Pai do chanceler de Bolsonaro impediu extradição de nazista e foi censor da ditadura

O nazista Gustav Franz Wagner fugiu para o Brasil para escapar de ser responsabilizado por 250 mil mortes entre 1942 e 1943

Jornal GGN – Ernesto Araújo, chanceler de Jair Bolsonaro que já escreveu que o nazismo é “ideologia de esquerda”, é filho de Henrique Fonseca de Aráujo. Durante o governo Geisel, Fonseca ocupou o cargo de procurador-geral da República e impediu a extradição de Gustav Franz Wagner, um subcomandante nazista conhecido como “besta humana”. Wagner foi apontado como responsável por 250 mil mortes entre 1942 e 1943.

O nazista Wagner era, segundo reportagem especial da Folha, o subcomandante do campo de concentração de Sobibor, na Polônica. Documentos que compõem o Memorial do Holocausto afirmam que, no local, a prática de canibalismo era comum, porque os soldados nazistas alimentavam alguns presos com restos dos mortos. Além disso, o campo era marcado pelo “cheiro nauseante dos corpos de judeus incinerados”.

O escritos Chris Webb, autor de um liro sobre Sobibor, disse ao jornal que Wagner era um dos oficiais nazistas “mais temidos”.

“Após a Segunda Guerra (1939-1945), Wagner fugiu para evitar ser capturado. Porém, foi descoberto no Brasil em 1978 pelo célebre caçador de nazistas Simon Wiesenthal, que contou com a ajuda do jornalista Mario Chimanovitch.” O nazista acabou se entregando à polícia com medo de ser capturado.

O pai de Araújo analisou 4 pedidos de extradição: “da Polônia, onde estava o campo de Sobibor; da Áustria, país natal de Wagner; da Alemanha, berço do nazismo; e de Israel, Estado do povo judeu, as principais vítimas do Holocausto.”

Três pedidos foram negados sob a justificativa de que os estados não tinham competência para se envolver no assunto ou que os crimes já haviam prescrito. Quanto ao pedido da Alemanha, o então procurador-geral pediu mais documentos. Acabou que a demora transcorreu a mudança de governo e o pedido de extradição foi deferido sob outro procurador-geral, Firmino Ferreira da Paz, sob a gestão Figueiredo.

Em 1979, porém, o Supremo Tribunal Federal impediu a extradição alegando que os crimes do nazista haviam prescrito.

“Entre os votos contrários à extradição, estava o do ministro Carlos Thompson Flores, avô do atual presidente do Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4), Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz.”

Em vez de crime contra a humanidade ou genocídio, as mortes sob Wagner foram interpretadas como homicídio, com penas prescrevendo em 20 anos.

O pai de Araújo também censurou obras de Chico Buarque e outros artistas durante os anos de chumbo.

Com o fim do processo, Wagner voltou a ser caseiro num sítio em Atibaia, onde tinha mulher e enteados. Ele morreu em 1980, com uma facada no coração. O laudo médico não informa se por suicídio ou homicídio.

Leia a matéria completa aqui.

1 comentário

  1. Hoje o rebento do protetor de nazistas é Nazionista. Vai mudar a embaixada do Brasil de Tel-Aviv para Jerusalém, a fim de agradar aos Sionistas.
    Esses ratos não têm princípios. Eles são qualquer coisa, desde que se beneficiem cada vez mais.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome