Pandemia leva brasileiros a reinventar o luto por seus mortos

A pandemia limitou os rituais em que parentes e amigos se despedem daqueles derrotados pela doença. Muitos descobrem na internet e nas redes sociais uma forma de aliviar a dor dessa perda

Regras da pandemia impedem parentes de se despedir de seus mortos

da Deutsche Welle 

Pandemia leva brasileiros a reinventar o luto por seus mortos

por Jan D. Walter 

Muitos rituais milenários de luto e despedida dos mortos não podem ser realizados durante a pandemia de covid-19. Atualmente, milhões de sobreviventes em todo o mundo estão enfrentando tal situação. No Brasil, onde, segundo dados oficiais, mais de 1% da população já foi infectada, o Ministério da Saúde estabeleceu em março um novo protocolo de procedimentos funerários que, entre outras coisas, proíbe o velório tradicional.

“Normalmente, no Brasil há uma vigília por um dia com o caixão aberto”, explica a antropóloga Andréia Vicente, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. “No velório, é comum que os parentes e amigos se reúnam em volta do caixão e compartilhem o sofrimento pela perda: contam histórias, mas também conversam com o falecido, o tocam”, explica a especialista. Após 24 horas, um corpo deve ser enterrado no Brasil, a menos que haja razões forenses que se oponham a isso.

Existem ritos semelhantes em quase todos os países. Também na Alemanha, frequentemente os mortos são expostos com o caixão aberto. Reuniões maiores normalmente ocorrem numa cerimônia funeral separada – geralmente com o caixão fechado – imediatamente antes e depois do funeral. Mas o funeral costuma ocorrer duas semanas após a morte.

Lula em velório de sua mulher, Marisa: cerimônias fúnebres ajudam a vencer a dor da perda, dizem especialistas

A data em que esses elementos ocorrem é irrelevante, segundo a psicóloga e consultora em questões de luto Elaine Alves. O mais importante, ela ressalta, é que eles ocorram. “Ver o cadáver, perceber que o ente querido não reage – nem às palavras nem ao toque –, tudo isso ajuda a realmente perceber a morte. E isso facilita muito o processo de luto.”

Leia também:  De Mujica a Macri, ex-presidentes alertam sobre riscos à democracia na América Latina

No entanto, esses ritos são atualmente proibidos no Brasil – especialmente se os mortos foram infectados com o coronavírus. No hospital, eles são colocados no caixão dentro de um saco plástico. Os parentes só veem o caixão fechado. Quando muito.

Andréia Vicente afirma que as diretrizes da administração dos cemitérios determinam se parentes podem chegar perto do caixão antes do sepultamento. “Alguns sobreviventes relatam coveiros muito atenciosos. Outros nem tiveram tempo para uma oração antes que as primeiras pás da terra caíssem no caixão. Uma mulher considerou isso uma degradação de seu falecido marido”, afirma a especialista, que realiza muitas entrevistas sobre o assunto para seus estudos.

Em vista do número particularmente grande de corpos que são enterrados diariamente no Brasil, os municípios às vezes são forçados a tomar medidas amargas. Em Manaus, os caixões deveriam ser empilhados em sepulturas. Mas após protestos, essa ideia foi rapidamente descartada, e os mortos foram enterrados lado a lado, em valas comuns, mas com túmulos separados e identificados. Em São Paulo, os corpos também são enterrados à noite.

“Ninguém se acostuma com a morte”

A perda inesperada de um ente querido é mais comum para brasileiros do que europeus, mesmo sem pandemia. Cinquenta mil pessoas foram assassinadas a cada ano nos últimos 10 anos – ou seja, quase 240 homicídios por milhão de pessoas. Na União Europeia, eles são menos de 10. O número de mortes no trânsito no Brasil é quatro vezes maior que na UE em relação à população. E por causa do sistema de saúde muitas vezes precário, mais pessoas morrem de doenças curáveis.

Isso afeta em particular as camadas mais pobres da população, nas quais a covid-19 também reivindica um número desproporcional de fatalidades. No entanto, a psicóloga Elaine Alves não acredita que isso crie certa rotina para lidar com a morte. “A morte é algo a que ninguém se acostuma. Cada morte e cada sofrimento são individuais – especialmente em se tratando de parentes próximos ou amigos”, diz. A antropóloga Andréia Vicente concorda. “A morte de outra pessoa é tão difícil de suportar, entre outras coisas, porque também nos lembra de nossa própria mortalidade.”

Despedida dos mortos durante sepultamento em Manaus: covas comuns

Mas algo em que os brasileiros são craques é a adaptação a mudanças e adversidades. No caso das restrições aos funerais, eles se beneficiam de sua afinidade com as novas mídias: muitos usam Skype, WhatsApp e outros para fazer companhia a seus parentes isolados e doentes. E também para se despedir deles. “Esse luto realizado antes da morte facilita muito o trabalho posterior de luto”, avalia Elaine Alves.

Leia também:  Embraer é ecossistema de tecnologia e de defesa, analisa Renata Belzunces

No entanto, a psicóloga prevê casos crescentes de sofrimento agravado e traumático, que muitas vezes levam a doenças fisiológicas como diabetes, doenças cardíacas e outras enfermidades. “Doenças para as quais existe uma predisposição, então, surgem”, ressalta.

O perigo aumenta especialmente porque muitos dos afetados se encontram em isolamento social por causa da pandemia. Os contatos sociais são um importante pilar do luto. Nesse caso também, conforme a assessora de luto, a internet pode oferecer ajuda: em vez de recorrer à igreja, as pessoas podem celebrar as tradicionais missas sétimo dia e de um mês pelas redes digitais.

Uma celebração coletiva na internet também pode oferecer mais consolo, de acordo com Andréia Vicente. Ela sugere que os sobreviventes também contem histórias de seus mortos em páginas especialmente criadas na internet ou em grupos do Facebook. “A celebração dos mortos da covid-19, vítimas de um trauma coletivo, pode criar um senso de identificação com outros enlutados e ajudá-los a gerenciar melhor sua própria dor.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Fico a imaginar como é que se está resolvendo a “burocracia da morte”.
    Atestado de óbito para ser aceito exigia-se reconhecimento da assinatura do médico. Nalguns casos, era necessário levar o atestado ao cartório e pegar a certidão do óbito para, aí sim, poder ser enterrado o falecido.
    Em vários cemitérios de cidades brasileiras há a exigência de pagamento do IPTU do espaço destinado ao enterro de familiares. E há controle: se for levado o caixão ao cemitério mas o IPTU não tiver sido pago, o administrador que lá estiver na hora orienta um familiar de como fazer para quitar o IPTU, para só então o morto poder ser enterrado.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome