Pazuello diz que Brasil terá quatro ondas na pandemia e só três opções de vacina

Em audiência no Congresso, ministro da Saúde falou mal de laboratórios que desenvolvem o imunizante contra Covid e insistiu que vacinação não será obrigatória

Jornal GGN – O ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, disse nesta quarta (2) que desde o início da pandemia do novo coronavírus, o governo brasileiro tinha ciência de que o País atravessará quatro ondas da crise sanitária e que, atualmente, só pode contar com cerca de três vacinas em desenvolvimento. Ele não citou o nome das fabricantes. Além disso, insistiu que a estratégia do Ministério será a de desobrigar a vacinação.

Segundo Pazuello, o problema na compra de vacinas estaria no fato de que nem todos os laboratórios consegue produzir a quantidade que o Ministério considera satisfatória para as necessidades do Brasil, no cronograma esperado e por um preço agradável. Ele não citou o nome das empresas que preenchem esses requisitos. Até agora, o País manifestou intenção de comprar 142 milhões de doses de vacina contra Covid, sendo cerca de 100 milhões da Astrazeneca (Oxford) e o restante pelo consórcio Covax Facility.

Ontem, a Pasta anunciou um plano provisório de vacinação, que deve começar em março de 2021. Enquanto isso, países da Europa devem começar a campanha de imunização em massa ainda em dezembro de 2020.

Pazuello ainda tratou as quatro ondas da pandemia como algo conhecido e inevitável. Ele disse que a primeira, que provocou grande volume de mortes, diz respeito à própria doença em si. A segunda seria inflada pelo represamento de casos que deixaram de ser tratados em virtude da pandemia. “As terceira e quarta ondas precisam ser compreendidas como resultado já da crise econômica que vem daí, com a crise doméstica, com o feminicídio, estupros domésticos, saúde mental, chegando ao suicídio e à automutilação. Isso está acontecendo no nosso país. São as quatro ondas da pandemia, nós estamos combatendo quatro ondas”, declarou ao Congresso.

Para o ministro, não será necessário obrigar a vacinação porque o imunizante a ser aprovado terá de ter “excelência” comprovada e quando a população verificar sua eficácia e inexistência de efeitos colaterais graves, a demanda se fará presente.

Leia também:

Ministério da Saúde prevê começar vacinação contra Covid em março de 2021

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

4 comentários

  1. 3ª e 4ª onda da pandemia, tendinada.
    Uma pessoa que entrou em pânico em função da pandemia e se matou, embora sem ter sido contagiado, morreu de coronavirus, é isso?
    Foi o que entendi.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome