Para entender a disputa entre a Vale e o bilionário israelense

Em 2010, ele vendeu 51% das ações licenciadas para a Vale por US $ 2,5 bilhões, embora diga que investiu apenas US $ 160 milhões em prospecção por meio de sua empresa familiar BSG Resources (BSGR) até o momento. Em troca, a Vale acertou toda a logística da mina.

Do NZZ, suiço, reportagem de 22.03.2014

O traficante de diamantes israelense Beny Steinmetz discute com o brasileiro Roger Agnelli, ex-chefe da Vale. É sobre corrupção e um dos maiores depósitos de minério de ferro do mundo.

Alexander Busch, São Paulo 22/03/2014

Rüder Ton entre chefes de mineração

O traficante de diamantes israelense Beny Steinmetz discute com o brasileiro Roger Agnelli, ex-chefe da Vale. É sobre corrupção e um dos maiores depósitos de minério de ferro do mundo.

Alexander Busch, São Paulo22/03/2014

Beny Steinmetz é um dos principais compradores de diamantes em bruto da De Beers. (Imagem: Finbarr O’Reilly / REUTERS)

Os chefes da mineração são conhecidos por não lidar com os concorrentes com luvas de pelica. Mas a disputa entre o magnata israelense dos diamantes Beny Steinmetz e o brasileiro Roger Agnelli, ex-patrão da Vale, maior produtora de minério de ferro do mundo, ganhou uma nova dimensão: alguns só descobriram anos depois do casamento que a mulher ou o marido haviam trabalhado como prostituta anteriormente gay, Agnelli, de 54 anos, resmungou na séria revista brasileira “Piauí” sobre sua colaboração com Steinmetz, o israelense mais rico. O pedreiro de 57 anos respondeu por meio de um jornal diário brasileiro: Agnelli não era nada na indústria de mineração; O que mais o incomoda é que não foi capaz de obter algumas das concessões de mineração da Vale na África.

Direitos de mineração do ditador

O tom áspero dos ex-sócios mostra que muito está em jogo. O pedreiro bilionário, descendente de uma dinastia de diamantes em Israel, quer girar a roda-gigante do setor com uma jazida de minério de ferro na Guiné. A área de mineração de Simandou no interior montanhoso do país é um dos maiores depósitos de minério de ferro não utilizados do mundo. Para isso, Steinmetz recebeu direitos minerários em 2008 do então ditador Guiné Lansana Conté . Poucas semanas antes de sua morte, ele roubou metade de uma concessão para Simandou da mineradora Rio Tinto. A alegação era de que a empresa australiano-britânica possuía a concessão desde 1997, mas estava investindo muito pouco para desenvolver a mina. O novo sócio Steinmetz também não fez isso.

Beny Steinmetz: discute com o brasileiro Roger Agnelli sobre um projeto de mineração na Guiné. (Imagem: Imago)

Em 2010, ele vendeu 51% das ações licenciadas para a Vale por US $ 2,5 bilhões, embora diga que investiu apenas US $ 160 milhões em prospecção por meio de sua empresa familiar BSG Resources (BSGR) até o momento. Em troca, a Vale acertou toda a logística da mina. Isso é crucial para a operação econômica da mina. Simandou está localizada a 650 km da costa, onde não existe um porto de águas profundas, o que é realmente necessário. O custo da ferrovia e instalações portuárias é estimado em até US $ 20 bilhões. No Brasil, Agnelli disse que Steinmetz havia garantido que uma linha ferroviária mais curta poderia ser construída através da Libéria, o que não é permitido por lei na Guiné. A constituição estipula que qualquer transporte de recursos minerais só pode ocorrer no próprio país.

Roger Agnelli. (Bild: Silvia Izquierdo / AP)

Na época do acordo com a Steinmetz, Agnelli era um dos CEOs mais poderosos do setor como chefe da Vale. Durante meses, ele lutou com a Glencore em um jogo de pôquer de 90 bilhões de dólares para a mineradora Xstrata. O que é surpreendente é que ele também encontrou tempo para negociar a concessão na África Ocidental. Em retrospecto, foi tanto a oferta totalmente inflada pela Xstrata quanto o projeto na Guiné que o colocaram em descrédito com a presidente Dilma Rousseff, que assumiu o cargo em 2011; o estado tem voz na Vale por meio de fundos de pensão.

Uma das reivindicações do governo brasileiro à Vale é que o grupo crie o máximo de empregos e alto valor agregado possível no Brasil, ao invés de se tornar a maior mineradora do mundo com aquisições de bilhões. No final de 2011, Agnelli teve que sair depois que vários diretores deixaram o grupo em protesto contra sua estratégia de compra arriscada e de grandes dimensões antes de partir.

Agnelli agora é autônomo com sua empresa AGN Participações, juntamente com Andre Esteves, o ex-banqueiro do UBS e atual proprietário do BTGInvestmentbank. Em 2012, a principal revista de negócios do Brasil Exame relatou que Agnelli e Esteves tentaram comprar a licença da Vale para Simandou por um preço muito mais baixo. No entanto, Agnelli nega isso.

O conglomerado Steinmetz enfrenta atualmente acusações de corrupção nos EUA. Nesse ínterim, de acordo com depoimentos e provas em processos nos Estados Unidos, parece provável que a empresa familiar BSGR perca sua licença na Guiné porque os representantes por ela contratados teriam pago subornos para obter a licença do então presidente. Em um comunicado, a BSGR disse que iniciaria uma arbitragem internacional contra a retirada da licença.

Agnelli se sente roubado por Steinmetz. A Vale agora também está ameaçada de retirada de sua licença. Então o grupo teria que dar baixa dos já pagos US $ 500 milhões – provavelmente até US $ 1 bilhão – por causa dos investimentos já feitos na África Ocidental. Para Agnelli, isso pode ter consequências caras: a Vale ou os acionistas podem exigir uma indenização dele se descobrir que ele foi negligente na negociação dos contratos. Por exemplo, a BSGR não deveria ter assumido nenhuma obrigação no contrato de joint venture no caso de o projeto não se concretizar.

Um enredo de Soros?

A revista brasileira “Piauí”, por outro lado, afirma que a Vale está especulando em ser a única detentora de licença para Simandou no final, caso a BSGR perca sua licença por causa das alegações de corrupção corroboradas. Isso se coaduna com o fato de o atual patrão da Vale Murilo Ferreira já ter afirmado várias vezes que o governo da Guiné está interessado em mais cooperação com a Vale. É possível que no final do dia a Vale comece a explorar Simandous sozinha ou com um parceiro. No entanto, a Rio Tinto ainda está interessada em desenvolver a mina com a Aluminum Corporation of China.

Steinmetz agora está lutando por sua reputação. Em uma de suas raras entrevistas em um jornal israelense, ele afirmou recentemente que sua empresa, da qual ele atua apenas como um “consultor”, basicamente não estava pagando propina. Steinmetz, cuja empresa é a maior compradora de diamantes brutos da De Beers e um dos fornecedores de diamantes mais importantes da Tiffany’s, é particularmente bem-sucedida em países ricos em recursos, mas particularmente corruptos, como Angola e Serra Leoa. Steinmetz suspeita que as acusações foram causadas por uma conspiração contra ele, que, entre outras coisas, foi instigada por George Soros.

Ele aconselha o Presidente da Guiné democraticamente eleito e disse ter instado que todas as concessões de mineração feitas sob o predecessor autoritário fossem verificadas quanto à legitimidade. Para Steinmetz, que se desloca entre suas residências em Genebra e Tel Aviv, bem como a sede da empresa em Londres e seu iate em Cap d’Antibes, sua reputação impecável no setor é de grande importância: no comércio de diamantes, um aperto de mão vale mais do que uma assinatura. É por isso que a sua assinatura não consta de nenhum dos contratos que constituem o centro do processo?

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora