Mais promissor que cloroquina, remdesivir não tem produção no Brasil

O remdesivir era produzido exclusivamente pela empresa Gilead, que abriu mão da patente "para que ele pudesse ser distribuído em 127 países", excluindo o Brasil

Jornal GGN – Estudo divulgado recentemente em revista científica norte-americana aponta que o remdesivir demonstrou-se benéfico no tratamento de pacientes com coronavírus em estado grave.

O remdesivir conseguiu reduzir o tempo de internação em 4 dias, também reduziu a taxa de mortalidade de 11,6% para 8%, e não reportou efeitos colaterais prejudiciais.

O Reino Unido já anunciou que vai distribuir o medicamento na rede pública de saúde. Os Estados Unidos também investem em pesquisa e produção da droga.

Enquanto isso, Jair Bolsonaro insiste em ampliar o uso de cloroquina para os brasileiros com sintomas leves de covid-19, mesmo com pesquisas iniciais mostrando que não há eficácia no tratamento para coronavírus. Ao contrário disso, as arritmias cardíacas provocadas pelo medicamento podem ser fatais.

O remdesivir era produzido exclusivamente pela empresa Gilead, dos Estados Unidos, que abriu mão da patente “para que ele pudesse ser distribuído em 127 países por meio de cinco empresas sediadas na Índia e no Paquistão. O Brasil não consta na lista de países”, informou o site Nexo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Multimídia do dia

2 comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome