Polícia Civil do Rio mata capitão Adriano, testemunha chave da morte de Marielle

O ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega foi morto na manhã deste domingo durante uma troca de tiros com a Polícia Civil do Rio.

De O Globo

Ex-capitão do Bope Adriano é morto em troca de tiros com a Polícia Civil na Bahia

Apontado como chefe de um grupo de matadores de aluguel, estava escondido numa área rural e reagiu à prisão

Vera Araújo

09/02/2020 – 10:13 / Atualizado em 09/02/2020 – 10:41

De O Globo
‘Capitão Adriano’ era um dos criminosos mais procurados pela polícia do Rio; ele estava foragido desde o início do ano passado Foto: Reprodução

RIO — O ex-capitão do BopeAdriano Magalhães da Nóbrega foi morto na manhã deste domingo durante uma troca de tiros com a Polícia Civil do Rio. Apontado como autor de diversos homicídios, o ex-militar era um dos criminosos mais procurados do Rio de Janeiro, inclusive com alerta vermelho da Interpol. O ex-policial militar foi localizado numa área rural do estado da Bahia, no município de Esplanada. A ação teve apoio da Secretaria de Estado de Segurança da Bahia. No início deste mês, a Policia Civil fez uma operaçao na Costa do Sauípe para prendê-lo, mas não o encontrou.

Há cerca de um ano, capitão Adriano vinha sendo investigado e monitorado pela inteligência da Secretaria de Polícia Civil, que conseguiu chegar ao paradeiro dele na Bahia. Com apoio operacional do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar da Bahia, foi realizada uma ação com o uso de helicóptero. Segundo a polícia, Adriano reagiu e efetuou vários disparos contra os agentes. Ele foi ferido e não resistiu. Adriano era acusado de ser o chefe de um grupo criminoso formado por matadores de aluguel, que ficou conhecido como Escritório do Crime. Ele era réu na Operação Intocáveis do Ministério Público do Rio (MP-RJ), que apura a milícia de Rio das Pedras.

Deflagrada em 22 de janeiro do ano passado, com base em investigações do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP-RJ, a “Intocáveis” revelou que o ex-capitão comandava um esquema de agiotagem, grilagem de terras e construções ilegais, com o pagamento de propina a agentes públicos, a fim de manter seus negócios ilícitos, “sempre de forma violenta e por meio de ameaças”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

Loading comments...