“O material que o Moro nos contou é ótimo”, disse Dallagnol ao anunciar ação contra Lula sem elo com Petrobras

"Falei que vamos tocar por aqui. Mesmo que depois nos tirem, pois não é Petrobras", escreveu Dallagnol, admitindo que a Lava Jato não respeitava o princípio do procurador natural

Jornal GGN – Novas mensagens do lote hackeado de celulares da força-tarefa da Lava Jato mostram que o então juiz Sergio Moro promoveu um encontro sigiloso com Deltan Dallagnol e procuradores da Lava Jato para repassar informações que supostamente atingiriam Lula.

Dallagnol avisou a Moro, na oportunidade, que usaria o material para investigar o ex-presidente mesmo sabendo que o caso não teria qualquer conexão com a Petrobras e, portanto, não deveria ser processado em Curitiba.

“O material que o Moro nos contou é ótimo. Se for verdade, é a pá de cal no 9”, escreveu Dallagnol. “9” ou “LILS” eram as maneiras como alguns dos procuradores de Curitiba se referiam a Lula nos chats no Telegram.

“Falei [para o Moro] que vamos tocar por aqui. Mesmo que depois nos tirem, pois não é Petrobras”, acrescentou Dallagnol, admitindo que a Lava Jato não respeitava o princípio do procurador natural.

A ação interessada de Moro ficou registrada em mensagem que Dallagnol enviou aos colegas procuradores em julho de 2016 – meses antes da Lava Jato denunciar Lula no caso triplex.

No chat, outros procuradores questionaram se a competência não seria de outros estados e lembraram que a equipe da Zelotes, em Brasília, já havia reclamado desse tipo de usurpação.

“Se o avião usou combustível da Petrobras [o caso] é nosso!”, escreveu o procurador Roberson Pozzobom, ironizando a falta de competência para investigar, além da total desconexão das informações preliminares de Moro com a Lava Jato.

“Eu, Deltan, não concordoooo [com a turma de Brasília]”, rebateu o então coordenador da força-tarefa do MPF. A competência [de Curitiba] é límpida e claraaa“, respondeu em tom de sarcasmo.

O procurador Athayde Ribeiro endossou: “Isso, Robito. Combustível da BR Dist [BR Distribuidora] é nosso e já tem grupo prevento…”

As mensagens tiveram o sigilo levantado pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal, nesta segunda (1/2). Elas fazem parte de uma apelação de Lula na Suprema Corte e representam apenas 4% do que foi apreendido pela Polícia Federal na Operação Spoofing.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

1 comentário

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome