todos e qualquer um.

    Fernando Henrique Cardoso, aquele presidente que entregou a faixa ao Lula com 26% de aprovação, legitimou os ataques de seus eleitores, aos pobres.

    E tem gente dizendo que o PT inventou a miséria, a luta de classes e a corrupção. 

    Miséria só existiu no Brasil. E a partir de 2002.

    Luta de classes nunca foi pauta do resto do mundo.

    E corrupção é coisa do molusco (e dos livros do george martin, lógico)

    Ontem, assisti ao filme “A Onda”, um trabalho alemão que experimenta o fascismo numa sala de aula. A película é ótima e vale a pena conferir. Dose de realidade cruel.

    Onde já se viu, numa democracia, vários eleitores, em lugares distintos do brasil, serem agredidos, por andarem com um adesivo do seu candidato? E não adianta: o FHC tem culpa nisso, Aécio tem culpa nisso: ditadura comunista? Parem pra pensar, por favor, meus amigos tucanos.

    Visite a página de Álvaro Dias, Fernando Franschini (algo do tipo), Lobão, Veja etc e me diga: se vivêssemos em uma ditadura, você acha que eles poderiam escrever os absurdos que escrevem? Não é difícil de compreender. Se você sustenta sua posição, eu só posso acreditar que o faça por má fé.

    vaca, puta, biscate, desgraçada. nunca uma autoridade foi tão xingada como Dilma tem sido. E por que? Existe alguma acusação de corrupção ligada diretamente ao nome de Dilma? Ao de Aécio, existe.

    Isso não é só um caso de antipetismo, mas também de machismo. Se no lugar de Dilma fosse um homem, duvido que Aécio teria tanta marra – ou ele usou aquele tom com o William Bonner? Eduardo Jorge? Pastor Everaldo? Levy Fidelix? Lula?

    É claro que não, são todos machos.

    Vivemos uma onda fascista absurda, perigosíssima para a democracia, para a sociedade. A mídia, por sua vez, lava as mãos. Entretanto, é a que mais tem culpa no cartório. Estranhamente parcial, omissa quando as acusações têm bico grande e sorridente ao notar o estrago que tem feito.

    O brasileiro precisa ser politizado, deixar de tratar o futuro do país como clássico de futebol. Repetir mantras como um papagaio não é compreender nada de política. É, justamente e apenas, repetir mantras como um papagaio, onde sua única função é propagar aquilo que ensinam: sem reflexão, sem compromisso com a verdade, sem interesse no Projeto Brasil.

    Temos, como país, um longo e futuro brilhante caminho pela frente. Temos, como nação, uma grande e temida onda que vem ao nosso encontro, travestida dum nacionalismo ultrapassado, dum fascismo cada vez mais perturbador e de ideias cada vez mais repressoras: se eles fazem o que fazem, em plena democracia, como oposição. Imaginem o que podem fazer caso cheguem no poder.

    .

    p.s: isso não significa que não existam exageros e agressões do outro lado, também. Agora, os números e relatos são muito menores. Desde agressões físicas ou agressões verbais. 

    http://literatortura.com/2014/10/fascismo-brasil-seu-filho-da-puta-ce-ta-louco-esquerdopata-caralho/  

  13. Concordo que o pais esta

    Concordo que o pais esta caminhando para algo pouco comum entre nos, isto é,  o odio mortal contra os que pensam diferente.

    Mas não culpo apenas os jornalistas.

    Ou melhor, seria mais oportuno culpar os donos de jornais e tambem os politicos que permitem aqueles empresarios manter poderes tão excessivos.

    Podemos culpar  “antropologos” que pelo conhecimento deveriam estar ajudando disseminar a paz, ajudando a sociedade enxergar as raizes de seus problemas mais graves..

    Poderiamos igualmente culpar os professores universitarios que hoje empobrecem as discussões politicas nas universidades convertendo nossa juventude a meros seguidores de movimentos de redes sociais.

    Culpemos ainda a grande maioria dos empresarios, esses que apesar de terem se dado bem com uma politica de distribuição de renda sempre querem mais e o que é dos outros.

    E ja que estamos distribuindo culpas, nossos “supremos” juizes não podem ficar fora dessa, usaram descaradamente a justiça para praticar politica.

    Se algo não for feito  estaremos caminhando para uma guerra civil.

    O Brasil é um dos paises socialmente mais desiguaveis do mundo, cenario perfeito para um universo de violentas pancadarias.

    Os coxinhas “sairam as ruas” reclamando que a vida deles esta ruim.

    Os mais pobres, que vivem com infinitas piores dificuldades, certamente devem ter percebido que se os coxinhas se acham no direito de parar cidades por suas revindicações, eles tambem podem exerce-lo a força. Começaram queimando onibus. Não se fala a verdade, mas ja foram muitos pelo pais.

    A unica solução pacifica para um desenlace que se apresenta violento seria uma vitoria  petista.

    O Lula é o unico lider capaz de trazer uma mensagem de paz.

    Notem que quem faz tal afirrmação, traz aqui mesmo, frequentes criticas aos governos petistas.

    Apesar dos erros, é a unica força politica capaz de dialogo com os mais pobres, aqueles com muito mais razões para se revoltar.

     

     

    • Autônomo, na reduzo a culpa

      Autônomo, na reduzo a culpa aos jornalistas. As culpas são muitas. Porém, nenhum dos outros veículos citados por você, vamos chamá-los assim, possui a dimensão e o alcance de uma manchete de grande jornal. Além disso, um antropólogo, para ficar nesse exemplo, chamado a contribuir com um dos jornais, dificilmente desbordará da linha editorial para a qual escreve. Precisa ter muito reconhecimento público e coragem para escrever fora do pensamento da “caixinha”. Abçs.

      • Caro Marcio:
        Uma manchete

        Caro Marcio:

        Uma manchete sobre o mensalão ou sobre uma delação no “escandalo da Petrobras”, por exemplo, precisa de juizes, promotores e jornalistas numa ação conjunta.

        Precisa tambem que o “professor” na universidade não ajude o universitario a pensar, o que o levaria a se manifestar contra o uso da justiça.

        E por ai vai.

        A culpa deve ser distribuida entre muitos.

        Alias essa conspiração da midia é, atualmente, de alcance relativo.

        Mente-se la, mas quem quiser saber da verdade pode encontra-la facilmente na internet.

        Todos os que votarem no Aecio podem continuar na duvida quanto a acusação de seu habito no consumo de drogas, ninguem o filmou praticando tal ato.

        Mas qualquer um pode ve-lo na internet completamente embriagado dirigindo um automovel ou dando entrevista para o Estadão.

        Os que sofrerem amanhã as consequencias desta escolha politica não poderão justificar terem sido vitimas dos jornalistas.

        • Autônomo, sou obrigado a

          Autônomo, sou obrigado a concordar com você de que, hoje em dia, e ainda bem, a internet tem produzido algum contrapeso àquilo que é “informado” pela grande mídia. Todavia, penso que, por enquanto, seu alcance é muito mais limitado do que a produzida por um Jornal Nacional repercutindo uma invenção da revista Veja. Tenho esperança de que com o tempo o equilíbrio aumente, mas ainda falta muito. Abçs.

    • Outro Golpe Militar

      Conversando com a classe média alta, eu sinto que já existe um clima para golpe militar. Alguns declaradamente preferem os militares no lugar do PT,mas não conseguem argumentar.  Apenas a vitória de 51% a 49% não basta, teria que ser por uma diferente grande.

  14. Fazer a cabeça do outro pelo

    Fazer a cabeça do outro pelo uso desvirtuado da informação. foi desde sempre a estratégia dos que buscam  alçar o poder com propósitos impalatáveis.  A Bíblia está farta de exemplos dessa natureza; a começar por Eva no Paraiso, sucumbida aos encantos da serpente, o primeiro araudo da desconstrução.

  15. O Brasil

    O Brasil caminha a passos largos rumo ao fascismo com olhares complacentes (em alguns casos até com uma certa satisfação) da grande mídia, dos iletectuais de Direita (tendo Fernando Henrique Cardoso como o seu maior porta voz), dos intelectuais de Esquerda e com o apoio significativo de uma parcela da sociedade.

  16. O ódio criado pelo PT partiu

    O ódio criado pelo PT partiu da mídia, que, macomunada com os demo-tucanos tem aumentado em número gênero e grau. O que pessoas interiorizam, por necessidade, ao longo dos anos, expelem como veneno em tempo de campanha. Um ódio coletivo, mas graças a Deus não, ainda, o suficiente para nos conduzir a uma guerra civil, embora isso esteja na cabeça de Bolsonaro, entre tantos políticos-militares ou apenas militares e famílias (com execeção, claro). 

    Um simples comentário numa página do Face pode interromper uma amizade consolidade de décadas. Isto tenho sentido entre amigos e até parentes, ao ponto de preferir deletar alguns deles para evitar a intriga. Nas ruas, se tento me exprimir sobre política, primeiro olho dos lados, tal como fazia ao tempo da ditadura. Imagine se é possível a um petista, numa fila qualquer da vida, expressar seu voto com alguma argumentação. Correrá o risco de na fila ter um tucano ou demista desvairado e o estabelecimento virar um caos. 

    Não entendi bem o que a matéria expõe sobre a atuação dos blogueiros sujos. Para mim, em que pesem as sdificuladades de cada um em manter seus blogues, tem contribuído substancialmente para aclarar ideias, e conduzir pessoas ao senso crítico mais aguçado, mostrando os lados da política, inclusive aquilo que desserve a todos. 

     

    • Oi, Maria Rodrigues.

      Oi, Maria Rodrigues. Desculpe-me se não me fiz entender quanto aos “blogs sujos”. Eu os estava justamente enaltecendo e os excepcionando dessa omissão da classe jornalística. São valorosos ao condenarem a atuação midiática, como o Nassif, o PHA (ainda que de forma controvertida), o Azenha, o Miguel do Rosário (Cafezinho) e tantos outros que atuam em blogs e pelo Twiter. Contudo, em comparação com a massa da classe, são poucos e suas vozes, importantes demais, não ressoam como as manchetes do Estadão, da Folha, da Veja, da Globo. Por isso conclamei a classe a repudiar explicitamente as empresas de informação. Abraços.

  17. Pelo Conselho Federal de Jornalismo

    Concordo com Marcio Valley. Há anos tenho escrito em comentários aqui que faz muita falta a existência de um Conselho Federal e de Conselhos Regionais de Jornalismo. Apesar do corporativismo dos conselhos de classe, a defesa da boa prática profissional ganharia uma instância importante. É ruim com os conselhos, mas muito pior sem eles. 

  18. Se o teor desse texto fosse

    Se o teor desse texto fosse uma invenção, teríamos uma escalada de indignação desses “jornalistas” brasileiros, essas acusações são muito sérias, mas na verdade o que veremos é TODOS esses jornalistas se calando e fugindo do debate, o que alias virou praxe nos tempos atuais. Isso é a maior prova que o texto está corretíssimo, e restará aos verdadeiros pusilanimes brasileiros, nos ignorar tentando nos desqualificar com a arma mais eficiente dos covardes, o estereotipo, porque no “interiortipo” seus argumentos não se sustentam. São mais do que ignorantes, são ignorantes por conveniência, daí quanto mais dinheiro pra se anestesiar melhor, como outro dia vi em um comentário, a imprensa brasileira é caso de saúde pública, e é mesmo!

  19. eles ou o Brasil…..

    Falo isso há anos….. A grande mídia é DIRETAMENTE RESPONSÁVEL pela FRATURA SOCIAL que hoje assistimos.  Ao colocar homens sem princípio algum como seus principais articulistas, pessoas sem caráter, sem limites, sem ética, a grande mídia ordinária passou na verdade a ESTIMULAR e ENDOSSAR esse comportamento bestial, por parte dos leitores desses medíocres.  

    É impossível a um ser humano civilizado, não se horrorizar ao visitar os blogs dessa corja, Noblat, Guilherme Fiuza, Augusto Nunes, Constantino, Reinaldo Azevedo…..   Lá, a parte mais enferma e indigente intelectual e emocionalmente falando, da sociedade brasileira, faz suas catarses de ódio, de preconceitos, de medos (alimentar o medo é um perigo!!!),  numa espiral crescente e que precisa cada vez mais de “alimento” para que aquele sentir não se perca….

    Fizeram isso, tornando Joaquim Barbosa em herói aplaudido nas ruas, e Lewandowski, o “bandido protetor de petralhas”, no julgamento do mensalão.  É um jogo pesado, sujo, totalmente INCONSEQUENTE, que aposta no caos, na confusão social, na convulsão social que seja, tudo vale, DESDE QUE O PT SAIA DO PODER.

    Ao não combater isso, o PT torna-se cúmplice por omissão. É como se esperassem uma trégua, um momento de civilidade, que nunca chegará.  O governo às vezes, age como a mulher que apanha do marido, e nada faz, na esperança “que as coisas mudem”

    A campanha agressiva de Aécio, e o show de horrores nas ruas, a agressividade tucana, deixa claro, que não há limites para esse abismo.

    Hora da sociedade como um todo, enfrentar a grande mídia, antes que eles acabem com o Brasil!

  20. Por quê só o PT ??
    Essa é a

    Por quê só o PT ??

    Essa é a única pergunta: por quê um partido que já está há 12 anos no poder, precisa de mais 4 anos, talvez mais 12, considerando a eleição de Lula em 2018 e sua reeleição em 2022??

    Democracia, em qualquer país do mundo civilizado, significa alternância de forças no poder. Por quê, somente o PT sabe governar o Brasil e pretende 24 anos de poder,  no mínimo??

    Daqui a pouco, seremos iguais à Argentina: seja quem for o eleito, será sempre peronista.

    • Por quê só o PSDB

      Pq só o PSDB governa São Paulo há 20 anos? Pq?

      Pq o escândalos que envolve o psdb são tão timidamente noticados?

      Pq o governo do psdb em São Paulo tem como Revistas VEja, Isto É em suas salas de espera ?

      Pq Pq Pq ??

    • Ora, ora, ora. Se as eleições

      Ora, ora, ora. Se as eleições ocorressem dentro de um ambiente normal, ai seria tudo dentro do jogo democrático civilizado. Mas onde alguém enxerga normalidade, civilidade neste processo? É jogo sujo, pesado, criminoso até. De um lado, um partido perseguido, exibido como inventor da corrupção.  Do outro lado, raposas políticas, longe, muito longe da santidade, beneficiárias de acobertamento midiático e judicial, em porto seguro de impunidade. 

      Falar na saudável alternância nesta selva (alternância que não vale pra SP, claro), é piada.  Com o que sobrar do Brasil, daqui a uns 500 anos, talvez faça algum sentido. Se o mundo não acabar antes.

       

       

    • Alternância de poder no Estado de São Paulo

      Não fazendo juízo de valor, Renato,  esse raciocínio vale para o Estado de São Paulo?

    • Se for para comparar, o PSDB

      Se for para comparar, o PSDB paulista deve ficar 24 anos no poder. Seus argumentos valem para eles também ou é só para o PT?

      Por que só o PT? Será que é porque em regimes democráticos com eleições livres a maioria é que decide quem fica no poder?

       

      • Um dos grandes mantars da

        Um dos grandes mantars da direita é a tal “alternância do poder”, aplicável somente ao PT, é claro. O que carcteriza uma democracia, no meu modesto ponto de vista, é a realização de  eleições, em períodos pré determinados, com candidatos/as expondo seus pontso de vista aos eleitores e cada um votar de acordo com sua conscência/intresse/ponto de vista/visão do mundo. E ca pessoa vale um voto e vence quem tiver mais votos. E temso que considerar que durante 500 anos, não houve  alternância de poder, (salvo breves intervalos, sempre conturbados e perturbados pelos que se consideram “donos do poder”). Mudavam as caras, os nomes, mas o modo  de agir, o destinatário das benesses do dinheiro público eram sempre os mesmos.

    • Isso não vale para tucanos PSDB de SP

      Vai pedir isso(alternância de poder) para os tucanos de SP que estão há quase 30 anos  por causa da blindagem da midia para com um governo caótico. No caso do governo federal, o pais está nos trilhos e a proposta da oposição nem significa alternância de poder e sim derrocada desse pais com o retorno do velho  neoliberalismo tosco bem ao gosto de George Soros e Cia, o Tio Sam agradece à sua completa ignorância

    • A mesma pergunta deveria ser

      A mesma pergunta deveria ser feita para a turma do PSDB de São Paulo. Por que que eles podem pleitear reeleição após 20 anos de governo e o PT no plano nacional não pode?

      Alternância de poder quem define é o povo. De resto  todo e qualquer partido tem o direito de permanecer o tempo que entender no governo… Desde que o povo entenda que esse partido deva permanecer lá.

      É assim que funciona a democracia… Mas parece que alguns não entendem ou não querem entender isso, preferem democracias de fachada, para alguns e outros não.

  21. Dilma explicou bem

    na entrevista da Carta Capital:

    – Quanto a mídia influi nessa aposta violenta contra o brasil ?

    Resposta da Dilma:

    “Lembra do não vai ter Copa ? … A mídia influi nesse ambiente ? Não vou dizer 100% , pois seria injusto. Uns 98% , por aí “

     

  22. Artigo repleto de sofismas. A

    Artigo repleto de sofismas. A partir de afirmações assumidas verdadeira, mas falsas, inexistentes, o autor chega às conclusões que deseja.

    A parcialidade que o autor atribui á grande imprensa é dezenas de vezes mais explícita e agressiva nos blogs.

    A eterna teoria da conspiração que ele vê não tem fundamento nem evidências. A afirmação da presidente da ANJ obviamente refere-se ao papel fundamental do jornalismo, que é apontar falhas dos governantes de plantão, jamais como indício de conluio (que por definição é secreto) entre as empresas de comunicação, para atacar um governo.

    Dizer que “grande parcela” dos jornalistas participa dessa “ação orquestrada” é gravíssimo e não tem base. O autor faria o mesmo se trabalhasse para essas empresas? Em caso negativo, não cabe acusar os outros de o fazerem. Não se vêem jornalistas acusando seus empregadores de tentativa de manipulação. São todos vendidos?

    “Ela é fruto inevitável do incansável trabalho da impensa na prática da escandalização de um lado só, das distorções da realidade, da manipulação da verdade, da ocultação criminosa de tudo que seja entendido como positivo, da disseminação da falsa ideia de que todos os problemas do Brasil possuem apenas um só nome e uma só coloração.”

    No trecho acima, outro exemplo: quem dissemina que todos os problema do Brasil possuem um só nome e uma só coloração? Absolutamente ninguém, por mais antipetista que seja, muito menos a grande imprensa.

    Se o autor está preocupado com o acirramento de ânimos, deve pensar bem antes de publicar textos como esse, que só fazem agravar o que ele parece querer evitar.

    • Obrigado, Caetano, pela

      Obrigado, Caetano, pela resposta inteligente, educada, isenta e também pela sugestão ao silêncio. Agradeço, mas devo dizer que vou ignorar o seu conselho de me calar. Desculpe-me, é que é da minha natureza ter essa boca grande. Do fim do regime militar e até agora, ainda bem, a livre manifestação do pensamento é uma faculdade minha e sua. Assim eu posso retratar a realidade segundo me parece e você pode fazer o mesmo. Tomara que continue assim. Isso, todavia, não se aplica à grande mídia, cuja sonoridade não pode ser comparada à minha ou à sua. Para eles, o tamanho da responsabilidade deve ser equivalente à grandeza da repercussão do que publicam. Diferentemente de você, não vislumbro contra o PSDB a mesma sanha acusatória praticadada contra o PT, Você, por enxergar diferente, acha que quem não enxerga como você deve silenciar. Difícil posição a sua, mas, fique tranquilo, estão tentando calar simpatizantes e apoiadores do PT em todo o Brasil, até com violência física, de modo que você está muito bem acompanhado.

      • Prezado Márcio, acho que não

        Prezado Márcio, acho que não me compreendeu bem. Se estou aqui defendendo a liberdade de imprensa e de expressão, não teria cabimento querer mantê-lo calado. Defendo veementemente seu direito de criticar quem quer que seja, assim como fiz comentários a seu texto, sem querer insultá-lo. O que eu quis dizer é que, levantando teorias de conspiração da mídia, como se fossem fatos comprovados, só gera mais indignação e nervos à flor da pele. Acho o debate interessante e útil, senão qual o sentido da existência dos blogs?

        • Então, peço desculpas,

          Então, peço desculpas, Caetano. Porém, o texto não fala de conspiração. Dias atrás até escrevi um texto sobre conspiração, a partir da crise hídrica de São Paulo. Este aqui, todavia, trata de uma visão de caso. Ao menos da maneira que vejo, e o Manchetômetro confirma, há uma incrível desproporção entre as manchetes que atingem o PT e as que atingem o PSDB. A análise dessa tendência, com o teor das manchetes e notícias, conduz à percepção real, fática, do que falei: há uma coloração específica para as notícias ruins. Claro, você pode não ter a mesma percepção. Direito seu. Quanto às teorias da conspiração, desde que evidenciado que se trata de livre tentativa de previsão de futuro, e eu o fiz, creio que podem servir para manter as pessoas alertas. Aliás, economistas vivem nos noticiários fazendo previsões, inclusive as mais alarmistas possíveis. Seria o caso desses economistas evitarem as previsões, Caetano?

  23. A máscara cai

    Filha de italianos sei como os fascistinhas atuam. Só agora saíram do armário no Brasil descobrindo a sinistra face. Não brincam em serviço e são violentos, muito violentos. Estimulam o ódio o tempo todo contra a esquerda seja ela católica, luterana, democrárica, pacífica, respeitadora das leis. Essa crença de que a direita brasileira é civilizada, democrática, respeitadora das diferenças, que muitos honestos jornalistas e intelectuais acreditavam parece que só neste momento caiu por terra ao verem médicos, políticos, membros da Justiça e do empresariado destilando ódio contra o PT e estimulando seu extermínio, acompanhados pela eterna temerosa classe média média, baixa e alta bem manipulada pela mídia.

  24. Endosso o texto

    Nassif,  em uma pequena cidade do interior  que moro  SP, não pode pronunciar o nome do PT que é alvo  ou de chacota ou de  xingamentos.Somos totalmente esteriotipados e condenados  ao silencio, não podemos  colocar uma camiseta ou qualquer logotipo que tenha algo a ver com o PT.E, os que odeiam o PT odeiam mesmo de ficaream com os olhos vermelhos e cuspirem qdo  citam  a sigla PT!!!Diante desse cáos, que realmente  foi  incitado pela mídia corrupta e venal,  o País esta dividido,  nas eleições e  acredito que o PT não poderá comemorar uma possível  vitória e  o contrario tb.Criou-se  a divisão e o ódio acima de  tudo!!!Quando Aecio  grita com a Presidenta da República ele da aval para seus  seguidores  fazerem o que bem entendem.A Democracia do Brasil esta ferida espero que não mortalmente!!!!

  25. A coisa já foi além

    Um ótimo texto, mas não devemos nos esquecer do assassinato a facadas do militante petista Hiago Augusto Jatobá de Camargo, em Curitiba – PR.

  26. Regularização da

    Regularização da mídia….enquanto não tiverem coragem de encarar esse monstro que se tornou a nossa mídia,  nada mudará.  Pegue um leitor de Veja, telespectador da Globo -tenho certeza que cada um de nós conhece alguém assim – e tente argumentar.  Estão completamente cegos, mudos e surdos.  Acham perfeitamente normal o PSDB não ser investigado, acham normal a falta d’água em SP, não estranham o mensalão do PSDB não ter sido julgado, nem que o escândalo do Metrô tenha sido arquivado…defendem Joaquim BArbosa mesmo sabendo que o cara ganhou um apê em Miami.  Não adianta mostrar a realidade…só sabem repetir uma única coisa: o PT é o partido mais corrupto do Brasil/Eu odeio o PT.  Nesses últimos anos, todos sofreram uma lavagem cerebral que teve início com AP-470. Há 10 anos que a mídia vem de mensalão ininterruptamente, martelando nas cabeças das pessoas. Nossos representantes, ao permitir “correr solto”  essa forma de jornalismo, se tornaram  reféns da própria omissão. E hoje a moda é a intolerância e o  ódio.  Para nós que militamos no FB também, o local se tornou palco de situações absurdas onde as pessoas sofrem agressão só por declarar seu voto em Dilma. A conta terá que ser paga uma hora….resta saber como!

     

     

     

  27. Não  devemos esquecer  o

    Não  devemos esquecer  o rádio,  ainda muito ouvido,  principalmente durante o dia.  O trabalho que os “comunicadores” do rádio fazem,  acentuando e maximizando  as matérias dos jornalões e revistas  francamente oposicionistas,  não deve ser esquecido

  28. Belo texto. Só faço uma

    Belo texto. Só faço uma ressalva, que considero importante: a participação do sistema judiciário, a nos dar constantes exemplos partidarização nas decisões, a ponto de já estarem chamando o pleno do tse de “reunião de apoiadores do aécio”. Eles também são responsáveis pelo que vier a acontecer, desde que romperam as barreiras da decência, da busca pelo equlíbrio e se tornaram francamente “torcida organizada”, com decisões espúrias, tendenciosas, francamente ilegítimas, senão ilegais mesmo. Basta ver a decisão do tse de “proibir” Dilma de fazer ataques pessoais, sem explicitar o que seriam esses ataques (para eles, o caso do aeroporto de Cláudio é um ataque pessoal). E fazem isso com um cinismo desconcertante. Para “equilibrar” proíbem Aécio de fazer tais ataques, “esquecendo” que os jornalistas alugados estão aí mesmo para falar pelo candidato tucano. Isso é o mesmo que amarrar uma pessoa e outras 5 se revezarem para espancá-la. Diante dessa justiça caolha e manca e da mídia a isuflar ânimos, não deveríamos nos surpreender com espancamento de cadeirante, assassinato de militante, entre outros atos de bárbarie ocorridos antes e durante o período eleitoral.

  29. ?…”O PT sempre foi um partido não radical” ? ?…

    O mérito do texto é o de provocar (no bom sentido, pois há provocadores e provocadores, há os quem não entendem nenhum, nem outro… e perdem o sentido de palavras, frases e de “deitação”). Vamos a alguns comentários (além de o texto generalizar puerilmente e de o autor gentil e civilizadamente me responder mais abaixo). Se pegarmos a trajetória do PT não veremos nada de “não-radical” (no sentido vulgar, comum do termo). Ora, vemos como esquerdismos infantis, ora como autoritarismos, ora nascendo como vestais em tudo diferente dos demais e reles agrupamentos humanos. Isso, a longo prazo, deseduca, cria ilusões, e um belo dia (que espero não seja este) cairá do cavalo. Realimenta o próprio PT o anti-petismo (se não admitimos, nem enxergarmos isso, persistiremos em cegueiras de crentes fanatizantes em pregações que pretendem “conquistar” os menos “conscientizados”, os menos “politizados”). Ora, compreendeer o mínimo do mínimo do nosso povo (“O Homem Cordial” cuja leitura e interpretação contrária ao senso-comum já citei por aqui do blog do sociólogo da comunicação Roberto Martins): somos levados pela “cordis”, pelas emoções, muito mais do que a racionalidade tanto pra emoção aproximadora, quanto a emoção afastadora, violenta. O amor é cego, diz o ditado; o rancor é cego, também. Às vezes, os súditos são mais realistas do que o rei, por exemplo, textos do Nassif não apelam pra adjetivação do tipo “coxinhas”, “burros”, etc, ou troll por qualquer coisa. Aqui  abundam, injustamente (às vezes, mas é termo muito antipático e massageia o ego de quem o usa ao acusar, do pedestal, alguém). Quem visita ou quem já participou seja não cadastrado, seja caldastrado, fica horrorizado com a arrogância, a intimidação, os fáceis e ligeiros rótulos a quem sair de uma linha estreita – que nunca achei que seja a linha originalmente pensada pelo Blogueiro. A seção “Posts Reentes” , posso me enganar, mas numa vista d’olhos, é escrita até em letras pequenas, sem maior destaque – já sugeri mudanças, mas continua do mesmo jeito. Adivinhem por quê!… – Um reflexo dessa intolerâcia inibidora está nos elogios recíprocos em forma de comentários redundantes e de estrelinhas. Em Carta Capital, penúltima edição, numa entrevista atribuída a Lula, ao final ele disse que respeitava quem era contra greve. Aqui, corre-se o risco de um processo de Moscou, julgamentos em ritos sumários. Pra não me alangar, pois reconheço minha limitação de prolixidade, mas não resisto à tentação de ir contra a Irmandade: continuem assim, salvo exceções de praxe, e irão desacreditar ou ao menos afastar qualeur coisa que cheire a posição de esquerda, de mudança para a frente. Meu masoquismo ainda me mantém aqui externando alguma opinião.

  30. Perfeito, Marcio. Seu texto

    Perfeito, Marcio. Seu texto deve ser muito compartilhado por todos nós. Apenas acrescentaria que o gigante que a mídia acordou, ainda estaria em sono profundo, não fosse o apoio amplo, geral e irrestrito dos partidos de extrema “esquerda” (entre aspas até que consigam me convencer que entraram de inocentes nessa estória e cumplicidade do MP e chancela do Judiciário & adereços ( OAB, IAB, AMB, etc… )

    • Isso tudo acontecendo na cara

      Isso tudo acontecendo na cara do país inteiro e o TSE ainda encontra espaço para proibir o PT de denunciar perseguição política a jornalistas que se negam a seguir esse script criminoso. O que os grupos de comunicação estão fazendo é estimular um racha no país; o que não dá para entender é como, sobretudo, concessões públicas podem ser usadas para esse fim. Estão nos obrigando a financiar a ascensão do fascismo, é isso?

  31. Mas este é o jogo. Fomentar a

    Mas este é o jogo. Fomentar a divisão onde tem petróleo. Vide o Sudão, vide Líbia, vide Iraque e tantos outros. Divide para melhor se apropriar do petróleo dos países. Será o que acontecerá conosco se nós deixarmos levar por esses falsos líderes financiados por outras nações para fazer o papel sujo de quinta- coluna.

  32. comportamento da mídia

    Apesar de pacífico o povo brasileiro é muito apaixonado em momentos especiais, como eleições  e copa do mundo, só para citar dois exemplos.

    Esse antagonismo, no porcesso eleitoral, essa polarização entre dois candidatos, entre dois partidos,  não é coisa de agora e nunca foi menos acirrada do que está sendo hoje. 

    O que está acontecendo de didrerente agora, é que a imprensa, (a mais poderosa força, em um país que repudia a sensura), está exercendo esse poder, de forma aberta, sem disfarce, sem ética e de forma maciça e implacdavel em favor do candidato Aécio Neves.  Como aliás, já fez a alguns anos atrás em favor do Collor, só que de forma bem mais discreta.  

    Só um poder pode ser mais forte do que a imprensa em um pais sem sensura:  o “povo” de um país livre.  O Brasil, apesar de todos os problemas que nós temos, tem um povo livre, e vem ao longo dos anos,  através de um sofrido e doloroso aprendizado, aprendendo a votar.  E vai votar bem direitinho no dia 26.  

    E podem ter certeza, seja lá quem for o vencedor (a),  terá sido a escolha certa.    

  33. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome