Juventude que ousa lutar, constrói o projeto popular

 

Este é o lema do 19º Grito dos Excluídos que convoca jovens ao protagonismo social e está previsto para 07 de setembro de 2013. O tema foi definido pela coordenação do evento, na reunião acontecida no dia 21 de fevereiro, em São Paulo, meses antes da eclosão das manifestações da juventude, ocorridas em junho; a definição bastante oportuna pelo tema e a escolha muito feliz do lema não derivam, portanto, das últimas manifestações.

A coordenação acolheu as sugestões de vários grupos, comunidades, dioceses, movimentos e sindicatos; talvez motivados pela proximidade da Jornada Mundial da Juventude; talvez por pressentirem ou estarem atentos, na ocasião, para as inquietações latentes no interior da juventude.

 

O que é o Grito dos Excluídos?

“O Grito dos Excluídos é uma manifestação popular carregada de simbolismo, é um espaço de animação e profecia, sempre aberto e plural de pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos.

O Grito dos Excluídos, como indica a própria expressão, constitui-se numa mobilização com três sentidos:

    Denunciar o modelo político e econômico que, ao mesmo tempo, concentra riqueza e renda e condena milhões de pessoas à exclusão social;

    Tornar público, nas ruas e praças, o rosto desfigurado dos grupos excluídos, vítimas do desemprego, da miséria e da fome;

    Propor caminhos alternativos ao modelo econômico neoliberal, de forma a desenvolver uma política de inclusão social, com a participação ampla de todos os cidadãos.

O Grito se define como um conjunto de manifestações realizadas no Dia da Pátria, 7 de setembro, tentando chamar à atenção da sociedade para as condições de crescente exclusão social na sociedade brasileira. Não é um movimento nem uma campanha, mas um espaço de participação livre e popular, em que os próprios excluídos, junto com os movimentos e entidades que os defendem, trazem à luz o protesto oculto nos esconderijos da sociedade e, ao mesmo tempo, o anseio por mudanças.

Leia também:  Drauzio Varella: Coronavac é capaz de ajudar a frear a pandemia

As atividades são as mais variadas: atos públicos, romarias, celebrações especiais, seminários e cursos de reflexão, blocos na rua, caminhadas, teatro, música, dança, feiras de economia solidária, acampamentos – e se estendem por todo o território nacional”.

Leia a matéria e assista o vídeo a seguir:

 

sexta-feira, 1 de março de 2013

 

Juventude que ousa lutar, constrói o projeto popular

 
Márcia Castro*
 
Esta Campanha da Fraternidade nos chama a desenvolver práticas em favor dos jovens. Por este motivo o tema do Grito dos excluídos de 2013 tem a Juventude no centro dessa manifestação. Foi definido na última semana pela a coordenação do Grito com contribuições vindas de todo o Brasil. “Juventude que ousa lutar, constrói o projeto popular” é o lema do 19º Grito dos Excluídos que acontece em 07 de setembro. 
Você sabe o que é o Grito dos Excluídos? É uma manifestação popular, um espaço de animação e profecia, sempre aberto e plural de pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos. É realizado em um conjunto de manifestações realizadas no Dia da Pátria tentando chamar à atenção da sociedade para as condições de exclusão social na sociedade brasileira.
O Grito é parte do processo da 5ª Semana Social Brasileira que temos mencionado frequentemente neste programa. No ano passado trouxe o lema: Queremos um Estado a serviço da Nação, que garanta direitos a toda população!
Vale retomar que as Semanas Sociais Brasileiras (SSBs)  fermentam a vida da sociedade ao promover a conscientização sobre a conjuntura do momento em que vivemos; contribui para o desenvolvimento do senso crítico, a mobilização, a participação e a ação de conjunto. O Grito dos Excluídos é uma mobilização que é fruto da SSBs e ocorre anualmente em âmbito nacional. Brotou da necessidade de concretizar os debates da 2ª Semana Social Brasileira com o tema Brasil, alternativas e protagonistas. O Grito é promovido pela Pastoral Social da Igreja Católica e desde o início conta com numerosos parceiros ligados às demais Igrejas do Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), aos movimentos sociais, entidades e organizações.  O Grito nasceu também como uma forma de dar continuidade à reflexão da Campanha da Fraternidade de 1995, cujo lema – Eras tu, Senhor – abordava o tema Fraternidade e Excluídos. A data nos remete a reflexão de que o Dia da Pátria não pode ser uma independência politicamente formal. A verdadeira independência passa pela soberania da nação. Um país soberano implementa políticas públicas de forma autônoma e livre. Relações economicamente solidárias e justiça social são dois requisitos indispensáveis para uma verdadeira independência. A proposta é trazer o povo das arquibancadas para a rua. O Grito propõe um patriotismo ativo, disposto a expor os problemas do país e debater seriamente seu destino. É um momento oportuno para o exercício da verdadeira cidadania (http://www.gritodosexcluidos.org) e colocar a vida em primeiro lugar.
Nos últimos anos a temática dos direitos da juventude avançou no cenário político brasileiro, com a criação em 2005 do Conselho Nacional de Juventude (CONJUVE) e do Programa Nacional de Inclusão de Jovens (PROJOVEM). O Governo Federal passou a ser o responsável pela criação de programas e ações voltadas para a juventude. É necessário efetivar as políticas públicas formuladas nos espaços de participação, como as duas Conferências Nacionais de Juventude que aconteceram em 2008 e 2011. Tais Conferências recomendam políticas públicas relacionadas ao trabalho, à cultura, à educação, ao esporte, ao lazer, ao meio ambiente, à vida segura, à saúde e a várias outras demandas de fundamental importância para a concretização e possibilidade de vivência dos direitos.
 Cabe ao poder público estimular e garantir o protagonismo da juventude nos aspectos políticos, desde o levantamento das demandas, elaboração e efetivação das políticas públicas, até a fiscalização e avaliação. Cabe aos cidadãos, o desenvolvimento da consciência política e o exercício constante do olhar crítico sobre essas políticas públicas, a fim de que correspondam sempre às suas necessidades básicas.
Reúna-se com os jovens da sua comunidade e diga a eles que o lema do Grito dos Excluídos se refere a Juventude e que a coordenação nacional da 5ª Semana Social Brasileira (SSB) desenvolveu um   vídeo sobre a participação da juventude com o objetivo de mostrar como os jovens brasileiros podem se mobilizar. Esse vídeo está disponível no site www.semanasocialbrasileira.org.br. Se você, querido ouvinte, tem dificuldade de acessar a internet, os jovens irão com mais facilidade acessar. Após assistirem juntos, conversem sobre o assunto e descubram os caminhos da participação.
 
*Membro da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo.
Programa apresentado na Rádio 9 de julho em 01/03/2013.
 

 

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome