Moro sofre primeira derrota no pacote anticrime, com prisão em segunda instância

Pacote anticrime de Moro foi fatiado em 16 trechos. O próximo assunto a ser analisado na Câmara é o perdimento dos bens

Foto: Agência Câmara

Jornal GGN – O ministro da Justiça Sergio Moro sofreu a primeira derrota no grupo de trabalho que analisa o pacote anticrime. A prisão em segunda instância, que foi apresentada pelo ex-juiz como projeto de lei, foi derrubada por demandar, na verdade, de uma emenda constitucional. É o que informa o Congresso em Foco na noite de terça (9).

“O trecho que incluía no Código de Processo Penal a execução de penas de prisão a réus condenados em segunda instância foi rejeitado por uma margem apertada na votação”. Por sete votos a seis, os deputados entenderam que era inútil aprovar a mudança como projeto de lei, pois ela seria contestada na Justiça.

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

A coordenadora do grupo de trabalho, a deputada Margarete Coelho (PP-PI), ressaltou que não foi discutido o mérito sobre a necessidade da prisão após o julgamento em segunda instância, apenas o fato de essa ser uma matéria constitucional, explicou o CF.

O pacote de Moro foi fatiado em 16 trechos a pedido da oposição, que quer apreciar e votar cada item separadamente. O próximo assunto é o perdimento dos bens. “Se a pessoa for condenada, a Justiça tem a possibilidade de fazer o arresto de bens dessa pessoa”, explicou o Capitão Augusto, relator do projeto. Há expectativa de consenso nessa matéria.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Se a prisão Penal antes do trânsito em julgado fosse legal, ela não precisaria ser instituída. Se ela não vai ser instituída, então ela continua ilegal. Destarte, a prisão penal do Lula é ilegal.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome